As igrejas de Ravenna e o futuro possível do gótico

0
Ravenna, igreja de San Vitale, imperatriz Teodora e séquito.
Ravenna, igreja de San Vitale, imperatriz Teodora e séquito.

A basílica de San Vitale, em Ravenna, na Itália, é uma igreja octogonal, em estilo bizantino com figuras em mosaico, paradas ‒ mas vivas! não têm nada de morto! ‒ postas na contemplação sobre um fundo dourado, desligadas das circunstâncias concretas, numa espécie de abstração pura.

O estilo românico não se confunde com o estilo greco-romano presente nas igrejas mais antigas de Ravenna, como o oratório de Gala Placidia.

O estilo greco-romano é o estilo grego com pequenas adaptações feitas pelos romanos.

O estilo românico é uma adaptação do estilo romano feita pelos bárbaros.

Ele manifesta valores de alma que não estavam presentes no espírito da civilização romana.

Quando a gente vê o românico, e depois vê o gótico, percebe que o gótico estava nascendo no românico.

Ravenna prenuncia o gótico, mas está marcada por algo de violentamente diferente que vem do romano antigo e do bizantino.

O gótico nas suas manifestações anteriores à Renascença dá a impressão de que chegou ao fim do caminho.

Ravenna, igreja de San Vitale
Ravenna, igreja de San Vitale

De que atingiu uma tal perfeição, que não se pode imaginar maior nessa linha, e que uma nova linha deve aparecer.

Linha nova que não é o contrário do gótico, mas é um salto para cima.

Esse salto corresponderia à história da humanidade.

O espírito dos homens tinha chegado a um ponto em que um dado inteiramente novo daria um impulso novo na linha do antigo. Isto é, na linha da tradição.

Se os homens tivessem sido fiéis à graça, teria aparecido algo que pressagiaria o Reino de Maria.

Apareceu, porém, uma coisa péssima: a Renascença neo-pagã e o protestantismo.

Não é excessivo conjeturar que se a humanidade tivesse sido fiel às graças da Idade Média, teria nascido algo na linha do Reino de Imaculado Coração de Maria.

Mas com qualquer coisa de novo que a gente não sabe o que é que é.

(*) Texto sem revisão do autor

Video: Ravenna: a pompa hierática da Igreja Católica

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here