Considerações sobre a oração — III

0

Continuação da postagem anterior

oracao (1)Orar, orar tanto quanto possível, faz também parte da perseverança na oração. Urge orar muito, porquanto de tudo carecemos, e é dever nosso interceder também por tantos outros. Pedir unicamente para si, e só advogar seus mesquinhos interesses, não é preencher sua missão na Terra; é desconhecer o poder e a eficácia da oração. Nossa oração deve ser a de um filho de Deus, isto é, estender-se a todas as necessidades da Igreja e da humanidade inteira.

A cada momento, quantas graves e importantes questões, das quais dependem em grande parte a salvação das almas e a glória divina, estão perante o tribunal de Deus à espera das respectivas soluções! Incluir em nossas preces os interesses do mundo, apresentá-los ao Senhor, recomendando-os a Ele, é isto orar de modo apostólico, católico, divino, e ao mesmo tempo humano.

Assim o fez o Salvador, e é o que nos ensina na oração dominical. Se, por acaso, acontecer que não tenhamos intenção precisa ou particular, percorramos em espírito as diferentes regiões da Terra, a fim de confiar à proteção divina os interesses que nelas se debatem; todos reclamam o auxílio de nossas preces.

Do mesmo modo como aprendemos a andar, a ler e a escrever –– andando, lendo e escrevendo ––, assim também aprendemos a orar bem exercitando-nos na prática da oração. Se esta nos parece enfadonha e insípida, é porque não recorremos a ela com assiduidade. No entanto, quanto importa o gosto da prece, a facilidade de orar! Se prezarmos a oração, seremos engenhosos em achar tempo para o exercício dela, pois encontramos sempre ocasião propícia para aquilo que nos apraz. […]

* * *

Devemos ter pela oração vocal grande estima, primeiramente por ser dirigida a Deus, razão de sobra para que seja prezada. Além disso, acha-se ela em harmonia com nossa natureza, que é um composto de alma e corpo. É dever nosso louvar a Deus, utilizando todas as faculdades que d’Ele recebemos: as do corpo como as da alma. Na prece vocal, quem ora é o homem tomado em conjunto: seu coração e sua carne rejubilam-se no Senhor (Sl 82). A Sagrada Escritura denomina a oração “o fruto dos lábios que louvam a Deus” (Heb 13, 15). Há tantos que não somente recusam essa homenagem, mas ainda blasfemam o santo nome do Senhor! É, pois, justo oferecer ao Criador uma compensação; é a que lhe damos mediante a oração vocal. […]

* * *

As palavras são imagens e símbolos. Postas em vibração pela vara mágica da memória, elas nos descortinam magníficas perspectivas no reino da verdade e fazem brotar mananciais da mais suave consolação.

O Espírito Santo compôs para nosso uso, no livro dos Salmos, as mais belas orações vocais que se conhecem, e o Salvador levou a condescendência a ponto de nos dar uma fórmula precisa desse gênero de prece. Na celebração de seu culto oficial, a Igreja só emprega orações vocais que, por via de regra, são muito breves. A maior parte da humanidade só conhece esse modo de orar, e nele encontra a salvação eterna. É, pois, essa forma de oração a estrada real que conduz ao Céu, a escada de ouro por onde sobem e descem os anjos, levando a Deus as mensagens da Terra e trazendo aos homens as graças divinas.

Enfim, graças à oração vocal, a prece da Cristandade em todo o mundo é simultaneamente particular e comum.

_________

Pe. Maurício Meschler, S.J., A Vida Espiritual – Reduzida a Três Princípios, Editora Vozes Limitada, Petrópolis, 1960, pp. 32 e ss.

Continua na próxima postagem: Considerações sobre a oração – IV

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.