Hungria legisla penalmente contra a imigração islâmica

1

O Parlamento húngaro aprovou uma série de normas legais que permitem a abertura de processos penais contra pessoas ou organizações que forneçam ajuda a imigrantes ilegais, informou a agência Reuters.

O pacote de leis foi aprovado por 80% dos parlamentares (160 contra 18) e pune até com um ano de prisão os que ajudarem os imigrantes ilegais, acrescentou o jornal parisiense “Le Figaro”.

O pacote legal é conhecido como “Stop Soros”, em alusão ao milhardário de origem húngara, George Soros, que financia muitas dessas ONGs e orquestra uma imigração de massa à União Europeia.

As leis põem limite à influência na Hungria de ONGs sustentadas do exterior por alguns Cresos que financiam causas de esquerda no mundo.

As leis húngaras também suscitaram inúmeros protestos da União Europeia (UE). O governo magiar aguarda que a Comissão Europeia, cúpula da UE, inicie processos de retaliação.

O Conselho da Europa e a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) já haviam denunciado os projetos de lei como “arbitrários” e contrários aos regulamentos europeus.

Em Moscou, Putin esfrega as mãos, já pensando em engolir mais facilmente a corajosa nação húngara. Ela não possui recursos proporcionados para se defender da pressão da UE, de ONGs e de macro capitalistas esquerdistas.

O ministro do Interior Sandor Pinter defendeu as leis, dizendo que “o povo húngaro aguarda a justo título que o governo utilize todos os meios necessários para combater a imigração ilegal e as atividades que a favorecem”, escreveu Reuters.

“O conjunto de leis, acrescentou, visa a um objetivo: qualificar como delito penal a organização da imigração ilegal. Nós queremos aplicar essas leis para evitar que a Hungria se torne um país de migrantes”.

O Parlamento também aprovou uma emenda constitucional que proíbe que uma “população estrangeira” se instale no país, visando contrariar assim a “política de cotas” que a Comissão Europeia quer impor aos países membros da UE.

De acordo com estatísticas oficiais, o fechamento do país às ondas migratórias provenientes do Oriente Médio e da África limitou a 3.555 o número dos refugiados na Hungria, país de dez milhões de habitantes. Um número muito inferior aos milhões que se instalaram na Alemanha.

Pelas novas leis, a defesa da cultura cristã será uma obrigação para todos os organismos do Estado, sublinhou“Le Figaro”. A Hungria acolhe os imigrantes cristãos e os membros de minorias húngaras residentes no exterior.

Para as esquerdas, a aprovação do Parlamento soa como uma provocação de Budapest, enquanto o Papa Francisco celebra a Jornada Internacional dos Refugiados.

A eurodeputada liberal Sofia Veld tentou opor os textos legais ao cristianismo sofismando. “[o primeiro ministro] Orban sempre se refere aos valores cristãos. Mas não é dever cristão ajudar os necessitados? Como se pode ser criminalizado quando a gente é cristão e ajuda os outros?”, citou a agência “Euronews”.

A eurodeputada, que se esquivou de dizer se é cristã, talvez esqueceu aquilo que está gravado a fundo na memória histórica do povo húngaro: a invasão e ocupação do país pelos muçulmanos turcos entre 1541 e 1699.

Só uma guerra de quinze anos – empreendida pela Santa Liga criada pelo Papa Inocêncio XI e com o destacado heroísmo do Rei da Polônia, João Sobieski – conseguiu mandar os invasores de volta para seu país.

Porém, a população húngara ficou reduzida à metade após ferozes anos de guerra. E com toda razão não quer que se repita a lição ensinada pela História, mestra da vida.

Apenas uma diferença: quando os turcos muçulmanos invadiram o a Hungria, 90% de sua população tinha se tornado protestante. E o triunfo das hordas anticristã foi fácil.

Hoje ela é maioritariamente católica e o agressivo islamismo encontra grandes oposições no povo.

1 COMENTÁRIO

  1. Bela oportunidade para que todos se unam em uma corrente com os muçulmanos pacíficos que rejeitam a guerra contra os infieis que é preconizada no Alcorão. Estes islâmicos pedem que se apague tais escritos do livro sagrado do Islão. Por isso são alvos, assim como nós, dos jihadistas que brandem o alcorão como razão para tanto sangue.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.