O mais recente milagre (69º) reconhecido em Lourdes

0
Danila Castelli 01
Daniela Castelli em sua casa

A beneficiada pelo 69º milagre de Lourdes canonicamente reconhecido é a italiana Daniela Castelli.

Ela nasceu em 16 janeiro de 1946 na cidade de Bereguardo, Itália, é casada, mãe de família e mora em Pavia, Itália.

Até os 34 anos de idade levou uma vida normal, quando começou a padecer de crises de hipertensão (pressão alta) espontâneas graves.

Em 1982, exames radiológicos e ecografias revelaram a existência de um tumor para-uterino e um útero fibromatóide.

Danila foi objeto então de uma histerectomia (ablação do útero) e de uma anexectomia (excisão de anexos uterinos).

Sua situação foi piorando e em novembro de 1982 ela foi objeto de uma ablação parcial do pâncreas.

Danila Castelli 04
“Estava desenganada pelos médicos, mas em Lourdes fiquei curada”

No ano seguinte, uma cintilografia (exame que permite a visualização de órgão) confirmou a presencia de “feocromocitomas” (doença tumoral que produz catecolaminas, ou tumores raros que se desenvolvem na região medular das glândulas suprarrenais) na região do rectum, da vesícula e da vagina.

Até 1988, passou por diversas intervenções cirúrgicas com o objetivo de eliminar os focos que provocavam as crises de tensão arterial. Porém, o efeito foi nulo.

Desde 1983, Danila começou a peregrinar todo ano a Lourdes.

A peregrinação de 1989 parecia ser a última. Ela passava muito mal. “Estava desenganada”, conta ela.

Mas, foi nessa romaria em que tudo parecia perdido, quando ela tinha 43 anos e após 9 anos de sofrimentos continuados, que Nossa Senhora lhe concedeu o milagre.

No dia 4 de maio, Danila tomou banho nas piscinas do santuário obedecendo ao pedido de Nossa Senhora transmitido por Santa Bernadette: “a Senhora me disse que eu deveria beber da fonte e lavar-me nela”.

Naquele momento sentiu um bem-estar extraordinário.

D. Giovanni Giudici, bispo de Pavia, decretou o milagre
D. Giovanni Giudici, bispo de Pavia, decretou o milagre

A seguir, ela se apresentou ao Escritório de Constatações Médicas de Lourdes (Bureau des Constatations Médicales de Lourdes) e declarou o que lhe tinha acontecido.

Como é de praxe, foi analisada, teve que fornecer os resultados dos exames antes e após a cura extraordinária e responder a todas as perguntas médicas.

O Bureau realizou cinco reuniões (em 1989, 1992, 1994, 1997 e 2010 respectivamente) e acabou constatando a cura inexplicável pela ciência.

Os médicos tiveram ainda que votar o caso e com um voto formal e unânime declararam:

“A Sra. Castelli esta curada de maneira completa e durável, desde sua peregrinação a Lourdes em 1989, do síndrome que ela sofria, e isto sem relação com as intervenções e tratamentos médicos”.

Desde a data do milagre, Danila Castelli retomou uma vida totalmente normal.

O caso de Danila foi então para o Comité Médico Internacional de Lourdes – CMIL (Comité Médical International de Lourdes).

O CMIL é uma espécie de segunda instancia médica que revisa e critica a decisão dos médicos do Escritório de Constatações Médicas de Lourdes, que é uma espécie de primeira instância. Os médicos do CMIL não tem relação com o Escritório de Lourdes e é composto de outras autoridades, que muitas vezes moram no exterior.

Por fim, o CMIL, reunido em Paris, em 19 de novembro 2011, confirmou e certificou:

“que o modo da cura continua sendo inexplicável no atual estágio dos conhecimentos científicos”.

A ciência havia dado sua última palavra. Depois disso, era o momento da Igreja falar, pois o milagre é um fato religioso e só a autoridade diocesana do beneficiado é capaz de se pronunciar a este respeito.

No caso concreto, a responsabilidade recaia no bispo de Pavia, que ainda entregou o caso à análise de uma comissão teológica-médica. O resultado foi a aprovação plena.

Danila Castelli hoje e voluntaria para ajudar os doentes em Lourdes
Hoje Danila também é voluntária em Lourdes para ajudar os doentes

Diante das evidências e sem temer as críticas dos céticos e da cristianofobia, no dia 20 junho de 2013, Dom Giovanni Giudici, bispo da diocese de Pavia (Itália) onde mora Danila Castelli, declarou o caráter “prodigioso e milagroso” e a categoria de “sinal” de dita cura.

Este é a 69ª cura de Lourdes reconhecida milagrosa por um bispo, de forma canônica, quer dizer de acordo com a lei da Igreja, não havendo mais razão para se duvidar dela.

Hoje Danila também é voluntária em Lourdes para ajudar os doentes.

Quem sabe o leitor romeiro em Lourdes passou ao lado dela e não chegou a perceber, de tal maneira o sobrenatural impregna o ambiente do santuário.

 

 

Video: o médico fala como foi o milagre

Video: Daniela conta todo sobre o milagre

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.