30 de Março – São João Clímaco

0
São João Clímaco

Abade

(+ 605)

 S. JOÃO CLÍMACO nasceu, em 525, na Palestina. Tendo recebido ótima educação, dedicou-se ao es­tudo das ciências com tão bom re­sultado, que mestres e companhei­ros o honraram com o cognome de escolástico, título de grande distin­ção que era dado só a homens de extraordinário saber.

Com a idade de 16 anos apenas, se retirou para a solidão, perto do monte Sinai. Desde os dias dos Santos Antão e Hilário, o número de eremitas era considerável. João, receando não poder entregar-se à vida religiosa no meio de muitos monges, esco­lheu um lugar solitário, onde viveu sob a direção do venerável ancião Martírio.

Observando rigorosamen­te o silêncio, evitou os escolhos da vã loquacidade. A obediência ga­rantiu-lhe grande tesouro de me­recimentos, e tão consideráveis fo­ram os progressos que fez nesta virtude, que parecia não ter vontade própria. Pela sujeição da vonta­de à do mestre, evitou os perigos que ameaçam àqueles que preferem seguir as inspirações do amor pró­prio.

Quatro anos passou João no no­viciado, antes de fazer os santos vo­tos e, quando afinal foi marcada a data em que se ofereceria a Deus, preparou-se pela oração e pelo je­jum, para tão solene ato.

Martírio morreu em 560, e João retirou-se para o deserto de Tola, que se es­tende aos pés do monte Sinai. A cela em que residia, distava da igre­ja dos monges três léguas. Todos os sábados e domingos ia ao convento, para assistir à santa Missa e receber a santa Comunhão com os religiosos.

Por mais que quisesse esconder-se do mundo e fugir do contato com os homens, não lhe foi possí­vel atingir este ideal; assim aconte­ceu que teve de atender o pedido de um jovem, chamado Moisés, pa­ra que o aceitasse como noviço.

S. João possuía o dom de conhe­cer e curar doenças da alma. Um monge de nome Isaac via-se ator­mentado por tentações contra a pureza e a luta contra a crise le­vou-o quase ao desespero. Neste es­tado lastimável, refugiou-se na solidão de João, pedindo ao santo ere­mita socorro e consolo. “Meu filho, disse-lhe Clímaco, o remédio está no coração, vamos rezar”. Prostra­ram-se no chão e desde aquele mo­mento, ficou o monge livre da ten­tação.

A fama de santidade e o alto grau de perfeição que Clímaco possuía, não impediram que lhe surgissem inimigos, nas fileiras dos próprios monges. A humildade e paciência do Santo, porém, desarmaram as acu­sações caluniosas dos desafetos.

Em 600 foi João eleito Hegumen (abade) de todos os monges do monte Sinai e da redondeza. Dos 70 anos de idade, que contava, 50 anos tinha passado no deserto. Sua administração coincidiu com uma terrível seca e grande fome. Vendo a miséria que reinava, João entre­gou-se à oração, e Deus recompen­sou-o mandando chuva abundan­te e fertilizadora. Ao mesmo tempo recebeu Clímaco uma carta de S. Gregório Magno, em que o grande Papa se recomendava às orações do santo abade e com a carta, man­dou-lhe uma avultada quantia, des­tinada ao hospital que existia perto de Sinai.

A pedido do abade João de Raito, João compôs pequena regra para a vida religiosa.

A pedido do abade João de Rai­to, superior de um convento situa­do perto do Mar Vermelho, João compôs pequena regra para a vida religiosa. Este livro contém os princípios da perfeição evangélica e é intitulado Climax, que quer dizer escala. Daí o cognome, que a hagio­grafia deu ao autor da obra: João Clímaco.

Uma outra obra que João escreveu, é um resumo de instru­ções para o Superior. Dos superio­res exige, em primeiro lugar a pu­reza de corpo e alma, depois traba­lho incessante na santificação da própria alma, firmeza e coragem, unidas a grande caridade e indulgência para com as fraquezas hu­manas.

Depois de ter dirigido o con­vento de Sinai quatro anos, João Clímaco pediu demissão do cargo, para poder preparar-se tranquila­mente para a morte. Deixando em seu lugar o abade Gregório, voltou para o deserto de Tola, onde mor­reu aos 30 de março de 605. João Clímaco faleceu com 80 anos. Pou­cos dias depois o seguiu Gregório, conforme o pedido que tinha feito a Deus.

Retirado e adaptado do livro: Lehmann, Pe. João Batista , S.V.D., Na Luz Perpétua, Lar Católico, Juiz de Fora, 1956.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.