Ante a perda da terceira parte do rebanho católico

34

Os católicos que realmente levam a sério a prática da Religião, receberam com imensa consternação a notícia da diminuição gigantesca de irmãos na Fé.  O último censo apontou uma redução, em 50 anos, de praticamente um terço dos católicos no Brasil! Talvez já não sejamos mais o maior país católico do mundo.

Tal consternação se justifica principalmente pelo fato de que a Santa Igreja Católica Apostólica Romana ensina que fora d’Ela não há salvação. Esta verdade está inteiramente clara no Símbolo dos Apóstolos ou Credo: Credo in Unam Sanctam Catholicam et Apostolicam Ecclesiam. Creio na Igreja Una Santa Católica e Apostólica.

Ensina o Catecismo da Igreja Católica: “Fora da Igreja não há salvação: Como deve entender-se esta afirmação, tantas vezes repetida pelos Padres da Igreja? Formulada de modo positivo, significa que toda a salvação vem de Cristo-Cabeça pela Igreja que é o seu Corpo” (Parágrafo 846).

Portanto, a coerência de tal ensinamento nos leva à triste convicção de que as almas que rompem com a Igreja Católica, caso não se arrependam, correm sério risco de condenação eterna. Não nos esqueçamos, aliás, que Nossa Senhora quis confirmar a existência do inferno e a condenação das almas mostrando-o aos pastorinhos em Fátima, a 13 de julho de 1917.

Há, entretanto, outro fator preponderante para a consternação dos nossos; é o fato de os católicos estarem abandonando a Igreja por causa de uma força centrífuga autodemolidora, instalada no próprio seio d’Ela, conforme já apontou o Papa Paulo VI em dezembro de 1968.

Nossa Santa Religião está encharcada de elementos que a desfiguram inescrupulosamente vinte e quatro horas por dia, propulsionando assim, direta ou indiretamente, para a apostasia, as almas que buscam a autêntica espiritualidade da Igreja Católica.

Frustradas dentro da Igreja, decepcionadas com uma quantidade não pequena de pastores mal orientados, sentindo-se repelidas por suas apetências coerentes com a Fé, acabam se excluindo, cheias de perplexidades, em razão de sua consciência duramente violentada. Não as justificamos, estamos apenas descrevendo o fenômeno. Caberia permanecer na Igreja em estado de resistência contra os maus católicos. Mas é inegável que essas almas têm essas atenuantes.

Basta viajar pelo interior do Brasil para deparar com uma quantidade incontável de escândalos morais, litúrgicos e doutrinários que transudam numa incontável quantidade de paróquias. Fiéis perplexos, desorientados, vazios, se dispersam, como ovelhas desgarradas pelos campos, à mercê dos lobos espertos que logo as acediam com suas charlatanices, heresias e marketing pseudoreligioso.

Pobres almas remidas por Nosso Senhor Jesus Cristo. Quem tem pena delas?

Quantas autoridades religiosas só tratam de assuntos materiais e temporais, dir-se-ia que perderam a Fé. Dão palpites a propósito de tudo o que não lhes diz respeito, apoiando reivindicações sociais sempre voltadas para a esquerda, muitas vezes contrárias à doutrina e à moral da Santa Igreja; enquanto as almas se  desviam aos borbotões. “Pelos seus frutos vós os conhecereis” diz São Mateus, e os frutos aí estão. Uma diminuição enorme de católicos.

Apesar dos números reveladores e das evidências, a obstinação em caminhar pelas vias do “progressismo”, da teologia da libertação, de práticas inspiradas no protestantismo pentecostal etc., é determinada.

Será por um consciente espírito autodemolidor?

Para dar um exemplo que endossa essas considerações, a má vontade e incompreensão que sofrem vários sacerdotes desejosos de, apoiados no Motu Própriode Bento XVI, celebrarem a Missa Tridentina.

Há sacerdotes relegados , por causa disso, a celebrar fora das cidades, em sítios distantes, em condições  materiais precárias, em sensível pobreza. Outros vivem numa perpétua insegurança sobre o que lhes pode acontecer, pelo fato de serem conservadores, desejarem celebrar o ritual tradicional e usarem batina.

Não faltam bispos que colocam toda sorte de dificuldades para permitir a celebração da Missa tradicional, que, não obstante, ganha cada vez mais adeptos.

Não será que essa tendência conservadora pode começar a recuperar o terreno perdido? Por que não favorece-la mais?

Além disso, respeitáveis senhoras são ridicularizadas publicamente até por sacerdotes durante as missas, por se apresentarem de véu para comungar. Ao mesmo tempo, moças indecorosamente vestidas recebem livremente a comunhão.

A outros se lhes nega a absolvição pelo fato de se confessarem conforme aprenderam no catecismo e não – para usar uma expressão utilizada por alguns confessores – segundo a “moda atual” de confissão na Igreja, que mais parece “um papo” do que uma acusação dos pecados.

Chegamos ao ponto de sacerdotes afirmarem publicamente: “Aqui o Papa não manda nada” etc… Conheço testemunhas de todos esses fatos.

Enquanto isso, as almas vão se esfriando, apagando, se retirando, abandonando nossa Santa Igreja. Contudo, para muitos clérigos, este fato parece não causar dor nenhuma. Continuam sua marcha demolidora da Igreja e mortal para as almas.

Serão eles realmente pastores? Aqueles que, segundo Nosso Senhor, dão a vida pelas suas ovelhas? Ou serão lobos com pele de ovelha, o sal que não salga? A pergunta fica colocada.

Imagino quanto esta situação faz sofrer os autênticos pastores de Nosso Senhor!

Em qualquer caso, independente de quantos o traiam, certíssimo é que Nosso Senhor é a cabeça da Igreja, e que Esta constitui Seu Corpo Místico. A parte humana da Igreja é sujeita a erros, mas o seu caráter divino e infalível é inatingível pela conspurcação dos seus inimigos, especialmente dos que, a partir de dentro A traem – de acordo com a constatação de Paulo VI lembrada acima.

Conforme prometeu Nosso Senhor, “as portas do Inferno não prevalecerão contra Ela”; portanto, a Santa Igreja Católica Apostólica Romana, a única Igreja verdadeira do único Deus verdadeiro, vencerá a todos que lutam contra Ela. Sejam eles quem e quantos forem.

Fonte: Instituto Plinio Corrêa de Oliveira

34 COMENTÁRIOS

  1. Ridículo, esse texto sobre a diminuição dos católicos é SIMPLESMENTE RIDÍCULO!!

    Caramba!!!

    Existe salvação fora da igreja sim, porém, não fora de Cristo…

    Botem a cabeça para pensar, o que importa não é a religião, se você é católico, ou crente.

    Mas sim a quantidade de amor que traz no coração, e amor é sinônimo de TOLERÂNCIA. Afirmar que se estiver fora da igreja católica, perdeu a salvação, é algo mais do que RIDÍCULO… É algo maldoso, é faltar com A CARIDADE PELO PRÓXIMO. Por isso que os ateus estão crescendo. Por atitudes assim…

    Olhem a população da Terra, se você que escreveu esse texto houvesse nascido numa família de fanáticos do islã, jamais seria católico, seria programado para ser do islã, talvez um terrorista, assim como foi programado para ser um católico fanático!! Isso é pura lógica… Meus irmãos… Acordem. Vocês estão destruindo a própria religião que professam.

    Em vez de se acharem com o poder para condenar os outros… Procurem PRATICAR mais as verdades e virtudes que o Cristo mandou fazer… Pois quando condenam vossos irmãos de forma tão mesquinha, cruel e visão restrita estais violando o princípio básico do Cristo: ” Amai a vossos semelhantes”

    Esse mundo esta precisando é DE VERDADEIROS CRISTÃOS e não de fanáticos restritos a um só segmento… Seja católico, protestante, etc… Esse mundo e essa humanidade, precisam de pessoas capazes de amarem universalmente.

  2. CATÓLICO QUER VIRAR PROTESTANTE

    Como escolher uma denominação protestante ? Qual das 50.000 denominações protestantes ?

    Os que guardam o sábado acusam de hereges aqueles que observam o domingo. E vice-versa.

    Os que não batizam acusam de hereges aqueles que batizam e vice-versa.

    Os que aceitam divórcios e uniões homoafetivas são massacrados por aqueles que são contrários.

    Pensemos, por exemplo, em uma denominação que abraça a teologia da prosperidade. Mas então outros protestantes nos dizem que estas denominações são heréticas. Dizem outros vários protestantes que tais organizações são consideradas como seitas. Dizem ainda que a Bíblia condena tal prática e que estes pregadores arderão no fogo do inferno.

    Então deixemos as seitas e nos concentremos nas denominações mais tradicionais que condenam a mesma teologia da prosperidade.

    Mas então vem uma outra situação. Ao ligar a TV, não é difícil encontrar um pastor dizendo que aqueles que não pregam tal teologia são trouxas.

    Outros ensinam ainda que como filhos do Rei, o crente deve ter tudo do bom e do melhor e portanto aqueles que pregam um evangelho de sacrifício não estão sintonizados com a palavra de DEUS.

    Se partirmos para a denominação dita “Universal” é praticamente certo uma avalanche de críticas vinda dos outros grupos protestantes.

    Vamos imaginar então um católico desligando a TV e procurando conselho no rádio de pilhas onde existem um grande número de programas protestantes.

    No rádio é possível encontrar pastores pregando uma tal de confissão positiva. Dizia um pastor que o crente que fica doente é porque não tem fé ou está possuído pelo demônio.

    Segundo este pregador, o protestante tem que determinar em nome de Jesus e seja lá qual for a doença esta mesma tem que bater em retirada. Triunfalista demais !

    Não é difícil encontrar um bom número de protestantes que condena esta abordagem.

    Mudando o rádio de estação é possível escutar um outro pregador dizendo que o protestante tem que tomar posição diante de DEUS e assumir sua condição de rei e sacerdote.

    Mas não foi exatamente isto que Judas Iscariotes fez ? Não foi Judas que tomou posição diante do DEUS vivo ?

    Confuso com tantas informações o católico vacilante querendo ser protestante resolve sair de casa. Passando pela rua nota um templo protestante próximo de onde reside. Percebe que o culto irá começar. Todos cantam e parecem bem felizes.

    Quando começa a pregação o pastor afirma que o problema do povo evangélico é que ele não toma posse de sua benção.Como assim ? Dizia este mesmo pregador que se o crente não exige de DEUS a sua vitória e posição no reino, este mesmo DEUS não pode agir do modo que se espera.

    O católico frágil em sua fé ficará ainda mais confuso. Este católico nunca tinha ouvido que DEUS “não pode” isto ou aquilo. Pensava que DEUS podia todas as coisas. E pode mesmo.

    Mas este mesmo católico pensa: “…deve estar na Bíblia. O pregador deve saber o que está falando.”

    Contudo, a dúvida ainda persiste. Cada pregador que este católico escuta condenava as teorias dos demais pregadores.

    Sabe o que o que o católico indeciso resolve fazer ?

    Radicalizar. Decide ser um cristão primitivo. Será Luterano. “Afinal de contas, se pergunta, não foi Lutero que começou tudo ?”

    Não dizem os protestantes que ele foi um homem de coragem e indispensável ? Imagina o católico que não deve existir protestantismo mais “puro” e autêntico do que o luteranismo.

    Mas aí um grande número de crentes lhe diz que os luteranos atuais traíram Lutero incorporando muitos dos ritos e costumes católicos.

    E agora ? O que este católico deve fazer ?

    Já lhe disseram que as teologias da prosperidade e confissão positiva são demoníacas. Os tradicionais foram rotulados de bobos. Os conservadores foram acusados de dogmáticos e os modernistas são chamados pelos outros grupos de hereges. As denominações carismáticas são chamados de seitas…

    Talvez ele possa ser Calvinista! Mas então um grupo lhe ensina que Calvino era um herege por acreditar na predestinação dos eleitos. Alguns protestantes chegam a dizer que o tal do Calvino teria traído o grande escolhido por DEUS que era Lutero…

    Faço uma pausa para uma reflexão. Nunca entendi. Se DEUS levantou Lutero, por que todos se dividem e continuam reformando a reforma que DEUS já “teria feito” ?

    Ou Lutero está certo ou Lutero está errado. Se DEUS o levantou para corrigir os “erros” do catolicismo, quem é tolo suficiente para afrontar a DEUS e separar-se do “ungido” do Senhor ?

    E se não foi Lutero levantado por DEUS, e não foi mesmo, o que faz o protestante fora da Igreja Católica ??

    O que você está dizendo Sr.Católico quase protestante ???

    Já existiam outros grupos antes de Lutero que pregavam Sola Scriptura ? Quais ? E não foram estes mesmos grupos condenados e chamados de hereges pela Igreja Católica de Lutero e pelo próprio heresiarca ?

    Por vezes me esqueço que estou falando do protestantismo, onde nada é exatamente o que deveria ser e nada precisa fazer sentido.

    Então Sr.Católico protestantizado, você ouviu dizer que a Igreja Católica é uma seita ou foi fundada por Constantino ??? Então me diga como um protestante abraça as teorias de Lutero que era membro de uma seita ou talvez ex sacerdote da Igreja de Constantino ? Está vendo Sr.Católico o que é o protestantismo ? Nada faz sentido. Vale apenas o que o protestante quer.

    Pensa então o católico em ser pentecostal e quando manifesta o seu desejo, os protestantes históricos lhe dizem que estes grupos carismáticos nada tem de protestantes e que estes mesmos copiaram doutrinas oriundas da América do Norte e todos seriam traidores dos princípios defendidos pelos grandes reformadores, especialmente Lutero e Calvino.

    Nesta hora, Lutero e Calvino voltam a ser amigos e todos os protestantes os tem por Inspiração. E assim, Constantino desaparece tão rápido como apareceu. Mas deixa pra lá ! Não vamos insistir em entender aquilo que é inexplicável por si só.

    Então acrescentam os Metodistas e Episcopais que os tais pentecostais praticam heresias de toda ordem.

    E os Mórmons, Testemunhas de Jeová e Adventistas ? O que dizer deles ? Todos os demais grupos lhes condenam e por sua vez estes três grupos se condenam entre si e os três condenam os demais grupos protestantes. Que Babel este protestantismo né ?

    O católico que já entendia pouco de catolicismo, menos ainda de protestantismo, parece alguém que navega em pleno mar revolto.

    Sabe de uma coisa ? O católico faz a opção de ouvir música Gospel.Pensa ele: “Quem sabe tenho alguma inspiração louvando a DEUS ?”

    Quando julga que terá alguns momentos de reflexão que lhe viabilizem tomar uma decisão adequada, eis que lhe vem um amigo da mesma Igreja Universal e lhe diz: “Estás louco ?”

    “Como assim ?” pergunta o católico. E responde o amigo “Você não sabia que 99% dos cantores Gospel estão com demônios ? Meu líder nos disse isto”

    Declina imediatamente da música Gospel e decide que irá conhecer a igreja anglicana. Pensa ele: “Deve ser boa ! Já me disseram que é uma benção.”

    Então começa a pesquisar em sites protestantes sobre a Igreja Anglicana e encontra mais contras do que prós. Lê inclusive que tudo começou porque um rei desejava cometer adultério e não teria obtido a permissão da Igreja Católica para casar-se outra vez. E os protestantes da reforma e todos os demais que vieram depois condenavam como herética a dita Igreja Anglicana que segundo eles adota entre outras coisas muitos dos ritos do catolicismo.

    Bom, diante de tudo isto, pensa que só lhe resta ser neopentecostal. Pensa que talvez deva aderir ao pastor que usa chapéu ou àquele que trata aos seus seguidores por patrocinadores.

    Quem sabe deva ele ingressar na tal da “igreja” da Lagoinha ? Soube este católico que lá tem um avivamento forte. Parece que tem uma tal de unção do Leão ! Leão ??? Logo lhe vem a mente: “Deve ser tremendo !”

    Nem preciso te dizer Senhor Católico o que todos os outros grupos protestantes disseram a respeito destes últimos líderes citados. Ou preciso ?

    E a unção do Zoológico ? “Dizem que nesta igreja a poder de DEUS se manifesta tremendamente.”

    Mas logo veio o vizinho batista para desestimulá-lo. “Meu amigo, esta unção do Zoológico é obra de Satanás. A Bíblia não fala nada a respeito disto. Quando se viu tal manifestação entre os apóstolos ? “

    Católico, o que podemos tirar de tudo isto ? Você percebe meu caro católico vacilante e inconstante o que aconteceria com a Igreja Católica se fosse possível que ela abraçasse heresias e novidades e resolvesse optar pela “doutrina” de uma denominação protestante ?

    Ela ainda assim seria chamada de herege ou apóstata. Seria atacada por todos os lados, visto que só há concordância entre todas as denominações protestantes no que tange ao ódio e aversão ao próprio catolicismo. Abraçasse a doutrina que fosse, sempre os protestantes estariam prontos para dirigir a Santa Igreja toda a sorte de acusações e calúnias.

    Agora eu te pergunto católico contestador: A verdade misturada com a mentira torna-se o que ? Meia verdade ? E meia verdade é mais parecida com a mentira ou com a verdade ? Meia verdade é também meia mentira. A verdade católica não muda jamais e nem pode mudar. Se mudasse já não seria verdade.

    Minha mãe biológica sempre será minha mãe biológica. Mesmo que seja uma péssima mãe. Mesmo que ela não tenha me desejado. Mesmo que eu não a queira por mãe. Ela sempre será minha mãe biológica. Isto é verdade. Verdade que não envelhece e portanto é sempre atual.

    E então: Que denominação protestante um católico ignorante deveria procurar ? Que tal a Igreja das células ? Parece primitivo ! Pensa o católico: “A história da Igreja não começou assim com as comunidades reunidas em casas ?” Aliás, que igreja começou assim católico ? A Igreja de Constantino ? A de Lutero ? A de Calvino ? A Batista ? A Bola de Neve ou Cuspe de Cristo ? Deixa prá lá.

    Prossegue o católico: “Tem até patriarca esta Igreja em células !” Porém, mais uma vez, este católico perdido encontra todo o tipo de opinião sobre esta vertente no meio protestante. Encontra quem é a favor e quem é contra. Muito mais contrários do que favoráveis.

    E o evangelho judaizante ? Será que é bom ? Mais uma vez não é possível encontrar consenso entre os protestantes. Pode-se perceber partidários e opositores do evangelho judaizante em todos os cantos. O protestantismo é assim mesmo. Nada é o que parece ser. E tudo que parece ser não é.

    Finalmente, cansado de tanto procurar, o católico encontra o Movimento dos Sem Igreja.

    Trata-se de um movimento supostamente evangélico. Seriam cristãos sem templo. Eles dizem a este católico que igreja não serve para nada. Dizem ainda que todas as denominações evangélicas ou protestantes foram edificadas sobre homens. Afirmam também que estão fartos de tantas heresias no meio evangélico/protestante.

    Este grupo ensina que se deve olhar apenas para Jesus e não para o homem. Eles dizem que cada crente pode caminhar com as próprias pernas. Evidentemente que não servem pernas católicas. A máxima só vale para quem fez o favor de “aceitar” a Jesus em um templo protestante!

    Nisto os protestantes ainda que não saibam têm razão. Católico sem a Igreja não consegue caminhar mesmo.

    “Um homem Cristão é Católico enquanto vive no corpo; decepado deste, torna-se um herege. o Espírito não segue um membro amputado.(Santo Agostinho)”

    Mas pensando bem, em se tratando de protestantismo faz algum sentido. Todo mundo que levantou o dedo em um templo protestante e que disse aceitar Jesus já está “salvo”. Correto?

    Todo mundo no meio protestante/evangélico lê sua Bíblia contando com a assistência “infalível” do Espírito Santo. Correto ?

    Todos acusam uns aos outros de hereges. Correto ?

    O crente protestante deve conferir se aquilo que o pastor pregou na denominação está ou não de acordo com a palavra. Correto ?

    E de acordo com a tese da maior parte dos protestantes, uma vez salvo sempre salvo. Correto ?

    Ora, depois de se tornar protestante, se o convertido pode ser intérprete, se ele conta com a assistência do Espírito Santo, se todos são hereges, menos ele, se ele já está salvo e se a salvação não pode ser perdida, por que ele deveria se tornar membro de uma denominação evangélica ou protestante ? Por que deveria frequentá-la ?

    Mas como assim intérprete da palavra de DEUS ?

    A Bíblia não condena a interpretação particular ? Tal condenação só deve existir na Bíblia católica. Deixa pra lá.

    Como assim assistência do Espírito Santo para ler a Bíblia ? Mas não é o protestantismo que condena a infalibilidade do papa ?

    Aliás, como é possível que alguém no protestantismo seja infalível na interpretação da Bíblia se todos condenam a infalibilidade ?

    E se todos discordam uns dos outros, isto não é prova que a infalibilidade de fato não está com o protestantismo ?

    Ah ! Entendi. Cada crente é “infalível” para si mesmo. Cada crente é uma espécie de Papa.

    Então este deve ser o principal motivo de tantas divisões. Quando discordam, logo surge uma nova denominação sob a regência de um novo papa “infalível”.

    Cada crente é apto para julgar todos os demais. Ele é quem decide sobre a doutrina que ele próprio deve seguir e pregar. Ele é quem determina quem é ou não herege, quem está salvo e quem está condenado. Ele decide quem é idólatra e quem é adorador. A únicas certezas que o “infalível” protestante tem é que ele está certo e salvo e que a Igreja Católica é a Babilônia…

    Assim, o cada protestante julga possuir capacidade para seguir ou rejeitar pastores ou denominações. É tudo a partir da leitura bíblica que cada crente faz. Mas deixa prá lá. Tá amarrado !

    Eu também não entendo outra coisa. Quando um protestante tem o direito de deixar a sua denominação para aderir a outra ou fundar a sua própria ?

    E aqueles que se mantiveram com o pregador ? Qual deles está salvo ?

    Aquele que deixou a denominação porque não concordou com a pregação a partir da leitura individual que fez ? Ou aquele que se mantém fiel à denominação ? Ou ainda aquele que fundou uma nova denominação ? Todos estão salvos ? Então por que brigam ?

    Deveriam estar comemorando a salvação de todos. A salvação do que ficou na denominação, daquele que saiu da denominação e daquele que fundou uma nova denominação.

    Quantas vezes o crente pode mudar de denominação ? Naturalmente, a Bíblia explica tudo isto. Não é o protestante que diz “Só a Bíblia” ?

    Então deve estar tudo lá Bíblia. Visões dos pastores, revelações de “ungidos”, Lutero, Calvino, Macedo, Soares, as denominações, a definição do Canon, os livros inspirados e a própria definição bíblica de que a Bíblia seria a única fonte de revelação. E a Bíblia deles provavelmente deve dizer que tudo deve ser consultado na Bíblia protestante. E deve dizer ainda que só serve Bíblia protestante traduzida por João Ferreira de Almeida…

    Ou não ? O problema é que como católico eu “não” leio a Bíblia. Quando me tornar protestante tudo será diferente.

    Com 06 meses de Bíblia poderei contestar a Igreja Católica de 2000 anos, todos seus concílios, toda a sua doutrina e todos os seus duzentos e tantos papas.

    E também poderei contestar meus próprios pares protestantes. Serei teólogo de mim mesmo e poderei fundar uma nova denominação.

    Nem me importa se pregarei certo ou errado, pois possivelmente meus seguidores serão menos “sábios” do que eu. Provavelmente serei idolatrado e quando os críticos me atacarem, logo um dos meus adoradores dirá sem pesquisar:

    “Não toca no ungido do Senhor”

    “Deixa que ele está fazendo a Obra de DEUS”.

    “Ai de quem tocar no servo de DEUS !”

    E o melhor de tudo é que bastará tão e somente eu dizer que eu tive uma visão para fundar uma denominação e todos sem exceção acreditarão na minha fábula.

    Isso tem de bom no meio protestante. Justiça seja feita. Todo protestante prima pela coerência.

    Eles não aceitam o papa, mas aceitam a “visão” de qualquer pastor.

    Eles rejeitam o magistério da Igreja com seus 2000 anos e sua infalibilidade, mas creem em si próprios como mestres “infalíveis”.

    Eles não creem nos concílios católicos que ocorrem a cada 50 ou 100 anos e que são ministrados não por um só homem, mas se alimentam de literatura e mídia produzida por homens e depois é só dizer que estes mesmos são “ungidos” e cheios de “bênçãos”.

    Eles não creem nos milagres católicos comprovados pela ciência e atestados até mesmo por protestantes, mas creem nos milagres exibidos na TV ou naqueles com dia e hora marcados e que ninguém comprova.

    “PARA AQUELES QUE CRÊEM, NENHUMA EXPLICAÇÃO É NECESSÁRIA; E PARA AQUELES QUE NÃO CRÊEM, NENHUMA EXPLICAÇÃO É POSSÍVEL. (SANTO INÁCIO DE LOYOLA).”

    Pensa o católico no que deve fazer depois de tanta confusão vista na Babel protestante:

    1)Devo estudar os textos, livros e escritos de Santo Agostinho ou escutar os gritos do vendedor da Bíblia da prosperidade ?

    “A Lei foi dada para que se implore a graça; a graça foi dada para que se observe a lei(Santo Agostinho).”

    2)Devo estudar São Tomás de Aquino ou escutar o pregador do patrocínio ?

    “Enquanto o amor humano tende a apossar-se do bem que encontra no seu objeto, o amor divino cria o bem na criatura amada” (Tomás de Aquino).”

    3)São Francisco de Assis ou o pregador do trízimo ?

    “Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de repente você estará fazendo o impossível(São Francisco de Assis).”

    4)Santo Padre Pio ou o tal “patriarca” do evangelho judaizante ?

    “O meu passado, Senhor, à Tua misericórdia. O meu Presente, ao Teu amor. O meu futuro, à Tua Providência.” (Padre Pio)

    5)Santa Teresinha ou Leões e Lagoas ?

    “Deus não poderia me inspirar desejos irrealizáveis, portanto, posso, apesar da minha pequenez, aspirar à santidade”(Santa Teresinha).

    6)São João Maria Vianney ou quem ensina a adoração da Arca da Aliança ?

    “Com nossos instintos a luta é raramente de igual para igual: ou nossos instintos nos governam ou nós governamos nossos instintos. Como é triste se deixar levar pelos instintos! Um cristão é um nobre; ele deve, como um grande senhor, mandar em seus vassalos.(São João Maria Vianney)”

    7)Santo Irineu ou os “bispos” dos carnês e débitos automáticos ?

    Santo Ireneu (140-202): “Com efeito é à própria Igreja que foi confiado o Dom de Deus. É nela que foi depositada a comunhão com Cristo, isto é, o Espírito Santo, penhor da incorruptibilidade, confirmação da nossa fé e medida da nossa ascensão para Deus. Pois lá onde está a Igreja, ali está também o Espírito de Deus; e lá onde está o Espírito de Deus, ali está a Igreja e toda a graça.”

    8)Santo Ambrósio ou os pastores das fogueiras “santas” e campanhas financeiras ?

    “Toda verdade, dita por quem quer que seja, é do Espírito santo.(Santo Ambrósio)”

    9)O Papa Leão XIII ou os pregadores do evangelho triunfalista onde ninguém precisa carregar sua cruz ?

    ”O cristão nasceu para a luta, e quanto mais encarniçada se apresenta, tanto mais segura há de ser a vitória com o auxílio de Deus” (Leão XIII, Encíclica Sapientiae Christianae, 19).

    Devo recorrer ao passado recente ??? Madre Teresa de Calcutá ou a profetiza que disse Jesus voltaria em 2007 ?

    “Ninguém daria banho a um leproso nem por um milhão de dólares? Eu também não. Só por amor se pode dar banho a um leproso.”

    A quem se deve escutar católico ? João Paulo II ou o pregador do aborto ?

    “Deus se deixa conquistar pelo humilde e recusa a arrogância do orgulhoso.(João Paulo II)”

    “A Igreja é a carícia do amor de Deus ao mundo.(João Paulo II)”

    “Por isso, América: se queres a paz, trabalha pela justiça. Se queres a justiça, defende a vida. Se queres a vida, abraça a verdade, a verdade revelada por Deus.(João Paulo II)”

    “Quando o homem se põe como medida de todas as coisas, converte-se em escravo de sua própria finitude.(João Paulo II)”

    Talvez olhar para o presente seja melhor. E então católico ? Padres e Bispos católicos devidamente ordenados ou homens que se fazem “apóstolos”, “bispos” e “missionários” ?

    O teólogo Joseph Ratzinger, sua santidade o Papa Bento XVI, respeitado e reverenciado pelos protestantes históricos ou a igrejola aberta por qualquer desconhecido ?

    “Nós estamos caminhando para uma ditadura do relativismo que não reconhece nada como definitivo e tem como valor máximo o ego e os desejos individuais(Bento XVI)”

    “Vai-se constituindo uma ditadura do relativismo que não reconhece nada como definitivo e que usa como critério último apenas o próprio “eu” e as suas vontades.(Bento XVI ainda cardeal na missa na basílica de São Pedro antes do conclave.)

    E você católico inseguro ? O que irá fazer ? Abraçará a auto suficiência protestante ?

    Não se engane. Quem diz que não precisa de padre para confessar os seus pecados está apenas demonstrando sua arrogância. Se Jesus deu aos apóstolos o poder de reter ou perdoar pecados, é evidente ser indispensável que alguém lhes confesse os pecados.

    São Leão Magno (400-461), Papa e doutor da Igreja:“Quem se aparta da confissão da verdade, muda de caminho e o percurso inteiro se torna afastamento. Tanto mais próximo da morte estará quanto mais distante da luz católica.”

    Católico, não entre na falsa humildade protestante que diz “só me confesso a DEUS”.

    “A Igreja é o mundo reconciliado”. (Santo Agostinho – Sermão 96,7,9)“Quem não crer que a Igreja lhe perdoa os pecados, a esses não lhe serão perdoados os pecados”.

    Só há salvação na Igreja que detém a confissão e a penitência. A Igreja que cuida da alma e dos pecados de seus filhos.

    “Sabe porque os consultórios de psiquiatras estão cheios porque os Confessionários estão vazios.” [João Paulo II].

    E nós pertencemos a esta Igreja.

    “Portanto, a Igreja Católica é a única que retém o verdadeiro culto. Esta é a fonte da verdade; esta, o domicílio da fé; o templo de DEUS. Quem quer que não entre nela ou não saia daqui é um alienado em termos de esperança de vida e salvação… Porque, , ao contrário disso, todos os vários grupos de hereges têm confiança de que são os Cristãos, e pensam que a Igreja Católica é deles. Que se saiba que a verdadeira Igreja é na qual há confissão e penitência, e que cuida de maneira salutar dos pecados e das mágoas aos quais os fracos na carne estão sujeitos”.

    Lactantius, As Instituições Divinas, 304 A.D..

    E eu te pergunto meu caro amigo católico que me lê, pode haver maior contradição do que esta ? Os protestantes que dizem que religião não serve para nada, quando acuados dizem em alto em bom som: “estamos sendo vítimas de perseguição religiosa”. Tudo no protestantismo é contraditório. E qual a sua origem afinal ?

    O vírus que Lutero disseminou do orgulho não teve origem nele próprio. Lutero contestou a Igreja e a autoridade do papa. Hoje seus filhos contestam uns aos outros e todos contestam o catolicismo. Calvino contestou Lutero. Outros contestaram Calvino.

    O vírus da auto suficiência não coexiste com explicação de qualquer ordem e nem permite que os ouvidos estejam abertos para a instrução. Pode-se ver apenas o que se deseja e troca-se o meditar pelo falar.

    O “Super Papa” Martinho Lutero, ídolo protestante, resumiu o pensamento que iria contaminar seus filhos:

    “Quem não crê como eu é destinado ao inferno. Minha doutrina e a doutrina de Deus são a mesma. Meu juízo é o juízo de Deus” (Weimar, X, 2 Abt, 107)

    Por isto os protestantes são intérpretes da Bíblia e não aceitam instrução de qualquer tipo.

    “As pessoas costumam amar a verdade quando esta as ilumina, porém tendem a odiá-la quando as confrontam (Santo Agostinho).”

    Por isto fundam denominações e se dividem e cada crente é mestre de sua doutrina e “infalível” em sua interpretação pessoal.

    Desejar seguir Jesus é uma coisa e encontra-lo é outra. Muitos seguramente querem. Mas quem pode nos apresentar Jesus ? O cego da Bíblia fez esta pergunta. Ela ainda é atual.

    Julgas católico que podes conhecer o DEUS verdadeiro a partir de tua leitura bíblica ? Acaso não sabes que DEUS é muito maior do que a Bíblia e incompreensível para qualquer um de nós ?

    Hoje em dia muitos “jesuses” são apresentados por aí. A Bíblia nos diz que muitos cristos falsos seriam “vistos”.

    Tem o Jesus do aborto, tem o Jesus do divórcio, tem o Jesus do dízimo, tem o Jesus do carnê, tem até Jesus do Trízimo. Tem Jesus da Arca da Aliança, tem Jesus do evangelho judaizante, tem Jesus que batiza e tem Jesus que não batiza. Tem Jesus patrocinador. Que Jesus você deseja conhecer e seguir ?

    Quem pode te apresentar o Jesus verdadeiro se não a Igreja que é coluna e sustentáculo da verdade ?

    Você acha que é assim católico ? Depois de ter demonstrado tão grande amor a ponto de entregar sua vida por nós na cruz, o nosso Senhor Jesus Cristo nos deixou por conta própria ?

    Sou eu quem devo interpretar a Bíblia ? Sou eu quem devo me virar e encontrar a Igreja certa ? Eu que sou homem e falho é quem devo julgar quem interpreta certo e quem interpreta errado ? Devo escolher uma denominação protestante a partir da minha leitura individual ? Devo estudar a Bíblia para saber qual a denominação protestante é mais adequada ?

    Na prática o que está nos dizendo cada protestante ? Ora, depois de tudo que Jesus fez na cruz e sabendo que é seu desejo que nenhum de nós se perca, agora este mesmo Jesus diz:

    “Se vira. Eu já fiz a minha parte morrendo na cruz. Leia a Bíblia. Interprete por conta própria. Julgue você próprio o que é ou não heresia. Escolha uma Igreja. Fique atento aos falsos profetas. Compreenda por si mesmo qual é a minha vontade. Se perceber algo errado mude de denominação. Se não encontrar denominação alguma que pregue um evangelho “puro” funde uma nova “igreja”. Salva-se quem puder. E danem-se os ignorantes, deficientes, analfabetos. E não se esqueça de levantar o dedo em uma denominação protestante e diga que me aceita como senhor e salvador”…

    Você acha mesmo que Jesus é assim Sr.Católico ? Você acha que Jesus Cristo realmente se importa ou não com a salvação do homem ?

    Ora católico, você sabe que Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente. O amor que ele demonstrou na cruz nunca mudou. Ele nos deixou a Santa Igreja para que ela nos guiasse. Isto tudo por amor. Ele sabe que somos confusos, arrogantes, soberbos, inconstantes e muitas vezes auto suficientes. O apóstolo Paulo nos ensina que os julgamentos humanos são parciais, portanto duvidosos.

    Assim sendo, cumpre à Igreja a tarefa de ensinar e interpretar as sagradas escrituras. Os meios de salvação como os sacramentos estão disponíveis somente na Igreja. Não é possível acessá-los estando fora dela.

    Através da Igreja e não deixando o homem por conta própria, a salvação também foi possível aos ignorantes, pobres, doentes, analfabetos e deficientes.

    Não foi para estes que Jesus veio ? Ou ele veio somente para aqueles que “poderiam” teoricamente interpretar a lei ? Isto já faziam os fariseus.

    Meu irmão católico, os cristãos dos primeiros séculos não dispunham de Bíblias. Mas tinham Igreja. Isto é o amor de Jesus que não podemos medir ! Ele instituiu a Igreja para que nenhum de nós se perca.

    E se a Igreja errar ? Se tal fosse possível, pois não é, seria Jesus quem deve responder por ela e não Lutero. A Igreja nunca erra, embora seus filhos sejam pecadores. A Igreja nunca ensina errado, muito embora seus filhos distorçam eventualmente os ensinamentos corretos que lhes são passados.

    Lutero não foi autorizado a “consertar” a Igreja Católica e por via de consequência seus filhos que continuam reformando Lutero estão em verdade falando ao vento ou esvaziando o oceano com um balde.

    Mas fiquem tranquilos. O mesmo Jesus disse: “as portas do inferno jamais prevalecerão contra minha igreja”.

    E disse ainda: “eis que estarei convosco até o fim dos tempos”.

    Não caia na armadilha orgulhosa do protestantismo e nem faça de Jesus um mentiroso ao imaginar que DEUS precisou de Lutero para alguma coisa. Jesus não mente e você não é protestante para escolher o que pretende seguir ou não do evangelho.

    “SE VOCÊ ACREDITA NO QUE LHE AGRADA NOS EVANGELHOS E REJEITA O QUE NÃO GOSTA, NÃO É NOS EVANGELHOS QUE VOCÊ CRÊ, MAS EM VOCÊ.(SANTO AGOSTINHO)”

    Tem hora que o protestante é literal e tem hora que não é. Tem hora que ele admite que determinada disposição pode estar subentendida e tem hora que tem que estar ser “clara”.

    Tudo depende do que queira seguir. Depende do que ele quer praticar e do que ele deseja condenar nos outros. Tem hora que usam o grego. Usam o grego, por exemplo, para dizer que Pedro não era a Pedra. Mas sabemos que Jesus falava aramaico. Depois favorecem o aramaico ou o hebraico para justificarem outros costumes e crenças que praticam.

    Quando é interessante retomam a interpretação literal suprimindo inclusive versículos. É o caso da mediação de Jesus Cristo onde o protestante não lê o restante do texto e assim confunde mediação com intercessão. E depois de tudo isto, o protestante diz ainda que qualquer um pode ler e interpretar a Bíblia. Qualquer um ?

    Todos os protestantes conhecem as doutrinas de integrais de Lutero ou Calvino ? Todos os protestantes leem, escrevem e traduzem grego, aramaico e hebraico ?

    Pergunte a um protestante se ele conhece os pecados contra o Espírito Santo ? Ele não conhece. Sabe por que ? Porque a Bíblia não os define. A Bíblia só fala em blasfêmia. Mas não explica.

    Mas fique certo Sr.Católico que a tua Santa Madre Igreja te ensina quais são estes pecados de modo que você possa evitá-los.

    Não te disse que é mais seguro ser católico ? Como um protestante saberá se incorreu ou se está incorrendo em algum pecado contra o Espírito Santo ?

    Mas existem protestantes que são mais tementes a DEUS do que católicos ? Certamente. E existem protestantes que levam vidas mais sadias do que católicos ? Sem dúvida.

    Mesmo com uma leitura deficiente da Bíblia não é difícil superar um católico não praticante ou infiel que resolve dar as costas para a Santa Igreja.

    E se é certo que existem protestantes sinceros e cujas vidas são pautadas por honra e temor a DEUS, também é verdade que existem não cristãos que aos olhos humanos são ainda melhores do que católicos e protestantes. E agora ?

    O que você irá fazer católico indeciso ? Quem são os santos protestantes ? Quais são as suas obras ? Quem são seus expoentes e referências ? Qual das 50.000 igrejas protestantes você irá escolher ? Qual delas retém a sã doutrina ?

    A quem você irá escutar ? A Igreja de 2000 anos construtora da civilização, mestra por excelência ou vai escutar a si mesmo a partir de tua própria leitura individual da Bíblia ?

    Ora, a fé vem pelo ouvido e não pela leitura. O protestante faz o contrário. Lê para “entender” ao invés de ouvir.

    Não foi o eunuco da Bíblia que pediu por alguém que lhe ensinasse aquilo que não podia ele próprio compreender ?

    Se fosse fácil ele mesmo poderia ler e interpretar. A Bíblia nos adverte sobre o perigo que é a palavra de DEUS sendo manipulada por ignorantes. Nunca lestes que a letra mata, mas o espírito vivifica ? Pois é. A letra matou o protestante.

    Católico não entre nesta espiral de rejeição às autoridades constituídas por DEUS. Para entrar no reino dos céus é preciso recebê-Lo como crianças. Esvazie-se a si mesmo e por certo encontrarás a verdade na Igreja Católica.

    Amigo católico, pense bem quando alguém te convidar para um culto protestante ou te abordar na rua com um folheto. O abandono consciente da Igreja Católica será trágico para você meu amigo católico.

    “Os heréticos condenam-se a si mesmos já que por própria opção abandonam a Igreja, um abandono que, sendo consciente, torna-se sua condenação .”São Jerônimo Comentários acerca de Titus, 3,10 386 A.D.

    Se você ainda está em dúvida, não faça como os protestantes que nunca leram as obras de Lutero. Procure por elas e veja a pessoa do fundador do protestantismo.

    Fundador do protestantismo: Lutero:

    “Cristo cometeu adultério pela primeira vez com a mulher da fonte, de que nos fala São João. Não se murmurava em torno dele: “Que fez, então, com ela?”, depois com Madalena, depois com a mulher adúltera, que ele absolveu tão levianamente. Assim Cristo, tão piedoso, também teve de fornicar antes de morrer.” (Tischreden, nº 1472, ed. Weimer, 11, 107)”.

    “Eu estou, da manhã à noite, desocupado e bêbado. Você me pergunta por que eu bebo tanto, por que eu falo tão galhardamente e por que eu como tão frequentemente? É para pregar uma peça ao diabo que se pôs a me atormentar”. É bebendo, comendo, rindo, nessa situação, e cada vez mais, e até mesmo cometendo algum pecado, à guisa de desafio e desprezo por Satanás, procurando tirar os pensamentos sugeridos pelo diabo com o auxílio de outros pensamentos, como, por exemplo, pensando numa linda moça, na avareza ou na embriaguês, caso contrário ficarei muito raivoso.” (Lutero). (Marie Carré, Jai choisi lunité – D.P.F., 1973, apud Lex Orandi: La Nouvelle Messe et la Foi , Daniel Raffard de Brienne 1983).”

    O que dizem os defensores da fé católica sobre a Igreja ?

    S. Cipriano (+258): “Julga conservar a fé aquele que não conserva esta unidade recomendada por Paulo? Confia estar na Igreja aquele que abandona a cátedra de Pedro sobre a qual está fundada a Igreja?” (Sobre a Unidade da Igreja cap. 4).

    S. Cipriano: “se alguém tivesse escapado (do dilúvio) fora da arca de Noé, então poderíamos admitir que quem abandona a Igreja pode escapar da condenação.”

    Orígenes escrevia: “…se alguém quer salvar-se, venha a esta casa, para que possa consegui-lo… Que ninguém se engane a si mesmo: fora desta casa, isto é, fora da Igreja, ninguém se salva.”

    Papa Inocencio III (1198-1216):

    “Com nossos corações cremos e com nossos lábios confessamos só uma Igreja, não aquela dos hereges, senão a Santa Igreja Católica Apostólica e Romana, fora da qual achamos que não há salvação “(Denzinger 792).

    Quarto Concilio de Letrán (1215):

    “Há só uma Igreja Universal dos fiéis, fora da qual ninguém esta a salvo.”

    Papa Bonifacio VIII, Bula Unam Sanctam (1302):

    “Nós declaramos, dizemos, definimos e pronunciamos que é absolutamente necessário para a salvação de toda criatura humana o estar submetida ao Romano Pontífice.”

    “Assim como há um só Deus, um só Cristo, um só Espírito Santo, assim também há uma só verdade divinamente revelada; uma só Fé divina que é o princípio da salvação do homem e o fundamento de toda a justificação, a Fé pela qual o justo vive e sem a qual é impossível agradar a Deus e chegar à comunhão dos Seus filhos. Há uma só Igreja una, verdadeira, santa e católica que é a Igreja Apostólica Romana. Há uma só cátedra fundada sobre Pedro pela palavra do Senhor, fora da qual não podemos encontrar nem a verdadeira Fé, nem a salvação eterna. Todo aquele que não tiver a Igreja como mãe não pode ter a Deus como pai, e quem quer que abandone a cátedra de Pedro sobre a qual a Igreja foi fundada confia falsamente que está na Igreja de Cristo. Na verdade, não pode haver crime maior e mancha mais repugnante do que se opor a Cristo, do que dividir a Igreja gerada e comprada pelo Seu Sangue, do que esquecer o amor evangélico e combater com o furor da discórdia hostil a harmonia do povo de Deus.”

    (Pio IX, Singulari Quidem)

    Católico, tenha amor por sua Igreja. Ela é temida por seus inimigos.

    Voltaire – inimigo confesso de Cristo e da Igreja, parabenizado sobre a destruição que promoveu de um templo católico:“Que ninguém se engane. A Igreja não está morta. O fogo da fé está somente em brasa, mas não extinto. A fé católica é fogo inextinguível.”

    “A Igreja é Santa, a Única Igreja, a Verdadeira Igreja, a Igreja Católica, lutando sempre contra todas as heresias. Ela pode lutar, mas não pode ser derrotada. Todas as heresias são expulsas por Ela, como os galhos pendentes são arrancados de uma vinha. Ela permanece presa à sua raiz, em Sua vinha, em Seu amor. As portas do inferno não prevalecerão contra ela”Santo Agostinho de Hipona, Sermão aos Catecúmenos sobre o Credo, 6,14, 395 D.C.

    Católico não fuja à perseguição e combata o bom combate.

    Santo Hilário de Poitiers (367):”Foi sempre privilégio da Igreja vencer quando é ferida, progredir quando é abandonada, crescer em ciência quando é atacada”.

    Católico, nunca deixe de defender a Santa Igreja, os santos e a Virgem Maria.

    ”ONDE ESTIVER O BISPO, ESTEJA O POVO, ASSIM COMO ONDE ESTÁ JESUS CRISTO, ESTÁ A IGREJA CATÓLICA”. (SANTO INÁCIO DE ANTIOQUIA, CARTA AOS ESMIRNENSES, 8, ANO 106 D.C.).

    Não se envergonhe de sua fé e nem se intimide com os adeptos da religião do livro.

    “Toma cuidado com o homem de um só livro(São Tomás de Aquino).”

    Ora, nosso DEUS não está restrito a tinta ou ao papel, mas é a palavra viva e encarnada.

    Quem são os nossos santos e expoentes ?

    “Espero nunca ter ensinado nenhuma verdade que não tenha aprendido de Vós. Se, por ignorância, fiz o contrário, revogo tudo e submeto todos meus escritos ao julgamento da Santa Igreja Romana(São Tomás de Aquino).

    ”Não é igreja que precisa de mim, sou eu que preciso da Igreja”( São Pio de Pietrelcina).

    “Se não podes entender, crê para que entendas. A fé precede, o intelecto segue(Santo Agostinho).”

    São João da Cruz pediu e acabou recebendo de Deus: Primeiro, força para o trabalho e para sofrer muito; Segundo: não o fazer sair deste mundo como superior de uma comunidade; Terceiro: deixá-lo morrer desprezado e escarnecido pelos homens. Pregador, místico, escritor e poeta, João da Cruz faleceu após uma penosíssima enfermidade, em 1591 com 49 anos de idade. Declarado como Doutor da Igreja pelo Papa Pio XI.

    “O amor, para ser verdadeiro, tem de doer. Não basta dar o supérfluo a quem necessita, é preciso dar até que isso nos machuque(Madre Teresa de Calcutá).”

    “Dê ao mundo o melhor de você. Mas isso pode não ser o bastante. Dê o melhor de você assim mesmo. Veja você que, no final das contas, é tudo entre VOCÊ e DEUS. Nunca foi entre você e os outros.(Madre Teresa de Calcutá)”

    “Jesus é a Ponte entre Aquele que tudo pode e as criaturas que de tudo precisam. Seja você também uma ponte que liga os que tem de sobra, com aqueles que sentem falta de tanta coisa.(Santa Clara de Assis)”

    “A castidade duma alma é de um preço aos olhos de Deus maior que a dos anjos, pois que os cristãos só podem adquirir esta virtude pelos combates, enquanto que os anjos a têm por natureza.” (Sermão sobre a Pureza).”(Santo Ambrósio).

    “Ou nos afastamos do mal por medo do castigo, estando assim na posição do escravo; ou buscamos o atrativo de recompensa, assemelhando-nos aos mercenários; ou é pelo bem em si e por amor de quem manda que nós obedecemos… e estaremos então na posição de filhos”.(São Basílio Magno)

    O que é a Igreja Católica ?

    “A Igreja Católica é a única coisa que salva o homem da degradante escravidão de ser um filho de sua época(Chesterton)”.

    São Cipriano (†258) – Bispo de Cartago:“A Esposa de Cristo não pode adulterar, é fiel e casta. Aquele que se separa dela saiba que se junta com uma adúltera, e que as promessas da Igreja já não o alcança. Aquele que abandona a Igreja não espere que Jesus Cristo o recompense, é um estranho, um proscrito, um inimigo. Não pode ter Deus por Pai no céu quem não tem a Igreja por mãe na terra”.

    São João Crisóstomo (350-407), doutor da Igreja; Patriarca de Constantinopla:“Não te afaste da Igreja: Nada é mais forte do que ela. Ela é a tua esperança, o teu refúgio. Ela é mais alta que o céu e mais vasta que a terra. Ela nunca envelhece”.

    Contemplando este mistério da Igreja, São Pio X dizia:

    “Os reinos e os impérios desmontaram; os povos que a glória de seus nomes assim como sua civilização os havia tornado célebres, desapareceram. Viram–se nações que, atingidas pela decrepitude, se desagregaram por si mesmas. A igreja, porém, é imortal por natureza, jamais o laço que a une ao seu celeste Esposo se romperá e, em consequência, a velhice não pode atingi-la; ela permanece exuberante da juventude, sempre transbordante dessa força com a qual ela nasceu do coração transpassado de Cristo morto sobre a Cruz”. (Encíclica Lucunda Sane).

    Católico nós sabemos que existem pessoas sinceras em denominações protestantes, muito embora o ciclo vicioso do protestantismo sempre os leve ao orgulho. Não tem jeito. Necessariamente o livre exame da Bíblia instituído por Lutero transforma todo e qualquer crente em uma espécie de papa e juiz de todas as coisas.

    Sabemos ainda ou temos pelo menos a expectativa de que a grande maioria é séria e honesta. Mas o Senhor Jesus também nos advertiu que devemos temer não quem mata o corpo, mas quem mata a alma. Em outras palavras, tenhamos receio ainda maior das heresias que andam por aí. São elas que podem levar o homem para o inferno.

    Como entender tudo isto ? O que pretendeu nos ensinar Jesus a este respeito ?

    Ora, mesmo os sinceros e honestos uma vez que não recebam a devida instrução que só é possível na Igreja Católica, tornam-se ainda que de boa-fé introdutores de heresias e doutrinas espúrias. No mínimo, ensinam uma doutrina incompleta calcada em suas próprias interpretações pessoais ou em interpretações meramente humanas.

    Meu amigo, se os bons podem nos levar para o inferno, imagine então o que nos fariam os maus ?

    Católico, teu porto seguro encontra-se na Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

    João: “Eles saíram dentre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, ficariam certamente conosco. Mas isto se dá para que se conheça que nem todos são dos nossos.”

    Pedro: “Ora, assim como entre o povo houve falsos profetas, do mesmo modo haverá entre vós falsos doutores, que introduzirão seitas de perdição e renegarão aquele Senhor que os resgatou, atraindo sobre si mesmos uma pronta ruína. Muitos seguirão as suas dissoluções, por causa dos quais será blasfemado o caminho da verdade, e, por avareza, com palavras fingidas, farão negócio de vós, mas a sua condenação já desde há muito não repousa e a sua perdição não dorme”. (II Ped. 2, 1-3).”

    Reconheço que é direito de todo ser humano aderir à fé ou crença que lhe pareça mais adequada. Acredito que o exercício da fé deve compreender, entre outras coisas, o respeito pelas escolhas alheias e deve primar pela liberdade sem embaraços para com o próximo que não compartilha da mesma crença ou credo.

    Não é minha pretensão determinar ou qualificar a fé de quem quer que seja. Não concordo com aqueles que promovem ataques a dignidade e honra das pessoas que não professam suas religiões ou credos. Respeito todas as religiões e pretendo receber o mesmo respeito. Assim, considero salutar a liberdade religiosa que prevalece em nosso país.

    Com humildade, finalizo o presente texto fazendo das palavras do Santo Padre Pio as minhas:

    “Em tudo me sujeito ao que professa a Santa Igreja Católica Romana, em cuja fé vivo, afirmo viver e prometo viver e morrer”.(PADRE PIO)

    Autor: A. Silva com a colaboração de V. de Carvalho.

    • Olha Celso essa é a grande prova, bíblica. Que mostra claramente que a cidade de babilônia citada por São Pedro é a cidade de Roma.

      VEJA:

      1 Pedro 5, 13. A igreja escolhida de Babilônia saúda-vos, assim como também Marcos, meu filho.

      Está é a principal prova de que Pedro esteve em Roma, visto que Roma era tira como a babilônia na época pela semelhança que tinha com a babilônia (Ap 17,5; 18, 10). Assim, na mente de Pedro, a Roma dos seus dias lembrava a antiga Babilônia em riqueza, luxúria e licenciosidade

      Romanos 1,7. “a todos os que estão em Roma, queridos de Deus, chamados a serem santos: a vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo!”

      Romanos 1, 8. “Primeiramente, dou graças a meu Deus, por meio de Jesus Cristo, por todos vós, porque em todo o mundo é preconizada a vossa fé.”

      Saúda-vos a igreja que está em Babilônia e Marcos meu filho”. Ora, Marcos nesta época (c. 1-62) não se achava em Babilônia mas em Roma.

      Di-lo abertamente S. Paulo em duas epístolas escritas durante o seu primeiro cativeiro na capital do império. Na epístola aos colossenses, IV, 10, Diz”Saúda-vos Aristarco… e Marcos, primo de Barnabé; na epístola a Filemon v. 24: saúda-te Marcos, etc.”.

      Pois a expressão metafórica de Babilônia mostra claramente que São Pedro estava Roma, pois todos os padres apostólicos afirmam unânimes como também os antigos intérpretes historiadores e escritores da época dos fatos de dentro e de fora da igreja:

      JOSEFO FLÁVIO 38 — ca. 100), veja o que Josefo historiador dos hebreus diz No lugar indicado e que leio? Que Herodes Magno antes da era vulgar depôs a Ananel, sumo pontífice, oriundo dos judeus que haviam sido deportados em massa para Babilônia. Quem duvidou jamais deste fato? Mas que prova ele em favor da existência de uma numerosa colônia judaica em Babilônia

      Irmãos católicos saibas que na época em que S. Pedro escreveu a sua primeira epístola? O próprio FLAVIO, no l. XVIII, c. 9, fala dos tempos de Calígula (estamos, pois, na idade apostólica isso é a patrística e mais…

      Saibam que a cidade de Babilônia da época de São Pedro(Babylon-onis) não passava de uma deserto;Pois na região de babilônia não havia judeus quando S. Pedro escreveu a sua epístola.

      As provas contudentes você pode encontrar em alguns relatos dos historiadores da época dos fatos

      Vejam aqui o nome deles

      Estrabão (em grego: Στράϐων; (63 a.C. ou 64 a.C. — ca. 24) foi um historiador, geógrafo e filósofo grego. Foi o autor da monumental Geographia, e um tratado de 17 livros contendo a história e descrições de povos e locais de todo o mundo que lhe era conhecido à época

      Plínio, o Velho (Gaius Plinius Secundus), Foi um nobre romano, cientista e historiador que morreu na erupção do Vesúvio em 79 d.C.;

      Diodoro Sículo ou Diodoro da Sicília (em grego Διόδωρος ὁ Σικελός; ca. 90 a.C. — 30 a.C.), foi um historiador grego, que viveu no século I a.C

      Luciano de Samósata, 115 d.C foi escritor e historiador romano ETC…

      Pausânias (c. 115 – 180 d.C.) foi um geógrafo e viajante grego, autor da Descrição da Grécia, obra que presta um importante contributo para o conhecimento da Grécia Antiga, graças às suas descrições de localidades da Grécia central e do Peloponeso.

      Irmãos e irmãs católicas saiba que são unânimes os testemunhos históricos dos padres apostólicos e de todos os historiadores e escritores eclesiásticos em seus livros e cartas sermões apologéticas e epístolas que comprovam como verdades absolutas o primado de são Pedro em Roma

      VEJA AQUI ALGUNS TESTEMUNHOS SANTOS E VERDADEIROS

      Agora vejo o que diz o 3 terceiro bispo de Roma após São Pedro de nome São Clemente Romano a nascido no ano 30 da era cristã

      “Lancemos os olhos sobre os excelentes apóstolos: Pedro foi para a glória que lhe era devida; e foi em razão da inveja e da discórdia que Paulo mostrou o preço da paciência: depois de ter ensinado a justiça ao mundo inteiro e ter atingido os confins do Ocidente, deu testemunho perante aqueles que governavam e, desta forma, deixou o mundo e foi para o lugar santo. A esses homens […] juntou-se grande multidão de eleitos que, em conseqüência da inveja, padeceram muitos ultrajes e torturas, deixando entre nós magnífico exemplo.” (São Clemente Bispo de Roma, ano 96, Carta aos Coríntios, 5,3-7; 6,1). Clemente o 3º Bispo de Roma após Pedro, dá testemunho do belíssimo exemplo que o Apóstolo deixou entre os cidadãos Romanos

      “Assim, Mateus publicou entre os hebreus, na língua deles, o escrito dos Evangelhos, quando Pedro e Paulo evangelizavam em Roma e aí fundavam a Igreja.” (Santo Ireneu Bispo de Lião – Contra as Heresias,III,1,1 – 180 d.C).

      “Sob Cláudio [Imperador], Fílon [quande estoriador judeu] em Roma relacionou-se com Pedro, que então pregava aos seus habitantes.” (Eusébio de Cesaréia – HE II,17,1 – 317 d.C)

      Eusébio de Cesaréia, narrando sobre a primeira sucessão Apostólica em Roma escreve: “Depois do martírio de Pedro e Paulo, o primeiro a obter o episcopado na Igreja de Roma foi Lino. Paulo, ao escrever de Roma a Timóteo, cita-o na saudação final da carta [cf. 2Tm 4,21].” (Eusébio Bispo de Cesaréia – HE,III,2 – 317 d.C).

      “[…]quanto a Lino, cuja presença junto dele [do Apóstolo Paulo] em Roma foi registrada na 2ª carta a Timóteo [cf. 2Tm 4,21], depois de Pedro foi o primeiro a obter ali o episcopado, conforme mencionamos mais acima.” (Eusébio Bispo de Cesaréia – HE,IV,8 – 317 d.C).

      “[…]Alexandre recebeu o episcopado em Roma, sendo o quinto na sucessão de Pedro e Paulo” (Eusébio Bispo de Cesaréia – HE,IV,1 – 317 d.C).

      Papias (nascido no ano 70 e morto no ano 155 da era cristã ),

      Veja o que diz Papias

      diz-nos que Marcos escreveu seu evangelho (baseado em sermões de Pedro), na cidade de Roma.

      OLHE O QUE DIZ O PAPA ZEFERINO MORTO NO ANO 217 DA ERA CRISTÃ

      EPÍSTOLA DO PAPA ZEFERINO

      Zeferino,
      Bispo da cidade de Roma,
      aos mui queridos irmãos que servem ao Senhor no Egito.

      “Recebemos uma grande responsabilidade do Senhor, fundador desta Santa Sé e da Igreja apostólica, e do bem-aventurado Pedro, chefe dos apóstolos:

      bispo Dionísio de Corinto morto no ano 170 da era cristã,

      Veja o que ele diz num extrato de uma de suas cartas aos romanos (170):

      “Tendo vindo ambos a Corinto, os dois apóstolos Pedro e Paulo nos formaram na doutrina evangélica. A seguir, indo para a Itália, eles vos transmitiram os mesmos ensinamentos e, por fim, sofreram o martírio simultaneamente.”

      Santo Irineu nascido no ano 130 da era cristã.

      Carta contra heresias:

      “Mas visto que seria coisa bastante longa elencar, numa obra como esta, as sucessões de todas as igrejas, limitar-nos-emos à maior e mais antiga e conhecida por todos, à igreja fundada e constituída em Roma, pelos dois gloriosíssimos apóstolos, Pedro e Paulo.

      Cipriano (NASCIDO NO ANO 258 DA ERA CRISTÃ)

      Veja O QUE ELE DIZ:

      “atrevem-se estes a dirigir-se à cátedra de Pedro, a esta igreja principal de onde se origina o sacerdócio… esquecidos de que OS ROMANOS NÃO PODEM ERRAR NA FÉ”

      (Epist. 59,n.14, Hartel, 683)

      GAIO presbítero romano, em 199 da era cristã: “diz assim

      nós aqui em Roma temos algo melhor do que o túmulo de Filipe. Possuímos os troféus dos apóstolos fundadores desta Igreja local. Ide à Via Ostiense e lá encontrareis o troféu de Paulo; ide ao Vaticano e lá vereis o troféu de Pedro

      Tertuliano nascido no ano 150 da era cristã falou da morte de Pedro em Roma assim

      “A Igreja também dos romanos publica – isto é, demonstra por instrumentos públicos e provas – que Clemente foi ordenado por Pedro.”

      “Feliz Igreja, na qual os Apóstolos verteram seu sangue por sua doutrina integral!” – e falando da Igreja Romana, “onde a paixão de Pedro se fez como a paixão do Senhor.”

      “Nero foi o primeiro a banhar no sangue o berço da fé. Pedro então, segundo a promessa de Cristo, foi por outrem cingido quando o suspenderam na Cruz.”

      Isso é claro São Pedro foi o primeiro bispo de Roma

      E mais todos os antigos testemunhos históricos,também atesta-nos que Marcos escreveu as suas páginas inspiradas em Roma, sintetizando nelas a pregação e os ensinamentos do príncipe dos apóstolos.

      ENTRE ELES ESSES TESTEMUNHOS ESTÃO

      SÃO CLEMENTE ROMANO NASCIDO NO ANO 30 DA ERA CRISTÃ

      SANTO INÁCIO DE ANTIOQUIA NASCIDO NO ANO 35 DA ERA CRISTÃ

      HERMAS MORTO NO ANO 160 DA ERA C RISTÃ

      PAPIAS NASCIDO NO ANO 60 DA ERA CRISTÃ,

      JUSTINO NASCIDO NO ANO 100 DA ERA CRISTÃ,

      IRINEU DE LYON NASCIDO NO ANO 130 DA ERA CRISTÃ

      ORÍGNES NASCIDO NO ANO 180 DA ERA CRISTÃ

      E CLEMENTE DE ALEXANDRIA NASCIDO DO ANO 150 DA ERA CRISTÃ

      TODOS ELES TESTAM UNÂNIMES QUE MARCOS ESCREVEU EM ROMA.

      COMO ME ORGULHO DE SER CATÓLICO.

  3. Essa é Igreja Católica Biblicamente.
    Saibas meu caro que umas das maiores heresias protestante é o sofismo esquizofrênico de perguntar onde está escrita Igreja Católica Apostólica Romana dentro da Bíblia? Kim a primeira heresia é perguntar onde está escrita na Bíblia; até porque a própria Bíblia diz não conter tudo escrito e a Bíblia diz que a coluna que sustenta a verdade é a Igreja e não a Bíblia (I Timotio 3-15), também porque foi a igreja quem edificou a Bíblia e não a Bíblia quem edificou a Igreja, no caso a Bíblia sim tem que estar totalmente de acordo com os ensinamentos da Santa Igreja que foi o seu criador, já a Igreja não tem a necessidade de se submeter apenas ao que está escrito na Bíblia.
    Mesmo assim provarei aqui no site que todos os ensinamentos da Santa Igreja possuem respaldos Bíblico, mesmo sabendo que os ensinamentos da Igreja não precisam estar diretamente relacionados com o que está escrito na Bíblia, pode estar relacionada a Santa Tradição ou pode ser uma revelações futuras da parte de Deus para sua Igreja, pois todos nós sabemos que Deus não se calou com a humanidade, ele continua orientando sua Igreja apesar de alguns rebelados acharem que o cristianismo morreu no século I com a morte de São João e Deus se calou com a humanidade, mas nós Católicos sabemos que o cristianismo na verdade nasceu no século I.
    Mas vamos voltar ao assunto, como podemos encontrar o nome da única Igreja de Jesus Cristo na Bíblia? Vamos lá:
    1º) O por que se chama Igreja Católica?
    Porque era o nome dado pelos Apostolo a união Apostólica segundo a sua fé universal em Jesus Cristo Nosso Senhor, em (hebreus 12-23) podemos observar que o autor escreve exatamente isso, ele chama a Igreja de (Assembléia Universal) para os protestantes que não sabem os significados das palavras, assembléia universal e o mesmo que Igreja Católica.
    Hebreus 12
    23 à universal assembléia e igreja dos primogênitos inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados;
    Assembléia = Igreja
    Universal = Católica
    Sendo assim sabemos que desde o século I a Igreja era conhecida por Igreja Católica.
    2º) O por que ser chamada Apostólica?
    Essa é bem simples, em Efésios São Paulo explica que a Igreja onde Jesus Cristo é a cabeça, está edificada sobre os fundamentos Apostólicos.
    Efésios 2
    19. Conseqüentemente, já não sois hóspedes nem peregrinos, mas sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus,
    20. edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, tendo por pedra angular o próprio Cristo Jesus.
    21. É nele que todo edifício, harmonicamente disposto, se levanta até formar um templo santo no Senhor.
    22. É nele que também vós outros entrais conjuntamente, pelo Espírito, na estrutura do edifício que se torna a habitação de Deus.
    3º) O por que a Igreja Católica Apostólica é chamada de Romana?
    Nesse ponto todos os protestantes querem pegar os Católicos e tentar deixá-los sem respostas com argumentos chulos como: (a Igreja de Cristo nasceu em Jerusalém e não em Roma) ou argumentos como: (Jesus era judeu e não Romano), e assim eles ficam perdidos nessas esquizofrenias protestantes, mas a Bíblia que por sinal é a única fonte de fé deles afirma claramente que o reino de Deus foi retirado de Jerusalém e dado aos Romanos para que Roma produzisse frutos desse Reino.
    Aqui Jesus retira o reino de Jerusalém:
    Mateus 21
    42. Jesus acrescentou: Nunca lestes nas Escrituras: A pedra rejeitada pelos construtores tornou-se a pedra angular; isto é obra do Senhor, e é admirável aos nossos olhos (Sl 117,22)?
    43. Por isso vos digo: ser-vos-á tirado o Reino de Deus, e será dado a um povo que produzirá os frutos dele.
    Aqui São Paulo explica que o reino foi dado aos Romanos:
    Romanos 11
    17. Se alguns dos ramos foram cortados, e se tu, oliveira selvagem(ROMANOS), fosteenxertada em seu lugar(JUDEUS) e agora recebes seiva da raiz da oliveira,
    Bem meus irmãos, esse texto São Paulo envia para a Igreja Romana, parece meio confuso, mas eu vou esclarecer para vocês; no texto de (Mateus 21-43), Jesus Cristo retirar o reino de Jerusalém e promete dar a um outro povo, já no texto de (Romanos 11) São Paulo faz uma alegoria de duas oliveiras, uma original (JUDEUS) e outra selvagem (ROMANOS), ele diz que a oliveira original foi cordada seus ramos, sobrando apenas alguns, e que em seu lugar foste enxertada a oliveira SELVAGEM que seria o povo Romano e que desde então esse povo passaria a receber a seiva da raiz, essa raiz que São Paulo cita se chama ABRAÃO, nas sua carta aos (Gálatas capitulo 3 versículo 16) ele diz que a promessa de Deus foi feita de (ABRAÃO a Jesus Cristo), ou seja, Abraão é a raiz da oliveira original no qual desde que fostes retirado o reino de Jerusalém ROMA recebeu esse reino sendo enxertada no lugar da oliveira original e assim passou a receber a seiva da raiz, onde nós Católicos Romanos que somos os descendente de Abraão o Pai da fé.
    Só para terminar esse assunto, São Paulo termina sua carta aos Romanos escrevendo e deixando registrado um oráculo que em nenhuma outra carta ele deixa registrado, uma profecia que só está prometida para Igreja ROMANA à única de Jesus Cristo.
    Vou mostrar:
    Romanos 16
    19. A vossa obediência se tornou notória em toda parte, razão por que eu me alegro a vosso respeito. Mas quero que sejais prudentes no tocante ao bem, e simples no tocante ao mal.
    20. O Deus da paz em breve não tardará a esmagar Satanás debaixo dos vossos pés. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco!

  4. Muitos protestantes dizem que os católicos leem pouco, que as sagradas escrituras precisam de mais leitura. Acho que tem um pouco de verdade. Mas se estudamos pouco, segundo os protestantes, venham pois para o lado de cá porque a patrística e a Tradição apostólica está precisando de soldados para divulgá-la melhor para o mundo. Na verdade meus queridos irmãos protestantes, o verdadeiro católico precisa saber tudo pelo menos umas dez vezes mais que qualquer protestante. Poucas são as condutas que deveis preservar, somente seguir os preceitos da igreja. Ela quer ajudá-lo nas interpretações das escrituras, para que não sejais conduzidos pelo maligno e por consequência não desviar outros da verdade. Meu amigo protestante, infelizmente tenho duas notícias para lhes dar. A primeira é que venhas correndo para o lado de cá, enquanto ainda estais no caminho da vida. Lembrem-se que um gesto seu de bom senso pode abrasar a terra e muitos poderão segui-los e reconduzidos ao amor universal e totalitário. A segunda notícia é que se não o fizerdes, Os que os seguem podem se perder e vós sereis culpados da perdição de outros. Este pecado de proporções geométricas o Senhor com certeza não os perdoará, pois como podemos ver não se trata da perdição de uma só alma, mas de muitas. Não sede como os amaldiçoados que se poem na porta do céu para desviar as carentes almas que por elas querem entrar e vós as desvieis.

    • Protestantismo – A religião do livro e do homem

      Havia uma denominação protestante com 1.000 seguidores. Um dia o pastor da denominação começou a pregar a teologia da prosperidade. Parte do grupo revoltou-se e logo começaram brigas e debates em torno daquela pregação. Um grupo que discordou veementemente do pastor resolveu sair da denominação. Este grupo perfazia um total de 200 membros dissidentes. Estes acusavam o pastor de pregar contra a palavra de DEUS.Destes 200 membros dissidentes, 10 abriram novas denominações. Os outros 190 restantes dividiram-se por outras denominações já existentes. Vamos dar um exemplo de como ficaram as divisões a partir da denominação que tinha inicialmente 1.000 membros:
      800 seguidores permaneceram na denominação do pastor que começou a pregar a teologia da prosperidade.
      Dos 200 ex seguidores agora dissidentes,10 deixaram a denominação e fundaram mais 10 novas igrejas protestantes.
      Estas 10 novas denominações adotaram linhas diferentes.Uma abraçou Lutero, uma abraçou Calvino, uma abraçou Wesley, uma tornou-se batista, uma virou pentecostal, uma virou neo pentecostal, uma abraçou o casamento entre pessoas do mesmo sexo, uma outra permitiu que mulheres fossem pregadoras, uma começou a pregar o evangelho judaizante e uma última adotou a confissão positiva…
      Os outros 190 ex seguidores dividiram-se em outras denominações já existentes, sendo que:
      20 foram para uma denominação que batizava e repudiava o divórcio.
      30 foram para uma denominação que também repudiava o divórcio, mas não batizava.
      40 foram para uma denominação que batizava, repudiava o divórcio, mas que praticava o evangelho judaizante condenado pelas demais.
      10 foram para um denominação cujo pregador líder era favorável ao aborto.
      Os outros 100 membros dissidentes dividiram-se ainda por diversas igrejas, sendo que parte tornou-se luterana, parte tornou-se calvinista, parte tornou-se batista e um outro grupo resolveu adotar igrejolas neo pentecostais favoráveis a unção do zoológico ou a unção do leão ou ainda a adoração da Arca da Aliança.
      Finalmente, um grupo ainda pequeno resolveu abraçar o grupo conhecido como “sem igrejas”.
      1) Quais são as nossas dúvidas ?
      a-Qual destes grupos reteve a sã doutrina dos apóstolos ?
      b-Qual destes grupos pratica o verdadeiro evangelho de Jesus Cristo ?
      c-Qual destes grupos deve ser considerado como herege ?
      d-Todos estão salvos ?
      2)Estando todos salvos, independentemente de denominação e do Cristo que cada grupo segue em cada igreja, poderíamos dizer que o importante para a salvação é tão e somente o rótulo protestante ?
      Então por que o protestante diz que placa de igreja não salva ninguém ? Claro que salva. Bastou levantar o dedo na denominação protestante que todos já são irmãos em cristo, mesmo que cada grupo pregue um Cristo diferente.
      3)Se todos estão salvos, por que brigaram e se dividiram ?Por que ao invés de brigarem não estavam louvando a DEUS pela “salvação” de todos ?
      4)Se todos estão salvos, por que precisam agrupar-se e criar igrejas se tais circunstâncias não influem na salvação de quem quer que seja ? Para que o protestante faz culto para um bando de gente que já está salva ?
      5)Qual destes grupos representa a igreja primitiva ? Qual destes grupos representa a igreja dos apóstolos ?
      6)Se todos estão salvos e salvação não pode ser perdida, e se uns chamam aos outros de hereges, razão pela qual se dividiram, podemos dizer que heresia não condena ninguém ao inferno ?
      7)Se heresia não leva ninguém ao inferno, podemos dizer que não faz diferença o Cristo que se prega ou o Cristo que se pretende seguir ?
      8)Se heresia não condena ninguém e a salvação está restrita aos grupos protestantes, ainda que escandalosamente divergentes entre si, podemos dizer que o importante para a salvação é tão e somente levantar o dedo em qualquer denominação protestante e “aceitar” Jesus ?
      9)Se todos estão salvos a partir do “aceitar” Jesus, por que precisam de pastores, templos, cultos, pregações, dvd’s, música Gospel, dízimos ? O que pode ser mais importante do que a salvação ?
      10)Se a salvação não pode ser perdida, estando todos os grupos protestantes salvos, independentemente do cristianismo que abraçaram, que diferença faz pagar ou não dízimos ? Escutar ou não música Gospel ? Alguém fica mais ou menos salvo se praticar ou não todas estas coisas ?
      11)Se os “sem igreja” estão salvos tal como os que frequentam denominações, podemos dizer que igrejas protestantes não servem para nada ? Pois todos os grupos se dizem salvos, incluindo os “sem igreja”.
      12)Considerando o exemplo acima, qual destes grupos ou denominações está interpretando corretamente a Bíblia ? O grupo dos “Sem igreja” que acusa de heresias as denominações protestantes ou o grupo dos com “milhares” de igrejas que acusa os “Sem igreja” de não congregarem ?
      13)Se nem todos estão interpretando corretamente a Bíblia, quais destes grupos que está de fato sendo assistindo pelo Espírito Santo ? Quantos Espíritos Santos existem? Pode um mesmo Espírito Santo dar a cada denominação ou cada crente teologias e direções diferentes ?
      14)Se alguns membros permaneceram com o pregador da teologia da prosperidade, outros dele fugiram, e estes mesmos que se foram também não permaneceram unidos, pergunta-se onde está na Bíblia a permissão para cada grupo tomar a decisão que tomou ?
      Onde está na Bíblia a permissão para se trocar de denominação ?
      Onde está na Bíblia a permissão para permanecer na denominação ?
      Quem está certo ?
      Onde está na Bíblia a quantidade de vezes que cada crente pode mudar de denominação ?
      Onde está na Bíblia que alguém insatisfeito pode fundar uma nova denominação ?
      15)Se todos os grupos citados em nosso exemplo estão corretos em suas interpretações bíblicas e doutrinas, e, considerando que “placa” de igreja não salva ninguém, assim dito pelos protestantes, pergunta-se por que brigam tanto e fundam tantas denominações ?
      Não é o protestante que menospreza a igreja ?
      Por que fundam tantas igrejas se eles mesmo dizem que igreja não salva ninguém ?
      E se todos estão salvos e todas as interpretações estão corretas por que brigam e por que se dividem ?
      16)Vamos supor que alguém já está “Salvo” porque fez o favor de aceitar Jesus. Pela Bíblia eu sei que ele que me escolhe e não eu a ele. Mas para o protestante, mestre de si mesmo, profeta e profundo conhecedor bíblico, é ele quem faz o favor de aceitar Jesus.
      Vamos lá. Se o protestante já está salvo e salvação garantida não pode ser perdida, que diferença faria:
      .Frequentar ou não igrejas protestantes ?
      .Pagar ou não dízimos ?
      .Respeitar ou não o pregador ?
      .Ler ou não ler a Bíblia ?
      .Interpretar ou não interpretar corretamente ?
      .Ouvir ou não música Gospel ?
      .Comprar ou não comprar DVDs de pregações ?
      .Pregar para outros ou não pregar ?
      Quem já está salvo e não faz estas coisas perde a salvação ?
      Alguém fica mais ou menos salvo se fizer ou não fizer tais coisas ?
      Se alguém perde a salvação porque deixou de fazer uma destas coisas acima, então não existe salvação garantida. Salvação garantida é salvação que não pode ser perdida.
      Agora, se alguém mesmo deixando de fazer todas estas coisas não perde a salvação, então tanto faz o cristianismo que se pratica ou o cristo que se crê ou a bíblia que se lê. Todos estão salvos.
      O que salva então é o rótulo protestante. Tem rótulo protestante está salvo.
      17)Por que o protestante crê na Bíblia ?
      Nós católicos cremos porque a Igreja Católica nos diz que devemos crer.
      Mas o protestante rejeita o magistério da Igreja.
      Como lhe é possível saber que deve crer na Bíblia ou que a Bíblia é a palavra de DEUS ?
      Estou convencido de que Jesus não apareceu para protestante algum dizendo que se deve crer na Bíblia.
      Estou convencido também que a Bíblia não caiu do céu no colo do protestante.
      O protestante crê na Bíblia porque crê antes no homem que lhe disse para crer. Este homem é outro protestante ou seu pastor ou Lutero.
      O homem definindo para o homem o que é divino.
      A Bíblia é filha da Igreja. O protestante faz o contrário, transformando a Igreja em filha da Bíblia.
      Como o protestante pode saber que sua Bíblia Protestante e não a católica é a Bíblia correta ?
      Recebeu alguma revelação ? Não.
      Confiou mais uma vez no que lhe disseram os homens.
      Como o protestante pode saber quais são os livros inspirados ?
      Recebeu uma revelação ? Não.
      Confiou no que lhe disseram os homens.
      Como o protestante pode saber a tradução bíblica adequada ?
      Recebeu uma revelação ? Não.
      Confiou no que lhe disseram os homens sobre a tradução feita por Lutero e sobre a tradução do falsificador João Ferreira de Almeida.
      E a Bíblia o que fala de si mesmo ?
      Ela se define como única fonte de revelação ? Não.
      A Bíblia diz que muitas outras coisas foram escritas e feitas por Jesus as quais não foram escritas.
      A Bíblia diz segundo São Paulo que devemos guardar os ensinamentos que nos foram transmitidos quer por espístola ou não. Ou seja, escritos ou transmitidos oralmente.
      A Bíblia define os livros inspirados ? Não
      A Bíblia define a Bíblia protestante como a Bíblia correta ? Não.
      A Bíblia define o tradutor oficial da Bíblia ? Não.
      Mesmo se a Bíblia ensinasse a respeito de todas estas questões, Jesus nos adverte o testemunho sobre si próprio é inválido. O testemunho válido é aquele prestado por outros sobre algo ou alguém.
      Em outras palavras Jesus dá credibilidade aos apóstolos e a Igreja. A Igreja dá credibilidade a Bíblia. A Bíblia dá testemunho de Jesus Cristo.
      O protestante faz o contrário. A sua interpretação bíblica lhe dá direito de fundar igrejas e as igrejas inauguradas dão testemunho de um Jesus adaptado a vontade de cada pregador e donos de seita.
      Não por acaso temos o Jesus que prega o aborto do Edir Macedo, o Jesus da prosperidade do Malafaia, o Jesus do evangelho Judaízante do Terra Nova, o Jesus da unção do zoológico da Ana Paula Valadão, o Jesus patrocinador do RR Soares e o Jesus dos trízimos do Valdemiro Santiago.
      Toda crença protestante está centrada no homem.
      Cada crente é uma espécie de “Papa infalível”.
      Com a Bíblia debaixo do braço cada crente pode julgar quem é ou não herege. Quem está ou não condenado. Quem prega certo e quem prega errado. Quem está salvo e quem está condenado.
      Uma vez disse bem o maior herege da história, filho de Lúcifer: “Meu DEUS o que eu fiz ? Um dia serão tantas igrejas que nem poderemos contar. Cada cabeça será uma igreja(Martinho Lutero).”
      Disse ainda o heresiarca mor: “Uns batizam e outros não. Uns creem na trindade e outros a refutam. Chegará o dia que teremos que trazer de volta os concílios católicos para que o povo saiba no que se deve crer.”
      Negando a infalibilidade de Pedro, o protestante afirma que homem alguém é confiável em matéria de fé e doutrina.
      E como este protestante pretende convencer os demais de sua doutrina se ele nega a si próprio como homem confiável ?
      A Bíblia proíbe a interpretação privada e tudo que o protestante mais faz é intrepretar por conta própria e uma interpretação não é igual a outra, razão pela qual não temos uma igreja protestante, mas milhares delas. Todas divergentes entre si e toda ao mesmo tempo dizendo-se portadoras da verdade e inspiradas pelo Espírito Santo. Que blasfêmia atribuir ao Espírito Santo um número incontável de doutrinas. Que blasfêmia atribuir ao Espírito Santo a unção da galinha, a unção do cachorro, a unção da vassoura, a unção do leão.
      Que ninguém se engane. A igreja Católica é imperecível, indestrutível e não perde uma só batalha.
      Alguém disse e disse bem: “Não existe a religião cristianismo. Existe a Igreja e seus inimigos.”
      O que dizem os inimigos da Igreja?
      Voltaire – inimigo confesso de Cristo e da Igreja, parabenizado sobre a destruição que promoveu de um templo católico: “Que ninguém se engane. A Igreja não está morta. O fogo da fé está somente em brasa, mas não extinto. A fé católica é fogo inextinguível.
      Napoleão Bonaparte – Também inimigo da Igreja. Tão grande era seu sucesso e popularidade que um dos seus assessores lhe propôs fundar uma igreja. Disse ele ao seus seguidor: “Meu filho, para fundar uma igreja duas coisas são necessárias. A primeira é morrer na cruz e a segunda é ressuscitar dos mortos. A primeira eu não quero e a segunda eu não posso.”
      O que dizem os católicos sobre a Igreja?
      Contemplando este mistério da Igreja, São Pio X dizia: “Os reinos e os impérios desmontaram; os povos que a glória de seus nomes assim como sua civilização os havia tornado célebres, desapareceram. Viram–se nações que, atingidas pela decrepitude, se desagregaram por si mesmas. A igreja, porém, é imortal por natureza, jamais o laço que a une ao seu celeste Esposo se romperá e, em consequência, a velhice não pode atingi-la; ela permanece exuberante da juventude, sempre transbordante dessa força com a qual ela nasceu do coração transpassado de Cristo morto sobre a Cruz”. (Encíclica Iucunda Sane). Papa Bonifacio VIII, Bula Unam Sanctam (1302):
      “Nós declaramos, dizemos, definimos e pronunciamos que é absolutamente necessário para a salvação de toda criatura humana o estar submetida ao Romano Pontífice.”“Assim como há um só Deus, um só Cristo, um só Espírito Santo, assim também há uma só verdade divinamente revelada; uma só Fé divina que é o princípio da salvação do homem e o fundamento de toda a justificação, a Fé pela qual o justo vive e sem a qual é impossível agradar a Deus e chegar à comunhão dos Seus filhos. Há uma só Igreja una, verdadeira, santa e católica que é a Igreja Apostólica Romana. Há uma só cátedra fundada sobre Pedro pela palavra do Senhor, fora da qual não podemos encontrar nem a verdadeira Fé, nem a salvação eterna. Todo aquele que não tiver a Igreja como mãe não pode ter a Deus como pai, e quem quer que abandone a cátedra de Pedro sobre a qual a Igreja foi fundada confia falsamente que está na Igreja de Cristo. Na verdade, não pode haver crime maior e mancha mais repugnante do que se opor a Cristo, do que dividir a Igreja gerada e comprada pelo Seu Sangue, do que esquecer o amor evangélico e combater com o furor da discórdia hostil a harmonia do povo de Deus.”(Pio IX, Singulari Quidem)
      Que ninguém se engane. Assim como ninguém que ficou fora da Arca de Noé escapou ao dilúvio, ninguém que esteja fora da barca de Pedro poderá salvar-se.

    • COMO ME ORGULHO DE SER CATÓLICO

      Cânon de Muratori.

      __________________________________________
      O Cânon de Muratori é o documento mais antigo que se tem a respeito do cânon bíblico do Novo Testamento, por ter sido escrito por volta do ano 150, uma vez que cita o nome de Pio, bispo de Roma de 143 à 155, irmão de Hermas, autor de “O Pastor”.

      Tal documento trata-se de um manuscrito do séc. VIII, cópia do original, descoberto pelo sacerdote italiano Ludovico Antonio Muratori no séc. XVIII.

      O manuscrito encontra-se mutilado no início e no fim, mas permite distinguir quatro espécies de livros:
      1. Os que são lidos publicamente na Igreja.
      2. Os que algumas pessoas querem que sejam lidos publicamente na Igreja.
      3. Os que são lidos particularmente.
      4. Os que devem ser desprezados.

      —————————————————-
      Cânon de Muratori.

      …aos quais esteve presente e assim o fez 1.

      O terceiro livro do Evangelho é o de Lucas. Este Lucas – médico que depois da ascensão de Cristo foi levado por Paulo em suas viagens – escreveu sob seu nome as coisas que ouviu, uma vez que não chegou a conhecer o Senhor pessoalmente, e assim, a medida que tomava conhecimento, começou sua narrativa a partir do nascimento de João.

      O quarto Evangelho e o de João, um dos discípulos. Questionado por seus condiscípulos e bispos, disse: “Andai comigo durante três dias a partir de hoje e que cada um de nós conte aos demais aquilo que lhe for revelado”. Naquela mesma noite foi revelado a André, um dos apóstolos, que, de conformidade com todos, João escrevera em seu nome.

      Assim, ainda que pareça que ensinem coisas distintas nestes distintos Evangelhos, a fé dos fiéis não difere, já que o mesmo Espírito inspira para que todos se contentem sobre o nascimento, paixão e ressurreição [de Cristo], assim como sua permanência com os discípulos e sobre suas duas vindas – depreciada e humilde na primeira (que já ocorreu) e gloriosa, com magnífico poder, na segunda (que ainda ocorrerá). Portanto, o que há de estranho que João freqüentemente afirme cada coisa em suas epístolas dizendo: “O que vimos com nossos olhos e ouvimos com nossos ouvidos e nossas mãos tocaram, isto o escrevemos”? Com isso, professa ser testemunha, não apenas do que viu e ouviu, mas também escritor de todas as maravilhas do Senhor.

      Os Atos foram escritos em um só livro. Lucas narra ao bom Teófilo aquilo que se sucedeu em sua presença, ainda que fale bem por alto2 da paixão de Pedro e da viagem que Paulo realizou de Roma até a Espanha.

      Quanto às epístolas de Paulo, por causa do lugar ou pela ocasião em que foram escritas elas mesmas o dizem àqueles que querem entender: em primeiro lugar, a dos Coríntios, proibindo a heresia do cisma; depois, a dos Gálatas, que trata da circuncisão; aos Romanos escreveu mais extensamente, demonstrando que as Escrituras têm como princípio o próprio Cristo.

      Não precisamos discutir sobre cada uma delas, já que o mesmo bem-aventurado apóstolo Paulo escreveu somente a sete igrejas, como fizera o seu predecessor João, nesta ordem: a primeira, aos Coríntios; a segunda, aos Efésios; a terceira, aos Filipenses; a quarta, aos Colossenses; a quinta, aos Gálatas; a sexta, aos Tessalonicenses; e a sétima, aos Romanos. E, ainda que escreva duas vezes aos Coríntios e aos Tessalonicenses, para sua correção, reconhece-se que existe apenas uma Igreja difundida por toda a terra, pois da mesma forma João, no Apocalipse, ainda que escreva a sete igrejas, está falando para todas.

      Além disso, são tidas como sagradas uma [epístola] a Filemon, uma a Tito e duas a Timóteo; ainda que sejam filhas de um afeto e amor pessoal, servem à honra da Igreja católica e à ordenação da disciplina eclesiástica.

      Correm também uma carta aos Laodicenses e outra aos Alexandrinos, atribuídas [falsamente] a Paulo, mas que servem para favorecer a heresia de Marcião, e muitos outros escritos que não podem ser recebidos pela Igreja católica porque não convém misturar o fel com o mel.

      Entre os escritos católicos, se contam uma epístola de Judas e duas do referido João, além da Sabedoria escrita por amigos de Salomão em honra do mesmo.

      Quanto aos apocalipses, recebemos dois: o de João e o de Pedro; mas, quanto a este último, alguns dos nossos não querem que seja lido na Igreja.

      Recentemente, em nossos dias, Hermas escreveu em Roma “O Pastor”, sendo que o seu irmão, Pio, ocupa a cátedra de bispo da Igreja de Roma. É, então, conveniente que seja lido, ainda que não publicamente ao povo da Igreja, nem aos Profetas – cujo número já está completo -, nem aos Apóstolos – por ter terminado o seu tempo.

      De Arsênio, Valentino e Melcíades não recebemos absolutamente nada; estes também escreveram um novo livro de Salmos para Marcião, juntamente com Basíledes da Ásia…

      ————————————————————

      1Certamente, estas palavras finais se referem ao evangelho de Marcos, que não foi testemunha ocular dos acontecimentos, mas que conhecia muito bem os sermões de Pedro por ter sido seu discípulo.

      2Ao usar a expressão “por alto” o autor deste escrito está querendo afirmar que Lucas omitiu esses atos por não os ter presenciado ou por não terem ainda ocorrido durante a redação dos Atos dos Apóstolos. No entanto,

  5. Paz do Senhor para todos.Infelimente estamos assistindo a grande apostasia.Sao Paulo falou desta apostasia na segunda epistola aos Tessalonicenses.O diabo quer tirar pessoas da Igreja de Cristo.Vejam que a maçonaria luta para destruir a Igreja Catòlica.O que achado incrivel è como as pessoas deixam a unica Igreja fundada por Cristo, para Igrejas fundadas por homens.Tà escrito.Mas tambem sabemos que terà um dia onde todas as pessoas do mundo ou sua grande maioria serà catòlica.O inimigo por em quanto està conseguindo tirar quanto mais almas possivel.Oremos para o Senhor Jesus e para a Virgem Maria para que iluminem os quecaem no laço do diabo que em nossos tempos sao as seitas.Eu no meu blog irei publicar um artigo sobre a historia do Cristianismo,para dizer a verdad,e hà uma sò Igreja fundada por Deus, a Igreja Catòlica,o resto è obra de homens,està escrito ”Maldito o homem que confia no homem”.Cada um de nòs deve ser (ainda mais neste ano que è o ano da fè) ser testemunho da fè de Jesus,devemos dar testemunho da nossa fè para com todos,devemos utilizar os meio de comunicaçao como a internet,as redes sociais como:Facebook,Twitter etc.No arteblog è gratuito fazer blog.Sejamos ativissimos apostolos de Jesus,nesta epoca em que parece que as trevas estao conseguindo tirar almas vestindo-se de anjos de luz.Uma sò è a verdadeira luz, Jesus Cristo.

    No amor de Cristo e Maria

    Salvatore

    • UM PARABÉNS PARA VOCÊ MEU AMIGO SALVATORE E PARA O MEU AMIGO
      RUBENS DA SILVA PORTO

      OLHA EU VOU MOSTRAR PARA VOCÊ A PATRÍSTICA SÓ UM POUQUINHO DO PRIMADO DE SÃO PEDRO COM TESTEMUNHOS SÓ DO PRIMEIRO SEGUNDO E TERCEIRO SÉCULO E QUATRO SÉCULO

      AMIGOS VEJA A GRANDEZA DESSA IGREJA QUE DEVE SER PREGADA PEGUEM ESSE ESTUDO E PASSEM PARA TODOS E DIVULGUEM AO MAXIMO EM CATEQUESES GRUPOS JOVENS ETC…

      • SÃO PEDRO O NOSSO PRIMEIRO PAPA!

        Eu asseguro com toda certeza do mundo! E digo convincente que qual quer pastor ou historiador protestante deixa de ser protestante se ele deixar de lado a ignorância e o racionalismo e começar a estudar a sério a patrística nas suas fontes verdadeiras.

        Contra Proclo
        Caio (séc I)

        E eu posso mostrar os troféus dos apóstolos. Se você for para o Vaticano ou para a Via Óstia, encontrará os troféus daqueles que fundaram esta igreja (Preservado em História Eclesiástica 2,25, de Eusébio 264-339).

        Veja como é claro a Perpetuidade do primado de S. Pedro.

        O Evangelho; a razão; a história e o primado do Pontífice romano.

        Agora abramos o Evangelho e ouçamos as palavras divinas desta investidura perpétua: “Ide, pregai a todos os povos… ensinando-os a observar tudo o que vos mandei; e eu estarei convosco todos os dias, até a consumação dos séculos” (Math., XXVIII, 19-20). Que explendor de evidência!

        Os enviados de Cristo deverão ensinar e pregar a todos os povos; Cristo os acompanhará com a sua assistência até a consumação dos séculos.

        Logo os apóstolos, não como pessoas físicas, mas como corpo moral que se perpetua nos seus sucessores, hão de durar até o fim dos tempos.

        O Evangelho diz-nos que Pedro é o fundamento sobre o qual Jesus construiu a sua Igreja, sociedade visível, que há de durar até o fim dos tempos e contra a qual não hão de prevalecer as portas do inferno. A fórmula evangélica é aqui de um relevo empolgante. De um lado afirma a perenidade da Igreja, do outros constitui a Pedro sua pedra fundamental. Ora, a perpetuidade de um edifício é essencialmente condicionada pela estabilidade de seus alicerces. Repudiando esta pedra fundamental que é a sua autoridade de governo, a Igreja apartar-se-ia das intenções de Cristo, destruiria a própria organização constitucional que lhe impôs a vontade do seu divino fundador.

        No dia em que viesse a faltar o principado hierárquico de Simão, a pedra escolhida pelo Salvador, as portass do inferno teriam prevalecido: sem base, o edifício aluiria em inevitável ruína.

        Esse dia não despontará nunca. Há vinte séculos que todos os poderes da terra coligados arremetem contra essa rocha firmada pela mão de Deus. Há vinte séculos que a dinastia dos sucessores de Pedro continua na história como um milagre vivo, sem exemplo na ordem moral. Digitus Dei est hic.

        Protestantes saibas que o relógio do tempo não soará nunca a hora em que “o ídolo do Vaticano será precipitado no seio da história com o ímpeto de uma pedra, arremessada no fundo do mar a audácia da metáfora não logra disfarçar o quixotesco da profecia.

        Diz-nos ainda o Evangelho que Pedro é sem restrições de tempo nem de lugar o pastor do rebanho de Cristo. O rebanho existe? Não há de faltar quem o pastoreie. Nunca será que as ovelhas do redil de Cristo tresmalhem, desgarradas pelo mundo, sem pastor que as apascente, guie e defenda.

        Ora, Jesus Cristo fundou a sua Igreja como uma grande sociedade. Poderíamos por um só instante persuadir-nos que não tivesse dado um chefe em torno do qual se reunissem os crentes: Fora lícito aventurar que a Providência se mostrara menos solícita com a sociedade cristã do que o foi com a sinagoga, para cuja conservação instituíra e mantivera a autoridade espiritual do supremo

        E o governo é permanente como a necessidade social que exige. Admitir em Pedro um poder de jurisdição como privilégio pessoal e intransmissível é contra-senso jurídico. A autoridade é função pública cuja única razão de ser é o bem social.

        Pedro preferido por sua fé aos demais apóstolos para primeiro chefe da Igreja, entende-se; o cargo de supremo pastor da sociedade cristã criado para prêmio individual de um homem fora sem razão inadmissível. É, pois, a natureza orgânica da instituição divina que exige a perpetuidade do primado. Cristo, estabelecendo uma sociedade visível qui-la una como uma só coisa são as divinas pessoas, ut sint sicut et nos unum sumus. Ora, pondera S. TOMÁS, “não há unidade da Igreja sem unidade de fé… não há unidade de fé sem um chefe supremo”.4

        Deve ser bem evidente a necessidade perene da monarquia espiritual do Pontífice para que a confessem os mais ilustres protestantes que não fecham obstinadamente os olhos à luz da verdade. LEIBNIZ e GRÓCIO são talvez os mais profundos talentos de que na filosofia e na jurisprudência se podem gloriar as letras protestantes; ambos concordam em reconhecer essa necessidade fundamental. Memoremos apenas as palavras do célebre jurista holandês: “A ordem, assim nas partes como no todo, cifra-se no primado ou unidade do chefe. Foi o que em Pedro nos ensinou Cristo. Foi o que de Cristo aprendeu Cipriano, o que com Cipriano repete Jerônimo…

        Pg.101
        este chefe é entre os sacerdotes o bispo… entre os bispos o metropolita… entre todos, o bispo romano… Esta ordem deve ser permanente na Igreja porque contínua é a sua razão de ser: o perigo do cisma”.5

        Nada mais claro. Concluamos. A razão exige um primado perpétuo? Cristo instituiu-o. Tudo na obra divina é coerente. O edifício da Igreja foi levantado sobre a firmeza de uma autoridade que, como rocha inabalável, lhe há de sustentar a divina estrutura até a consumação dos tempos. “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja e as portas do Inferno não prevalecerão contra ela”.

        A palavra onipotente do Verbo humanado prometeu naquele instante ao humilde pescador da Galiléia uma investidura imortal. Pedro viverá nos seus sucessores até o fim dos tempos. “Episcopalis dignitas Petri indeficiens obtinet cum aeterno sacerdotio consortium”.6 Estas palavras de S. LEÃO MAGNO recolhem na sua concisão a voz de todas as gerações cristãs, que, neste sentido, entenderam sempre a instituição do divino Fundador. Não é dos lábios profanados e indignos dum sacerdote fedífrago, perjuro e rebelde que iremos ouvir após mil e quinhentos anos a interpretação genuína da magna carta que constitui o princípio de estabilidade, desenvolvimento e perfeição da sociedade cristã.

        A Igreja fundou-se, organizou-se, desenvolveu, segundo o ideal preestabelecido pela Providência. Não podia falhar o plano de Cristo à espera de LUTERO que o viesse emendar. A constituição social do cristianismo e a sua vida no curso dos séculos são necessariamente a realização do plano divino. Ora, desde os seus primórdios a Igreja reconheceu sempre o pontífice romano como o legítimo sucessor de S. Pedro no governo supremo e universal da sociedade dos fiéis. É este concerto admirável da consciência cristã que passamos a ouvir. Depois dos oráculos do Evangelho, depois dos ensinamentos da razão, escute-se a lição da história. Pois Cristo, deu as chaves a São Pedro e isso é largamente demonstrado, e ainda deu-lhe em Pedro e em seus sucessores uma autoridade suprema e indefectível, guarda da sua doutrina, baluarte inconcusso da sua unidade.

        Ora, a autoridade, de sua natureza, é o elemento mais visível, mais conspícuo, mais saliente no organismo social. Se ignoro onde reside o poder, como lhe posso prestar submissão? Como posso apelar para as suas decisões nas minhas dúvidas? Como conhecer a legitimidade dos seus decretos? Logo, fechando o silogismo, na verdadeira Igreja de Jesus Cristo deve existir sempre uma autoridade suprema, visível, evidentemente reconhecível às inteligências retas e aos corações sinceros.

        Lançai agora um olhar sobre o universo cristão. Onde está o grande centro da unidade católica, a grande força moral que afirma serenamente a supremacia da sua jurisdição baseada na herança legítima da supremacia de Pedro? Todos os olhos se voltam espontaneamente para a cidade eterna: ei-lo; o bispo de Roma é o soberano Pontífice da cristandade.

        Agora fora da comunhão católica encontrareis mil seitas que se dizem cristãs, a definharem na estagnação da morte, sem unidade de fé, sem unidade de regime, sem unidade de culto. Outrora eram ramos florescentes da grande árvore. O orgulho separou-as num momento de desvario; a ignorância e os preconceitos continuaram a obra cismática das paixões em revolta. Foram-se, desditosas igrejas! Mas nenhuma, ainda nos dias de sua maior enfatuação, pretendeu a hegemonia universal na sociedade dos crentes.

        As velhas igrejas do Oriente proclamaram-se espontaneamente autocéfalas. Cada patriarca não estende a sua jurisdição além da limitada esfera territorial que lhe assinaram as conveniências políticas, os acordos diplomáticos ou as transações financeiras. Sofia e Atenas, Moscou e Bizâncio tratam-se como potências políticas autônomas, nem sempre aliadas mas sempre no mesmo pé de igualdade.

        Agora o protestantismo, outra fração separada da unidade católica, introduziu na hierarquia eclesiástica, como em tudo o mais, um confusão inextricável. HENRIQUE VIII disse: “Não quero papa porque o supremo poder espiritual sou eu; a tiara, e a coroa devem cingir a mesma fronte. Mas haja bispos, independentes entre si e dependentes do cetro, sem nenhuma autoridade fora da Inglaterra.

        LUTERO amputou mais profundamente: não quero bispos, mas só sacerdotes. CALVINO mais radical ainda: nem bispos nem sacerdotes, só ministros predicantes. Uma multidão de seitas inferiores: fora também os ministros predicantes; cada cristão é o seu doutor e o seu profeta. Toda a reforma, portanto, nas suas infinitas modalidade renuncia à posse do governo supremo das almas. E eis-nos chegados às pontas do dilema: ou a Igreja de Cristo, por ele fundada sobre Pedro pereceu, ou é a Igreja Católica, Apostólica, Romana.

        Para justificar ante a consciência cristã a existência do papado não é mister acumular outras provas, cerrar mais argumentos, ou multiplicar novas deduções. A infalibilidade da palavra de Cristo que prometeu a indefectibilidade à sua Igreja edificada sobre Pedro é o título divino da existência do papado, o penhor seguro da sua perene dedução.

        Agora vou mostrar um pouco de histórica. Para os protestantes, aprendam meus caros que o Papado não é instituição do cristianismo primitivo, é “o elo último de uma evolução secular, a expressão suprema de uma concentração sucessiva do poder”: “instituição essencialmente humana, o Papado é a suprema mistificação do Cristianismo legada aos tempos modernos pela superstição caliginosa dos tempos medievais”.8 – Nunca se levantou mais flagrante testemunho contra a história

        Eu poderia escreve e mostrar milhares de milhares centenas de centenas de volumes se eu quisesse recolher todos os testemunhos e fatos históricos da antiguidade que atestam irregrafavelmente a supremacia espiritual do papa.

        Mais creio eu que só esses daqui são bem convincentes.

        Estamos na idade apostólica. O espírito turbulento de alguns jovens suscita em Corinto distúrbios e desavenças. A paz dos fiéis é seriamente ameaçada. Quem a restabelece? O bispo de Roma. S. CLEMENTE, terceiro sucessor de S. Pedro, escreve aos coríntios palavras afetuosas e paternas sim, como convém ao pastor comum, mas, ao mesmo tempo, repassadas de força e autoridade como só as pudera escrever um superior. Com a carta envia também o papa
        ___

        9. “Os que não obedecem ao que ele [Cristo] por nosso órgão diz, saibam que hão de incorrer em falta e envolver-se em não pequeno perigo; nós seremos inocentes deste pecado”. Epíst. ad Corinth., c. 59 (F. 12, 135). Abertamente declara S. CLEMENTE: 1.º que Cristo fala pelos seus lábios; 2.º que os renitentes serão réus de grave culpa. Haverá modo de afirmar menos ambiguamente a própria autoridade? S. IRINEU referindo-se a esta epístola chama-a “potentissimas litteras, ad pacem eos [coríntios] congregans et reparans fidem eorum”. Adv. Haeses., III, 3, 3, (MG, vii, 850).___

        No segundo século, por vontade de S. VÍCTOR (189-199) papa em todo o orbe cristão se reúnem sínodos a fim de uniformizar a celebração da Páscoa.

        AGORA NO ANO (154-257) S. ESTÊVÃO (dirige com a sua autoridade a célebre controvérsia agitada na Ásia e na África sobre a repetição do batismo conferido pelos hereges. ISSO AQUI MEUS IRMÃOS SÃO RELATOS É A PATRÍSTICA VIVA QUE SÓ ESTOU MOSTRANDO FRASES FAMOSAS DOS NOSSOS PAPAS QUE MORREU PELA IGREJA.

        Agora no século IV, JÚLIO I (337-352) recebe a apelação do S. Atanásio, patriarca de Alexandria, de Marcelo de Ancira, de Paulo, patriarca de Constantinopla, e a alguns bispos que precipitadamente se haviam imiscuído nessas igrejas escreve:

        “Ignoraisser costume que primeiro se nos escreva e daqui se decrete o que for justo? Certo, se alguma suspeita podia pairar sobre estes bispos, a esta Igreja [Roma] se devera ter comunida”. Dos bispos, assim ilegitimamente depostos, vários foram, em seguida, por ordem pontifícia, reintegrados nas suas sedes. Que melhor argumento da primazia de Roma que este antigo costume de lhe obedecerem os bispos e patriarcas assim do Ocidente como do Oriente?

        S. SIRÍCIO (334-398) declara pesar-lhe sobre os ombros, como sucessor de Pedro, a solicitude de toda a Igreja; para toda a Igreja legisla e dirime controvérsias: “A regra acima [sobre a administração do batismo], escreve ele, deve ser observada por todos os bispos que se não quiserem separar da solidez da pedra sobre a qual Cristo edificou sua Igreja”.13

        À medida que a literatura eclesiástica se vai opulentando de mais copioso cabedal de documentos, os testemunhos da primazia pontifícia se vão multiplicando prodigiosamente.

        Agora entremos no século V, INOCÊNIO I (402-417). ZÓZIMO (417-428), BONIFÁCIO I (412-422), CELESTINO I (422-432), LEÃO MAGNO (440-461), SIMPLÍCIO (468-483), FÉLIX II (483-4923) E GELÁSIO I (492-496), isto é, quase todos os papas do século deixaram-nmos tnatos, tão conepícuos, tão incotnratáveis documentos de sua autoridade jurisdicional que a dificuldade está só em os escolher.

        Ao Concílio de Cartago escreve INOCÊNCIO I que o julgamento dos bispos não é definitivo “se o não confirma a autoridade da sede apostólica”. Assim o ensinam “a antiga tradição e a disciplina esclesiástica” estribadas não em disposições humanas, mas na “sentença divina”. ZÓZIMO, numa epístola aos bispos africanos, recorda outrossim “a tradição dos Padres”, consoante a qual a ninguém é lícito discutir as sentença da Sé apostólica; a Pedro e a seus sucessores ” por promessa de Cristo e por lei divina” foi confiada a solicitude da Igreja universal.Escreve BONIFÁCIO I a todos os bispos da Tessália: é certo por palavra divina que a Igreja romana é a cabeça de todas as igrejas disseminadas no mundo: “quem dela se aparta

        desmembra-se da religião cristã porque já lhe não pertense à constituição orgânica”.1A S. CIRILO de Alexandria ordena S. CELESTINO que, em seu nome e por autoridade da Sé apostólica,excomungue e deponha a NESTÓRIO, patriarca de Constantinopla, caso não retrate os seus erros; confere-lhe ao mesmo tempo a faculdade de nomear outro bispo e lhe comunica haver já escrito no mesmo sentido a outros membros do episcopado a fim de que “a todos conste a sua sentença que é a sentença divina de Cristo”.18

        E a Igreja? Levanta-se, porventura contra essa autoridade como usurpação humana que vem desfigurar e desnaturar a obra divina de Cristo? Insurge-se, talvez contra esta força moral, superior à de todos os bispos, de todos os patriarcas, de todas as igrejas particulares? Muito longe disso. Não há um brado de protesto. Na consciência da Igreja, assistida sempre pela divina Providência, vive o espírito de fé, de submissão, de confiança no governo divinamente constituído do papa.

        Quereis ouvir a voz dos Padres e dos grandes doutores?

        Agora é INÁCIO (morto 107 ou 117), foi bispo de Antioquia, contemporâneo dos Apóstolos, que, saudando aos Romanos, parece não encontrar no entusiasmo do seu fervor termos bastante expressivos para exaltar a grandeza singular desta Igreja que de Roma preside à comunhão universal dos fiéis e a cuja solicitude confia os cuidados da igreja de Esmirna, que, com o seu martírio, ficaria em breve viúva do seu pastor. 19 E qual é a missão desta Igreja “que preside a toda

        E a cristandade”? Continua o santo mártir: “Vós ensinastes às outras igrejas. E eu quero que permaneçam firmes as coisas que vós prescrevestes nos vossos ensinamentos”.

        Agora é IRINEU (morto no ano 202), oriundo da Ásia Menor, bispo nas Gálias, discípulo de S. Policarpo e de outros anciãos da idade apostólica, Irineu em cujo testemunho falam o Oriente e o Ocidente e que proclama sem rebuços nem equívocos a necessidade para todas as igrejas de se conformarem na fé com a Igreja romana em razão de sua primazia de poder.21

        Agora veja o que diz CIPRIANO (200-258), que, comunicando ao papa Cornélio a partida para Roma de Felicíssimo e outros cismáticos, diz: “Atrevem-se estes a dirigir-se à cátedra de Pedro, a esta igreja principal de onde se origina o sacedócio… esquecidos de que os romanos não podem errar na fé”.Para O bispo de Cartago, Roma é “a matriz e o tronco da Igreja católica”estar em comunhão com o papa é estar em comunhão com a Igreja católica”.

        Agora veja o que diz AGOSTINHO (354-430), que em mil lugares, atesta inequivocamente a supremacia do Pontífice romano. Roma é a igreja “in qua

        sempre apostolicae viguit principatus”. A sede de Pedro, pelo sucessão ininterrupta de seus bispos, “culmen auctoritatis obliunt, cui nolle primas dare vel summae profecto imietatis est vel praecipitis arrogtantiae”.

        Agora veja o testemunho de JERÔNIMO (340-420) que das longínquas paragens do Oriente, ao ver que Melécio, Vital e Paulino pleiteavam a sede de Antioquia, se dirige ao Papa em demanda de luz e conselho: “estar em comunhão com o romano Pontífice é estar unido à cátedra de Pedro, é sequir a Cristo, que sobre essa pedra edificou a sua Igreja. Quem sair desta arca perecerá no naufrágio”.

        Agora veja o harmonia dos doutores historiadores e padres da igreja da época como ,OPTATO DE MILÉVIO, AMBÓSIO, GREGÓRIO DE NAZIANZO, MARCELO DE ANCIRA, VICENTE DE LERINS, PEDRO CRISÓLOGO, TEODORO, LEÔNCIO DE ARLES, isso é o coro universal da Igreja, do Oriente e do Ocidente, a cantar harmoniosamente as glórias de prerrogativas de Pedro sempre vivo nos seus sucessores.

        Tal a voz dos Padres. Ouvi agora a dos Concílios. É a Igreja toda que fala nas suas assembléias ecomênicas.

        Agora abre-se em 431 o concílio de Êfeso. FILIPE, legado do Sumo pontífice assim se apresenta ao venerável consenso: “Ninguém duvida, a todos os séculos o confessam, que S. Pedro, príncipe e chefe dos apóstolos coluna da fé e fundamento da Igreja católica, recebeu de N. S. J. C., Salvador e Redentor do gênero humano, as chaves do reino e o poder de ligar e desligar os pecados.

        Pedro vive e julga até aos nossos dias e sempre viverá e julgará na pessoa de seus sucessores. S. CELESTINO, seu sucessor e substituto legítimo, nosso santo e bem-aventurado Papa, a este sínodo me envia como seu representante, etc.”29 E todos os padres do concílio expressamente aprovaram as palavras do enviado pontifício.

        Agora Vinte anos depois, no concílio ecumênico reune-se em Calcedônia. Logo na priemira sessão levanta-se o representante do Soberano Pontífice e, sem que se ouvisse uma só voz de protesto,

        Muito alongaríamos estas páginas se quiséramos referir, um por um, todos os lugares destes e de outros doutores dos cinco primeiros séculos da Igreja, que preconizam e exaltam a primazia do Papa

        Irmãos e minhas irmãos
        É o Papa quem convoca, preside e confirma todos os concílios gerais desde o de Nicéia até ao do Vaticano. Seu poder sobre estas assembléias ecumênicas é universalmente reconhecido.

        É o Papa quem confirma, remove, demite, reintegra bispos no Oriente e no Ocidente. CIPRIANO escreve a S. ESTÊVÃO para que substitua MARCIANO, bispo de Arles. S. DÂMASO depõe FLAVIANO, patriarca de Alexandria. S. AGAPITO exautora ANTIMO, patriarca de constantinopla, apesar da oposição da imperatriz. NICOLAU I enumera oito patriarcas constantiopolitanos depostos pelos Romanos Pontífices.

        É o Papa quem acredita, nos centros mais importantes da cristandade, legados e embaixadores seus, investido de plenos poderes para decidir as causas mais urgentes. LEÃO I nomeia um apocrisiário em Constantinopla, AGAPITO um representante junto ao imperador JUSTINIANO. Em Tessalônica desde o século IV residia um vigário apostólico cuja jurisdição se estendia a todos os bispos da Ilíria.

        Ao Papa, de todo o orbe católico apela, sem distinção, sacerdotes, bispos, patriarcas, ortodoxos e hereges. Roma é o tribunal de última instância. Sua sentença pode reformar todas as outras e por nenhuma e reformável.

        Em 142 MARCIÃO, excomungado pelo seu bispo no Ponto; em 251, PRIVATO, bispo condenado pelo concílio de Cartago; em 252 FORTUNATO e FÉLIX, julgados por CIPRIANO, apelam para Roma. Para Roma apelou o grande ATANÁZIO, patriarca de Alexandria, apelaram CRISÓSTOMO, GREGÓRIO DE NAZIANZO, e FLAVIANO, EUTIQUES, AÉCIO, todos orientais. Que melhor prova da supremacia do papa?

        É na comunhão com o papa, necessária a todos os fiéis, que a Igreja põe a pedra de toque da verdadeira ortodoxia. Afirmam-no declaradamente S. CIPRIANO, S. OPTATO DE MILÉVIO, S. AMBRÓSIO, S. JERÔNIMO. Afirmam-no, com os fatos, quase todos os hereges que, ainda condenados por bispos ou sínodos particulares procuraram com todas as artes da fraude, da dissimulação e da astúcia conservar a comunhão com a Igreja romana.

        Basta lembrar os nomes de MARCIÃO, CELESTINO, amigo de PELÁGIO, MONTANO, etc.

        Ao papa enfim reconhecem a soberania espiritual os supremos poderes políticos do império. GRACIANO no século IV ordena que não se entreguem as igrejas senão aos bispos em comunhão com papa DÂMASO. O edito de TEODÓSIO MAGNO que institui o cristianismo, religião do império, declara ser vontade do imperador que os seus súditos “sigam a religião pregada por S. Pedro aos romanos e que até hoje se conserva e é seguida pelo papa DÂMASO”.

        JUSTINIANO escreve a JOÃO II: “Apressamo-nos em levar ao vosso conhecimento tudo quanto concerne o estado das igrejas… Nem sofremos que coisa alguma seja desconhecida por Vossa Santidadequia caput est omnium sanctarum ecclesiaram”.
        São imperadores cristãos? Pois não nos falta em testemunmho de imperador pagão.

        VEJA:

        Chegou AURELIANO em 272 a Antioquia. PAULO DE SAMOSATA, já condenado por dois sínodos, recusava entregar a residência episcopal. A causa é levada ao tribunal supremo. A sentença de AURELIANO, que EUSÉBIO chama “retíssima”, foi que se entregasse o edifício a quem determinasse o bispo romano e os outros antístites da Itália. Bem notória devia ser no século III a primazia do Papa sobre toda a Igreja para que não a ignorassem os próprios imperadores gentios.

        Irmãos e minhas irmãs católicas e aos amantes por história primitiva com testemunhas oculares da época . Após esta rápida excursão pelos primeiros séculos do cristianismo podemos legitimamente concluir com DE MAISTRE: “Rian dans toute l’histoire ecclésiastique n’est ausse invinciblement démontré, pour la conscience, surtout, que ne dispute jamais, que la suprématie monarchique du souverain Pontife”.

        Muito de caso pensado restringimo-nos quase exclusivamente aos testemunhos dos 5 primeiros séculos. Aqui é impossível falar de eclipse medieval, de obscurecimentos, de superstição.

        Diante destes documentos e de mas de mil outros que eu poderia facilmente produzir, pergunto sinceramente a todo leitor desprevenido: havia ou não na Igreja primitiva a consciência clara, luminosa, serena da soberania espiritual do bispo de Roma?

        A ESTADIA DE SÃO PEDRO EM ROMA É MAIS DO QUE CLARA

        OU EU TI PERGUNTO ? OS PADRES DA IGREJA E OS PADRES APOSTÓLICOS COMO TODOS OS ESCRITORES ECLESIÁSTICOS COMO TODOS OS HISTÓRIADORES DE DENTRO E DE FORA DA IGREJA ENTÃO SÃO MENTIROS DOS 5 PRIMEIROS SÉCULO SÃO MENTIROSOS? POIS NENHUM DELES CONTESTOU O PRIMADO DE SÃO PEDRO !

        VEJA AQUI ALGUNS RELATOS E TESTEMUNHOS SOBRE

        O PRIMADO DE S. PEDRO NA ANTIGUIDADE CRISTÃ

        I. TESTEMUNHO DOS SS. PADRES, DOS ESCRITORES ECLESIÁSTICOS E DA LITURGIA ANTIGA.

        A) Igreja latina.

        TERTULlANO (c. 160-223) “Latuit aliquid Petrum aedificandae Ecclesiae petram dictum, claves regni coelorum consecutum, et solvendí et alligandi in coelis et terris potestatem?” De Praescriptione, c. 22 (ML,II, 34).

        S. CIPRIANO (200-258) : “Petro primum Dominus, super quem aedificavit Ecclesiam, et unde unitatis originem instituit et ostendit, potestatem istam dedit, ut id solveretur (in tcrris ), quod ille solvisset”. Epist. 73, ad Jubaianum, n. 7 (ML, III, 1114) – “Nec Petrus quem primus Dominus elegit et super quem aedificavit Ecclesiam suam, cum secum Paulus de circumcisione postmodum disceptaret vindicavit sibi insolenter aut arroganter assumpsit ut diceret se primatum tenere, et obtemperari a novellis et posteris sibi potius oportere”. Epist. 71 ad Quintum, n. 3 (ML, IV, 410).

        S. MÁXIMO (c. 460): “Quanti ergo meriti apud Dominam suum Petrus erat, ut ei post naviculae parvae remigium totius Ecclesiae gubernacula tradantur?” Sermo 3, de Apost.

        S. OPTATO DE MILÉVIO (c. 370): “Igitur negare non potes scíre te in urbe Roma Petro primum cathedram essa collatam, in qua sederit omnium apostolorum caput Petrus, inde Cephas appellatus”. De schisma Donati, 1. 2, n. 2 (ML, XI, 947).

        S. AMBRÓSIO (340-3D7) “Ipse est Petrus cui dixit: Tu es Petrus et super hanc petram aedificabo Ecclesiam meam . Ubi ergo Petrus, ibi Ecclesia. Ubi Ecclesia, ibi nulla mors'”,In Ps. XL, n. 30 (ML, XIV, 1082). – “Cui

        APÊNDICE Pg.464

        [Petro] propria auctoritate regnum dabat [Chrístus], hujus fidem firmare non poterat ?Quem cum petram dixit, firmamentum Ecclesiae indicavit”. De fide, I, 4. c. 5., n. 56 (ML, XVI, 628).

        S. JERÔNlMO (331 ou 340-420): “Inter duodecim unus eligitur, ut capite constituto, schismatis tolleretur occasío” In Jovin., lib. I, n. 26 (ML, XXIII, 247). – “Christus Petri largitus est nomen, ac secundum metaphoram petrae recte dicitur ei: aedificabo Ecclesiam meam saper te. In evang. Math., c. 16 (ML, XXVI, 117). – “Quid Platoni et Petro? Ut ille enim princeps philosophorum ita hic apostolorum fuit, super quem Ecclesía… fundata”. Adv. Pelag. l. I, n. 14 (ML, XXIII, 506).

        S. AGOSTINHO (354-430): “Quid ergo incongruum si Petrus post hoc peccatum factus est Pastor Ecclesiae, sicut Moyses post percussum. aegyptum factus est rector illius Synagogae?”. Contr. Faustum, 1.22, c. 70 (ML, XLII, 445). – A Sé de .Roma “ípsa est petra quam non vincunt superbae inferorum portae” . Psalm. contr. partem Donati (ML, XLIII, 30) – “Petrus qui Paulo ante eum confessus erat Filium Dei et ín illa confessíone appelatus erat petra supra quam fabricaretur Ecclesia”. Enarrat. in Ps, 69, n. 4 (ML, XXXVI, 869).

        S. LEÃO MAGNO (RN. 461): “De toto mundo unus eligitur Petrus qui et universarum gentium vocationi, et omnibus apostolís cunctisque. Ecclesiae partibus praeponatur ; ut quamvis in populo Dei multi sacerdotes sint, multique pastores, omnes tamenproprie regat Petrus quos principaliter regit et Chrístus”. Serm. 4 de assumpt. sua ad Pontificatum (ML, 149-150).

        S. HILÁRIO (m. 366): “Petrus cui superiores claves regni coelorum dederat [Christus],super quem Ecclesiam aedificaturus erat adversum quam portae inferni nil praevalerent, qui quae ín terris solvisset vel ligasset, ea in coelo, vel soluta persisterent vel ligata” Tract, in. Ps. 131, n. 4 (ML, IX, 730).

        S. ZENÃO DE VERONA (séc, IV): “Simoni, super quem aedificavit Ecclesiam, Petrus nomen ímposuít”. L. I, Tract, 13, n. 8 (ML, XI, 351).

        S. PRÓSPERO DE AQUITÂNIA (m. 463): “Quis vero ambigat quis ignorat hanc fortissimam petram, quae ab ípsa principali petra communionem et virtutes sumpsit et nominis, hoc desiderium semper habuisse ut ei moriendi pro Christo constantía donaretur?”. De vocatione omnium gentium, 2, 28 ( ML, LI, 714).

        B) Igreja grega.

        ORÍGENES (c. 185-254): “Vide magno illi Ecclesiae fundamento et petrae solídissimae super quam Christus fundavit Ecclesiam quid dicatur a Domino…” Hom. 5 in exodo n. 4 (MG, XIII, 329) – “Cui” [Petro] tamquam fundamento superstructa est Ecclesia adversus quam nec ipsae inferorum portae praevaliturae sunt”. In Joan. t. 5, n. 3 (MG, XIV, 188).

        S. BASÍLIO (331-379); “Jonae filium, qui fuit ex Bethsaida, Andreae fratrem, qui ex piscatore ad apostolatus ministerium vocatus est, qui, quoniam fide praestabat,Ecclesiae aedificationem in se ipsum recepit'”, Ad. Eunomium, 1. 2, n. 4 (MG, XXIX, 580).

        APÊNDICE Pg.465

        S. GREGÓRIO NAZIANZENO (c. 330-390): “Vides quemadmodum ex Christi discipulis magnis utique omnibus et excelsis atque electione dignis, hic petra vocetur atque Ecclesiae fundamenta fidei credita habeat’. Orat. 32, n. 18 ‘(MG, XXXVI, 193).

        S. GREGÓRIO NISSENO (m. c. 394): “Celebratur Petri memória qui apostolorum est caputet una cum ipso cetera membra Ecclesiae glorificantur, Dei vero Ecclesia (in ipso ) solidatur. Hic juxta praerogativam sibi a Domino concessam firma ac solidissima petraest super quam Salvator Ecclesiam fundavit”. Orat. 2 de S. Steph, (MG. XLVI, 733).

        S. CIRILO ALEXANDRINO (m. 344): “Et Simonem eum (Christus) non jam vocari patitur, eum sibi pro sua potestate jam tunc ut suum vindicans, sed congrua similitudine Petrum a petra vocari placuit puta super quam fundaturus erat suam Eoclesiam”, In Ioan. evang., l. 2, 42 (MG, LXXIII, 220).

        S. JOÃO CRISÓSTOMO (c. 344-405): “Petrus itaque chori illius coryphaeus, Apostolorum omnium, caput illius familiae, orbis totius praefectus, fundamentum Ecclesiae”, Hom.in illud : “Hoc scitote”, n. 4 (MG, LVI, 275).

        S. NILO (m. 430): “Qui vero praeses in apostolorum choro et semper ín hís dux praestantior fuit”. Tract. de voluntaTia paupertate, c. 8 (MG, LXXIX, 979) – “VídensEcclesiae primum lapidem, chori apostolici verticem, post poenitentiam factam”. Epist. 2, 261 (MG, LXXIX, 333).

        THEOPHILATUS: “Tu vero conversus confirma fratres tuos. Planus hujus intellectus is est: Quia te habeo ut principem apostolorum, postquam, negato me, fleveris et ad poenitentiam veneris, confirma coeteros. Hoc enim et decet qui, post me, Ecclesiae petra es et confirmamentum”. ln c. XXI Lucae.

        Na liturgia grega lê-se “beatum te ac proprio te nomine dixit Petrum quasi petram et basem Ecclesiae frangi nesciam”. – “Tamquam in petra solida in te Petro, Ecclesiam fírmans Christus, in fide immotam eam stabiliat tuis precibus ín aevum mansuram'”, PITRA, Hymnographie de l’Eglise grecque, Roma, 1867, pp. XLII, XLIX.

        C) Igreja siríaca.

        S. AFRAATES (m. c. 344): “Suscepit eum Petrum Dominus, posuit eum in fundamentum, vocavitque eum petram, Ecclesiae aedificationem”. Demonst. 7 de poenitentibus n. 15Patrologia syriaca ed. R. GRAFFIER, Paris, 1904, P. I., t. I, p. 335.

        S. EFRÉM (m, 373): “Simon, discipule mi, ego te constituo fundamentum ecclesiae sanctae, Petram vocavi te antea quia tu sustinebis totum meum aedificium; tu es inspector eorum qui aedificant mim ecclesiíam in terris'”, Serm. 4 in hebdomad. sancta, n. I, ed. de TH. LAMY, Mechliniae, 1882, t. I, 412. ”

        Nos livros litúrgicos dos sírios, no ofício dos SS. Apóstolos: “Simon, caput, apostolorum, rector, pastor et gubérnator Ecclesiae”. – Na mesma liturgia Siríaca: “Beatus es, Simon Barjona, cui os vivens affirmavit dicens: beatus es quia super te aedificabo et stabiliam firmiter Ecclesiam sanctam”. E. G. KHAY-YATH, Syri orientales, 4.

        APÊNDICE Pg.466

        No Sínodo de Dadiesu, convocado em 424, o bispo Agapito, demonstrando a necessidade da obediência dos bispos ao patriarca, assim se expríme: “Unus sit ejus [Spíritus Sancti] thesauri dispensator, Simon Barjona, qui cognominatus fuit Petra et cui prormisit : “Super hanc petram aedificabo ecclesiam meam”, et iterurn: tibi dabo claves regni coelorum. Non dixit Christus omnibus discipulis : “super vos aedificabo” et “vobis dabo”. E. G. KHAYYATH. Syri orlentales, 5, 121.

        D) Igreja eslavo-russa.

        Nos livros litúrgicos dos russos lêem-se estas palavras: “[Petrus] fundamentum Ecclesiae, pastor dominicus omnium apostolorum, dux apostolorum”. Num hino de quinta-feira na, oitava da festa dos apóstolos canta a Igreja russa: “Oh! S. Pedro, príncipe dos apóstolos! Primado apostólico, pedra inamovível da fé, em recompensa da tua confissão, fundamento eterno da Igreja. ” clavígero dos céus, eleito entre os apóstolos para ser depois de Jesus Cristo o pri-
        meiro fundamento da Santa Igreja, alegra-te; alegra-te, coluna inabalável da fé ortodoxa, chefe do colégio apostólico!”. 1

        II. TESTEMUNHO DOS CONCÍLIOS ECUMÊNICOS

        O Concílio de Éfeso (431, 3.0 ecumênico) ouve e aprova as seguintes palavras do legado do papa S. Celestino: “Nulli dubium, imo saeculis omnibus notum est quod sanctus beatissimusque Petrus, apostolorum prínceps et caput, fideique columna etEcclesiae catholicae fundamentum a N. D, J . C. claves regni accepit”. MANSI, IV, 1295 B.
        O Concílio de Calcedônia (451, 4.° ecumênico) chama Pedro “Petram et cupidinem Ecclesiae catholicae”.

        0 3.° Concilio de Nicéia (787, 7.° ecumênico) afirma: “Beatus Petrus… ubique principatum obtinuit et obttnet”.

        O 2.° Concilio de Lião (1274, 14.º ecumênico) declara que a Igreja romana recebeu “in beato Petro, apostolorum príncipe sive vertice primatum cum potestatis plenitudine” MANSI, XXIV, 70 A. sg.

        O Concílio de Constança (1414-1415, 16.º ecumênico) condenou a seguinte proposição de João Hus, ascendente próximo de Lutero: “Petrus non est nec fuit caput Ecclesia”, MANSI, XXVII, 1290 C.

        O Concílio de Florença (1442, 17.º ecumênico): “Definimus ipsum Romanum Pontificem esse successorem beati Petri principis Apostolorum… et ipsi in beato Petro pascendi, regendit et gubrnandi universalem Ecclesiam a D. N. J. C. plenam potestatem traditam esse”. MANSI, XXXI. 1030 D. sg.

        Agora conheça a obra Philosophumena, que muito provavelmente é S. HIPÓLITO e que certamente floresceu no primeiro quartel do terceiro século, não destoa da voz comum. “S. Pedro, diz-nos ele, resistiu em Roma aos artifícios de Simão Magno que, com os seus prestígios, tentara ilaquear a fé dos romanos”.

        Por último TERTULIANO (m. c. 222), que, pelos fins do segundo século, viveu longos anos na capital do Império, mais de uma vez faz menção da estada de S. Pedro em Roma. “Nero foi o primeiro a banhar no sangue o berço da fé. Pedro, então, segundo a promessa de Cristo, foi por outrem cingido quando o suspenderam na cruz”. – “Oh! Igreja feliz [Roma], à qual deram os apóstolos com o seu sangue o tesouro de sua doutrina, onde Pedro se assemelhou ao mestre no gênero de morte, etc.”. Em outra obra diz-nos ainda que Pedro batizou no Tibre como o Batista no Jordão.97 Escrevendo

        contra os hereges, o vigorosa polemista apela para a estada de Pedro na

        Cidade eterna, sem o mínimo receio de ser nisto desmentido.

        Excetuando o de Clemente Alexandrino, por cima de todos estes testemunhos passa o Sr. Carlos Pereira com prudentíssimo silêncio. Talvez o Sr. Greenwood não os tenha mencionado na “sua obra prodigiosa”.

        Nas fronteiras do III com o II século depara-nos a história o testemunho de CAIO,presbítero que floresceu no tempo do papa Zeferino e compôs um livro contra o catafrígio Proclo. Desta obra, hoje perdida, conservou-nos Eusébio o seguinte fragmento: “Posso mostrar-te os troféus dos apóstolos. Quer vás ao Vaticano, quer à via Ostiense, encontrarás os troféus (memórias) dos fundadores desta Igreja [Roma]”.98

        Existiam, pois, em Roma nos fins do séc. II dois monumentos que lembravam aos fiéis o lugar do martírio dos dois apóstolos. A quando remontavam? Diz-nos o Liber Pontificalis que Anacleto (ou Cleto), segundo sucessor de S. Pedro, “memoriam beati Petri construxit et composuit”; De fato, as recentes escavações arqueológicas permitem determinar com suficiente rigor a situação destes antigos monumentos. O sepulcro de S. Pedro achava-se juntamente com outras sepulturas e com um columbário pagão à direita da Via Cornélia que margeava o circo de Nero, no Vaticano.99

        Século II. – Entre os autores desta época merece especial atenção S. IRINEU (M. 202). Educado na escola de POLICARPO, que, por sua vez, fora imediatamente formado pelo discípulo predileto, só uma geração o separa da era apostólica. Passou a juventude no Oriente; criado mais tarde bispo de Lião conheceu a tradição das Gálias; durante o seu episcopado empreendeu uma viagem a Roma para estudar as origens e doutrinas da grande Igreja. O Oriente e o OcIdente falam, pois, pela boca autorizada de Irineu. Ora, na sua grande obra Contra as heresias, repetidas vezes fala-nos ele da presença de S. Pedro em Roma. Lembremos um só texto: “Mateus, achando-se entre os hebreus, escreveu o Evangelho na língua
        ___

        deles enquanto Pedro e Paulo evangelizavam em Roma e aí fundavam a Igreja.

        Agora pelo ano 170 temos uma outra prova no fragmento de uma carta escrita por DIONÍSIO ao papa Sotero (166-174). O bispo de Corinto, um dos homens mais célebres do seu tempo, recorda a viagem a Roma de Pedro e Paulo e compara as igrejas de Corinto e de Roma a uma seara plantada pelos dois apóstolos: “[Pedro e Paulo] assim como vieram à cidade de Corinto plantando a nossa Igreja com os seus ensinamentos, assim igualmente se foram a Itália onde vos doutrinaram e sofreram o martírio no mesmo tempo”

        A referência à perseguição de Nero, em que juntamente com Pedro e Paulo foi martirizado grande número de cristãos, é manifesta. Clemente abrira a sua epístola com estas palavras: “as repentinas desgraças e calamidades que nos saltearam impediram-me de acudir mais cedo às vossas divergências”.111 Diante deste testemunho, que faz o Sr. CARLOS PEREIRA ou o autor de quem o transcreveu cegamente? Mutila o texto, suprimindo-lhe o primeiro e o último período e depois conclui ovante: “Ao martírio de Pedro é vaga a alusão e até parece não coincidir ele com o de Paulo. Tirar, pois, deste tópico… a conclusão de que Pedro e Paulo moraram e morreram juntos em Roma é levar a conclusão muito além das premissas”, p. 276. – Sem dúvida, com semelhante crítica de tesoura não há prova nem documento que resista. Mas a ciência deixou sempre estes recursos inconfessáveis a folhetinistas falseadores ou foliculários inconscientes.112

        Testemunho de S. Pedro. – Fechemos a série destas provas com o testemunho do próprio S. Pedro, que remata a sua primeira epístola com estas palavras: “sauda-vos a igreja eleita que está em Babilônia e Marcos meu filho”, I Petr. V, 18 – Que neste passo com

        a expressão metafórica de Babilônia indique S. Pedro a Roma, afirmam unânimes todos os antigos intérpretes: PAPIAS, EUSÉBIO, CLEMENTE ALEXANDRINO, S. JERÔNIMO, etc., nem um só há que assim o entenda.113 Não foram, pois, “os teólogos do papado”, p. 266, que inventaram a interpretação como recurso de polêmica. Foram os protestantes que naturalmente acharam uma nova exegese. Babilônia não designa a capital corrupta do império, mas outra cidade; Qual? Não no-la sabem dizer ao certo. Quem aventou Babilônia do Egito; mas esta não passava então de um simples presídio militar cuja população se reduzia a um manípulo de legionários. Quem alvitrou Babilônia da Assíria; mas esta, naquele tempo, como nos atestam ESTRABÃO, PLÍNIO, DEODORO SÍCULO, LUCIANO e PAUSÂNIAS, quase de todo destruída, era pouco mais que um deserto.

        a expressão metafórica de Babilônia indique S. Pedro a Roma, afirmam unânimes todos os antigos intérpretes: PAPIAS, EUSÉBIO, CLEMENTE ALEXANDRINO, S. JERÔNIMO, etc., nem um só há que assim o entenda.

        Não foram, pois, “os teólogos do papado”,que inventaram a interpretação como recurso de polêmica. Foram os protestantes que naturalmente acharam uma nova exegese.

        Agora Babilônia não designa a capital corrupta do império, mas outra cidade; Qual? Quem aventou Babilônia do Egito; mas esta não passava então de um simples presídio militar cuja população se reduzia a um manípulo de legionários.

        Quem alvitrou Babilônia da Assíria; mas esta, naquele tempo, como nos atestam historiadores e escritores da época como ESTRABÃO, PLÍNIO, DEODORO SÍCULO, LUCIANO e PAUSÂNIAS, eles dizem que BABILÔNIA é quase de todo destruída, era pouco mais que um deserto.

        POR ISSO SÃO PEDRO ESTEVA EM ROMA

        VEJA A GRANDE PROVA

        1ª Prova, bíblica.

        1 Pedro 5, 13. A igreja escolhida de Babilônia saúda-vos, assim como também Marcos, meu filho.

        Está é a principal prova de que Pedro esteve em Roma, visto que Roma era tira como a babilônia na época pela semelhança que tinha com a babilônia (Ap 17,5; 18, 10). Assim, na mente de Pedro, a Roma dos seus dias lembrava a antiga Babilônia em riqueza, luxúria e licenciosidade

        Saúda-vos a igreja que está em Babilônia e Marcos meu filho”. Ora, Marcos nesta época (c. 1-62) não se achava em Babilônia mas em Roma. Di-lo abertamente S. Paulo em duas epístolas escritas durante o seu primeiro cativeiro na capital do império. Na epístola aos colossenses, IV, 10, “Saúda-vos Aristarco… e Marcos, primo de Barnabé; na epístola a Filemon v. 24: saúda-te Marcos, etc.”. Nem é tudo. O exame interno do nosso segundo evangelho, em admirável consonância com os mais antigos testemunhos históricos, atesta-nos que Marcos escreveu as suas páginas inspiradas em Roma, sintetizando nelas a pregação e os ensinamentos do príncipe dos apóstolos. PAPIAS, JUSTINO, IRINEU, ORÍGNES CLEMENTE ALEXANDRINO depõem contestes em favor desta verdade.

        Agora abro JOSEFO FLÁVIO no lugar indicado e que leio? Que Herodes Magno antes da era vulgar depôs a Ananel, sumo pontífice, oriundo dos judeus que haviam sido deportados em massa para Babilônia. Quem duvidou jamais deste fato? Mas que prova ele em favor da existência de uma numerosa colônia judaica em Babilônia na época em que S. Pedro escreveu a sua primeira epístola? O próprio FLAVIO, no l. XVIII, c. 9, falando dos tempos de Calígula (estamos, pois, na idade apostólica) conta-nos como os judeus, que habitavam na Mesopotâmia e em Babilônia, acossados pelos idólatras fugiram, a princípio, para Selêucia, mas também aí alcançado pelo ódio homicida dos seus perseguidores, pereceram quase todos em horrenda carnificina. Outros foram dizimados pela peste. (Cf. RENAN, L’Antichrist2 Paris 1873, p. 122, nota). O testemunho de Josefo, portanto, longe de contradizer, confirma o dos outros autores que já referi.

        etc. Conclusão: a cidade de Babilônia (Babylon-onis) não passava de uma deserto; na região babilônia não havia judeus quando S. Pedro escreveu a sua epístola. Aí está o em que dá o repetir papagaiamente o que disseram outros. A singular prerrogativa do crítico paulista de citar autores que não conhece expõe-no frequentes vezes ao desmancha-prazeres destas desagradáveis surpresas.

        Fílon de Alexandria (grego: Φίλων ο Αλεξανδρινός Fílon o Alexandrinós, hebraico פילון האלכסנדרוני,Pilon ha-Alexandroni) foi um filósofo judeo-helenista (25 a.C. — ca. 50) que viveu durante o período do helenismo.

        Diz a história nos seus livros da época e nos seus catálogos que quando Claudio subiu ao trono em 41, ele tentou resolver este conflito – ordenando representantes de ambos os grupos étnicos para comparecerem perante ele em Roma.

        A segunda delegação, mais uma vez dirigida por Fílon, fez a viagem a Roma. Quando eles chegaram, Eusébio afirma que Fílon “Disse ter lido diante do Senado inteiro dos romanos sua descrição da impiedade do [Imperador] Caio, que ele intitulou, com certas ironias, refere a suas Virtudes, e suas palavras eram tão admiradas como se pudessem ter um lugar nas bibliotecas.”

        Enquanto Fílon estava em Roma ele se encontrou com Pedro!

        Note o que Willian Cave disse:

        “Aqui [em Roma], dizem-nos, ele [Pedro] se reuniu com Filon o judeu, que recentemente veio em sua segunda embaixada até Roma, em nome de seus compatriotas em Alexandria, e contraíu uma íntima amizade e familiaridade com ele.” (A vida dos Apóstolos. Oxford 1840. Pp. 200-201.)

        E mais para confirmar e mostrar essas verdades absolutas um grande historiador de nome Eusébio de Cesaréia comenta que “a tradição diz que ele [Filon] chegou a Roma no tempo de Cláudio para falar com Pedro que estava naquele tempo a pregação os de Roma. Isso, de fato, não pode ser improvável uma vez que o tratado a que nos referimos, composto por ele [Filon] muitos anos depois, obviamente, contém as regras da igreja que ainda são observados em nosso próprio tempo”(História Eclesiástica de Eusébio. Harvard University Press, Londres. 1975. p. 145).

        vou mostrar agora algumas outras obras que surgiram no segundo século que falam que São Pedro esteve em Roma

        VAMOS LÁ

        Nos primeiros anos do século II um documento siríaco,

        chamado A Pregação de Pedro, foi escrito. Sua data é indicada pelo fato de que o gnóstico Heracleon, o utilizou em seus escritos durante o tempo do imperador Adriano (117-138 dC).

        Para quem não sabe a pregação de Pedro traz “São Pedro e São Paulo juntos em Roma, e divide os discursos e declarações que tiveram lugar lá entre os dois … é notoriamente fundado sob fato universalmente admitido de São Pedro ter trabalhado em Roma.”

        É inconcebível pensar que tal documento (alegando aceitação como um produto genuíno da era apostólica) teria apresentado uma fábula sem fundamento sobre a presença de Pedro em Roma, numa altura em que muitos que tinham visto o apóstolo ainda estavam vivos!

        Saibas também que trinta anos depois do martírio do Apóstolo São Pedro em Roma

        O papa Santo Anacleto construiu um oratório no local onde os fiéis se reuniam. Também se acha o testemunho do papa São Clemente Romano, que escreveu uma carta contemporânea do Evangelho de São João (90 d.C.), em que cita a morte gloriosa do pescador da Galiléia.

        Essa história é registrado em vários escritos primitivos sem nenhuma sombra de duvida

        E PARA REFORÇAR ESSAS VERDADES ABSOLUTAS

        MEUS IRMÃOS CATÓLICOS E CATÓLICAS

        Vou mostrar que dos relatos não-cristãos também se sobressai a crônica de Celso ao imperador Adriano (117-138), em que ele assegura que o nome de Pedro gozava de grande popularidade na capital do Império

        notem agora o que diz “Hegésipo nascido no ano 110nos da era cristã e morto no ano 180 da era cristã

        Veja o que ele nos relata – em seu quarto livro de Memórias que chegou até nós – e que nos deixou um registro completíssimo de sua constatação.

        Neles, conta que numa viagem para Roma, encontrou um grande número de bispos e que recebeu a mesma doutrina deles.

        E mais Hegésipo faz referências da Epístola do papa São Clemente aos Coríntios

        isso mostra claramente mais uma vez o que todos os padres da igreja testificam sem nenhuma voz discorde

        E mais Hegésipo ainda fala do papa Aniceto cujo o seu nascimento é do ano 110 da era cristã

        E, cujo diácono era Eleutério.

        E mas Aniceto foi sucedido por Sótero, e esse por Eleutério. Em cada sucessão, e em cada cidade se confirmou que foi pregado de acordo com a lei, os profetas e o Senhor'” essa passagem você também encontrar no livro de 10 volumes de nome história eclesiástica escrito por Eusébio de Cesaréia que nasceu no ano 265 da era cristã (em fragmento na História Eclesiástica de Eusébio 4,22; ~180 dC).

        S. INÁCIO DE ANTIOQUIA NASCIDO NO ANO 35 DA ERA CRiSTÃ, foi um contemporâneo dos apóstolos, fala-nos frequentemente da hierarquia eclesiástica: “Sem bispo, sem sacerdotes e sem diáconos não há igreja”.Em cada igreja local o bispo é o intérprete autorizado da doutrina apostólica, é o representante de Deus. A instituição divina do episcopado é claramente afirmada na dedicatória da epístola aos filadelfos: “O bispo, os sacerdotes e os diáconos foram designados no pensamento de Jesus Cristo, que segundo a sua vontade os estabeleceu e confirmou pelo Espírito Santo”.HERMAS, SÃO CLEMENTE ROMANO, S. DIONÍSIO DE CORINTO, S. IRINEU,

        TERTULIANO, ORÍGENES, escritores do primeiro e segundo século (e princípio do terceiro) afirmam como verdade notória e indiscutível a origem apostólica do episcopado.

        Mais. Todos os catálogos e listas episcopais organizadas por HEGÉSIPO, IRINEU, EUSÉBIO para as igrejas de Roma, Antioquia, Alexandria e Jerusalém mostram-nos uma série ininterrupta de bispos cujo primeiro termo é um apóstolo ou discípulo imediato dos apóstolos. Mas não há porque insistirmos em coisa tão evidente.

        RESUMINDO A IGREJA NASCEU CATÓLICA

        • MATERIAL MAGISTRAL DE INFORMAÇÕES SOBRE O PRIMADO DE SÃO PEDRO GRANDE AULA DE APOLOGÉTICA PARABÉNS PELAS RARAS INFORMAÇÕES FANTÁSTICO ISSO É A PATRÍSTICA QUE TEM QUE ENTRAR NAS FACULDADES

  6. O DIABO DÁ AQUELA FORÇA AOS PRETENSOS EVANGÉLICOS PARA ASSUMIREM POR CONTA PROPRIA O DOUTRINAR NA FÉ…

    As S. Escrituras têem o mesmo valor da Tradição Apostólica pois o início de redação da Bíblia se deu aprox. em 56 DC e terminaram os escritos em aprox. 150DC e os livros do cânon atual definiram-se em aprox. 312 DC.
    Durante o período de início e fim houve intensos debates dentro da Igreja a respeito de qual seriam os textos corretos e os rejeitáveis; uma longa discussão interna contra os gnósticos, que nada aprovavam e o herege Marcião, que aceitava tudo incluir, até evangelhos apócrifos de Tomé e M Madalena e outros.
    Até quase ao ano 1600 a Igreja se valeu praticamente do Magistério eclesial da Tradição Oral, pois não havia imprensa, logo bíblias portáteis, como hoje. E iniciando apenas a partir do século XVI os protestantes ou evangélicos querem aceitar como Revelação divina apenas a Palavra escrita por católicos para católicos, e ainda interpretá-la pessoalmente, redundando no aparecimento de dezenas de milhares seitas dissensas, heresias de heresias, acusando-se de mutuamente de heréticas, ou se preferir, “balaio de gato doutrinário”, praticamente todas recheadas de muito esoterismo e entidades ocultistas que se manifestam explicitamente em cultos, não se diferindo de qualquer centro espírita…

    Primeiro surgiu a Igreja, depois a Bíblia; sem Igreja não há Bíblia, aliás, foi escrita não para alheios à fé, querendo ir ao Pai nas vias paralelas, como se o itinerário propostos pelos humanos fundadores de seitas – heresias geradoras de neo-heresias – fosse mais seguro que Cristo nos deixou, sua Igreja, Ele mesmo; veja em Cl 1,18, Cl 1.22 Ef 1,22-23+, dentre mais.

    Aliás, o socialismo/comunismo originaram-se das divisões rebeldes do cristianismo no século passado e têem sua raízes bem assentadas no protestantismo, ambos antecedidos dos elos com a maçonaria, a qual é bem alicerçada nas seitas protestantes, bastando ver os inúmeros envolvidos com as “Sinagogas de Satanás”, denúncias recíprocas deles mesmos, para evidenciar mais as dissensões internas, funcionando o diálogo entre seitas algo à base de “meu inimigo me ajuda contra meu inimigo”. Hitler subiu ao poder avalizado pelos Estados protestantes alemães, média de 47% e nos católicos média de 21%; menos de 1% dos 13 000 pastores não agregaram aos nazistas como informantes.

    E os supostos evangélicos apreciam afirmar que o S Padre Pio XII aliou-se a Hitler; igualam-se ao membros do PT originários da mesma linhagem putrefata: da maçonaria, onde se enlameiam das teorias do satanista Marx, como: “nada há de absoluto, definitivo ou sagrado”; “o mentir” é virtude; “todos os meios justificam os fins” e para se justificarem das PeTralhices acusam os outros de erro ou de os induzirem a ele; aliás, que pode se esperar de totalitaristas, materialistas e ateus: o mesmo que dos protestantes inimigos recíprocos…

    Os evangélicos são “idólatras” por cada qual fazer da Palavra de Deus o que quiser ou convier com a interpretação livre e “ateus” enrolados nas capas da bíblia por pregarem um deus pessoal, à moda de cada um. Lc 17,11: Todo reino dividido contra si mesmo…

    Confira no You Tube as mútuas acusações odiosas de hereges pastores famosos se abocanhando como cães ferozes, alternando-se em inúmeras interpelações de “heresia” e de pertença à maçonaria…

    As seitas pretensamente evangélicas não passam de um tremendo “shake” bíblico-doutrinário…

    • AMIGO ISAYAS VEJA ESSE ESTUDO E ENCANTE-SE COM A NOSSA IGREJA FUNDADA POR CRISTO

      APOLOGÉTICA DA IGREJA CATÓLICA

      Mateus 16

      18. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela.

      Hebreus 12-23 à universal assembléia e igreja dos primogênitos inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados;

      Assembléia = Igreja

      Universal = Católica

      A Igreja Católica (o termo “católico”, derivado da palavra grega: καθολικός (katholikos), significa “universal” ou “geral”),

      Paulo Efésios 2, 20 :“Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina;”

      Jesus realmente prometeu que o Espírito Santo estaria com Sua Igreja e a ensinaria para sempre (cf. João 14,16-17)!

      Estas coisas te escrevo, mas espero ir visitar-te muito em breve. Todavia, se eu tardar, quero que saibas como deves portar-te na casa de Deus, que é A IGREJA de Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade.”
      1Timóteo 3:14-15

      (Atos dos Apóstolos 20,28)

      Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastorear a Igreja de Deus, que ele adquiriu com o seu próprio sangue.

      Eu escrevi esse pequeno estudo só com documentos registros e provas de escritores eclesiástico e de padres da igreja

      E também de alguns historiadores não cristãos do primeiro segundo e terceiro século muito antes de Constantino ter nascido

      Sabe porque? Por que quantas e quantas vezes Meus irmãos católicos e minhas irmãs católicas vocês tiveram que escutar a palhaçada desses pastores e historiadores protestante que tem a cara de pau e a mentira e a safadeza de vim dizer que a Santa Igreja Católica foi fundada por Constantino no século IV?

      E o pior disso tudo é que eles dizem descaradamente só para os leigos mostrando sempre a mesma história e os mesmos documentos falsificados e sem nenhuma origem e sem nenhuma fonte histórica

      resumindo sobre Constantino ter fundado a igreja católica isso é uma piada cheia de mentiras contradições e falsificações barata que só ilude mesmo quem não estuda e prefere viver na mentira

      Por isso não caia na farsa dividida em mais de 50 mil seitas no Brasil

      De nome Protestantismo,

      E o pior é que muitos pastores sabem mais descaradamente não aprendem ou não querem aprender que a Igreja Católica Apostólica Romana foi fundada por JESUS CRISTO

      assim também todos os Padres da Igreja afirmam e confirmam em seus escritos que Jesus cristo fundou a Igreja Católica.

      Agora os únicos que acreditam na historinha de Constantino

      são os protestantes baseados em fábulas inventadas por historiadores protestantes séculos depois dos fatos narrados por eles;

      E MAIS: todos os fatos narrados por esses tais historiadores protestantes são baseadas em fábulas que eles mesmos criaram sem qualquer fonte material ou documental de testemunhas oculares. Isso é fato

      AGORA SIM ESSA É

      A verdadeira historia da Igreja Católica segundo os Padres da Igreja.

      VAMOS AO ESTUDO QUE MOSTRARAR CLARAMENTE A IGREJA CATÓLICA FUNDADA POR JESUS CRISTO NA HISTÓRIA E NOS ESCRITOS E NA ARQUEOLOGIA

      E MAS AQUI NESSE PEQUENO ESTUDO MOSTRAREI CLARAMENTE

      A IGREJA CATÓLICA MUITO ANTES DE CONSTANTINO TER NASCIDO

      AGORA DESMASCARANDO A SEITA PROTESTANTE VEJA O QUE DIZ SANTO IRINEU DE LYON NASCIDO NO ANO 130 DA ERA CRISTÃ

      Santo Irineu carta contra heresias:

      “Mas visto que seria coisa bastante longa elencar, numa obra como esta, as sucessões de todas as igrejas, limitar-nos-emos à maior e mais antiga e conhecida por todos, à igreja fundada e constituída em Roma, pelos dois gloriosíssimos apóstolos, Pedro e Paulo, e, indicando a sua tradição recebida dos apóstolos e a fé anunciada aos homens, que chegou até nós pelas sucessões dos bispos, refutaremos todos os que de alguma forma, quer por enfatuação ou vanglória, quer por cegueira ou por doutrina errada, se reúnem prescindindo de qualquer legitimidade. Com efeito, deve necessariamente estar de acordo com ela, por causa de sua origem mais excelente, toda a Igreja, isto é, os fiéis de todos os lugares,porque nela sempre foi conservada, de maneira especial, a tradição que deriva dos apóstolos.”

      IRMÃOS ISSO É INCONTESTÁVEL

      ISSO É A PATRÍSTICA QUE MOSTRA CLARAMENTE A IGREJA FUNDADA POR JESUS CRISTO

      AGORA SE ALGUM PASTOR OU HISTÓTIADOR PROTESTANTE DUVIDA OU CONTESTA ISSO

      ME MOSTRE PROVAS MAIS ME TRAGAM PROVAS QUE PROVE O CONTRÁRIO COISA QUE CERTAMENTE É IMPOSSIVEL

      POIS A HISTÓRIA POR SI PRÓPRIA RELEVA OS FATOS

      AGORA PARA CONFIRMAR ESSA BEM AVENTURANÇA DE QUE A IGREJA NASCEU CATÓLICA VEJA

      O QUE DIZ O DISCÍPULO DE SÃO JOÃO EVANGELISTA

      Santo Inácio de Antioquia NASCIDO NO ANO 35 DA ERA CRISTÃ E MORTO NO ANO 107 DA ERA CRISTÃ pelo Imperador Trajano

      VEJA O QUE ELE DIZ

      Onde comparecer o Bispo, aí esteja a multidão, do mesmo modo que, onde estiver Jesus Cristo, aí está a IGREJA CATÓLICA”

      (Epístola aos Esmirnenses c 8, 2).

      ISSO É INCONTESTÁVEL E FASCINANTE

      A IGREJA NASCEU CATÓLICA AGORA SE ALGUM PROTESTANTE QUERER VIM ME REFUTAR SAIBAS QUE ESTOU AO DISPOR

      MAIS RESUMINDO EU SÓ RESPONDO COM FONTE HISTORICA E TESTEMUNHAS OCULARES E FATOS VERÍDICOS DA ÉPOCA

      POIS NA HISTÓRIA UM SÓ ACENTO QUE SE TIRA DE QUAL QUER OBRA É MOSTRADO E DESMASCARADO

      AGORA VAMOS CONTINUAR A AULA

      VEJA O QUE DIZ

      São Policarpo:

      NASCIDO NO ANO 69 DA ERA CRISTÃ E FALECIDO NO ANO 156 DA ERA CRISTÃ

      VEJA O QUE ELE DIZ EM UMA DE SUAS OBRAS

      “A Igreja de Deus que peregrina em Esmirna à Igreja de Deus que peregrina em Filomélio e a todas as paróquias da IGREJA SANTA E CATÓLICA em todo o mundo”.

      “fez menção de todos quantos em sua vida tiveram trato com ele, pequenos e grandes, ilustres e humildes, e especialmente de toda a IGREJA CATÓLICA, espalhada por toda a terra”

      SÓ POR AQUI CAI TODA FARSA PROTESTANTE DE DIZER QUE CONSTANTINO FOI QUEM FUNDOU A IGREJA CATÓLICA

      E MAS CAI A FARSA TAMBÉM DE AFIRMAR QUE A IGREJA PRIMITIVA NÃO ERA CATÓLICA ESSA AFIRMAÇÃO É SEM BASE E É PRATICAMENTE RIDÍCULA

      AGORA SIM ISSO É A IGREJA CATÓLICA AMIGOS E AMIGAS

      CHOREM E LOUVEM A DEUS POIS É A IGREJA CATÓLICA COM 2000 MIL ANOS E É A MESMA IGREJA QUE JESUS DIZ

      QUE AS PORTAS DO INFERNO NÃO PREVALECERÃO CONTRA ELA

      CONFIRMANDO ISSO

      VEJA O QUE DIZ FIRMILIANO DO SÉCULO TRÊS ISSO É MUITO ANTES DE CONSTANTINO TER NASCIDO

      MAS UMA VEZ CAI A MASCARA PROTESTANTE

      VEJA

      No século III, Firmiliano, bispo de Capadócia, diz assim: “Há uma só esposa de Cristo que é a IGREJA CATÓLICA” (Ep. De Firmiliano nº 14).

      ISSO TOCA O CORAÇÃO ISSO É A IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA CONVERTENDO PESSOAS NOS SEUS PRIMEIROS SÉCULOS DA ERA CRISTÃ E MAIS A MAIORIA DESSES BISPOS E PADES DA IGREJA QUE ESTOU MOSTRANDO AQUI FORAM MARTIRIZADOS E MORTOS POR IMPERADORES

      E A ARQUEOLOGIA E A GEOLOGIA COMPRAVAM TUDO ISSO E MAIS A PRÓPRIA HISTÓRIA NOS SEUS ARQUIVOS AS TESTIFICAM

      AGORA PARA CONFIMAR TUDO ISSO MAIS UMA VEZ

      VEJA O QUE DIZ

      São Frutuoso, martirizado no ano 259, diz:

      “é necessário que eu tenha em mente a IGREJA CATÓLICA, difundida desde o Oriente até o Ocidente”. (Ruinart. Acta martyrum pág 192 nº 3).

      ISSO MOSTRA MAIS UMA VEZ POR QUE O NOME DA IGREJA É CATÓLICA

      ESSA RESPOSTA É MUITO SIMPLES A IGREJA É UNIVERSAL POR QUE ELA TEM A MISÃO DE CONVERTER O MUNDO PARA O CRISTIANISMO

      AGORA IRMÃOS CATÓLICOS E CATÓLICAS DO BRASIL

      VEJA O QUE DIZ O QUARTO PAPA DA IGREJA CATÓLICA SÃO CLEMENTE ROMANO

      PARA QUEM NÃO SABE ESSE PAPA É NARRADO EM FILIPENSES PELO PRÓPRIO APOSTÓLO DE JESUS CRISTO DE NOME SÃO PAULO

      VEJA O QUE SÃO CLEMENTE ROMANO DIZ

      São Clemente:

      NASCIDO NO ANO 30 E FALECIDO NO ANO 102 DA ERA CRISTÃ

      “Não só pela essência, mas também pela opinião, pelo princípio pela excelência, só há uma Igreja antiga e é a IGREJA CATÓLICA. Das heresias, umas se chamam pelo nome de um homem, como as que são chamadas por Valentino, Marcião e Basílides; outras, pelo lugar donde vieram, como os Peráticos; outras do povo, como a heresia dos Frígios; outras, de alguma operação, como os Encratistas; outras, de seus próprios ensino, como os Docetas e Hematistas“.(Stromata 1.7. c. 15).

      RESUMINDO

      QUEM ESTUDA A PATRÍSTICA A SÉRIO SE CONVERTE AO CATÓLICISMO DE CORPO E ALMA POIS AMIGOS E AMIGAS NÃO EXISTEM DUAS HISTÓRIAS POR ISSO QUANDO UM PROTESTANTE VIER COM MENTIRAS CONTESTAÇÕES E FALACIAS CONTRA PAPAS SANTOS ETC..

      PEÇA A ELES PROVAS DOCUMENTOS FONTE HISTÓRICA NOME DE AUTORES TESTEMUNHAS OCULARES DA ÉPOCA

      AÍ ENTÃO ELES NÃO PROVARÃO NADA E LEVARÃO O NOME DE MENTIROSOS E FALSIFICADORES

      AGORA VEJAM O QUE DIZ

      São Cipriano em 249, isso é muito antes de Constantino nascer, e antes do Concílio de Nicéia, já testemunhava:

      Cipriano (NASCIDO NO ANO 200 E MORTO NO ANO 258 DA ERA CRISTÃ)

      vejam

      “atrevem-se estes a dirigir-se à cátedra de Pedro, a esta igreja principal de onde se origina o sacerdócio… esquecidos de que OS ROMANOS NÃO PODEM ERRAR NA FÉ”

      (Epist. 59,n.14, Hartel, 683)

      “Estar em comunhão com o Papa é estar em comunhão com a Igreja Católica.”

      (Epist. 55, n.1, Hartel, 614);

      “E não há para os fiéis outra casa senão a Igreja Católica.”

      (Sobre a unidade da Igreja, cap. 4);

      “Roma é a matriz e o trono da Igreja Católica.”

      (Epist. 48, n.3, Hartel, 607).

      AMIGOS E AMIGAS CATÓLICOS DO BRASIL ISSO É INCONTESTÁVEL ISSO É INREFUTÁVEL POIS TEM FONTE HISTÓRICA E POSSUI TESTEMUNHAS OCULARES COM FATOS VERDADEIROS E VERÍDICO

      AGORA EU VOU MOSTRAR MAIS UM GRANDE DOCUMENTO ESCRITO POR UM PADRE DA IGREJA MUITO TEMPO ANTES DE CONSTANTINO TER NASCIDO

      VEJA

      Conheça o Cânon de Muratori.

      ISSO É A IGREJA CATÓLICA SAIBAM QUE TODOS OS HISTÓRIADORES PADRES DA IGREJA AFIRMAM QUE A OGREJA FOI FUNDADA POR JESUS CRISTO

      POIS NÃO EXISTE NENHUM HISTÓRIADOR DA ÉPOCA OU PADRES DA IGREJA OU ESCRITORES ECLESIASTICOS QUE ESCREVERAM OU AFIRMARAM QUE A IGREJA CATÓLICA FOI FUNDADA POR HOMENS QUEM AFIRMA O CONTRÁIO É MENTIROSO E HEREGE.

      AGORA VEJA A GRANDE PROVA

      NO CÂNON DE MURATORI.

      ISSO É MUITO MAIS MUITO ANTES DE CONSTANTINO TER NASCIDO ISSO TEM FONTE HISTÓRICA TEM TESTEMUNHAS OCULARES É CONFIMADO PELA GEOLOGIA E PELA ARQUEOLOGIA

      INCRIVEL

      ISSO SE CHAMA IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA

      Amigos e amigas eu já estou de saco cheio de escutar a mesma historinha protestante de que até o Século IV a Igreja Católica não existia e que só após uma suposta conversão do Imperador Constantino a Igreja Católica foi fundada e nasceu para o mundo, assim eles negam a Cátedra do Bispo de Roma, o Papado e sua autoridade;

      Para desmascara essa mentira eu mostrarei aqui para vocês um documento do Século II e foi escrito pelo Pastor Hermas por volta do ano 150 D.C, esse documento é chamado:

      Cânon de muratori nele o autor cita alguns livros que hoje temos como canônicos e outros que nem temos conhecimento dos seus conteúdos.

      O mais importante nesse documento são as citações sobre a Igreja Católica e a autoridade do bispo de Roma (PAPA).

      “E além disso, são tidas como sagradas uma [epístola] a Filemon, uma a Tito e duas a Timóteo; ainda que sejam filhas de um afeto e amor pessoal, servem à honra da Igreja católica e à ordenação da disciplina eclesiástica.

      Correm também uma carta aos Laodicenses e outra aos Alexandrinos, atribuídas [falsamente] a Paulo, mas que servem para favorecer a heresia de Marcião, e muitos outros escritos que não podem ser recebidos pela Igreja católica porque não convém misturar o fel com o mel.”

      Perceberam meus Irmãos Católicos, o autor “Hermas morto no ano 160 da era cristã”

      um Cristão do II Século, muito tempo antes de Constantino foi bem claro em sua afirmação sobre a autoridade da Igreja Católica, mas nossos amigos hereges podem vir com aquela falácia de que tudo bem a Igreja se chamava mesmo Católica, mas não era romana.

      Infelizmente o mesmo autor “Hermas” cita a autoridade da Cátedra do Bispo de Roma, pois ele nada mais era do que irmão do Santo Padre PIO.

      Veja a grande prova

      Cânon de Muratori.

      “Recentemente, em nossos dias, Hermas escreveu em Roma “O Pastor”, sendo que o seuirmão, Pio, ocupa a cátedra de bispo da Igreja de Roma. É, então, conveniente que seja lido, ainda que não publicamente ao povo da Igreja, nem aos Profetas – cujo número já está completo -, nem aos Apóstolos – por ter terminado o seu tempo. De Arsênio, Valentino e Melcíades não recebemos absolutamente nada; estes também escreveram um novo livro de Salmos para Marcião, juntamente com Basíledes da Ásia…”

      Agora caiu a mascara protestante, pois além do autor que se chama “Hermas” ter citado a igreja Católica ele cita a Cátedra do Bispo de Roma, ou seja, (PAPA);

      O autor desse documento chamado “Hermas falecido no ano 160 da era cristã” escreveu por volta de 150 D.C e se apresenta como irmão de PIO que ocupava a Cátedra de Bispo da Igreja de Roma, para quem não sabe esse BISPO PIO era nada mais nada menos que:

      São PIO bispo de Roma entre 140 a 155DC nascido em Aquiléia na Grécia, foi o décimo PAPA depois de São Pedro sucedeu a São Higino e foi sucedido por Santo Aniceto.

      Como EU SOU FELIZ de ser Católico da única e verdadeira Igreja de Jesus Cristo, será que agora mesmo sabendo disso os hereges continuarão em suas seitas satânicas? Fingindo que acreditam nas mentiras que seus pastores inventam?

      Assim diz as escrituras sagradas.

      Mateus 16

      18. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela.

      AGORA MAIS UM POUCO DE ARQUEOLOGIA E HISTÓRIA

      VEJA AQUI PROVAS CLARAS DA ÉPOCA DO OCORRIDO E DOS FATOS

      VEJAM

      O TROFÉU DE GAIO é o monumento construído sobre o túmulo do Apóstolo Pedro “ A tradição cristã atesta que o apóstolo Pedro foi crucificado em Roma e sepultado no cemitério Vaticano ”

      Como também os padres da igreja confirmam isso e também a arqueologia também confirmam tais verdades absolutas vamos lá

      VEJA A GRANDE PROVA AQUI

      ISSO É A PATRÍSTICA ISSO É HISTÓRIA E OS FATOS QUE SE UNEM E SE CONFIRMAM POR SI PRÓPRIA SEM NENHUMA CONTRADIÇÃO

      VEJA

      Gaio, presbítero romano, em 199 da era cristã: “diz assim

      nós aqui em Roma temos algo melhor do que o túmulo de Filipe. Possuímos os troféus dos apóstolos fundadores desta Igreja local. Ide à Via Ostiense e lá encontrareis o troféu de Paulo; ide ao Vaticano e lá vereis o troféu de Pedro.“

      E CONTINUA O SEU DISCUSO AFIRMANDO O QUE TODOS PADRES DA IGREJA AFIRMAM em seus escritos de SÃO PEDRO SER O PRIMEIRO BISPO EM ROMA

      VEJAM

      Gaio dirigiu-se nos seguintes termos a um grupo de hereges: “Posso mostrar-vos os troféus (túmulos) dos Apóstolos. Caso queirais ir ao Vaticano ou à Via Ostiense, lá encontrareis os troféus daqueles que fundaram esta Igreja.

      História também contada pelo maior historiador cristão ”(Eusébio de Cesaréia nascido no ano 265 da era cristã, História Eclesiástica, 1125, 7.)

      ISSO É FANTÁSTICO MEUS IRMÃOS CATÓLICOS

      E MAS ESSES TESTEMUNHOS HISTÓRICOS DE GAIO TEM BASES E POSSUEM SUSTENTAÇÕES

      PRA QUEM NÃO SABE O PRESBÍTERO GAIO OU CAIO VIVEU NO TEMPO DO PAPA ZEFERINO NASCIDO NO ANO 199 E FALECIDO NO ANO 217 DA ERA CRISTÃ

      Agora voltando ao texto o presbítero Gaio ao discutir com Probo, chefe da seita dos catafrígios, indica onde Pedro e Paulo foram sepultados: “ Eu, porém, posso mostrar o troféu dos Apóstolos. Se, pois, quiseres ir ao Vaticano ou à Via Ostiense, encontrarás os troféus dos fundadores desta Igreja ”

      VOU DA MAIS UMA REFERÊNCIA MEUS AMIGOS E AMIGAS

      ESSE EPISODIO VOCÊ ENCONTRA NO LIVRO

      DO MAIOR HISTORIADOR CRISTÃO DA HUMANIDADE NASCIDO NO ANO 265 DE NOME EUSÉBIO DE CESARÉIA QUE FOI MORTO NO ANO 339 DA ERA CRISTÃ}

      O BISPO EUSÉBIO DE CESARÉRIA ESCREVEU A HISTÓRIA ECLESIÁSTICA QUE CONTA EM 10 VOLUMES A HISTÓRIA DA IGREJA COM MAIS OU MENOS 5000 MIL PAGINAS

      NESSA OBRA VOCÊ ENCONTRARÁ UM POUCO DOS FATOS E DA HISTÓRIA DE MUITOS ESCRITORES ECLESIÁSTICOS E DOS BISPOS PADRES DA IGREJA

      E DE VARIAS OBRAS E ESCRITOS COMO TAMBÉM DAS HERESIAS E DOS RELATOS DOS MÁRTIRES E DOS IMPERADORES DO PRIMEIRO SÉCULOS ATÉ O ANO 303 DA ERA CRISTÃ

      E MAS NESSA OBRA HISTÓRIA ECLESIÁSTICA DE EUSÉBIO DE CESARÉRIA ELE FAZ REFERÊNCIAS A UMAS 250 OBRAS ESCRITAS DE VÁRIOS PADRES DA IGREJA E ESCRITORES ECLESIÁSTICOS

      AGORA VAI UMA DICA TEM UNS HISTORIADORES PROTESTANTES VAGABUNDOS E MENTIROSOS QUE DIZEM QUE EUSEBIO DE CESAREIA NÃO CITA SÃO PEDRO COMO O PRIMEIRO PAPA ISSO É UM ABSURDO

      PRIMEIRO EUSEBIO DE CESAREI FOI UM BISPO DA IGREJA E MAIS OS PADRES DA IGREJA DO SEU TEMPO TESTIFICAM ISSO

      COMO TODOS OS PADRES DA IGREJA TAMBÉM TESTIFICAM E AINDA FAZEM REFERÊNCIAS POR ISSO EU DIGO CUIDADO COM ESSES HISTORIADORES PROTESTANTES POIS ELES TIRAM FRASES DO CONTESTO E FAZEM JOGO DE PALAVRAS TIRANDO VERSOS E PALAVRAS DE SUAS REAIS FRASES

      AGORA DESMASCARANDO A CEITA PROTESTANTE QUE AFIRMAM QUE CONSTANTINO FOI QUEM FUNDOU A IGREJA CATÓLICA

      VOU MOSTRAR E PROVAR AGORA

      REAIS PROVAS CLARAS QUE É TESTIFICADO NOS ESCRITOS DO SEU TEMPO

      COMO É TAMBÉM CONFIRMADO COMO VERDADEIRO PELA ARQUEOLOGIA

      VAMOS LÁ

      = Pedro jaz aqui ou Pedro está aquiine sortePMas extraordinária foi a descoberta, no muro vermelho, de uma inscrição em grego afirmando que Pedro está ali. A pedra onde está escrito PETR[…] ENI[…] –

      = Pedro em paz .]ener[i ne ]so[rteP14. Outra interpretação: PETR[OC] EN I[RENE] –

      = Pedro jaz aqui .ine sorteP15. Desenho da pedra escrita

      16. No muro “g” foram encontrados grafites com inscrições e símbolos

      17. Alguns grafites do muro “g”

      18. O muro “ g ” , onde estão os grafites

      , e em Pedro = PE nome em forma de chave simb óli ca.sotsirC19. Grafites do muro “g” com o desejo de vida em Cristo XP = IN

      , Cristo), e P E (PETRUS, Pedro).sotsirC20. Aparece tamb ém o nome de Maria nos grafites do muro “g” junto com os s ímbolos XP (

      21. Conclusões – o TROFÉU DE GAIO prova que o Apóstolo Pedro foi sepultado em Roma – prova também que a devoção a Maria estava presente em Roma antes da construção da basílica de São Pedro por Constantino, ou seja, 100 anos antes do Concílio de Éfeso, que decretou o dogma de que Maria é Mãe de Deus

      TESTIFICANDO ISSO VOU MUITRAR AQUI UM TESTEMUNHO DESSAS VERDADES MUITO ANTES DISSO

      QUEBRANDO TODA TESE DOS PROTESTANTES

      VEJAM

      Esse é uns dos textos mais antigo relatando a Assunção de Virgem Maria é o texto de Dionísio Areopagita morto no ano 96 da era cristã :

      Dionísio de Areopagita (morto no ano 96 da era cristã,Foi discípulo do apóstolo São Paulo

      Esses testemunhos é relatado na tradição

      nos escritos dos padres da igreja e guardado na história incontestavelmente

      VEJA

      Um pedaço da carta de Dionísio de Areopagita que fala sobre Maria

      veja

      “Pois até mesmo entre os nossos hierarcas inspirados, quando, como tu sabes, nós juntamente com ele [um presbítero ateniense chamado Hierotheos] e muitos de nossos santos irmãos se reuniram para contemplar aquele corpo mortal [de Maria], Fonte da Vida, que recebeu o Deus encarnado, e Tiago, irmão de Deus [isto é, Tiago de Jerusalém] estava lá, e Pedro, o chefe maior dos escritores sagrados.

      E ainda existem protestantes que dizem que São Pedro não foi o chefe dos apóstolos isso é uma piada e mais essa carta é do primeiro século e escrita por um discípulo do apóstolo São Paulo e mais isso é no primeiro século meus irmãos amados

      ISSO É A IGREJA CATÓLICA MEUS AMIGOS E AMIGAS

      VEJA O QUE DIZ AGORA

      o bispo Dionísio de Corinto morto no ano 170 da era cristã,

      Veja o que ele diz num extrato de uma de suas cartas aos romanos (170):

      “Tendo vindo ambos a Corinto, os dois apóstolos Pedro e Paulo nos formaram na doutrina evangélica. A seguir, indo para a Itália, eles vos transmitiram os mesmos ensinamentos e, por fim, sofreram o martírio simultaneamente.”

      ISSO É INCONTESTÁVEL POIS TEM FONTE HISTÓRICA E MOSTRA CLARAMENTE A IGREJA CATÓLICA COM SEUS BISPOS

      ISSO É FATO

      PARA QUEM NÃO SABE SE VOCÊ COLOCAR UMA SÓ VÍRGULA EM QUAL QUER ESCRITO ANTIGO

      A PRÓPRIA HISTÓRIA MOSTRA QUE ESSE ATO FOI ADULTERADO

      SE CASO ISSO FOSSE MENTIRA TERIAMOS MILHARES DE ESCRITOS

      QUE POR SI PRÓPRIO IRIAM SE CONTRADIZER

      SENDO ASSIM A HISTÓRIA ENTRARIA EM CONTRADIÇÕES COISA QUE NÃO EXISTE

      VOU MOSTRAR AGORA OUTRO FATO OCORRIDO NA HISTÓRIA QUE É CONFIRMADO PELA ARQUEOLOGIA E PELOS PADRES DA IGREJA DA ÉPOCA

      E MAIS EXISTEM MILHARES DE PROVAS E ESCRITOS E TESTIFICAÇÕES DE VÁRIOS PADRES DA IGREJA DESSE FATO OCORRIDO QUE É INCONTESTÁVEL

      CONHEÇAM O EPITÁFIO DE ABÉRCIO DE HIERÁPOLIS MORTO NO ANO 167 DA ERA CRISTÃ

      VEJA

      O epitáfio de Abércio de Hierápolis, do final do século II, é o monumento de pedra mais antigo que se refere à eucaristia. Abércio tinha sido bispo de Hierápolis, na Frígia. Aos 72 anos de idade mandou fazer a inscrição, na qual fala, entre outras coisas, do seu envio a Roma pelo Pastor, encontrando por toda parte irmãos na fé, dos quais recebeu o “peixe” (ICHTHYS, em grego, abreviação de “Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador” – a iconografia cristã aproveitará esta simbologia), vinho misturado e pão. Atesta o costume cristão de se orar pelos mortos.

      ISSO É A IGREJA CATÓLICA

      AGORA TIREM MAIS PROVAS CLARAS NOS ESCRITOS DE ORÍGINES (NASCIDO NO ANO 185 E FALECIDO NO ANO 253 DA ERA CRISTÃ)

      Orígenes foi responsável pela Escola catequética em Alexandria

      veja o que ele afirmou:

      “Pedro, ao ser martirizado em Roma, pediu e obteve fosse crucificado de cabeça para baixo”

      “Pedro, finalmente tendo ido para Roma, lá foi crucificado de cabeça para baixo.”

      AQUI

      ORÍGENES ESSE GRANDE PADRE DA IGREJA

      CONFIRMA O QUE O PRÓPRIO HISTORIADOR ROMANO DE NOME CORNÉLIO TÁCITO NASCIDO NO ANO 55 DA ERA CRISTÃ ESCREVEU

      QUE NERO MATAVAM OS CRISTÃOS DO SEU TEMPO

      E MUITOS DELES ERAM MORTOS NO SEU CIRCO

      O FAMOSO E CONHECIDO CIRCO DE NERO ESCRITO PELO HISTORIADOR ROMANO CORNÉLIO TÁCITO NASCIDO NO ANO 55 DA ERA CRISTÃ

      AGORA VAI UM AVISO SINCERO

      MEUS CAROS IRMÃOS CATÓLICOS

      NUNCA LEIAM NADA DAS MÃOS DE PROTESTANTES POIS ELES ADULTERAM TEXTOS SAFADAMENTE E VENDEM CALUNIAS E MENTIRAS QUE CONTAMINAM A MENTEPARA ENGANAR PESSOAS DE BOA FÉ

      POR ISSO VAI UM AVISO

      LEIAM SEMPRE OS ORIGINAIS

      AGORA PRA CALAR A BOCA DE TODOS OS HEREGES HISTORIADORES PROTESTANTES QUE NEGAM A IGREJA CATÓLICA E O PRIMADO DE SÃO PEDRO EM ROMA

      VOU MOSTRAR INDISCUTIVELMENTE AQUI

      UNS DOIS MAIORES HISTORIADORES DA ÉPOCA DE SÃO PEDRO

      ISSO É FATO VERÍDICO TEM LUZ E PROVAS E É CONFIRMADO E TESTIFICADO POR TODOS

      VOU MOSTRAR AGORA O QUE ESCREVEU NUMA DE SUAS OBRAS UNS DOS MAIORES HISTORIADORES ROMANOS DE TODOS OS TEMPOS

      Públio (Caio) Cornélio Tácito (em latim Publius (Gaius) Cornelius Tacitus) ou simplesmente Tácito, (NASCEU NO ANO 55 E FALECEU NO ANO 120 DA ERA CRISTÃ) CORNÉLIO TÁCITO foi um historiador, orador e político romano.

      Ocupou os cargos de questor, pretor (88), cônsul (97) e procônsul da Ásia (aproximadamente110-113).

      AGORA PRA QUEM NÃO SABE ESSE HISTORIADOR NUNCA FOI CRISTÃO

      VEJA O QUE ELE DIZ EM SEU LIVRO

      O historiador romano Tácito descreveu essa perseguição: “Portanto, em primeiro lugar foram presos aqueles que confessavam abertamente sua crença [na ressurreição de Cristo]; depois, por denúncia destes, foi presa uma grande multidão, não tanto sob a acusação de ter provocado o incêndio, mas, sim, pelo ódio que tinham à espécie humana. À morte de todos eles acrescentava-se o escárnio, pois que, revestidos de peles de animais, pereciam dilacerados pelos cães, ou eram pregados nas cruzes, ou queimados vivos, ao pôr-do-sol, como tochas para a noite. Nero cedeu seus jardins para esse espetáculo, e providenciou jogos circenses, participando deles misturado à multidão, em vestes de auriga, ou de pé sobre o carro. Por isso, embora fosse gente culpada e merecedora de tão originais tormentos, crescia um sentimento de piedade por eles, pois eram sacrificados não para o bem comum, mas em razão da crueldade de um só” (Anais, XV, 44, 4-5).

      ISSO FICA CLARO QUE OS NOSSOS PADRES DA IGREJA SANTO INÁCIO,

      POLICARPO DE ESMIRNA E VÁRIOS OUTROS MÁRTIRES FORAM REALMENTES MORTOS POR MÃOS DE IMPERADORES

      COMO CLARAMENTE MOSTRA ESSE HISTORIADOR DA ÉPOCA

      QUE AFIRMA NO SEU LIVRO QUE OS MÁRTIRES MORRIAM NO COLISEU NA BOCA DE LEÕES

      COMO MOSTRA TAMBÉM QUE NERO MATAM OS MÁRTIRES E MUITOS MORRIAM NUMA CRUZ

      POR ISSO NÃO É LENDA SÃO PEDRO MORREU NUMA CRUZ PREGADO DE CABEÇA PRA BAIXO

      COMO AFIRMAM VÁRIOS ESCRITORES ECLESIÁSTICOS E PADRES DA IGREJA DA ÉPOCA

      ISSO É FATO VERÍDICO

      A IGREJA NASCEU CATÓLICA

      VEJA

      Para provar isso vou mostrar que Santo Ireneu de Lião nascido no ano 130 da era cristã escreveu a lista dos bispos da Cidade Eterna, na qual diz que “depois dos Santos Apóstolos (Pedro e Paulo) terem fundado a Igreja,

      São Lino passou a ocupar o episcopado romano (pra quem não sabe esse papa de nome São Lino é mencionado por São Paulo em 2Timóteo 4,21),agora para confirmar tudo isso

      veja o que diz Santo Irineu de Lião nascido no ano 130 da era cristã

      sendo sucedido por Anacleto e, depois deste, Clemente (Romano), que conheceu Pedro pessoalmente”.

      ISSO ACABA COM QUAL QUER TESE VINDA DE QUAL QUER SEITA PROTESTANTE QUE CONTESTA O PRIMADO DE PEDRO AGORA SE CONTINUAR A CONTESTAR POR FAVOR ME MOSTRE APENAS UM FATO VERÍDICO DA ÉPOCA QUE DIZ O CONTRÁRIO

      EU DUVIDO

      IRMÃO E IRMÃS VOU MOSTRAR MAS PROVAS HISTÓRICAS

      AGORA VEJA COMO A IGREJA CATÓLICA ERA ERA NOS PRIMEIROS SÉCULOS

      OLHA ESSE RELATO DESSE PADRE DA IGREJA

      ISSO É INCONTESTÁVEL

      Tertuliano, nascido no ano 160 da era cristã e morto no ano 220 da era cristã diz isso em sua obra o eminente pai da igreja menciona, por volta do ano 218, “aqueles a quem Pedro batizou no Tibre” (Sobre Batismo, 4). Em seu trabalho Prescrição contra os hereges (36), ele diz que a igreja de Roma “afirma que Clemente foi ordenado por Pedro.”

      “A Igreja também dos romanos pública – isto é, demonstra por instrumentos públicos e provas –que Clemente foi ordenado por Pedro.“

      “Feliz Igreja, na qual os Apóstolos verteram seu sangue por sua doutrina integral!” – e falando da Igreja Romana,“onde a paixão de Pedro se fez como a paixão do Senhor.“

      AGORA VEJA

      O QUE ELE DIZ É CONFIRMANDO O QUE O PRÓPRIO HISTORIADOR CORNÉLIO TÁCITO ESCREVEU NO PRIMEIRO SÉCULO

      VEJA

      Tertuliano, nascido no ano 160 da era cristã

      “Nero foi o primeiro a banhar no sangue o berço da fé. Pedro então, segundo a promessa de Cristo, foi por outrem cingido quando o suspenderam na Cruz.” (Scorp. c. 15)

      AGORA VEJA OUTRA GRANDE PROVA INCONTESTÁVEL

      VEJA O RELATO DE

      Papias (nascido no ano 70 e morto no ano 155 da era cristã ),

      Veja o que diz Papias

      diz-nos que Marcos escreveu seu evangelho (baseado em sermões de Pedro), na cidade de Roma.

      ISSO É MARAVILHOSO E É UM GRANDE TESTEMUNHO DE FÉ POIS MOSTRA CLARAMENTE COMO TODOS OS ESCRITOS DA ÉPOCA QUE SÃO PEDRO VIVEU SUA DE VIDA SENDO BISPO DA CIDADE DE ROMA ISSO É INCONSTESTÁVEL

      MEUS IRMÃOS E MINHAS IRMÃS

      EU VOU MOSTRAR AGORA MAIS UMA VEZ OUTRO DOCUMENTO QUE É MUITO ANTES DE CONSTANTINO TER NASCIDO

      COMO TODA MATÉRIA DESSE ESTUDO

      VEJAM

      OLHE O QUE DIZ O PAPA ZEFERINO MORTO NO ANO 217 DA ERA CRISTÃ

      EPÍSTOLA DO PAPA ZEFERINO

      Zeferino,
      Bispo da cidade de Roma,
      aos mui queridos irmãos que servem ao Senhor no Egito.

      “Recebemos uma grande responsabilidade do Senhor, fundador desta Santa Sé e da Igreja apostólica, e do bem-aventurado Pedro, chefe dos apóstolos: a de que possamos trabalhar com amor infatigável pela Igreja universal, que foi remida pelo Sangue de Cristo, e, assim, com autoridade apostólica, apoiar os que servem ao Senhor, bem como ajudar a todos os que vivem fielmente. Todos os que vivem piedosamente em Cristo devem resistir à condenação dos ímpios e dos estranhos; estes devem ser desprezados como estúpidos e loucos. Assim se farão melhores e mais puros aqueles que renunciam às boas coisas temporais com o fim de conquistar as da eternidade. Porém, o desdém e a burla daqueles que os afligem e os desvalorizam se voltarão sobre eles mesmos quando sua abundância tornar-se necessidade e seu orgulho [tornar-se] confusão.”

      ISSO É INCONTESTÁVEL

      Agora Continuando a matéria veja o que diz Santo Inácio de Antioquia nascido no ano 35 da era cristã

      Veja

      “Não é como Pedro e Paulo que eu vos dou ordens; eles foram apóstolos, eu não sou senão um condenado” (Santo Inácio Bispo de Antioquia – Carta aos Romanos 4,3 – 107 d.C).

      ESSE TESTEMUNHO DE SANTO INÁCIO TOCA A NOSSA ALMA DE EMOÇÃO FELICIDADE

      vou mostrar agora algumas outras obras que surgiram no segundo século que falam que São Pedro esteve em Roma

      VAMOS LÁ

      Nos primeiros anos do século II um documento siríaco,

      chamado A Pregação de Pedro, foi escrito. Sua data é indicada pelo fato de que o gnóstico Heracleon, o utilizou em seus escritos durante o tempo do imperador Adriano (117-138 dC).

      Para quem não sabe a pregação de Pedro traz “São Pedro e São Paulo juntos em Roma, e divide os discursos e declarações que tiveram lugar lá entre os dois … é notoriamente fundado sob fato universalmente admitido de São Pedro ter trabalhado em Roma.”

      É inconcebível pensar que tal documento (alegando aceitação como um produto genuíno da era apostólica) teria apresentado uma fábula sem fundamento sobre a presença de Pedro em Roma, numa altura em que muitos que tinham visto o apóstolo ainda estavam vivos!

      Que exemplos

      Procurem por escritos da época e mais pra frente que mostre o contrário isso não existe

      Somente as seitas protestante por não estudar nas fontes as contesta

      E REFORÇANDO ESSA MESMA TESA DE SÃO PEDRO EM ROMA

      Saibas que trinta anos depois do martírio do Apóstolo São Pedro em Roma

      O papa Santo Anacleto construiu um oratório no local onde os fiéis se reuniam. Também se acha o testemunho do papa São Clemente Romano, que escreveu uma carta contemporânea do Evangelho de São João (90 d.C.), em que cita a morte gloriosa do pescador da Galiléia.

      Essa história é registrado em vários escritos primitivos sem nenhuma sombra de duvida

      E PARA REFORÇAR ESSAS VERDADES ABSOLUTAS

      MEUS IRMÃOS CATÓLICOS E CATÓLICAS

      Vou mostrar que dos relatos não-cristãos também se sobressai a crônica de Celso ao imperador Adriano (117-138), em que ele assegura que o nome de Pedro gozava de grande popularidade na capital do Império

      ISSO É FATO

      E MAIS EXISTEM LIVROS DE HISTÓRIA DE VARIOS AUTORES NÃO CRISTÃO DO PRIMEIRO E SEGUNDO SÉCULO QUE COMPROVAM ESSAS VERDADES ABSOLUTAS

      AGORA VEJA MAIS PROVAS PRIMITIVAS CLARAS SOBRE A PRESENÇA DE SÃO PEDRO EM ROMA

      VEJA

      Fílon de Alexandria (grego: Φίλων ο Αλεξανδρινός Fílon o Alexandrinós, hebraico פילון האלכסנדרוני,Pilon ha-Alexandroni) foi um filósofo judeo-helenista (25 a.C. — ca. 50) que viveu durante o período do helenismo.

      Diz a história nos seus livros e nos catálogos que quando Claudio subiu ao trono em 41, ele tentou resolver este conflito – ordenando representantes de ambos os grupos étnicos para comparecerem perante ele em Roma.

      A segunda delegação, mais uma vez dirigida por Fílon, fez a viagem a Roma. Quando eles chegaram, Eusébio afirma que Fílon “Disse ter lido diante do Senado inteiro dos romanos sua descrição da impiedade do [Imperador] Caio, que ele intitulou, com certas ironias, refere a suas Virtudes, e suas palavras eram tão admiradas como se pudessem ter um lugar nas bibliotecas.”

      Enquanto Fílon estava em Roma ele se encontrou com Pedro!

      Note o que Willian Cave disse:

      “Aqui [em Roma], dizem-nos, ele [Pedro] se reuniu com Filon o judeu, que recentemente veio em sua segunda embaixada até Roma, em nome de seus compatriotas em Alexandria, e contraíu uma íntima amizade e familiaridade com ele.” (A vida dos Apóstolos. Oxford 1840. Pp. 200-201.)

      E mais para confirmar e mostrar essas verdades absolutas um grande historiador de nome Eusébio de Cesaréia comenta que “a tradição diz que ele [Filon] chegou a Roma no tempo de Cláudio para falar com Pedro que estava naquele tempo a pregação os de Roma. Isso, de fato, não pode ser improvável uma vez que o tratado a que nos referimos, composto por ele [Filon] muitos anos depois, obviamente, contém as regras da igreja que ainda são observados em nosso próprio tempo”(História Eclesiástica de Eusébio. Harvard University Press, Londres. 1975. p. 145).

      Meus irmãos e minhas irmãs saibam também que a partir do século I uma obra apócrifa chamada Ascensão de Isaías chegou até nós, e este é provavelmente é o primeiro documento mais antigo e que atesta o martírio de São Pedro em Roma.

      Em uma passagem (cap. 4, 2s), lemos a seguinte previsão:

      Então surgirá Belial, o grande príncipe, o rei deste mundo, que governa desde sua origem, e ele descerá do seu firmamento em forma humana, rei da maldade, assassino de sua mãe, ele mesmo é o rei deste mundo, e ele vai perseguir a planta que os 12 apóstolos do Amado plantaram, um dos12 será entregue em suas mãos.”

      Esta é uma clara referência ao imperador Nero, que assassinou sua mãe Agripina em 59 d.C, e colocou Pedro a morte em fevereiro de 68 d.C. Ele não pode ter se referido a Paulo, pois este foi decapitado em janeiro de 67 d.C, por Hélio, um dos prefeitos que foram deixados no comando de Roma enquanto Nero estava longe na Grécia entretendo os bajuladores cidadãos desta província.

      ISSO É FATO POIS NÃO EXISTE CONTRADIÇÕES

      E ESTÁ ESCRITO NA HISTÓRIA

      QUAL QUER UM QUE DUVIDAR É MUITO SIMPLES LEIA OS ESCRITOS DA ÉPOCA E ENCANTE-SE

      Irmão e irmãs notem agora o que diz “Hegésipo nascido no ano 110nos da era cristã e morto no ano 180 da era cristã

      Veja o que ele nos relata – em seu quarto livro de Memórias que chegou até nós – e que nos deixou um registro completíssimo de sua constatação.

      Neles, conta que numa viagem para Roma, encontrou um grande número de bispos e que recebeu a mesma doutrina deles.

      E mais Hegésipo faz referências da Epístola do papa São Clemente aos Coríntios

      isso mostra claramente mais uma vez o que todos os padres da igreja testificam sem nenhuma voz discorde

      E mais Hegésipo ainda fala do papa Aniceto cujo o seu nascimento é do ano 110 da era cristã

      E, cujo diácono era Eleutério.

      E mas Aniceto foi sucedido por Sótero, e esse por Eleutério. Em cada sucessão, e em cada cidade se confirmou que foi pregado de acordo com a lei, os profetas e o Senhor'” essa passagem você também encontrar no livro de 10 volumes de nome história eclesiástica escrito por Eusébio de Cesaréia que nasceu no ano 265 da era cristã (em fragmento na História Eclesiástica de Eusébio 4,22; ~180 dC).

      ISSO TUDO SÃO VERDADES ABSOLUTAS MEUS IRMÃOS E MINHAS IRMÃS

      ISSO SÃO PROVAS CLARISSÍMAS DOS FATOS OCORRIDOS DA ÉPOCA E DOS SEUS ACONTECIMENTOS E MAIS SAIBA QUE EM TODOS OS ESCRITOS DOS PADRES DA IGREJA A MAIORIA FAZEM REFERÊNCIAS DAS OBRAS DE CADA UM

      OLHA O QUE ESCREVEU NUM DE SEUS LIVROS SÃO CIPRIANO DE CARTAGO MORTO NO ANO 258 DA ERA CRISTÃ

      VEJA

      “Nosso Senhor, cujos preceitos e recomendações devemos observar, descrevendo a honra de um bispo e a ordem de Sua Igreja, falou no Evangelho, dizendo a Pedro: ‘Eu te digo que tu és Pedro, e sobre essa pedra edificarei a minha Igreja; e as portas do inferno não prevalecerão contra Ela. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus; e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.’ Daí, através do passar dos tempos e susseções, a ordem dos bispos e a hierarquia da Igreja permaneceu, de modo que a Igreja está fundamentada sobre os bispos, e cada ato da Igreja está controlado por aqueles mesmos administradores. Desde então, está fundamentada na lei divina. Eu me admiro de que alguns, com atrevida temeridade, preferiram me escrever como se escrevessem em nome da Igreja; isso quando a Igreja foi estabelecida sobre os bispos e o clero, e todos os que permaneceram firmes na fé” (Cipriano, Epístola 26,33 [aos proscritos]; 250 dC).

      15; ~445 dC).

      A IGREJA NASCEU CATÓLICA

      AGORA PARA OS PROTESTANTES QUE FURTAM FRASES DO CONTEXTO VOU DA

      A VERDADEIRA FRASE QUE EUSÉBIO DE CESARÉIA AFIRMA NO SEU LIVRO HISTÓRIA ECLESIÁSTICA

      VEJA

      Historia Eclesiástica XXV Livro VII
      “E Pedro, sobre quem se edifica a Igreja de Cristo, contra a qual não prevalecerão as portas do Hades

      E MAIS

      Note que Eusébio diz ainda que Depois de Pedro Alexandre foi o 5º bispo de Roma ou seja o 6º bispo de Roma:

      Pedro -> Lino -> Anacleto -> Clemente -> Evaristo -> Alexandre

      AGORA ALGUMAS PROVAS BÍBLICAS DOS APÓSTOLOS EM ROMA

      VEJAM

      Romanos 1,7. “a todos os que estão em Roma, queridos de Deus, chamados a serem santos: a vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo!”

      Romanos 1, 8. “Primeiramente, dou graças a meu Deus, por meio de Jesus Cristo, por todos vós, porque em todo o mundo é preconizada a vossa fé.”

      E por fim diz que Satanás será esmagado aos pés desta mesma Igreja: católica apostólica romana.

      VEJAM

      Romanos 16,20 “O Deus da paz em breve não tardará a esmagar Satanás debaixo dos vossos pés. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco!”

  7. Apesar de todo drama sofrido pela igreja católica, eu e minha família estamos nos convertendo ao catolicismo. Após mais de 10 anos praticando uma fé morta (sem obras), numa igreja morta, que são as igrejas protestantes.
    Estamos retornando e agora com firmeza na fé católica e mais maduros para exerce-la.

    Acredito que muitos “ex-católicos” ainda retornarão, como tem acontecido por exemplo; nos EUA (como filhos pródigos) à casa do Pai. A Santa Madre Igreja Católica está sendo abalada, mas não cairá. Substirá como no sonho de Dom Bosco, que viu um Pontífice a bordo de um navio (a Igreja) em mar revolto, mas que se salvou ao ancorar-se em duas colunas: Nossa Senhora e os verdadeiros Santos.
    Amém!

    • parabéns amigo Eduardo seja bem vinda a igreja não ta sendo abalado olha é tudo coisa da mídia EBGE os programas protestantes sustentam muitas tv abertas e mas eu aposto que no Brasil não tem só 125 milhões e mas o censo 2012 mostra claramente 1BILHÃO e 600 milhões de católicos no mundo e mas amigos sem contar a igreja catolica ortodoxa que vivem em plena comunhão com a igreja católica o que as divede são apenas leis adminitrativas um braço Eduardo e parabéns pela certa escolha

      • Obrigado, Marcelo, pelas suas palavras. Creio que eu e
        minha família encontraremos o amor e a humildade ensinados por Cristo
        na igreja Católica.
        Que o Senhor Jesus Cristo e N.Senhora lhe abçoe!

  8. É engraçado como um site católico traz tantos Protestantes!
    Eles ficam caçando textos Católicos só pra poder contestar, é isso??
    Por que não se preocupam com sua doutrina ao invés de se meter na doutrina alheia?
    É sempre assim, eles sempre querem “converter” Católicos ao Protestantismo, mas não se importam em mostrar Deus a um ateu, por exemplo.
    Eles dizem que nós, Católicos, precisamos “aceitar” Jesus. Alguma vez eles nos viram renegar Jesus?
    Católicos também são Cristãos, pois cremos em Cristo;
    Católicos também são Evangélicos, pois seguimos o Evangelho;
    Católicos também são crentes, pois é crente todo aquele que crê em algo;
    O que nós não somos é Protestantes. Nem essa diferença eles parecem saber.

    Que Nosso Senhor Jesus Cristo e Nossa Senhora os abençoe.
    Fiquem com Deus.

    • Magali protestante contestar o que amiga
      refutar protestante é a coisa mas simples e fácil do mundo
      o problema é que todo protestantismo estudou e estuda em livros
      de historiadores protestantes americanos e outros piadistas e por isso
      aprendem só asneiras dentro do protestantismo Magali existe um infinito buraco de ignorância heresias e contradições são 50 mil ceitas
      e mais amiga eu aposto com qual quer pastor ou historiador protestante que nenhum me responde ao menos 1 pergunta Magali um conselho estude a patrística e se encante com a grandeza dessa igreja de nome católica apostólica romana

  9. Se me permitem, uma resposta ao Euclides, da seita Assembleia de Deus, por sinal pentecostalista, sou vizinho de uma e conheço várias, por sinal funcionam iguais a centros espíritas, “entidades baixando”, histeria geral, pessoas caindo ao chão e e muito mais.
    Quantos às supostas denominações apresentadas são heresias que sairam da Igreja Católica, como a primeira do alto, a Igreja Católica Brasileira, fundada em S Paulo, em 1946, aprox pelo bispo dissenso de Maura. Todas as outras são HISTORICAMENTE, como a seu “terreiro”, cujos pastores agem como “pais de santo”, oriundas da Igreja Católica Apostólica Romana; a sua mesmo é uma seita “Made in USA”, fabricada em 1910 por Charles Fox(raposa)Parham, tendo como patrono e modelo inspirador: “Ção Lutero”.

  10. POR ISSO NÃO PODEM SALVAR-SE AQUELES SABENDO QUE A IGREJA CATÓLICA… Catecismo Católico, n° 846

    A Igreja não perde fiéis, mas de quem se diz católico, de falsos membros, desconhecedores dela e sua fundamentação teológica, de Jesus, Ele mesmo, veja Cl 1, 18; Cl 1,22, Ef 1.22-23 e 1 Cor 12.,12+ etc., cujo número confiável, sabedor do por que de ser pertencer à Igreja é muito inexpressivo. A prova disso que tantas injustiças grassam e há muita participação de supostos católicos, inclusive aliando-se a seitas, espiritismo, maçonaria, partidos socialistas e comunistas e à herética e esquerdista Teologia da Libertação, a TL, e a outras incompatibilidades na fé da Igreja.
    É muito relativo o crescimento evangélico: subdividem-se em cerca de 35 000 partidos religiosos oriundos do dissenso Lutero, fora as não denominacionais, onde cada um interpreta como quer ou convém a Bíblia; até a homilia do pastor é submetida a crivo pessoal, sujeita à aprovação. Há-as aceitando batismo de crianças, outras não; a Eucaristia, nalgumas é símbolo, noutras Presença Real e milhares de paradoxos e sendo sectários acusam-se mutuamente de hereges!
    Quase todas têem cultos semelhantes a centros espíritas: histeria coletiva, rodopios, aparentes transes, expulsão de supostos maus espíritos para curas – ao se enfermarem os pastores não convocam outro pastor para expulsão do diabo em si, vão ao médico… Afinal, que evangélicos são esses? Antes, não eram católicos de fato; agora facções desagregadas, reunidos fisicamente porém com as mentes e os corações distantes uns dos outros doutrinário-exegeticamente, apenas imenso volume, sem qualidade alguma, uma massa disforme. Em Mt 12,25 …reinos divididos contra si mesmos…”, aglomerados religiosos acéfalos, ultra relativistas, servindo-se em um imenso restaurante sectário, “self-services”, com cardápio doutrinário à escolha de cada cliente, servido por fantoches de Satanás em seus balcões mercantil-religiosos.
    Interessante: são idem na Igreja ou doutro lado: migram de seita em seita, sempre se batizando – um pastor de uma igreja não confia no outro – à procura de uma “igreja boa, mais ideal”. Há-as aprovando aborto, outras adultério, outras homosexualismo, etc. E ao supostamente evangelizarem é a critério pessoal: uma imensa babel evangelista no mais absoluta exegese bíblico-hermenêutica! Que qualidade e vantagem há nisso?
    Convém possuir 1 amigo confiável ou nenhum; descartam-se 100 aparentando-o; aliás, certos supostos católicos, por sinal infiéis, indesejosos de mudarem-se, o lugar ideal seja nas seitas; sentir-se-ão à vontade nesses amontoados religiosos disformes, vazios como eles, apropriados a ignorantes, egoístas, soberbos. Ou interesseiros, problema comercial, outro caso. Aliás, aí permanecer ou montar outra seita para si dá no mesmo.
    Há vantagem na atual massa católica descompromissada com Deus e a Igreja, por ex., elegendo presidente e representantes nos poderes a pessoas e partidos socialistas e comunistas, implantando com seu aval leis anticristãs homicidas, como aborto, e outras abominações: adultério, homossexualismo etc., o caso dos adeptos da sectário-esquerdista TL que repassa a doutrina católica subvertida, sutilmente camuflada sob a ótica marxista?
    E pior: após o poder centrar-se em ateus e materialistas eleitos por muitos católicos(?) dá nisso: subvertem a sociedade com a ajuda desses membros apostasiados, assim poderão facilmente implantar as múltiplas aberrações ideológicas, materialistas, ateias e esoteristas com o aval dos alienados à fé, aparentes católicos.
    1 Jo 2,19: Eles saíram de entre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos teriam permanecido conosco.
    Veja no “You Tube” pastores famosos evangélicos como “se amam” em recíprocas e várias acusações, inclusive de pertença formal à maçonaria… E a heresia do pastor(?) V Santiago: “cruz é sinônimo de maldição, palhaçada”…

  11. Se os católicos parassem para pensar sobre as inúmeras denominações dentro do próprio catolicismo, essa “dor de cabeça” iria simplesmente explodir de uma só vez. Afinal, se em Mateus 16.18 a “Igreja-ekklesia” é uma instituição religiosa particular, que não pode ter sido fundada por homens e que não pode haver outras, então qual dessas abaixo, que aparecem no Censo de 2010, foi a Igreja fundada por Jesus???

    -Católica Apostólica Brasileira
    -Católica Apostólica Carismática
    -Católica Apostólica Cristã
    -Católica Apostólica Ortodoxa
    -Católica Armênia
    -Católica Bizantino
    -Católica Brasileira
    -Católica Carismática do Brasil
    -Católica do Brasil
    -Católica Maronita
    -Católica Melquita
    -Católica Não Apostólica
    -Católica Novo Mandamento
    -Católica Ortodóxica Armênica
    -Católica Ortodóxica Grega
    -Católica Ortodóxica Russa
    -Católica Pentecostal
    -Católica Renovação Carismática
    -Católica Renovada
    -Católica Síria
    -Católica Tradicionalista
    -Católica Ucraniana
    -Catolicismo Apostólico Romano
    -Católico Congregação Mariano
    -Católico Congregado Mariano
    -Católico Conservador
    -Católica Latina
    -Católica da Tradição Litúrgica Alexandrina
    -Igreja Católica Copta (1741)
    -Igreja Católica Etíope (1846)
    -Tradição Litúrgica de Antioquia
    -Igreja Maronita (união oficial reafirmado em 1182)
    -Rito litúrgico siríaco
    -Igreja Católica Siro-Malancar (1930)
    -Igreja Católica Siríaca (1781)
    -Igreja Católica Arménia (1742)
    -Igreja Católica Caldeia (1692)
    -Igreja Católica Siro-Malabar (1599)
    -Igreja Greco-Católica Melquita (1726)
    -Igreja Católica Bizantina Grega (1829)
    -Igreja Greco-Católica Ucraniana (1595)
    -Igreja Católica Bizantina Rutena (1646)
    -Igreja Católica Bizantina Eslovaca (1646)
    -Igreja Católica Búlgara (1861)
    -Igreja Greco-Católica Croata (1611)
    -Igreja Greco-Católica Macedónica (1918)
    -Igreja Católica Bizantina Húngara (1646)
    -Igreja Greco-Católica Romena unida com Roma (1697)
    -Igreja Católica Ítalo-Albanesa
    -Igreja Católica Bizantina Russa (1905)
    -Igreja Católica Bizantina Albanesa (1628)
    -Igreja Católica Bizantina Bielorrussa (1596)
    -Igreja Católica Apostólica Carismática
    -Igreja Católica Apostólica Cristã
    -Igreja Católica Apostólica de Jerusalém
    -Igreja Católica Apostólica Ecumênica Contemporânea
    -Igreja Católica Apostólica Livre do Brasil
    -Igreja Católica Apostólica Missionária de Evangelização
    -Igreja Católica Apostólica Nacional
    -Igreja Católica Apostólica Nordestina
    -Igreja Católica Apostólica Tributária
    -Igreja Católica da Primeira Ordem
    -Igreja Católica Ecumênica Renovada
    -Igreja Católica Ecumênica
    -Igreja Católica Liberal (ICL)
    -Igreja dos Velhos Católicos
    -Igreja Episcopal Latina do Brasil
    -Santa Igreja Velha Católica
    -Igreja Católica Ecumênica do Brasil
    -Igreja Católica Apostólica Ortodoxa – Patriarcado do Brasil
    -Igreja Católica Apostólica Ortodoxa Americana
    -Igreja Católica Apostólica Ortodoxa Ocidental
    -Igreja Católica Apostólica Ortodoxa Unida – Eparquia Mundial
    -Igreja Ortodoxa Católica Apostólica Militante
    -Igreja Católica Apostólica Ortodoxa Militante
    -Igreja Católica Apostólica Ortodoxa do Brasil
    -Igreja Católica Ortodoxa Grega do Antigo Calendário
    -Igreja Católica Ortodoxa Siriana do Brasil
    -Igreja Católica Independente
    -Rede Nacional de Missões Católica

    Vixi…. agora que a situação complicou mesmo!!!

    Qual dessas será a igreja que Jesus fundou???

    É claro que os católicos respondendo uma dessas milhares aí em cima (dentre muitas outras) estariam excluindo todas as outras (e consequentemente dizendo que não são a “igreja fundada por Jesus”), privando outros milhões e milhões de católicos da “salvação” (pois eles pregam que fora da Igreja Católica não há salvação, mas sabe-se lá de qual “Igreja Católica” é que eles estão falando…), assim como seria se apontássemos que a Igreja Evangélica do Evangelho Quadrangular é a única instituição certa, o que estaria excluindo a Igreja Batista, por exemplo.

    Os católicos, desta forma, não estão em uma posição mais confortável do que nós evangélicos; muito pelo contrário, estão metidos dentro de um abismo ainda maior, porque nós não pregamos que a Igreja de Cristo (sim, aquela lá de Mateus 16.18) seja uma Igreja física (uma instituição religiosa em particular), mas sim que é o Corpo de Cristo que é formado pela reunião dos cristãos verdadeiros reunidos em todas as partes do mundo, incluindo evidentemente cristãos de muitas denominações diferentes, cultuando um único e mesmo Deus através de Seu Filho Jesus Cristo, guardando os mandamentos de Deus e o testemunho de Jesus Cristo.

    Desta forma, exclui-se a necessidade de apontar uma “instituição ou denominação certa”, pois nenhum evangélico diz que Jesus fundou uma Igreja como instituição particular, mas sim que a Igreja é o próprio Corpo místico de Cristo, do qual cristãos de diferentes denominações podem fazer parte. Por mais que essas denominações ou comunidades sejam fundadas por homens, a Igreja (Corpo de Cristo) na qual fazemos parte (não por termos a “carteirinha de membro”, mas sim por guardarmos a lei de Deus escrita em nossos corações por meio de Espírito Santo) já foi fundada muito antes, por Cristo.

    Desta forma, sendo a Igreja não uma instituição particular e física, mas um Corpo de Cristo espiritual e a reunião dos crentes de toda a terra, nós fazemos parte da Igreja de Cristo, por guardarmos o testemunho de Jesus Cristo, o Nosso Senhor e Salvador. Nós não fazemos parte da Igreja de Cristo por causa da placa da igreja e nem tampouco por causa da “carteirinha de membro”.

    Nós não fazemos parte da Igreja de Cristo por nos dizermos “católicos”, “evangélicos” ou “ortodoxos”; nós não fazemos parte da Igreja de Cristo por estarmos ligados a alguma instituição particular, mas fazemos parte da Igreja de Cristo se somos filhos de Deus, sacerdócio real, nação santa, povo escolhido, para anunciar as virtudes Daquele que nos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz, por meio do sangue de Jesus Cristo que hoje nos purifica de todo o pecado, e nos faz verdadeiros herdeiros da herança da graça e das promessas divinas.

    Por meio do arrependimento sincero e através do novo nascimento verdadeiro, que nós fazemos parte da Igreja de Cristo, como verdadeiros cristãos, salvos pela graça de Deus e justificados pela fé em Cristo. Não é pela placa da Igreja. Não é pela carteirinha de membro. Não é pelo nome da denominação ou instituição! Aleluia!!! Mas infelizmente os católicos não podem desfrutar dessa enorme boa-nova que o evangelho puro e sincero nos traz, pois, para salvarem a crença cega deles de que a igreja deles é a única igreja “fundada por Cristo”, eles são obrigados a se apegar não apenas sob o aspecto espiritual, mas sim sobre o aspecto físico, visível, institucional, denominacional.

    Assim sendo, para desqualificar os evangélicos e suas denominações, eles precisam desesperadamente provar, de alguma forma, que em Mateus 16.18 a “Igreja-ekklesia” é uma entidade institucional, física e visível, pois isso sim excluiria as denominações protestantes que viriam depois. E é exatamente neste ponto que os católicos mais fracassam por sua própria lógica, pois através dessa mesma “lógica” seria completamente impossível de demonstrar que foi a igreja deles e não a ortodoxa que foi a “igreja fundada por Cristo”.

    Os ortodoxos dirão que foi a igreja deles, enquanto os romanos dizem que foi a deles. Ambos só têm os seus achismos e imposições forçadas, algo do tipo: “É… por que é… por que é e pronto”! Se for as duas que estão certas, então ambas as doutrinas (de ambas as igrejas físicas) deveriam ser consideradas, mas muitas são contraditórias umas às outras. De fato, a igreja ortodoxa (que já se separou há séculos da romana) alega possuir igualmente todas as tradições corretas, conquanto que as suas tradições sejam grandemente divirgentes das de Roma, como é o exemplo do caso do purgatório, do limbo, do batismo infantil, da primazia do bispo de Roma, dentre muitas outras e diversas “tradições”.

    • Euclides jr -memrbro Assembleia de Deus CAnaa
      QUE PIADA

      EUCLIDES JUNIOR VOCÊ É DESCARADO NÃO SABE NADA DE TEOLOGIA NADA DE EXEGESE NADA
      DE APOLOGÉTICA AGORA SIM EU RECONHEÇO QUE AS SEITAS PROTESTANTES SÓ AUMENTAM ISSO É BÍBLICO E ESTÁ NA BÍBLIA NÃO É ATOA QUE A CEITA PROTESTANTE NASCEU DE UM HOMEM CHAMADO LUTERO

      OLHA HEREGE SEMI ANALFABETO

      saibas que muitos protestantes imaginam que as diversas expressões do culto e da vida da Igreja foram introduzidas por decretos papais que arbitrariamente resolveram implantar um novo costume alheio à Bíblia.

      – MAS UMA VEZ HEREGE EUCLIDES JUNIOR SEU NOME E SUAS BURRICES E PALHAÇADAS É COLOCADA EM LETRAS MAIÚSCULAS PARA DESTACAREM SUA BURRICE EUCLIDES JUNIOR

      OLHA VOCÊ E MUITOS HEREGES PROTESTANTES SÃO TÃO LEIGOS QUE DA PENA EUCLIDES JUNIOR APRENDA UMA COISA SÓ

      quem não conhece a história e a verdadeira índole da Igreja; Esta é comparável a um grão de mostarda, que aos poucos, sob a assistência do Espírito Santo, vai desabrochando ou manifestando as riquezas de sua vitalidade (cf. Mt 13, 31s). O uso de água benta, altares e velas, além de ter seu fundamento bíblico, possui seu significado simbólico e catequético. O celibato do clero está baseado em 1Cor 7, 25-35, texto que os protestantes não costumam citar. A prece da Ave-Maria retoma, em sua primeira parte, textos bíblicos. Deve-se outrossim notar que a Bíblia não é a única fonte de fé para os católicos; a fonte de fé é a Palavra de Deus, que , principalmente, foi apregoada por via oral apenas e só depois foi escrita, originando o Novo Testamento. Donde se vê que é a Palavra oral, vivida na Igreja, que interpreta a escrita. A Igreja é anterior ao Novo Testamento, do qual é a matriz; portanto é a Igreja que abona a Bíblia, e não é a Bíblia que abona a Igreja.

      * * *
      Não poucas vezes os católicos são interpelados por panfletos protestantes que lhes propõem interrogações e objeções. A linguagem e o conteúdo desses impressos são de baixo nível: trazem erros de portugu6es, de história, de interpretação bíblica, etc.; recorrem à ironia (Diz-se que a ironia é a arma dos fracos. Faz caricaturas para poder atacar os fantasmas que ela cria); copiam e recopiam as suas alegações levianamente, sem controlar o que afirmam ou sem conhecimento de causa. Mas em alguns casos encontram o fiel católico despreparado para responder. Eis porque vamos agora considerar alguns pontos lançados por tais folhetos à consideração do leitor.

      1. OBSERVAÇÃO GERAL

      PRESTE ATENÇÃO HEREGE EUCLIDES JUNIOR
      QUE

      Quem lê tais panfletos, tem a impressão de que a S. Igreja move os seus fiéis como que a toques de decretos, determinando que, de certa data em diante, será preciso crer ou praticar isso ou aquilo… Ora, tal impressão não corresponde à realidade: o que a Igreja declara, através do seu magistério oficial, não é senão a expressão da consciência que os fiéis, em seu senso comum, possuem a respeito deste ou daquele ponto de doutrina ou de disciplina. Antes de serem proferidas de maneira solene pela autoridade da Igreja, tais verdades ou práticas já fazem parte da vida dos cristãos. O magistério apenas as explicita; assim dissipa os perigos de mistura com o erro. É isto, aliás, que se dá em todo organismo vivo: a vida real, vivida, é anterior às fórmulas ou definições (com efeito; primeiramente vivemos, respiramos…, depois definimos o que é viver, respirar, caminhar. Assim o povo de Deus, movido pelo Espírito Santo, no decorrer dos séculos, professou tais e tais proposições, seguiu tais e tais costumes. Em conseqüência, o magistério da Igreja, assistido pelo mesmo Espírito Santo, quis oportunamente apoiar com a sua autoridade dirimente essas expressões autênticas da vida).

      2. ORIGEM DA DESIGNAÇÃO “PROTESTANTE”

      Conforme um dos panfletos mencionados, a palavra “protestante” vem do protesto que o Apóstolo Pedro fez, quando lhe queriam negar o direito de pregar o Cristianismo em Jerusalém, conforme At 4, 17-20; 5, 27. Em conseqüência os protestantes seriam “mais antigos” do que os católicos.

      – Na verdade, o protestantismo com suas doutrinas características (“somente a Bíblia”, “somente a fé”, “somente a graça”) começa com Lutero, que em 1517 lançou seu primeiro brado contra a Igreja Católica. Antes do século XVI não se falava de “protestantismo”.

      Mais precisamente: o termo “protestantismo” teve origem nos seguintes fatos: depois que Lutero iniciou suas críticas à Igreja Católica, o movimento reformista foi-se alastrando na Alemanha. Diante do fato, o Parlamento alemão reuniu-se me Espira no ano de 1529 e determinou que se estancasse o movimento inovador até a realização de um Concílio Ecumênico, que julgaria a problemática religiosa. Isto significa que nos Estados Católicos a propagação do luteranismo seria detida; quanto aos Estados que já aderiram à Reforma, esta seria tolerada contanto que os luteranos não pregassem contra a S. Eucaristia e permitissem aos católicos a celebração da S. Missa. Frente a esta resolução (que correspondia a um decreto anterior chamado “Edito de Worms”), seis príncipes protestantes, entre os quais João da Saxônia e Felipe de Hesse, e quatorze cidades da Alemanha levantaram seus protestos veementes; não queriam aceitar que a S. Missa continuasse a ser celebrada em territórios protestantes nem entendiam que os pregadores protestantes deixassem de pregar contra a S. Eucaristia. Ora, foi precisamente a partir desta ocasião (19/04/1529) que os seguidores da Reforma foram chamados “protestantes”.

      3. O SINAL DA CRUZ

      Lê-se em panfletos protestantes que o sinal da Cruz foi instituído em 300 d.C.

      Ora, quem pesquisa a literatura cristã anterior a 300, verifica, por exemplo, que o escritor Tertuliano (falecido pouco antes de 220) atesta o amplo uso do sinal da Cruz por parte dos cristãos nas mais variadas situações da vida:

      “Quando nos pomos a caminhar, quando saímos e entramos, quando nos vestimos, quando nos lavamos, quando iniciamos as refeições, quando nos vamos deitar, quando nos sentamos, nessas ocasiões e em todas as nossas demais atividades, persignamo-nos a testa com o sinal da cruz” (De corona militis 3).

      Diz ainda Hipólito de Roma (+ 235/6), descrevendo as práticas dos cristãos do século III:

      “Marcai com respeito as vossas cabeças com o sinal da Cruz. Este sinal da Paixão opõe-se ao diabo e protege contra o diabo, se é feito com fé, não por ostentação, mas em virtude da convicção de que é um escudo protetor. É um sinal como outrora foi o Cordeiro Verdadeiro; ao fazer o sinal da Cruz na fronte e sobre os olhos, rechaçamos aquele que nos espreita para nos condenar” (Tradição dos Apóstolos 42).

      Estes testemunhos dão a ver que o sinal da Cruz já no início do século III estava muito difundido entre os cristãos, de tal modo que suas origens se identificam com as dos primórdios do Cristianismo.

      4. ÁGUA BENTA

      Segundo alguns impressos protestantes, a “fabricação” da água benta terá sido instituída no ano 1000:

      – Deve-se dizer que o uso da água benta na Igreja se prende ao uso da água batismal. Sim; o elemento natural “água” tendo sido escolhido por Jesus para comunicar a regeneração e a vida eterna, os cristãos julgaram oportuno renovar o seu compromisso batismal usando água sob forma de sacramental ( o Batismo é um sacramento; a água benta é um sacramental) – sacramental é um objeto sobre o qual a Igreja reza, pedindo a Deus sejam recobertos de graças e bênçãos todos aqueles que os utilizarem. Por conseguinte, o sinal d cruz com água benta e a aspersão da água benta foram tidos como canais que continuam a derramar as graças da Redenção sobre pessoas e objetos atingidos por essa água.

      Entende-se, pois, que o uso da água benta não teve origem no ano 1000, mas, sim, nos primórdios da Igreja, em íntima conexão com o Batismo. É difícil dizer donde os protestantes tiraram tão singular notícia.

      5. ALTARES E VELAS

      Há também quem afirme: “Em 370. Principia o uso dos altares e velas pelo fim do século III”.

      A notícia é incoerente, pois o ano de 370 não pertence ao século III, mas ao século IV. Além disso, é de notar que o uso de altares e velas começou nos tempos do Antigo Testamento. Assim quanto aos altares:

      Gn 12,7: “Abraão construiu em Siquém um altar a Javé, que lhe aparecera”. Ver Gn 13, 18; 22, 9.

      Ex 17,15: “Moisés construiu um altar e pôs-Ihe este nome: Javé – Nissi (Javé é minha bandeira)”. Ver Ex 27,1; 29,13.

      Nm 7,1: “No dia em que Moisés acabou de erigir a Habitação, ele ungiu e a consagrou com todos os seus pertences, bem como o altar com todos os seus utensílios”.

      Mt 5,23s: Diz Jesus: “Se estiveres para levar tua oferta ao altar e ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa tua oferta ali diante do altar e vai primeiro reconciliar-te”.

      Hb 13,10: “Temos um altar do qual não se podem alimentar os que servem a tenda”. Ver também Ap 6,9; 9,13 (menção de altares no céu).

      A respeito de velas:

      Ex 25, 31.37: “Farás um candelabro de ouro puro… Far-lhe-ás também sete lâmpadas. As lâmpadas serão elevadas de tal modo que alumiem defronte dele”.

      Mt 5, 15: O Senhor se referere à luz que brilha sobre um candeleiro.

      Ap 1, 13; 2, 1: Cristo aparece entre candelabros.

      6. TRANSUBSTANCIAÇÃO E MISSA

      O estudo do Novo Testamento demonstra que Jesus instituiu a Eucaristia como perpetuação do seu sacrifício (Ver a propósito Curso de Diálogo Ecumênico, Módulos 13, 13 e 14. Escola “Mater Ecclesiae”). Nesse sacramento temos a real presença do Senhor Jesus sob as aparências do pão e do vinho. Eis, porém, o que se lê num panfleto:

      “Em 818. Aparece pela primeira vez nos escritos de Pascásio Radberto a doutrina da transubstanciação e a Missa”.

      A propósito observamos: o que houve no século IX, foi a controvérsia entre Ratramno e Pascásio Radberto. Contradizendo à Escritura e à Tradição. Ratramno negava a real conversão do pão e do vinho no Corpo e no Sangue de Cristo. Pascásio escreveu então o “Liber de Corpore et Sanguine Domini” (Livro do Corpo e do Sangue do Senhor), cuja segunda edição saiu em 844; opunha-se a Ratramno, defendendo a identidade do Corpo Eucaristico com o Corpo histórico de Jesus, ou seja, defendendo a real presença. Assim procedendo, Pascásio nada inovava.

      O vocábulo “transubstanciação”, que designa essa conversão. aparece pela primeira vez no século XI (quase três séculos após Pascásio Radberto) e foi assumido nos documentos oficiais da Igreja a partir do Concílio de LatrãoIV (1215). O primeiro a usá-lo parece ter sido o jurista Ronaldo Bandinelli (depois, Papa Alexandre III + 1181) na frase: “Verumtamen si, necessitate iminente, sub alterius panis specie consecratur, profecto fieret transubstantiatio” – o que quer dizer: “Mas, se em caso de necessidade iminente, se fizesse a consagração de outro pão, haveria transubstanciação”. Por conseguinte, não foi Pascásio Radberto quem introduziu o vocábulo na linguagem teológica.

      Em 818 (data indicada pelo panfleto) Pascásio Radberto, nascido em 790, tinha 28 anos – idade que não corresponde à de sua controvérsia teológica (que se deu a partir de 840).

      O nome “Missa” não se deve a Pascásio Radberto. É uma palavra latina equivalente a missio(missão ou envio); significava a despedida ou o envio dos catecúmenos para fora da igreja, quando terminava a homilia ou a liturgia da Palavra. Aos catecúmenos não era permitido participar da Eucaristia propriamente dita, pois ainda não haviam sido batizados. O nome Missa, que designava tal momento da liturgia, foi no século IV aplicado a todo o rito eucarístico, de modo que este hoje se chama Missa. O primeiro a usar a palavra Missa no sentido atual foi provavelmente S. Ambrósio (+ 397) na epístola 20,4. S. Agostinho (+ 430) escrevia: “Eis que após o sermão se faz a missa (= despedida) dos catecúmenos; ficarão apenas os fiéis batizados” (serm. 49,8).

      7. O CELIBATO DO CLERO

      Há quem chegue a dizer que o celibato do clero foi instituído em 1879!

      – A praxe do celibato sacerdotal tem suas raízes em 1Cor 7, 32-34, texto em que São Paulo afirmava ser a vida celibatária um estado em que mais facilmente se pode servir ao Senhor, sem divisões e sem solicitudes supérfluas. Em 1Tm 3,2 o Apóstolo recomenda que o ministro de Deus “seja marido de uma só esposa”; com isto São Paulo queria inculcar que no século I da nossa era, quando as comunidades cristãs constavam de muitos casados e adultos recém-convertidos, não se escolhesse para o ministério algum homem casado em segundas núpcias; estas, com efeito, eram geralmente desaconselhadas pela Igreja antiga por parecerem uma expressão de incontin6encia.

      Vê-se, pois, que desde os tempos apostólicos a vida una era recomendada e praticada pelos ministros do Senhor (tenhamos em vista, por exemplo, o caso de São Paulo e o do próprio Cristo).

      No Ocidente a primeira legislação restritiva ao casamento de clérigos se deve ao Concílio de Elvira (Espanha) por volta do ano 300; proibia aos Bispos, sacerdotes e diáconos, sob pena de degradação, o uso do matrimônio e o desejo de ter prole (cânon 33). Esta determinação, que era regional, em menos de um século estava em vigor (às vezes sob forma de conselho apenas) em todo o Ocidente. A fórmula definitiva de tal disciplina foi promulgada pelo Concílio Ecumênico de Latrão I em 1123: a todos os clérigos, a partir do subdiaconato, foi prescrito o celibato; em conseqüência, o matrimônio contraído por algum eclesiástico depois da respectiva ordenação era tido como inválido. O Concílio de Trento (1545-1563) reafirmou tal determinação.

      Isto bem mostra quão inexata é a notícia atrás citada.

      8. A RECITAÇÃO DA “AVE-MARIA”

      Lê-se num panfleto protestante: “Em 1317, João XXII ordena a reza da ‘Ave-Maria'”

      Algumas confusões estão subjacentes a esta afirmação, como se verá a seguir. A primeira parte da ‘Ave-Maria’ tem sua origem no próprio texto bíblico, onde se lêem as palavras do arcanjo Gabriel: “Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo; és bendita entre as mulheres””(Lc 1,28) e as de Elisabete: “E bendito é o fruto do teu ventre” (Lc 1,42). Vê-se, pois, que é a oração mais nobre do Novo Testamento após o Pai Nosso, que nos é ensinado pelo próprio Cristo.

      Os primeiros testemunhos que demonstram o uso de tal fórmula na piedade cristã, datam dos séculos IV/V: trata-se de duas conchas ou placas de argila (ostraka) encontradas no Egito e portadoras do texto grego da ‘Ave-Maria’ (primeira parte). Também as fórmulas litúrgicas (ou as Liturgias) atribuídas a S. Tiago, S. Marcos e S. Basílio dão testemunhos do uso de tal prece nos séculos IV/V.

      Em latim a saudação angélica ocorre na Liturgia do IV domingo do Advento, que data dos tempos de S. Gregório Magno (+ 604). No fim do século XII aparecem as primeiras prescrições relativas à recitação da “Ave-Maria” na Liturgia das Horas e na devoção popular.

      A segunda parte de tal oração (“Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós…”) aparece em uso num Breviário (Liturgia das Horas) dos séculos XIV/XV; foi a partir de então que se tornou habitual na devoção dos fiéis.

      O que se atribui ao Papa João XXII não é a ordem de rezar a “Ave-Maria”, mas a recomendação de se reverenciar a Encarnação do Verbo de Deus mediante a recitação do “Pai Nosso” e da “Ave-Maria” ao toque do sino, no fim do dia. Tal recomendação data de 1327 e não de 1317, como afirma o folheto em pauta.

      EUCLIDES JUNIOR VOCÊ É UMA DOENÇA NO MEIO DA SOCIEDADE VOCÊ E SUAS HERESIAS
      PRESTE ATENÇÃO SAIBAS QUE OS CATÓLICOS NO BRASIL ESTÃO BEM INFORMADOS POIS AGORA TEM A TV CANÇÃO NOVA QUE SÓ CRESCE DIA APOS DIA E AGORA OS CATÓLICOS ESTÃO CURIOSOS LENDO MAIS E PROCURANDO RESPOSTAS E SE INFORMANDO COM ESTUDOS E PATRÍSTICA

      E MAIS

      AGORA TEMOS MUITOS SITES CATÓLICOS COMO ESSE SITE AQUI DE NOME LEPANTO QUE É REFERENCIA MUNDIALMENTE

      OLHA EUCLIDES JUNIOR NO MUNDO SÃO MAIS DE 1 BILHÃO E 600 MILHÕES DE CATÓLICOS
      NO BRASIL O IBGE DIZ TER SOMENTE 125 MILHÕES DE CATÓLICOS EU DISCORDO E ACHO SUSPEITO ISSO MAS RESUMINDO OS CATÓLICOS DE HOJE ESTÃO ESTUDANDO LOGO LOGO A VERDADE VEM ATONA CONTINUE LENDO SUAS HERESIAS EUCLIDES JUNIOR AGORA NÃO SEI SE TENHO PENA OU DÓ DE VOCÊ

      HEREGE CONTRADITÓRIO

    • MEU CARO COMEDIANTE EUCLIDES JUNIOR EU ESTAVA VENDO AQUI AS SUAS BABOZEIRAS E ENTÃO RESOLVI POSTAR AQUI PRA VOCÊ E TODO PROTESTANTE QUE NÃO PROCURA LÊ A VERDADE ESTOU TI PASSANDO FATOS HISTÓRIA TESTEMUNHAS OCULARES FONTE HISTÓRICA MEU CARO EUCLIDES JUNIOR SE TODO CATÓLICO LÊ ESSE ARTIGO ELE VAI APRENDER A AMAR SUA IGREJA CADA VEZ MAIS CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA

      O catálogo sagrado dos primeiros cristãos
      Como poderemos ver nos testemunhos primitivos que irei transcrever, na Igreja Primitiva somente alguns livros que hoje consideramos canônicos eram comumente aceitos por toda Igreja, outros tinham sua canonicidade contestada. O Cânon Bíblico, ao contrário do que alguns pensam não chegou até nós pronto, mas foi resultado um grande trabalho que o Espírito Santo realizou através da Tradição Apostólica e do Magistério da Igreja Católica.

      Enquanto não era chegado o tempo em que a Igreja Católica definiria de um único Catálogo Sagrado para todos os cristãos (Concílio Ecumênico de Hipona, 8 de Outubro de 393), muitos catálogos foram propostos e observados pelos primeiros cristãos.

      Orígenes nos chama a atenção para algo interessante: “Observe-se que os livros do Antigo Testamento, segundo a tradição hebraica, são vinte e dois, número das letras de seu alfabeto.”

      Os livros sagrados segundo Justino de Roma (155 d.C)

      Justino, considerado o maior apologista da verdadeira fé no segundo século, costumava utilizar o Antigo Testamento para provar através das profecias a legitimidade e a antiguidade da fé Cristã. Utilizava freqüentemente a Tradução dos Setenta, e sobre ela escreve:

      “Entre os judeus, houve profetas de Deus, através dos quais o Espírito profético anunciou antecipadamente os acontecimentos futuros, e os reis, que segundo os tempos se sucederam entre os judeus, apropriando-se de tais profecias, guardaram-nas cuidadosamente tal como foram ditas e tal como os próprios profetas as consignaram em seus livros, escritos em sua própria língua hebraica. Quando Ptolomeu, rei do Egito, se preocupou em formar uma biblioteca e nela reunir os escritos de todo o mundo, tendo tido notícia dessas profecias, mandou uma embaixada a Herodes, que então era rei dos judeus, pedindo-lhe que mandasse os livros deles. O rei Herodes mandou os livros, como dissemos, em sua língua hebraica. Todavia, como seu conteúdo não podia ser entendido pelos egípcios, Ptolomeu pediu, por meio de uma nova embaixada, que Herodes enviasse homens para os verter para a língua grega. Depois disso, os livros permaneceram entre os egípcios até o presente e os judeus os usam no mundo inteiro. Estes, porém, ao lê-los, não entendem o que está escrito, mas considerando-nos inimigos e adversários, matam-nos, como vós o fazeis, e atormentam-nos sempre que podem fazê-lo, como podeis facilmente verificar. Com efeito, na guerra dos judeus agora terminada, Bar Kókeba, o cabeça da rebelião, mandava submeter a terríveis torturas somente os cristãos, caso estes não negassem e blasfemassem Jesus Cristo.” (I Apologia 31)

      Quanto ao Novo Testamento, não achamos nas obras de Justino qualquer referência.

      Os livros sagrados segundo Ireneu de Lião (170 d.C)

      Ireneu foi um dos maiores apologistas da fé genuína do segundo século. Foi bispo de Lião (França), discípulo de Policarpo bispo de Esmirna (discípulo de São João).

      Antigo Testamento

      Quanto ao Antigo Testamento Ireneu usava a versão dos Setenta (Septuaginta). Eusébio transcreve um trecho da obra de Ireneu, onde ele relata como a esta tradução foi realizada com o auxílio divino:

      “Antes que os romanos tivessem estabelecido o império, e quando os macedônios ainda dominavam a Ásia, Ptolomeu, filho de Lagos, muito desejoso de enriquecer com os melhores escritos dos homens a biblioteca que instituíra em Alexandria, pediu aos habitantes de Jerusalém suas Escrituras traduzidas para a língua grega.

      Estes, naquela época ainda sujeitos aos macedônios, enviaram a Ptolomeu setenta anciãos, dos mais peritos nas Escrituras e no conhecimento das duas línguas e realizou-se desta forma o plano de Deus.

      Ptolomeu, querendo provar particularmente a perícia de cada um, e a fim de evitar que, por confronto entre si, eles falseassem na tradução a verdade contida nas Escrituras, separou-os uns dos outros e ordenou-lhes que todos escrevessem a tradução do mesmo texto; assim fez relativamente a todos os livros.

      Mas, ao se reunirem no mesmo lugar com Ptolomeu, e conferindo as traduções, Deus foi glorificado e as Escrituras foram reconhecidas como realmente divinas, pois todos haviam expressado idéias idênticas com idênticas palavras, idênticos nomes, do começo ao fim. Desta forma, até os pagãos presentes reconheceram terem sido as Escrituras traduzidas sob inspiração de Deus.

      Não é de admirar tenha Deus agido desta maneira. Efetivamente, perdidas as Escrituras por ocasião do cativeiro do povo sob Nabucodonosor, e tendo os judeus após setenta anos regressado a seu país, mais adiante, no tempo de Artaxerxes, rei dos persas, ele próprio inspirou o sacerdote Esdras da tribo de Levi [cf. Esd 9,38-41] relativamente à reconstituição das palavras dos profetas anteriores e à restauração entre o povo da legislação promulgada por Moisés.” (HE V,8,10-15)

      Novo Testamento

      Eusébio transcrevendo trechos da obra de Ireneu, testemunha que segundo este as Escrituras do Novo Testamento são: “Mateus, no entanto, publicou entre os hebreus em sua própria língua um Evangelho escrito, enquanto Pedro e Paulo anunciavam a boa nova em Roma e lançavam os fundamentos da Igreja.

      Mas, após a morte deles, Marcos, discípulo e intérprete de Pedro, transmitiu-nos por escrito igualmente o que Pedro pregara. Lucas, porém, companheiro de Paulo, deixou num livro o Evangelho pregado por este último. Enfim, João, o discípulo que reclinou sobre o peito do Senhor [cf. Jô 13,25. 21,20], publicou também ele um evangelho, enquanto residia em Éfeso, na Ásia.” (HE V,8,2).

      Eusébio afirma ainda que no quinto livro de “Contra as Heresias”, Ireneu faz menção do Apocalipse de João, da primeira carta de Pedro, o Pastor e do livro Sabedoria de Salomão (cf. HE V,8,5-8). Ainda segundo Eusébio, Ireneu na obra “Exposições diversas” “relembra a carta aos Hebreus e a Sabedoria dita de Salomão, incluindo trecho de ambas.” (HE V,26)

      No entanto não podemos afirmar que Ireneu não recebia como canônicos os outros livros do que hoje compõe nosso Novo Testamento.

      Os livros sagrados segundo Clemente de Alexandria

      Segundo Eusébio, Clemente em sua obra Stromata “emprega também provas extraídas de Escrituras não aceitas de modo geral; cita, por exemplo, a Sabedoria dita de Salomão, a de Jesus filho de Sirac [Eclesiástico], a carta os Hebreus, as cartas de Barnabé, de Clemente [de Roma] e de Judas” (HE VI 13,6)

      E continua: “Em Hyptyposes ele faz, em suma, exposições resumidas dos Testamentos de toda a Escritura, sem omitir as partes controvertidas, isto é, a Carta de Judas e as outras cartas católicas, e a carta de Barnabé e o Apocalipse, dito de Pedro. Acrescenta ser da autoria de Paulo a carta aos Hebreus, escrita para os hebreus em língua hebraica, mas que Lucas, depois de traduzi-la cuidadosamente, divulgou-a entre os gregos. Este o motivo por que se assemelham a tradução desta carta e os Atos” (HE VI,14,1-2). Eusébio ainda nos conta que Clemente ainda se refere à origem dos Evangelhos de Mateus e Marcos, dizendo que estes foram escritos primeiro (cf. HE VI,14,5-7).

      Os livros sagrados segundo Orígines (+ ou – 212 d.C)

      Antigo Testamento

      Segundo o historiador eclesiástico da Igreja primitiva, Eusébio de Cesaréia “Ao explicar o salmo primeiro [na obra Stromata], Orígines apresenta um catálogo das Escrituras Sagradas do Antigo Testamento, escrevendo literalmente: ‘Observe-se que os livros do Antigo Testamento, segundo a tradição hebraica, são vinte e dois, número das letras de seu alfabeto’. Em seguida, um pouco mais adiante prossegue: ‘Os vinte e dois livros, conforme os hebreus, são os seguintes: O livro que damos o título de Gênesis, entre os hebreus traz inscrito, de acordo com as palavras iniciais: Bresith, que significam “No começo”; Êxodo, Ouellesmoth, isto é, “Eis os nomes”, Levítico, Ouicra, isto é, “Ele me chamou”; Números, Ammesphecodeim; Deuteronômio, Elleaddebareim: “Estas são as palavras”; Jesus, filho de Navé [Josué], Iosouebennoun; Juízes, Rute, entre eles foram um só livro, Sophteim; Reis primeiro e segundo livros, entre eles um só, Samuel: “O eleito de Deus”; Reis, terceiro e quarto livros, em um só, Ouammelch David, isto é: “Reino de Davi”; Paralipomenos, primeiro e segundo livros, em um só, Dabreiamein, isto é, “Palavra dos dias”; Esdras, primeiro e segundo livros, em um só, Ezra, isto é, “Auxiliar”; Livro dos Salmos, Spharthelleim; Provérbios de Salomão, Meloth; Eclesiastes, Koeleth; Cântico dos Cânticos – e não como alguns julgam, Cântico dos Cânticos [esta observação de Eusébio é para indicar que não se trata do livro Cântico dos Cânticos, sim do Eclesiástico]-, Sirassereim ; Isaías, Iessia; Jeremias, com as Lamentações e a Carta em um só livro, Ieremia; Daniel, Daniel; Ezequiel, Ezechiel; Jó, Job; Ester, Esther. Além destes, os Macabeus, intitulados Sarbethsabanaiel'”. (História Eclesiástica VI,25,1-2 – Eusébio de Cesaréia, 317 d.C).

      Estranhamente Orígenes não cita os 12 profetas menores e nem Cântico dos Cânticos. Dos deuterocanônicos apenas reconhece os dois livros dos Macabeus e Sabedoria de Sirácida.

      Novo Testamento

      Segundo Eusébio quanto ao que hoje chamamos de Novo testamento o testemunho de Orígenes é:

      “Conforme aprendi da tradição sobe os quatro Evangelhos, os únicos também indiscutíveis na Igreja de Deus que há sob os céus, foi escrito em primeiro lugar o evangelho segundo Mateus; este anteriormente fora publicano e depois Apóstolo de Jesus Cristo. Ele o editou para os fiéis vidos do judaísmo, redigindo-o em hebraico. O Segundo é o Evangelho segundo Marcos, que escreveu conforme as narrações de Pedro, o qual o nomeia seu filho [segundo o espírito] na carta católica, nesses termos: ‘A que está em Babilônia [Roma], eleita como vós, vos saúda, como também Marcos, o meu filho’ [cf. 1Pd 5,13]. E o terceiro é o Evangelho segundo Lucas, elogiado por Paulo [cf. 2Cor 8,18-19; 2Tm 2,8; Cl 4,14) e composto para os fiéis provenientes da gentilidade. Enfim, o Evangelho segundo João.” (História Eclesiástica VI,25,4-6 – Eusébio de Cesaréia, 317 d.C).

      Pelo testemunho de Orígenes os 4 Evangelhos são reconhecidos como canônicos em toda Igreja (“Conforme aprendi da tradição sobre os quatro Evangelhos, os únicos também indiscutíveis na Igreja de Deus que há sob os céus”). As palavras “os únicos indiscutíveis” testemunha que haviam ainda outros que eram aceitos por uns e renegados por outros.

      Ainda sob a estreita de Eusébio “No quinto livro dos Comentários ao Evangelho segundo João, o mesmo Orígenes declara o seguinte acerca das Epístolas dos apóstolos: ‘Paulo, digno ministro do Novo Testamento, não segundo a letra, mas segundo o espírito, depois de ter anunciado o evangelho desde Jerusalém e suas cercanias até o Ilírico [cf. Rm 15,19], não escreveu a todas as Igrejas que ele havia instruído; mesmo àquelas que a escreveu, enviou apenas poucas linhas.” (História Eclesiástica VI,25,7 – Eusébio de Cesaréia, 317 d.C).

      Aqui Orígenes reconhece como canônicas as cartas paulinas, embora não cite quais são. Quanto à controversa carta aos Hebreus, segundo Eusébio “Finalmente, externa-se da seguinte maneira sobre a Carta aos Hebreus, nas Homilias proferidas a respeito desta última: ‘O estilo da epístola intitulada Aos Hebreus carece da marca de simplicidade de composição do Apóstolo, que confessa ele próprio ser imperito no falar, isto é, no fraseado [cf. 2Cor 11,6]; no entanto, a carta é grego do melhor estilo, e qualquer perito em diferenças de redação o reconheceria. Efetivamente, os conceitos da Epístola são admiráveis e em nada inferiores aos das genuínas cartas apostólicas. Há de concordar quem ouvir atentamente a leitura das cartas do Apóstolo’. Mas adiante [diz Eusébio], [Orígenes] adita essas afirmações: ‘Mas, para exprimir meu próprio ponto de vista, diria que os pensamentos são do Apóstolo, enquanto o estilo e a composição originam-se de alguém que tem presente a doutrina do Apóstolo, e por assim dizer, de um redator que escreve as preleções de um mestre. Se, portanto, uma Igreja tem por certo que a carta provém do Apóstolo [Paulo], felicito-a, pois não será sem fundamento que os antigos a transmitiram como sendo da autoria de Paulo. Entretanto, quem escreveu a carta? Deus o sabe. A tradição nos transmitiu o parecer de alguns de ter sido redigida por Clemente, bispo de Roma [e discípulo de Pedro e Paulo], outros opinam ter sido Lucas, o autor do Evangelho e dos Atos.'” (História Eclesiástica VI,25,11 – Eusébio de Cesaréia, 317 d.C).

      Como podemos ver, embora seja controversa a autoria da Carta aos Hebreus, Orígenes não só a considera canônica, como afirma que este é o mesmo parecer dos presbíteros que o antecederam. Observem que quanto ao livro dos Atos dos Apóstolos, Orígenes apenas mostra que o conhece, mas não emite seu parecer quanto à canonicidade do livro (“outros opinam ter sido Lucas, o autor do Evangelho e dos Atos”).

      Ainda na estreita de Eusébio, sobre os outros livros afirma: “Pedro, sobre quem está edificada a Igreja de Cristo, contra a qual não prevalecerão as portas do inferno [cf. Mt 16,18], deixou apenas uma carta incontestada, e talvez ainda outra, porém controvertida.” (História Eclesiástica VI,25,8 – Eusébio de Cesaréia, 317 d.C). Orígenes não só reconhece a canonicidade da primeira epístola de São Pedro, como declara que o mesmo é o parecer comum da Igreja em seu tempo. E quanto à segunda Epístola que hoje se encontra em nosso cânon, ele afirma que não é aceita por todos (“e talvez ainda outra, porém controvertida”).

      E continua “Que dizer de João, que reclinou sobre o peito de Jesus [cf. Jo 13,25; 21,20], deixou um evangelho, assegurou ser-lhe possível compor mais livros do que poderia o mundo conter [cf. 21,25], e escreveu o Apocalipse, mas recebeu a ordem de se calar e não escrever as mensagens das vozes das sete trombetas [cf. Ap 10,4]?” (História Eclesiástica VI,25,9 – Eusébio de Cesaréia, 317 d.C). Aparece-nos que aqui afirmar a canonicidade do Apocalipse de João.

      “Legou-nos também uma Carta de muito poucas linhas e talvez outra e ainda terceira, pois nem todos admitem que estas sejam autênticas; aliás, as duas juntas não abrangem cem linhas” (História Eclesiástica VI,25,10 – Eusébio de Cesaréia, 317 d.C). Quanto às cartas de São João Apóstolo e Evangelista, Orígenes diz que comumente era reconhecida como canônica somente a primeira carta. Ainda não havia na Igreja antiga um parecer comum quanto à canonicidade das outras duas (“e talvez outra e ainda terceira, pois nem todos admitem que estas sejam autênticas”).

      Como podemos ver, segundo Eusébio, Orígenes não emitiu nenhum parecer quanto às outras cartas que hoje consideramos canônicas que são as Epístolas Universais de São Judas Tadeu e São Tiago Menor e o livro de Atos.

      Desta forma segundo Orígenes as Escrituras Sagradas são compostas pelos seguintes livros:

      Antigo Testamento

      1 – Gênesis (Bresith)
      2- Êxodo (Ouellesmoth)
      3- Levítico (Ouicra)
      4- Números (Ammesphecodeim)
      5 -Deuteronômio (Elleaddebareim)
      6- Josué (Iosouebennoun)
      7- Juíses e Rute (Sophteim)
      8 – I e II Reis [I e II Samuel] (Samuel)
      9 – III e IV Reis [I e II Reis] (Ouammelch David)
      10 – Paralipomenos [I e II Crônicas] (Dabreiamein)
      11 – I e II Esdras [Esdras e Neemias] (Ezra)
      12 – Livro dos Salmos [Salmos] (Spharthelleim)
      13 – Provérbios de Salomão [Provérbios] (Meloth)
      14 – Eclesiastes (Keoleth)
      15 – Cântico dos Cânticos [Eclesiástico] (Sirassereim)
      16 – Isaías (Iessia)
      17 – Jeremias, Lamentações e a Carta de Jeremias [Jeremias] (Ieremia)
      18 – Daniel
      19 – Ezequiel (Ezechiel)
      20 – Jó (Job)
      21 – Ester (Esther)
      22 – Macabeus [I e II Macabeus] (Sarbethsabanaiel)

      Novo Testamento

      1 – Evangelho Segundo São Mateus
      2 – Evangelho Segundo São Marcos
      3 – Evangelho Segundo São Lucas
      4 – Evangelho Segundo São João
      5 – Apocalipse
      6 – Atos (?)
      7 – As Cartas Paulinas [será que incluía a Epístola aos Laodicenses?]
      8 – Primeira Epístola de São Pedro
      9 – Primeira Epístola de São João

      A Lista de Santo Atanásio de Alexandria (367 dC)

      No ano 367 dC, por ocasião da Festa da Páscoa, Santo Anatásio Bispo de Alexandria, escreve uma epístola onde relaciona os livros normalmente aceitos como canônicos pelos cristãos de seu tempo. A necessidade ocorre pq alguns hereges estavam escrevendo livros espúrios e atribuindo-os a autoria dos apóstolos e seus discípulos, para assim dar legitimidade e autoridade aos livros.

      Antigo Testamento

      “Há, portanto, 22 Livros do Antigo Testamento, número que, pelo que ouvi, nos foram transmitidos, sendo este o número citado nas cartas entre os Hebreus, sendo sua ordem e nomes respectivamente, como se segue: Primeiro, o Gênesis. Depois, o Êxodo. Depois, o Levítico. Em seguida, Números e, por fim, o Deuteronômio. Após esses, Josué, o filho de Nun. Depois, os Juízes e Rute. Em seguida, os quatro Livros dos Reis, sendo o primeiro e o segundo listados como um livro, o terceiro e o quarto também, como um só livro. Em seguida, o primeiro e o segundo Livros das Crônicas, listados como um só livro. Depois, Esdras, sendo o primeiro e o segundo igualmente listados num só livro. Depois desses, há o Livro dos Salmos, os Provérbios, o Eclesiastes e o Cântico dos Cânticos. O Livro de Jó. Os doze Profetas são listados como um livro. Depois Isaías, um livro. Depois, Jeremias com Baruc, Lamentações e a Carta [de Jeremias], num só livro. Ezequiel e Daniel, um livro cada. Assim se constitui o Antigo Testamento.” (Epístola 39,4 – Santo Atanásio de Alexandria, 367 d.C).

      Esta lista de 22 livros apresentada por Atanásio parece muito com o cânon judaico definido em Jâmnia (+ ou – 110 d.C), senão fosse pela exclusão de Ester e a inclusão de Baruc (livro deuterocanônico). Como a Igreja ainda não havia se pronunciado oficialmente sobre quais livros faziam parte da Sagrada Escritura, Atanásio refere-se a um cânon “citado nas cartas entre os Hebreus” e que pela divergência em relação ao cânon oficial judaico, nos faz pensar que estas cartas foram escritas antes do sínodo de Jâmnia. Para completar seu cânon, também faz uso da tradição dos presbíteros que lhe antecederam:

      “Mas, para uma maior exatidão, acrescento também, escrevendo para não me omitir, que há outros livros, além desses, de fato incluídos no Cânon, indicados pelos Padres para leitura por aqueles recém-admitidos entre nós e que desejam receber instrução sobre a Palavra de Deus: a Sabedoria de Salomão, a Sabedoria de Sirac [Eclesiástico], Ester e Judite, Tobias, bem como aqueles chamados Ensinamento dos Apóstolos [Didaqué] e o Pastor. Quanto aos primeiros, meus irmãos, foram incluídos no Cânon; mas os últimos são para leitura, não havendo em lugar nenhum menção a eles como sendo escritos apócrifos.” (Epístola 39,7 – Santo Atanásio de Alexandria, 367 d.C)

      Como podemos observar dos deuterocanônicos Atanásio apenas exclui os livros dos Macabeus.

      Novo Testamento

      “Não é tedioso repetir os [livros] do Novo Testamento. São os quatro Evangelhos, segundo Mateus, Marcos, Lucas e João. Em seguida, o Atos dos Apóstolos e as sete Epístolas, ou seja: de Tiago, uma; de Pedro, duas; de João, três; de Judas, uma. Em adição, vêm as 14 Cartas de Paulo, escritas nessa ordem: a primeira, aos Romanos, as duas aos Coríntios, uma aos Gálatas, uma aos Efésios, uma aos Filipenses, uma aos Colossenses, duas aos Tessalonicenses, uma aos Hebreus, duas a Timóteo, uma a Tito e, por último, uma a Filemon. Além disso, o Livro da Revelação de João [Apocalipse].” (Epístola 39, Santo Atanásio de Alexandria, 367 d.C).

      Como podemos ver o Novo Testamento de Atanásio é o mesmo que hoje guardamos.

      Desta forma segundo Atanásio de Alexandria as Escrituras Sagradas são compostas pelos seguintes livros:

      Antigo Testamento
      1 – Gênesis
      2- Êxodo
      3- Levítico
      4- Números
      5 -Deuteronômio
      6- Josué
      7- Juíses
      8 – Rute
      9 – I e II Reis [I e II Samuel]
      10 – III e IV Reis [I e II Reis]
      11 – I e II Crônicas
      12 – I e II Esdras [Esdras e Neemias]
      13 – Salmos
      14 – Provérbios
      15 – Eclesiastes,
      16 – Cântico dos Cânticos
      17 – Jó
      18 – Os doze profetas
      19 – Isaías
      20 – Jeremias, a Carta de Jeremias [Jeremias], Lamentações e Baruc
      21 – Ezequiel
      22 – Daniel
      23 – Sabedoria de Salomão
      24 – Sabedoria de Sirac [Eclesiástico]
      25 – Ester
      26 – Judite
      27 – Tobias

      Novo Testamento

      Igual ao que guardamos hoje.

      O Cânon de Melitão de Sardes (- ou – 120 d.C)

      Segundo Eusébio, Melitão bispo da Igreja de Sardes “Nas Éclogas por ele exaradas, o mesmo autor, já no início do prefácio, cataloga os livros recebidos do Antigo Testamento. É oportuno reproduzi-lo aqui. Assim escreve: ?Melitão a Onésimo, seu irmão. Saudações, Visto que muitas vezes manifestaste o desejo, inspirado pelo zelo relativamente à doutrina, de possuir extratos da Lei e dos profetas sobre o Salvador e o conjunto de nossa fé, e ainda quiseste conhecer com exatidão o número dos antigos livros e a ordem que seguem, dediquei-me a tal tarefa, uma vez que conheço teu zelo pela fé e tua aplicação ao estudo da doutrina. O Amor de Deus sobretudo faz com que o aprecies, enquanto lutas tendo em mira a salvação eterna.

      Tendo ido, portanto, ao Oriente e tendo estado até mesmo no lugar onde a Escritura foi anunciada e cumprida, tive exato conhecimento acerca dos livros do antigo Testamento. Levantei uma lista, que te envio. São os seguintes os seus nomes: de Moisés cinco livros: Gênesis, Êxodo, Números, Levítico, Deuteronômio; Jesus Navé [Josué], Juízes, Ruth; quatro livros dos Reis [I e II Samuel e I e II Reis], dois dos Paralipômenos [I e II Crônicas]; Salmos de Davi, Provérbios ou Sabedoria de Salomão [Provérbios e Sabedoria]; Eclesiastes, Cântico dos Cânticos, Jó; profetas: Isaías, Jeremias e os Doze num só livro; Daniel, Ezequiel, Esdras. Destas obras extraí alguns trechos, que distribuí por seis livros.? Tais as palavras de Melitão” (HE IV,26,14.)

      1 – Gênesis
      2- Êxodo
      3- Levítico
      4- Números
      5 -Deuteronômio
      6- Josué
      7- Juíses
      8- Ruth
      9 – I e II Reis [I e II Samuel]
      10 – III e IV Reis [I e II Reis]
      11 – I e II Crônicas
      12 – Salmos de Davi
      13 – Provérbios e Sabedoria
      14 – Eclesiastes
      15 – Cântico dos Cânticos
      16 – Jó
      17 – Isaías
      18 – Jeremias [Jeremias e Lamentações]
      19 – os Doze profetas
      20 – Daniel
      21 – Ezequiel
      22 – Esdras [Esdras e Neemias]

      Melitão exclui Ester, e inclui o livro da Sabedoria.

      Citações de Eusébio (317 d.C)

      Eusébio cita trechos do historiador judeu Filón de Alexandria, em que este por admirar o modo de vida cristão, começa a relatar como os cristãos viviam e como eram suas assembléias. Depois Eubébio comenta que todas as coisas de que escreveu Filóm “De fato, relatam os Atos dos Apóstolos, livro tido por autêntico ” (HE II,17,6)

      As Escrituras em Geral

      Segundo Eusébio, Fílon em sua obra “A Vida contemplativa” ou “Os orantes”, sobre as escrituras cristãs escreve: “Possuem também escritos dos antigos, primeiros guias de sua seita, que deixaram numerosos monumentos de sua doutrina sob forma alegórica. Utilizam-nas como modelos de comportamento a imitar.” (HE II,17,11) Para Eusébio “Talvez os livros que ele aponta como sendo entre eles [os cristãos] os livros dos antigos sejam os evangelhos, e os escritos dos apóstolos e provavelmente algumas interpretações dos antigos profetas, tais os contidos na carta aos Hebreus e numerosas cartas de Paulo.” (HE II,17,12)

      Mas a frente Eusébio nos dá um parecer mais detalhado sobre as cartas apostólicas recebidas ou as rejeitadas como autênticas:

      Os Escritos de São Pedro

      “Com efeito, de Pedro, apenas uma carta, classificada como primeira, é reconhecida por autêntica e os próprios antigos presbíteros utilizaram-na, citando-a em seus escritos como genuína. Quanto àquele enumerada como segunda, tivemos notícia de que não é testamentária, todavia muitos a consideram útil e foi tomada em consideração com as demais Escrituras.” (HE III,3,1)

      Mais adiante ele escreve: “… as palavras de Pedro indicam também em que províncias ele próprio anunciou Cristo e transmitiu a doutrina do Novo Testamento aos circuncisos. Esclarece-o igualmente a carta que afirmamos ser tida por autêntica [a primeira carta], dirigida aos hebreus da Dispersão do Ponto, da Galácia, da Capadócia, da Ásia e da Bitínia [cf. 1Pd 1,1]” (HE III, 4,2)

      “Relativamente aos Atos que trazem seu nome [portanto, Atos de Pedro], ao Evangelho dito segundo Pedro, ao Kerygma e ao suposto Apocalipse de Pedro, sabemos que não foram de modo algum transmitidos entre os escritos católicos e que nenhum escritor eclesiástico, nem dentre os antigos, nem dos atuais, utilizou testemunhos tirados destas obras.” (HE III,3,2)

      Mas adiante confirma seu parecer quanto aos escritos atribuídos a São Pedro: “Dos escritos atribuídos a Pedro, conheço apenas uma carta reconhecida pelos antigos presbíteros como autêntica. E é só” (HE III,3,4)

      Os Escritos de São Paulo

      Quanto às cartas paulinas escreve: “No tocando a Paulo evidentemente dele provêm as catorze cartas. Não seria justo deixar de reconhecer que alguns, no entanto, rejeitam a carta aos Hebreus, assegurando não ser recebida pela Igreja de Roma, por não ser da autoria de Paulo. […] De outro lado, os Atos que trazem seu nome [portanto, Atos de Paulo], não os aceito entre os livros autênticos.” (HE III,3,5)

      Eusébio testemunha que muitos dos antigos não recebiam como canônica a Carta aos Hebreus, tal era o caso de “Caio de Roma, homem muito eloqüente, que vivia em Roma no tempo de Zeferino [bispo de Roma], num Diálogo contra Proclo, que disputava em favor da heresia catafrígia. Nesta obra, Caio refreia a temeridade e audácia dos adversários de comporem novas Escrituras; menciona somente treze cartas do santo Apóstolo [Paulo], não enumerando entre as demais a carta aos Hebreus, visto que, ainda hoje, em Roma pensam alguns não ser da autoria do Apóstolo.” (HE VI,20,3).

      Eusébio, dá testemunho que o livro “O Pastor” de Hermas, era tido como canônico por alguns:

      “Visto que o mesmo apóstolos [Paulo], nas saudações finais da carta aos Romanos entre outros, menciona Hermas [cf. Rm 16,14], a quem se atribui o livro intitulado Pastor, é bom saber que também este é contestado por alguns que não o colocam entre as obras recebidas, enquanto outros julgam-no muito útil, principalmente para os necessitados de iniciação elementar. Estamos cientes de que é lido publicamente nas Igrejas e verifiquei ter sido empregado por alguns dos autores mais antigos.” (HE III,3,6)

      O Evangelho de Lucas e os Atos

      Sobre o Evangelho de Lucas e o livro dos Atos diz: “Deles [dos apóstolos] [Lucas] aprendeu a cura das almas, conforme comprovou nos dois livros inspirados por Deus, o Evangelho que ele atesta ter composto conforme lhe transmitiram os que foram desde o início testemunhas oculares e ministros da palavra e aos quais seguiu desde o começo [cf. Lc 1,2-3] e os Atos dos Apóstolos, que não redigiu de acordo com o que ouviu, mas ao invés com o que viu com os próprios olhos.” (HE III,4,6)

      Os Escritos de São João

      Quanto aos escritos de São João escreve que: “E agora, assinalemos os escritos provindos incontestavelmente deste apóstolo. Em primeiro lugar, sem dúvida, há de ser recebido o Evangelho segundo João, reconhecido por todas as Igrejas debaixo do céu. Com razão os antigos colocam-no em quarto lugar, após os três outros [….]” (HE III,24,1-2)

      Depois mais adiante: “Dos escritos de João além do Evangelho, a primeira das cartas não sofre contestação nem da parte de nossos contemporâneos, nem dos antigos. As duas outras são contestadas. Quanto ao Apocalipse, sua autenticidade é ainda discutível para muitos. De novo há de ser ponderada, a seu tempo, segundo o testemunho dos antigos” (HE III,24,17-18)

      “A esta altura, parece-nos oportuno recapitular os escritos do Novo Testamento a que nos referimos. Sem dúvida, importa pôr em primeiro lugar o sagrado quaternário dos Evangelhos, seguido do livro dos Atos dos Apóstolos.

      Em seguida, sejam mencionadas as Cartas de Paulo, na continuação das quais seja sancionada a primeira a João e igualmente a primeira carta de Pedro. No prosseguimento destas obras, colocar-se-á, se conveniente, o Apocalipse de João [….]. Tais são os livros recebidos. Entre os contestados mas apesar disso recebidos pela maioria, existe a carta atribuída a Tiago, a de Judas, a segunda carta de Pedro e as cartas enumeradas como segunda e a terceira de João, que sejam do Evangelista ou do outro, com idêntico nome.” (HE III,25)

      Eusébio cita ainda o testemunho de Dionísio, presbítero de Alexandria e historiador da Igreja do início do segundo século. Segundo Eusébio, Dionísio reconhecia como canônicas o Evangelho de João e a primeira carta (cf. HE, VII,25). Dionísio dá testemunho que alguns de seus predecessores não recebiam como canônico o livro do Apocalipse: “Alguns dos nossos predecessores rejeitaram e repeliram inteiramente este livro. Criticaram-no capítulo por capítulo, declarando-o inteligível, ilógico e falsamente intitulado. Afirmam, de fato, não provir de João, nem ser uma revelação, porque completamente oculta sob o véu espesso do incognoscível” (HE, VII,25,1-2).

      Os antigos presbíteros de Alexandria duvidavam até que o livro fosse de autoria de São João, atribuindo-lhe ao herege Cerinto a autoria do livro: “[…] o autor não seria um dos apóstolos, nem mesmo um dos santos ou membros da Igreja, e sim Cerinto, o fundador da heresia cerintiana, nome derivado do seu, o qual procurou dar sua produção um nome digno de crédito” (HE, VII,25,2).

      No entanto, Dionísio prefere não duvidar da canonicidade do livro: “No entanto, não ouso rejeitar este livro que muitos irmãos apreciam, mas julgando que suas concepções ultrapassam meu entendimento, suponho ter cada passagem, de certo modo, significado oculto e maravilhoso. De fato, se não o compreendo, ao menos suspeito existir sob as palavras um sentido mais profundo.

      Não meço, nem aprecio segundo meus próprios raciocínios; mas, atribuindo prioridade á fé, penso tratar-se de realidades elevadas demais para serem aprendidas por mim e não rejeito o que não compreendo, mas admiro-o tanto mais quanto não o contemplei.” (HE, VII,25,4-5)

      Dionísio duvidava apenas que o Apocalipse fosse de autoria do Santo Apóstolo João: “Por conseguinte, que ele [o autor do livro] se chame João e este escrito se origine de João, não direi o contrário e concedo que se trata de homem santo e inspirado por Deus. Mas, não concordo facilmente que seja o apóstolo, filho de Zebedeu, irmão de Tiago, de quem são o Evangelho intitulado Segundo João e a carta católica [a primeira carta]” (HE, VII,25,7)

      Conclusão de Eusébio

      “Entre os apócrifos, ponham-se o livro dos Atos de Paulo, a obra intitulada O Pastor, o Apocalipse de Pedro, e além disso a Carta atribuída a Barnabé, o escrito chamado A doutrina dos Apóstolos [Didaqué], depois como já disse, o Apocalipse de João, se parecer bem. Alguns, conforme já declarei, o rejeitam, mas outros o inserem entre os livros recebidos.

      Entre esses livros alguns ainda puseram o Evangelho segundo os Hebreus, que agrada sobretudo aos hebreus que aderiram a Cristo. Todos esses livros estão no número dos escritos contestados.

      Achamos necessário fazer igualmente o catálogo dessas últimas obras, separando-as das Escrituras que segundo a tradição da Igreja, são verdadeiras, autênticas e reconhecidas, dos livros que, ao invés, não são testamentários, mas contestados, apesar de serem conhecidos pela maior parte dos escritores eclesiásticos. Assim, poderemos conhecer esses livros e os que, entre os hereges, são apresentados sob o nome do apóstolos, que se trate dos Evangelhos de Pedro, de Tomé, de Matias etc., ou dos Atos de André, de João e dos outros apóstolos. Jamais entre os escritores eclesiásticos que se sucederam, houve quem julgasse conveniente relembrá-los.” (HE III,25).

      ISSO É A IGREJA CATÓLICA EUCLIDES JUNIOR MUITO ANTES DE CONSTANTINO NASCER A IGREJA CRESCIA E OLHA ANTES DE CONSTANTINO NASCER EU POSSO TI DA UMA LISTA DE MAS DE 100 ESCRITORES DA IGREJA CATÓLICA E BISPOS E PADRES DA IGREJA QUE TESTIFICAM
      A IGREJA CATÓLICA COMO A IGREJA VERDADEIRA FUNDADA POR JESUS CRISTO

    • VOCÊ VOLTOU DE NOVO HEREGE EUCLIDES JUNIOR CARA VC PASSOU VERGONHA NOS OUTROS ARTIGOS E VEIO NOVAMENTE AQUI SEJA BEM VINDO VOCÊ TRÁS IBOPE PARA O SITE E AINDA NOS DIVERTE MUITO COM SUAS PAPAGAIADAS

      VEJA

      EUCLIDES JUNIOR A GRANDEZA INCONTESTÁVEL DA UNICA IGREJA VERDADEIRA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA E OLHA NOS OUTROS ARTIGOS VOCÊ NÃO MOSTROU VERSÍCULOS BÍBLICOS EM QUE DEUS DA AUTORIDADES PARA HOMENS FUNDAR IGREJAS VOCÊ SÓ PASSOU VEXAME EUCLIDES JUNIOR

      ESTUDE HEREGE ISSO É A IGREJA CATÓLICA

      2. A Origem da Hierarquia na Igreja

      Nos escritos da Igreja Primitiva do início do séc. II é possível observarmos que a mesma já estava organizada hierarquicamente em bispos, presbíteros e diáconos.

      O Bispo era o chefe de uma diocese, isto é, o chefe de um conjunto de paróquias geograficamente organizadas. Cada paróquia tinha como ministro um presbítero. Este era o sacerdote responsável por ministrar os sacramentos e orientar os fiéis na doutrina. Ele normalmente era auxiliado por diáconos.

      Tudo isto é testificado, por exemplo, nas sete cartas de Santo Inácio de Antioquia (1) datadas em 107 d.C. Santo Inácio foi Bispo de Antioquia e discípulo pessoal dos Apóstolos Pedro e Paulo.

      3. O Episcopado tem origem na Sucessão dos Apóstolos

      Episcopado é o nome que se dá ao ministério do Bispo.

      O Episcopado tem origem no ministério dos Apóstolos, isto é, foi o próprio Cristo que instituiu os Apóstolos como Bispos da Sua Igreja. Com efeito, a Bíblia ensina que Nosso Senhor Jesus Cristo deu o governo da Igreja aos Santos Apóstolos: “Quem vos ouve, a mim ouve; e quem vos rejeita, a mim rejeita; e, quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou” (Lc 10, 16).

      Eles eram aqueles que estariam agora sentados na Cadeira de Moisés, no lugar dos escribas e Fariseus (cf. Mt 23,2-3). Por isto, o próprio Cristo deu a eles a autoridade que outrora foi dada a Moisés: ligar e desligar. Isto significa: definir o que é Certo e o que é Errado (cf. Mt 18,18). Por esta razão São Paulo ensina que “a Igreja do Deus Vivo é a Coluna e o Fundamento da Verdade” (cf. 1Tm 3,15).

      Como os apóstolos não permaneceriam na terra para sempre, nas várias regiões aonde o Evangelho ia sendo pregado, iam instituindo novos Bispos que deveriam cuidar do rebanho de Cristo na ausência deles.

      Talvez o testemunho histórico mais antigo sobre isto, esteja na Primeira Carta de São Clemente aos Coríntios (2). Escrita pelo ano de 90 d.C, Clemente que então era o 4o. Bispo de Roma na sucessão de Pedro, assim se expressa:

      “42. Os apóstolos receberam do Senhor Jesus Cristo o Evangelho que nos pregaram. Jesus Cristo foi enviado por Deus. Cristo, portanto vem de Deus, e os apóstolos vêm de Cristo. As duas coisas, em ordem, provêm da vontade de Deus. Eles receberam instruções e, repletos de certeza, por causa da ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo, fortificados pela palavra de Deus e com plena certeza dada pelo Espírito Santo, saíram anunciando que o Reino de Deus estava para chegar. Pregavam pelos campos e cidades, e aí produziam suas primícias, provando-as pelo Espírito, a fim de instituir com elas bispos e diáconos dos futuros fiéis. Isso não era algo novo: desde há muito tempo, a Escritura falava dos bispos e dos diáconos. Com efeito, em algum lugar está escrito: ‘Estabelecerei seus bispos na justiça e seus diáconos na fé’”.

      “44. Nossos apóstolos conheciam, da parte do Senhor Jesus Cristo, que haveria disputas por causa da função episcopal. Por esse motivo, prevendo exatamente o futuro, instituíram aqueles de quem falávamos antes, e ordenaram que, por ocasião da morte desses, outros homens provados lhes sucedessem no ministério”.

      Como se vê, segundo a o ensinamento que os Apóstolos comunicaram a seus discípulos, os Bispos da Igreja são sucessores diretos dos Apóstolos. Isto quer dizer que fora da sucessão dos apóstolos não há Episcopado, logo não há Igreja de fato.

      4. Testemunhos Históricos da Sucessão dos Apóstolos

      O Protestantismo alega que a Sucessão Apostólica é algo inventado pela Igreja Católica para sustentar que só ela possui Bispos e presbíteros verdadeiros.

      Em primeiro lugar, a Igreja Católica não alega que só ela possui Bispos e presbíteros verdadeiros. Ela também reconhece a validade dos ministros da Igreja Ortodoxa. Afinal, todos os Bispos ortodoxos são sucessores dos apóstolos, assim como os Bispos católicos. A Igreja Católica não reconhece é licitude do ministério ortodoxo, pois para o Catolicismo a Igreja Ortodoxa está em cisma, isto é, não está em plena comunhão com o Papa.

      Em segundo lugar, é muito interessante notar como o subjetivismo protestante é capaz de reinventar até o passado. Não é a Igreja Católica que está inventando a Sucessão Apostólica para provar ser a Única Igreja de Cristo, mas é o Protestantismo que inventa que a Sucessão dos Apóstolos é uma ficção, pois ela é a maior prova de que as igrejas protestantes não são Igrejas de fato.

      Eusébio de Cesaréia, Bispo e Historiador da Igreja dos primeiros quatro séculos, em sua obra “A História Eclesiástica” (2) registra para a posteridade a realidade histórica da sucessão dos apóstolos.

      Daremos uma pequena amostra da Verdade ao leitor, transcrevendo os testemunhos históricos sobre a sucessão regular dos Bispos em Roma, pois os protestantes alegam que o Papa não é sucessor de Pedro, pois nunca existiu sucessão dos apóstolos na Igreja Primitiva. Vejamos:

      “No atinente a seus outros companheiros, Paulo testemunha ter sido Clemente enviado às Gálias (2Tm 4,10); quanto a Lino, cuja presença junto dele em Roma foi registrada na 2ª carta a Timóteo (2Tm 4,21), depois de Pedro foi o primeiro a obter ali o episcopado” (HE III,4,8).

      “A Vespasiano, depois de ter reinado 10 anos, sucedeu Tito, seu filho, como imperador. No segundo ano de seu reinado, o bispo Lino, depois de ter exercido durante doze anos o ministério da Igreja de Roma, transmitiu-o a Anacleto” (HE III,13).

      “No décimo segundo ano do mesmo império [de Domiciano, irmão de Tito], Anacleto que foi bispo da Igreja de Roma durante doze anos, foi substituído por Clemente, que o Apóstolo [Paulo], na carta aos Filipenses, informa ter sido seu colaborador, nesses termos: ‘Em companhia de Clemente e dos demais auxiliadores meus, cujos nomes estão no livro da vida'” (Fl 4,3).

      “Relativamente aos bispos de Roma, no terceiro ano do reinado do supracitado imperador [Trajano], Clemente terminou a vida, passando seu múnus a Evaristo. No total, durante nove anos exercera o magistério da palavra de Deus” (HE III,34).

      “Cerca do duodécimo ano do reinado de Trajano (…) Evaristo completado seu oitavo ano, Alexandre recebeu o episcopado em Roma, sendo o quinto na sucessão de Pedro e Paulo” (HE IV,1).

      “No terceiro ano do mesmo governo [do imperador Aélio Adriano, sucessor de Trajano], Alexandre, bispo de Roma morreu, tendo completado o décimo ano de sua administração. Teve Xisto como sucessor” (HE IV,4).

      “Ao atingir o império de Adriano já o duodécimo ano, Xisto, tendo completado o décimo ao de episcopado em Roma, teve Telésforo por sucessor, o sétimo depois dos apóstolos” (HE IV,5,5).

      “Tendo ele [Aélio Adriano] cumprido sua incumbência, após vinte e um anos de reinado, sucedeu-lhe no governo do império romano Antonino, o Pio. No primeiro ano deste, Telésforo deixou a presente vida, no undécio ano de seu múnus e coube a Higino a herança do episcopado em Roma” (HE IV,10).

      “Tendo Higino falecido após o quarto ano de episcopado, Pio tomou em mãos o ministério em Roma” (HE IV,11,6).

      “E na cidade de Roma, tendo morrido Pio no décimo quinto ano de episcopado, Aniceto presidiu aos fiéis desta cidade” (HE IV,11,7).

      “Já atingira o oitavo ano o império de que tratamos [Antonino Vero], quando Sotero sucedeu a Aniceto, que completara onze anos de episcopado na Igreja de Roma”(HE IV,19).

      “Sotero, bispo da Igreja de Roma, chegou ao termo de sua vida no decurso do oitavo ano de episcopado. Sucedeu-lhe Eleutério, o décimo segundo a contar dos Apóstolos, no décimo sétimo ano do imperador Antonino Vero” (HE V,Introdução,1).

      “No décimo ano do império de Cômodo, Vítor sucedeu a Eleutério, que havia exercido o episcopado durante treze anos […]” (HE V,22).

      Basta percorrer os vários escritos deixados pelos discípulos dos Apóstolos que não faltarão provas e testemunhos históricos da sucessão dos apóstolos.

      ISSO AQUI É SÓ UMA PEQUENA AMOSTRA MEU CARO EUCLIDES JUNIOR TRAGAS HISTORIADORES PROTESTANTE OU PASTORES PROTESTANTES PARA QUERER REFUTAR OU CONTESTAR ISSO PARA MIM OS DESMASCARAR AQUI NO SITE LEPANTO ACORDA EUCLIDES HEREGE JUNIOR

    • EUCLIDES FALASTRÃO JUNIOR ME RESPONDAS APENAS 5 PERGUNTAS SIMPLES POIS TODAS AS OUTRAS VOCÊ NÃO ME RESPONDEU VOU TI PASSAR ESSAS PERGUNTAS SIMPLES MAS POR FAVOR NÃO FAÇA RODEIO HEREGE

      VAMOS LÁ

      PRIMEIRA PERGUNTA EUCLIDES JUNIOR

      Por favor, diga-me uma razão para aceitar a Bíblia que um muçulmano não poderia usar para considerar o Corão inspirado por Deus.

      R – Saibas que os católicos aceitam a Bíblia como Palavra de Deus porque a Igreja que Cristo fundou e confiou a São Pedro (Mt 16,18), e que é a Coluna e Firmamento da Verdade (1Tim 3,15), diz que a Bíblia é Palavra de Deus. Como dizia Santo Agostinho, “creio nos Evangelhos porque a Santa Madre Igreja me diz para crer neles”.

      AGORA A SEGUNDA PERGUNTA EUCLIDES JUNIOR

      Por favor, diga-me porquê você aceita apenas uma parte da Bíblia (afinal, a lista de livros que compõem o Novo e o Antigo Testamento foi determinada ao mesmo tempo – aliás, junto com o título de Mãe de Deus para Nossa Senhora – e você aceita apenas parte do Antigo Testamento), e com que autoridade você o faz VOCÊ E TODA CEITA PROTESTANTE QUE NÃO TEM NEM 500 ANOS.

      R – Agora os católicos aceitam a Bíblia em sua íntegra porque a lista de livros que a compõem foi definida pela Igreja em 397 d.C., sob a autoridade do Sucessor de Pedro Papa São Dâmaso I.

      AGORA A TERCEIRA PERGUNTA EUCLIDES JUNIOR

      Por favor, diga-me porque a Bíblia teria precisado de quase 1600 anos para ser entendida corretamente, se ela é teoricamente algo que qualquer um pode ler e entender.

      APRENDA UMA COISA EUCLIDES HEREGE JUNIOR QUE os católicos sabem que a Bíblia não é algo que qualquer um pode ler e entender sem ajuda (2Pd 3,16, At 8,31), e sabemos que Cristo confiou a São Pedro, o primeiro Papa, a tarefa de tomar conta de Seu rebanho, a Igreja (Jo 21,15-17). Nós seguimos o que os Sucessores de Pedro nos transmitem.

      AGORA A QUARTA PERGUNTA EUCLIDES HEREGE JUNIOR

      Por favor, explique como alguém pode saber se entendeu a Bíblia corretamente, se ele só pode confiar na Bíblia, e em mais nada; afinal existem cerca de 30.000 seitas protestantes no mundo, cada uma entendendo a Bíblia de maneira diferente e todas achando que estão certas e por isso tem até igrejas protestantes de lésbicas e gays

      AGORA EUCLIDES HEREGE JUNIOR NÓS

      católicos sabem que é a Igreja que Cristo fundou e confiou a São Pedro (Mt 16,18), e que é a Coluna e Firmamento da Verdade (1Tim 3,15), quem tem a missão de ensinar (Mt 28,19), e que as Escrituras não devem sofrer interpretação particular (2Pd 2,20), pois quem o faz comete erros que o conduzem à perdição (2 Pd 3,16). Assim, sabemos que a explicação feita pela Igreja está certa, e está errada qualquer interpretação diferente desta.

      AGORA A QUINTA PERGUNTA EUCLIDES HEREGE JUNIOR

      Por favor, prove usando apenas a Bíblia que ela é o que você considera que ela seja (ou seja, a única fonte de Verdade Revelada, composta pelos livros que você aceita, todos eles e só eles). Claro que todo mundo sabe que a Bíblia é Palavra de Deus, boa para o ensino, etc. e tal, mas por favor, tente provar que ela é a única fonte de Palavra de Deus, composta pelos livros que você aceita, todos eles e só eles.

      SAIBAS EUCLIDES HEREGE JUNIOR

      que ao contrário dos protestantes, que acreditam na heresia chamada “Sola Scriptura”, segundo a qual apenas a Bíblia é Palavra de Deus, os católicos sabem que além da Bíblia, que não tem toda a Palavra de Deus e não está completa, (Jo 20,30-31; Jo 21,25; 2Ts 2,14), há ainda a Tradição Oral, também revelada por Deus, que deve ser seguida (2 Ts 2,15; 2Ts 3,6; 2Tm 1,13; 1 Cor 11,2; Gl 1,14, 1Tm 6,20; 2Tm 1,14; 2Tm 2,2, etc.). O próprio São Paulo, em At 20,35, cita palavras de Cristo que não estão em nenhum dos Evangelhos , dizendo aos bispos de Éfeso que eles devem lembrar-se delas. Sabemos ainda que os livros que compõem a Sagrada Escritura são os que a Igreja determinou em 397 d.C., mais de mil anos antes dos primeiros protestantes arrancarem sete livros de suas bíblias em 1517 d.C.

      EUCLIDES HEREGE JUNIOR SAIBAS QUE SE O POVO ESTUDASSE NAS FONTES VERDADEIRAS E NOS PRIMEIROS ESCRITOS E PARASSE DE LÊ PONTOS DE VISTAS QUE O PROTESTANTISMO ESCREVEU SAIBAS QUE SUMIRIA DA FACE DA TERRA AS CEITAS PROTESTANTES MAS COMO VIVEMOS NOS FINAIS DO TEMPO ONDE CADA UM PROCURA RESPOSTAS E PROCURA SER DONO DA VERDADE 100POR CENTO DO PROTESTANTISMO PREGA O BEL PRAZER PREGA DINHEIRO CARRO CASAS SAÚDES NOVOS CASAMENTOS SE O SEU NÃO VAI BEM ETC…

      NUM MUNDO GLOBALIZADO O POVO PROCURA OUVIR O QUE LHE SATISFAZ ENTÃO OS PASTORES PROTESTANTES NÃO SÃO TROUXAS E ENTÃO PREGAM O QUE MUITOS QUEREM OUVIR PURO SOFISMA TEATRO BARATO E DECORADO

      RESUMINDO EUCLIDES HEREGE JUNIOR ME RESPONDAS AS 5 PERGUNTAS MAS EU QUERO FONTE HISTÓRICA E TESTEMUNHAS OCULARES E POR FAVOR PARE DE TEATRO E DE ME MANDA VERSÍCULOS DECORADOS QUE VOCÊ NEM SABE A RAZÃO

    • GOSTARIA QUE VOCÊ DESSE UMA OLHA NESSE ESTUDO AQUI EUCLIDES JUNIOR E REFLETISSE DEIXANDO DE LADO O ORGULHO A VAIDADE E O ÓDIO SÓ APENAS LESSE E MEDITASSE

      1) SÓ A BÍBLIA – Diz o protestante que tudo está na Bíblia. Se tudo está na Bíblia, deveríamos esperar duas coisas:

      a) Seria lícito que a Bíblia se auto definisse como única fonte de revelação. Tal não ocorre. Nenhum texto bíblico afirma que a Bíblia é a única fonte de revelação.
      Pelo contrário, a Bíblia diz que Jesus fez e disse muitas outras coisas as quais não foram escritas. Pergunta-se ao protestante:
      Ora, se vós protestantes acham que não devem acolher o que não está escrito na Bíblia, arriscando-se até mesmo a perderem algo que tenha vindo do Senhor Jesus, qual o motivo da vossa crença e fervor no protestantismo ou em Luteros e Calvinos que não podem ser provados pela mesma Bíblia ?
      E São Paulo ainda recomenda a preservação da tradição e tudo que foi ensinado. E o protestante diz que tradição e transmissão oral não servem para nada.

      b) Seria lícito que o próprio protestantismo estivesse definido na Bíblia, pois é o protestante que diz que tudo aquilo que não está na Bíblia deve ser rejeitado. Tão não ocorre.
      Curioso é que pela tese protestante, certos estariam os católicos ao rejeitarem o protestantismo já que tal doutrina não encontra amparo bíblico.
      Foi o protestante quem se obrigou ao “Só a Bíblia”.
      É o protestante que deveria exigir para si mesmo textos bíblicos com a definição da própria Bíblia como única fonte de revelação, bem como a definição do Canon, a definição dos livros inspirados, a definição da Bíblia protestante como a mais adequada, a definição do seu tradutor e ainda a definição de que é o protestantismo a religião ou vertente cristã mais adequada.
      Eis a grande contradição. Para ser protestante ou assumir o protestantismo gritando “SÓ A BÍBLIA”, o crente tem que sair da Bíblia e dar crédito ao homem que pela própria Bíblia não é digno de confiança.

      2) Diz ainda o protestante: “Igreja não salva ninguém”
      “Todos podem interpretar a Bíblia com a assistência do Espírito Santo”
      “Não é o que pregador diz, mas o que diz a palavra”
      “Não há um só homem infalível”

      Incorpora o protestante à sua doutrina outras duas crenças:
      “Quem aceita Jesus está salvo.”
      “Uma vez salvo, sempre salvo.”

      Vamos analisar todas estas afirmações.
      Se Igreja não salva ninguém, se todos podem interpretar a Bíblia e se não é possível confiar 100% no que o pregador diz, até porque para o protestante não há um só homem infalível, pergunta-se:

      Por que criam a cada dia mais e mais denominações se igreja parece ser o fator de menor importância para a salvação do homem ?
      Por que fazem cultos se todos já estão salvos e se salvação não pode ser perdida ?
      Por que precisam de pastores, templos, cd´s, dvd´s, se todos podem interpretar a Bíblia e se pregador e pregações não são “infalíveis” ?
      E se o crente já está salvo e salvação não pode ser perdida, para que servem seus templos, pregadores e mesmo a leitura da Bíblia ?
      Se alguém que já foi “salvo” deixar de ir a igreja perderá sua salvação ?
      Se salvação não pode ser perdida, faz diferença ir ou não a Igreja ?
      Faz diferença ler ou não ler a Bíblia se a salvação já está garantida ?
      Alguém perde a salvação se não pagar o dízimo ?

      3) INTERPRETAÇÃO CATÓLICA

      Se todo e qualquer homem pode interpretar a Bíblia, por que apenas a interpretação católica estaria errada ?
      Se tudo está na Bíblia e apenas a interpretação católica é que está errada, pedimos a base bíblica que define que todas as interpretações protestantes estão certas e que apenas a interpretação católica está errada.
      Pedimos ainda a base bíblica que comprovaria que todo e qualquer protestante conta com a assistência do Espírito Santo na interpretação pessoal da Bíblia e que a mesma assistência não aproveita aos católicos.

      Na Bíblia católica lemos que interpretação alguma é de caráter privado (Pedro) e assim “nossas” interpretações nunca estão certas ou erradas, porquanto não nos cabe fazer o que DEUS destinou tão e somente à sua Igreja.

      4) DENOMINAÇÕES PROTESTANTES

      Sabendo que o Espírito Santo não se divide, perguntamos por que tantas igrejas protestantes com tantas doutrinas divergentes entre si, se todos contam com a assistência do mesmo Espírito Santo em suas interpretações ?
      É possível que o Espírito Santo ensine a alguns o batismo e a outros não ?
      É possível que o Espírito Santo sopre no ouvido de alguém que o divórcio é lícito e para outro diga o contrário ?

      5) CONSTANTINO

      Diz o protestante que foi Constantino que fundou a Igreja Católica. Assim sendo, na visão protestante, se Constantino fundou uma igreja outros homens também poderiam fazê-lo. Pergunta-se:

      Onde está na Bíblia e somente na Bíblia, já que o protestante não admite outra fonte de revelação que, apenas a Igreja de Constantino estaria errada em sua interpretação ?
      Aliás, onde está na Bíblia que foi Constantino que fundou a Igreja Católica ?

      E se apenas a interpretação da Igreja de Constantino é a única condenável, por que o protestante abraça as teorias “Sola Scriptura” e “Sola Fide” de Lutero, respectivamente, Só a Bíblia e Só a fé, sabendo que o mesmo era sacerdote da Igreja de “Constantino” e aparentemente tão e somente pretendia reformá-la para nela manter-se ?

      Tivesse a Igreja de “Constantino” abraçado as teorias de Lutero, de que igreja hoje fariam parte os protestantes ?
      Quer dizer que o protestante abraça as teorias e “teologias” de um pretenso reformador da Igreja que ele considera ser a “Grande Babilônia” ?

      6) DIVERGÊNCIAS

      Como todos sabemos, e isto é fato, existem milhares ou milhões de doutrinas protestantes divergentes entre si. Pergunta-se o motivo pelo qual as divergências com os católicos são tidas como intoleráveis e no sentido inverso por que as divergências entre as milhares de denominações protestantes parecem ser irrelevantes ? Qual a base bíblica para citadas tolerância e intolerância ?

      7) HERESIAS

      Sabemos ainda que os protestantes atacam uns aos outros como hereges. Basta pesquisar rapidamente na Internet que encontramos acusações de toda a ordem. Não há quem não chamou ou quem não foi chamado de herege por outro protestante.
      Pergunta-se: Se todos chamam uns aos outros de hereges e não raras vezes uns condenam as teorias dos outros, e, considerando que todo e qualquer protestante se diz salvo e diz ainda que salvação não pode ser perdida, pergunta-se se está correta a afirmação de que heresia não condena ninguém ao inferno ?
      Se heresia não condena ninguém ao inferno, por que os católicos “hereges” deveriam tornar-se protestantes ?
      Então o que salva o homem é o rótulo protestante ? Como fica assim a afirmação de que placa de igreja não salva ninguém ?
      Se apenas as “heresias” católicas são passíveis de condenação ao inferno, e, considerando que o protestante grita “Só a Bíblia”, pergunta-se onde está na Bíblia que as “heresias” católicas e os católicos estão condenados e que as heresias protestantes e suas milhares de interpretações e denominações não trazem quaisquer prejuízos para a salvação ?
      Onde está na Bíblia que para ser salvo o cidadão deve “aceitar” Jesus em um templo protestante ?

      8) INFALIBILIDADE

      Diz o protestante que não há um só homem infalível. Primeiro precisamos esclarecer que o protestante não sabe o que é infalibilidade. Ele confunde infalibilidade com impecabilidade. Mas não falaremos disto. Voltemos ao tema. Se não há um só homem infalível, pergunta-se:
      Como pretende o protestante convencer o católico de sua doutrina se ele mesmo condena que exista alguém confiável em matéria de fé e doutrina ?
      Por que o católico deveria lhe dar ouvidos se ele protestante já se definiu como alguém não confiável ?

      Antes mesmo de tentarem convencer os católicos a tornarem-se protestantes, não caberia aos filhos de Lutero a definição de uma só doutrina “verdadeira” entre as milhares ou milhões que existem no protestantismo ?

      9) PREGAÇÃO

      Se cada pessoa pode interpretar a Bíblia por conta própria com a assistência do Espírito Santo, se não há um só homem confiável em matéria de fé e doutrina e se a Bíblia é a única fonte de revelação, o que seria mais interessante para o protestante ?
      Pregar para um católico que teoricamente poderia interpretar por conta própria e que não deve dar crédito a um protestante, já que não existe ninguém “infalível”, ou, deveria este protestante entregar ao católico uma Bíblia traduzida pelo “insuspeito” João Ferreira de Almeida para que o mesmo possa conhecer a “verdade” protestante em sua leitura privada com a assistência do Espírito Santo ?

      10) LUTERO I

      Diz o protestante que Lutero foi um “anjo”. Outros dizem que foi o “escolhido” por DEUS para consertar o que estava errado na Igreja. Nesta hora Constantino desaparece tão rápido como surgiu e a Igreja volta ser a Igreja. Tem protestante até mesmo citando Santo Agostinho ou São Tomás de Aquino. Deixa pra lá.
      Todavia, sabemos que a maioria não permaneceu com o “anjo”, “enviado” e “ungido” de DEUS.
      Pergunta-se:

      Se DEUS levantou Lutero para consertar os erros da “Grande Babilônia”, por que a maior parte dos protestantes continua fazendo a reforma que DEUS já teria feito ?
      Acaso DEUS cometeu falhas na sua reforma ?
      Qual a base bíblica para que o protestante dê as costas para o grande “ungido” do Senhor ?

      11) LUTERO II

      Confrontado sobre Lutero, o protestante muda seu discurso e diz que Lutero foi apenas um pioneiro. Alguém que teria se revoltado contra os “desmandos” da Igreja Católica.
      Outros mais debochados dizem que mesmo antes de Lutero já existiam outros grupos semelhantes.
      Só não lembram que Lutero estava entre aqueles que condenava tais grupos e contra alguns agiu inclusive com extrema violência.

      Mas em geral, acrescentam os protestantes que Lutero cometeu erros, razão pela qual grande parte seguiu Calvino, entre outros “mestres”.
      Ora, se Lutero cometeu erros, e, pelo visto Lutero era homem pecador, seria plausível que entre os seus enganos estivessem os apontamentos que fez sobre a Igreja Católica e sobre sua doutrina ?

      Se Lutero comete erros, muitos dos quais condenados por outros “reformadores”, por que o protestante confia cegamente nas teorias do “Só a Bíblia” e “Sola Fide” de um pretenso reformador que era pecador, cometia erros e era membro da Igreja de Constantino que seria a grande Babilônia, sabendo ainda que contra este mesmo reformador pesam condenações de outros reformadores ?

      12) CATOLICISMO

      Diz o protestante que a Igreja Católica modificou a doutrina com o passar do tempo.
      Entretanto, parte dos protestantes diz que a Igreja Católica é dogmática. Nunca muda. Sempre arcaica.
      Um outro grupo diz ainda que a Igreja precisa modernizar-se.
      Pergunta-se: Seria possível que os protestantes ao menos concordassem nas críticas que fazem ao catolicismo ?

      Que todos os protestantes concordam que a Igreja Católica deve ser odiada por todos os protestantes isto todos já sabemos.
      Mas será possível que até nas críticas contra a Igreja Católica não podemos encontrar unidade no protestantismo ?

      13) INTERPRETAÇÃO BÍBLICA

      Diz o protestante que qualquer homem, com exceção dos católicos, pode interpretar a Bíblia. Ou podemos interpretar ?
      De fato, na Igreja Católica, tal como nos ensina a Bíblia, nem todos são mestres ou intérpretes. Para nós apenas a Igreja é coluna e sustentáculo da verdade (Timóteo).

      Diz ainda o protestante que todo e qualquer intérprete protestante da Bíblia conta com a assistência do Espírito Santo.
      No protestantismo como sabemos, todos são profetas, sacerdotes, ungidos, intérpretes, mestres e super papas, sendo que cada um é infalível para si mesmo, ou seja, cada protestante é infalível em sua doutrina pessoal que agrega Lutero, Calvino, Wesley, pregadores modernos, novidades Gospel, doutrinas pentecostais, doutrinas batistas e especialmente sua interpretação particular da Bíblia. Por vezes até encontramos protestantes citando os pais da Igreja que nesta hora deixa mais uma vez de ser a Igreja de Constantino.

      Todos são “infalíveis”. Basta um protestante discordar do outro que já surge o embrião de uma nova denominação.
      Contrariado, o protestante que não reúne condições de fundar uma nova “igrejola”, faz beicinho, xinga, briga, larga família, troca de cônjuge e inicia o troca-troca de denominações.
      Ao final, cansado da Babel protestante, resolve declarar-se como sendo um “Sem Igreja” ou crente sem rótulo. Contudo, ainda assim, só para não fugir à regra, o crente que não integra qualquer denominação já está salvo e sendo que, esta mesma salvação, não pode nem mesmo ser perdida.

      De quebra este “sem igreja” também desenvolverá especial aversão ao catolicismo e muito embora denomine os demais protestantes como hereges ao mesmo tempo se dirá “irmão em Cristo” de todos eles!

      Tem hora que o protestante segue a interpretação literal. Assim os protestantes nos exigem provas bíblicas do purgatório e da Assunção de Maria.
      Desconhece o protestante e infelizmente também grande parte dos católicos que, não estamos obrigados ao “Só a Bíblia” do infernal Lutero. Seguimos, além da Bíblia, o magistério da Igreja, coluna e sustentáculo da verdade e a transmissão oral. Todos tão importantes quanto os outros.

      Mas tem hora que o protestante deixa de ser literal e diz que determinada doutrina está implícita. É o caso da própria Trindade que a Igreja Católica sempre ensinou e os reformadores não contestaram e para a tal da Igreja invisível que nem mesmo está implícita e que parece reunir apenas protestantes e evangélicos de quaisquer denominações que tenham levantado o dedo em algum templo ou mesmo seita e que fizeram o favor de a”aceitar” Jesus, pouco importando o Cristo que cada uma delas pregue.

      Tem Jesus para todos os gostos e se alguém não gostar de nada é só abrir uma nova “igrejola” e pregar sua própria doutrina atribuindo-a ao verdadeiro Jesus.
      Hoje em dia é possível constatar nas principais doutrinas protestantes uma infinidade de Jesujes.
      Tem o Jesus do aborto, o Jesus do trízimo, o Jesus do débito automático, o Jesus patrocinador, o Jesus da prosperidade, o Jesus da confissão positiva, o Jesus da unção do zoológico e até mesmo o Jesus do evangelho judaizante.

      O protestante é literal quando lhe interessa. Quando se trata de algo que não pode provar ele abraça o subjetivismo, o tal do “implícito” e até mesmo descarta a Bíblia que jurou defender para abraçar outras literaturas, em especial, livros de seus pregadores ídolos.

      O protestante é literal para nos cobrar o batismo de crianças, por exemplo, mas não é literal para comer da carne de Jesus ou beber de seu sangue!

      E mesmo que a Bíblia afirme que a carne de Jesus é verdadeiramente comida e seu sangue verdadeiramente bebida e o próprio Jesus diga ser o Pão da Vida ou o Pão que veio do céu, ou mesmo que ele tenha nos ensinado o Pai Nosso, nestas ocasiões o protestante diz que o “verdadeiramente” da Bíblia é a mesma coisa que o “relativamente” protestante. Ou então dirá que a oração ensinada por Jesus é apenas um método e nada além disto.

      A Bíblia diz que a fé vem pelo ouvir. É por isto que nós católicos ouvimos a Igreja, coluna e sustentáculo da verdade. Não por acaso o eunuco da Bíblia pediu explicação. Se tenho que ouvir para ter fé é porque alguém tem que me ensinar.
      Mas para o protestante a fé vem principalmente pela sua própria leitura. Lógico. Se o protestante rejeita a Igreja é evidente que a fé dele não poderia vir inteiramente pelo ouvir.
      O protestante pode até ouvir a teoria de um outro protestante. Mesmo assim esta doutrina aprendida de outro protestante pode vir a ser contestada em futuro próximo, tão logo aquele que excepcionalmente se fez aluno tenha recebido uma outra informação ou tenha feito uma leitura privada da Bíblia ou de outra literatura que de alguma forma tenha lhe transportado para outro “entendimento, naturalmente, sempre superior aos demais.”

      Por vezes, até mesmo a condenação de uma determinada doutrina protestante por outro pregador protestante já remete o crente a outro “entendimento” e aquilo que era “verdade” de uma hora para outra passa ser mentira. O protestante é seletivo na leitura e no ouvir, acatando e descartando textos, pregadores, reformadores e traduções, conforme sua necessidade.

      O interessante é que o suposto “mentiroso” ou “ignorante” que pregou doutrina espúria e que tenha sido “descoberto” por outro protestante, continua sendo Irmão em Cristo mesmo que a divergência entre os dois protestantes seja colossal.

      Vejamos o exemplo, dos pregadores e das seitas que diziam ser sua santidade João Paulo II a besta do apocalipse. A mesma situação se verifica nas seitas e pregadores que diziam que Jesus retornaria no ano de 2007.
      Tais “profecias” protestantes não se cumpriram e os pregadores e seitas responsáveis continuam gozando da mesma “confiança”, estima e por vezes gozam de prestígio ainda maior do que antes. E todos continuam sendo “irmãos em Cristo”.
      Tem hora que o protestante segue Lutero como no caso do Sola Fide e Sola Bíblia. Tem hora que o protestante rejeita Lutero como no caso da devoção a Virgem Maria e nos sacramentos.
      Tem hora que o protestante abraça Calvino. E tem hora que o rejeita como no caso da necessidade da Igreja para a salvação do homem.
      Tem hora que o protestante usa o grego. Outra hora usa o aramaico e outra hora usa o hebraico.
      E depois de tudo isto, diz o protestante que qualquer um pode interpretar a Bíblia.
      Ora, se a própria Bíblia protestante não define quando se deve ser literal ou quando se deve adotar as teorias dos “implícitos” e “explícitos”, e, se todos precisam conhecer Lutero e Calvino e ainda entender de grego, aramaico e hebraico, é no mínimo repugnante que alguém de fato acredite que todos podem ser mestres e doutores da lei ou que a Bíblia seja de fácil interpretação.

      Mas isto é protestantismo, onde nada precisa fazer sentido, onde nada é o que parece ser e tudo que deveria ser não é.
      Quem está certo ?
      O eunuco da Bíblia que pede explicação porque não consegue entender as escrituras ou o protestante que rejeita tal doutrina ?
      Quem está certo ? O católico que acata o texto bíblico que define a Igreja como coluna e sustentáculo da verdade ou o protestante que não consegue nem mesmo concordar com outro protestante em matéria de fé e doutrina ?

    • HEREGE EUCLIDES JUNIOR SAIBAS QUE DEPOIS QUE O PROTESTANTISMO INVENTOU A HISTÓRIA DE QUE IGREJAS SÃO CNPJs FICOU FÁCIL FUNDAR ATÉ IGREJAS USANDO O NOME DE IGREJAS CATÓLICAS RSRSRSRSRSRS

      EUCLIDES JUNIOR ESTUDE FUNESTO CADUCO

      MAS UMA VEZ NO SEU POST DA PARA PERCEBER QUE VOCÊ CONTINUA BURRO IGNORANTE E COM OS MESMOS PENSAMENTOS CHULOS CARA ESSAS LEITURAS QUE VOCÊ BUSCA EM GOOGLE E ENTRE LIDERANÇAS PROTESTANTES ESTÃO TI DEIXANDO MUITO SÁBIO DE BURRICE

      AMIGO SAIBAS MAS UMA VEZ QUE A IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA TEM 2000 MIL ANOS

      EUCLIDES HEREGE JUNIOR SAIBAS QUE A IGREJA CATÓLICA
      NO ANO 1554 APENAS DEIXOU DE ESTÁ EM PLENA COMUNHÃO COM A IGREJA ORTODOXA

      MAS COLOCA NA SUA CABEÇA ANALFABETO AS IGREJAS DA ASIA COMO A ORTODOXA

      VIVEM EM PLENA COMUNHÃO NÃO É ATOA QUE SE NUM ESTADO QUE VOCÊ ESTIVER SE NÃO TER A IGREJA CATÓLICA VOCÊ PODE COMUNGAR NUMA IGREJA ORTODOXA

      AGORA SOBRE PADRES QUE SE CASAM NA ORTODOXA E NA CATÓLICA NÃO

      SAIBAS EUCLIDES HEREGE JUNIOR ISSO É APENAS UMA LEI DETERMINADA QUE NÃO É UM DOGMA DE LEI PARA SEMPRE

      EUCLIDES HEREGE JUNIOR SAIBAS QUE

      SE O PAPA ORDENASSE QUE OS PADRES PODERIAM SE CASAR NA IGREJA CATÓLICA ELE PODERIA SE CASAR NORMALMENTE SEM PROBLEMA ALGUM E SE ENTRASSE OUTRO PAPA E NOVAMENTE PROIBISSE O CASAMENTO ENTRE OS PADRES PODERIA FAZER MEU CARO SEM PROBLEMA ALGUM

      EUCLIDES HEREGE JUNIOR SAIBAS QUE NA IGREJA CATÓLICA OS PADRES NÃO CASAM

      POR QUE FICA DIFÍCIL ADMINISTRAR UMA IGREJA EM GERAL ENTRE COMUNIDADES REUNIÕES
      E AO MESMO TEMPO LEVAR FILHOS PARA O HOSPITAL ESCOLA ETC…

      DEIXA DE SOFISMAS E MENTIRAS CHULAS MEU CARO

      SAIBAS QUE A ORTODOXA E A IGREJA CATÓLICA VIVEM EM COMUNHÃO

      AGORA AS OUTRAS IGREJAS QUE VOCÊ CITOU É PURA MENTIRA SUA DE DOS SEUS HEREGES HISTORIADORES PROTESTANTES DE FUNDO DE QUINTAL

      VOCÊ VIM AQUI E COLOCAR IGREJAS COM NOMES

      -Católica Carismática do Brasil

      -Católica Bizantino

      ENTRE OUTRAS QUE VOCÊ CITOU ISSO É UMA PIADA SUA DE PESSOAS SEM ESTUDO DOENTES E QUE É TROUXA POR QUE PREFERE VIVER NA MENTIRA DO QUE PROCURAR A VERDADE

      EUCLIDES HEREGE JUNIOR SAIBAS QUE A IGREJA CATÓLICA NÃO RECONHECE NENHUMA
      DAS QUE VOCÊ CITOU SABE POR QUE HEREGE

      POR QUE MUITOS PROTESTANTE QUE JÁ FOI CATÓLICO E POR REVOLTA RESOLVERAM FUNDAR UMA IGREJA IMITANDO A IGREJA CATÓLICA KKKKKKKKKKKKKKK

      DEIXA DE SER RIDÍCULO EUCLIDES HEREGE JUNIOR

      IGREJA CATÓLICA DO BRASIL ISSO É PIADA

      PARA SEU GOVERNO HEREGE A PRIMEIRA CEITA PROTESTANTE NASCIDO NO ANO 1517 COM LUTERO ERA QUASE CATÓLICA ESTUDE APENAS ISSO FILHO DA DISCÓRDIA E VERÁS ENTRE VOCÊS PROTESTANTE EXISTE TANTAS CONTRADIÇÕES E HERESIAS QUE TEM ATÉ IGREJAS DE GAYS LÉSBICAS ENTRE TANTAS OUTRAS

      OLHA EUCLIDES HEREGE JUNIOR ATÉ VOCÊ PODE FUNDAR UMA CEITA USANDO O NUME DA IGREJA CATÓLICA

      ACORDA HEREGE ESTUDE MAIS MAS POR FAVOR MAS UMA VEZ EU TI PEÇO ESTUDE NAS FONTES
      DEIXA DE FALAR TANTAS LOUCURAS SEM FUNDAMENTO

    • Realmente são muitas denominações assim como os evangélicos criam. Mas, para sua resposta, a verdadeira igreja criada por Jesus Cristo é a que após a ressurreição de Cristo, advém dos apóstolos. Ou seja, CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA. Somente ela. Fundada pelo próprio Jesus. Procure no Evangelho segundo Matheus.

  12. O povo sem instrução trocou a fé católica pela imoralidade do mundo, enquanto os intelectuais a trocaram pelo ateísmo. Os católicos não-praticantes e os que odeiam a moral católica são maioria absoluta. O Brasil apostatou.

  13. OLHA TEMOS QUE FAZER O MESMO QUE AS CEITAS PROTESTANTES FAZEM
    TEMOS QUE COLOCAR PADRES E PREGADORES E DOUTORES EM PATRÍSTICA E TEOLOGIA
    NAS TELEVISÕES ABERTAS VAMOS COMPRAR HORÁRIOS E ENSINAR O POVO A GRANDEZA DA IGREJA CATÓLICA JÁ PENSOU O PADRE MARCELO ROSSI , FABIO DE MELO , O PREGADOR FELIPE AQUINO CRIS MACABEUS ENTRE OUTROS DANDO AULAS DE TEOLOGIA E PREGAÇÕES E TIRANDO DUVIDAS DO POVO EM TV ABERTAS TEMOS QUE COMPRAR HORÁRIOS E COMEÇAR A APARECER MAS

    VAMOS PENSAR NISSO COM CARINHO E COMEÇAR A AGIR

  14. Amigo vamos juntos nessa tempos que mostrar a patrística para o povo do Brasil
    conte comigo vai umas ideais minhas tipo mande mails com estudos de patrística para amigos e quando esses amigos pegarem esses estudos peçam eles para passarem adiante e assim vice versa mande também mails desses sites católicos de apologética e ensinos e vamos juntos começar a pregar isso para os grupos jovens e nas missas nas rádios nas faculdades nas na TV etc… boa ideia vamos agir

  15. olha se a igreja católica querer voltar a crescer no Brasil é simples muito simples
    é só nós procurarmos urgentemente começando de hoje e de agora por homens de fibra verdadeiros inteligentes e então vamos começar a ensinar a apologética a hermenêutica a exegese a e patrística para os grupos jovens das nossas igrejas
    amigos vamos mostrar a grandiosa história da igreja católica para os grupos de nossas catequeses espalhados pelas igrejas do nosso Brasil e para as nossas crianças e jovens

    amigos vamos mostrar também o pobre dos historiadores e pastores protestantes pois eles pregam o que o povo quer ouvir com ensinos falsos e heréticos com suas teorias da prosperidade etc…

    amigos vamos juntos ensinar com mais amor e fervor para o povo pois o povo Brasileiro é mal desinformado quando o assunto é purgatório imagens e então chega um pastor de fundo de quintal e faz uma lavagem cerebral nessa pessoa dizendo que essa pessoa católica é idolatra e adoradora de imagens etc.. os protestantes sempre vem com essa mesma falacia recheada de mentiras escandalosas e o pior
    e muitos irmãos católicos caem nessa heresia por falta de informação

    amigos católicos do Brasil vamos começar de agora a igreja católica precisa de homens fortes e conhecedores e carismáticos para ensinar a patrística vamos mostrar ao mundo a grandiosidade da nossa igreja vamos refutar os protestantes vamos os desmascarar começando de agora meus amigos eu digo seguramente o povo conhecendo a patrística ensinando-a insistentemente com amor e dedicação a igreja não perderá mais fieis no Brasil e ainda conquistará o rebanho perdido que foi perdido

    o IBGE DIZ QUE TEM NO BRASIL HOJE NO ANO DE 2012 64POR CENTO DE CATÓLICOS NO BRASIL E 22POR CENTO DE PROTESTANTES

    E FAZEMOS UM CALCULO DOS 125 MILHÕES DE CATÓLICOS NO BRASIL MEUS AMIGOS NEM MESMO 1 MILHÃO DE PESSOA OU MUITO MENOS CONHECE A PATRÍSTICA POR ISSO EU DIGO COM CERTEZA ABSOLUTA QUE O POVO CONHECENDO A PATRÍSTICA VERÁS QUE A IGREJA CATÓLICA É A IGREJA DE CRISTO EU DIGO ISSO SEGURAMENTE UM ABRAÇO AMIGOS VAMOS AGIR É O NOSSO DEVER MOSTRAR A VERDADE PARA O NOSSO POVO BRASILEIRO

    A IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA AGRADECE

    • Perfeito. O povo precisa, antes de tudo, ser educado espiritalmente. É preciso acabar com o analfabetismo religioso antes de fazerem assistência social. De que adianta ficarem em pastorais, ajudando o povo a se sustentar etc, sem educá-los com a Catequese da Igreja. Quando algum pastor protestante mostrar no evangelho algo contrário a Igreja Católica (mesmo que numa interpretação errônea – e não é muito difícil isso – ainda mais para um povo semi-analfabeto), sairão sem pestanejar da Igreja. Isso é o que vem acontecendo nos últimos anos. Como a Igreja vem reagindo a isso: Padres lançando CD`s como os protestantes, fazendo cultos como os protestantes, falando em ecumenismo, em espiritismo, dizendo que o Papa está errado etc…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here