Certa manhã de primavera a história – Generalíssima história – já consolidada – talvez não por completo, porém consolidada – ordenou a seus soldados:

– Vão! Já é hora de continuar a nossa história. A mim cabe dar o exemplo, aos senhores segui-lo. Ide, pois a história precisa continuar!

Em alto brado todos disseram:

– Pronto! Tomaremos nosso rumo.

– Pois bem – disse a generalíssima -, junto de vossos rumos retomem as colinas, as montanhas, as praias, as cidades e as florestas. Retomem de volta tudo aquilo que roubaram de nós – provavelmente era uma guerra justa observando a situação.

– Sim Senhora! – bradaram os soldados.

Assim sucedeu-se. Todos reconquistaram os territórios, as províncias e as cidades perdidas. Tempo longínquo! Duraram anos. Em alguns locais, séculos.

Era perceptível a vontade de cumprirem a ordem da Generalíssima! Era notável a vontade de recuperarem suas pátrias. Uma vontade que soluçava.

Porém, a história de outros generais acabou encantando alguns soldados. E não eram simplesmente soldados, mas os melhores do exército.

Sutilmente os locais reconquistados foram perdendo significado…foram substituídos por histórias melhores – pelo menos na cabeça deles. Fora essa uma traição? Sim. A mais dura das traições. Dos mais fiéis guerreiros. Daqueles a quem a Generalíssima colocava mais confiança. Eles haviam selado um acordo entre suas histórias e o mundo.

Em uma tarde de primavera ouvira a Generalíssima da boca de um estranho, que houvera dentro de teu próprio exército uma revolta. Desertores agora comandavam seus soldados. O que restou de seu exército? Ou melhor, restou algo? Sim. Mas a sobra era uma parcela insignificante de medíocres. A situação era caótica.

Analisando a situação dentro de sua sala de estratégia resolveu convocar uma reunião. Seria essa uma reunião com os medíocres?

– Pois bem meus queridos soldados, os únicos que sobraram – disse a anfitriã. Venho trazer atualizações a respeito da fatídica revolução que ocorrera dentro de nosso batalhão. É necessário que retomemos com muito suor e sofrimento os territórios novamente perdidos. Eu sou a Generalíssima história, vós sois parte de mim também. As vossas histórias importam! Lutemos agora para retomar o que fora perdido novamente. É essa a batalha mais decisiva deste conflito. Quem está disposto a sofrer pela boa causa!?

 

…silêncio

 

A Generalíssima com um brado não esperava uma resposta tão significativa – ou melhor, não houve resposta alguma. Um silêncio total tomou o espaço da reunião…

– O que há? – disse a Generalíssima. O silêncio continuou e ela percebeu finalmente o relaxo que havia ceifado a tropa. Maldita revolução! Tomara agora até o coração de seus soldados. Porém, apesar de contrariada ela continuou:

– É necessário que alguém sofra. Esse é o objetivo de nossa história. A história constrói-se baseando, sobretudo em uma agulha central – o sofrimento.

 

…o silêncio continuou

 

– Qual é a importância da nossa história para os senhores? Os senhores não conseguem enxergar a quão bem essa história nos fez? Os senhores fazem algo por ela?  É assim que retribuem tudo aquilo que ela vos deu? Os senhores verdadeiramente a amam como dizem?

 

…o silêncio continuou…um último sermão iniciou-se.

 

– Tu!. Pelo menos tu não tens amor por nossa história? E tu no fundo? E tu à minha frente? Não lhes sobra um pingo de remorso? Venham comigo. Eu entendo que é difícil. Mas é o que fazemos! Nascemos para isso!

 

…o silêncio tomou o espaço novamente

 

Era um silêncio que abalava até a natureza. Os pássaros que pousavam nas árvores ao redor da sala caiam mortos no chão. Era uma verdadeira solitária. Parecera que haviam durado anos – quem sabe milênios? Séculos? E ali ficaram os soldados.

Como era possível um exército tão poderoso ser reduzido a um átomo de hidrogênio?

A anfitriã – a Generalíssima – colocou sua armadura, montou em seu cavalo e partiu para qualquer lugar que só Deus sabe onde era. Chegando nesse lugar ela ofereceu amor em holocausto e prometeu a vida para recuperar a história de seus homens.

 

Uma agulha caiu,

Toda uma história foi-se embora.

 

Durante uma noite de primavera, aproximadamente às 20h do dia 15 de abril de 2019 a agulha da própria história caiu em chamas. Afogou-se em chamas como uma Santa Joana d’Arc se afogara há exatos 588 anos.

Fora essa uma profecia cumprida? Fora isso um aviso à França? Deus sabe responder certeiramente à muitas perguntas, mas a pergunta que fica a nós católicos é a seguinte: para onde estamos levando a Santa Igreja? Para qual precipício nós estamos a levando?

Fernando Pessoa – sim, Fernando Pessoa – talvez soubesse retratar muito bem o que esse fato significa. A noite – sim, ela por excelência – cativa o homem. A noite é verdadeiramente aquilo que um homem que ama o sofrimento deseja. Sim. É sublime. É durante ela que é belo crer na luz.

 

Vem soleníssima,

Soleníssima e cheia

De uma oculta vontade de soluçar,

Talvez porque a alma é grande e a vida pequena.

E todos os gestos não saem do nosso corpo

E só alcançamos onde o nosso braço chega,

E só vemos até onde chega o nosso olhar.

 

O fogo em Notre-Dame nos diz algo…algo que a consciência meramente humana parece não alcançar. Se fora esse um fogaréu de amor por que dói tanto? Por que a providência exige esse tipo de pena? “Por que tanta insistência? Porque é insistente nossa covardia.

 Resolvemo-nos a tomar nossa cruz, mas a covardia volta sempre à carga. E para que ela ficasse sem pretextos em nossa fraqueza, quisestes Vós mesmo repetir três vezes a lição.

Sim, nossa fraqueza não pode servir-nos de pretexto. A graça, que Deus nunca recusa, pode o que as forças meramente naturais não poderiam.

Deus quer ser servido até o último alento, até a extenuação da última energia, e multiplica nossas capacidades de sofrer e de agir, para que nossa dedicação chegue aos extremos do imprevisível, do inverossímil, do miraculoso.

 A medida de amar a Deus consiste em amá-Lo sem medidas, disse São Francisco de Sales. A medida de lutar por Deus consiste em lutar sem medidas, diríamos nós.

Eu, porém, como me canso depressa! Nas minhas obras de apostolado, o menor sacrifício me detém, o menor esforço me causa horror, a menor luta me põe em fuga.

Gosto do apostolado, sim. De um apostolado inteiramente conforme com minhas preferências e fantasias, a que me entrego quando quero, como quero, porque quero. E depois julgo ter feito a Deus uma imensa esmola.

Mas Deus não se contenta com isto. Para a Igreja, quer Ele toda a minha vida, quer organização, quer sagacidade, quer intrepidez, quer a inocência da pomba mas a astúcia da serpente, a doçura da ovelha mas a cólera irresistível e avassaladora do leão.

Se for preciso sacrificar carreira, amizades, vínculos de parentesco, vaidades mesquinhas, hábitos inveterados, para servir a Nosso Senhor, devo fazê-lo.

Pois que este passo da Paixão me ensina que a Deus devemos dar tudo, absolutamente tudo. E depois de termos dado tudo ainda devemos dar a nossa própria vida.”

 

Plínio Corrêa de Oliveira

Artigo anteriorA fábula das duas filhas do livre arbítrio
Próximo artigoSão Francisco de Fátima, grande modelo de seriedade
Técnico de logística pela ETEC Lauro Gomes e membro "de jure" do Instituto Plínio Corrêa de Oliveira

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.