Meta do MST: tomar o Poder e transformar o Brasil em nova União Soviética

0

Ainda há quem acredite que o MST deseja de fato resolver um problema de terra para o trabalhador rural! E tal idéia esquisita existe até em não poucos dirigentes do País.Entretanto o movimento alardeia, para quem quiser ver e ouvir, estar alinhado a uma internacional de esquerda, que trabalha para tomar o Poder e impor ao Brasil um regime de tipo marxista.

Um “Curso de capacitação de militâncias do Cone Sul” foi realizado de 19 de abril a 8 de maio, em Sidrolândia (MS), contando com a  presença de brasileiros, argentinos, chilenos, paraguaios e bolivianos. Promovido pelo MST juntamente com uma tal de CLOC (Coordenadoria Latino-Americana de Organizações do Campo), o Curso teve como palco um antigo seminário dos padres capuchinhos, atualmente dirigido por dois frades, sob o nome de Centro Cultural São Francisco de Assis.

Ali estavam reunidas as várias siglas da esquerda: CUT, CONTAG, PT, CPT e algumas ONGs internacionais. Presente na inauguração o governador do Estado, conhecido como Zeca do PT.

Temos em mãos o documento final que emitiram (*). Embora se apresente como um documento do MST e seja uma análise (marxista) da realidade brasileira, é quase todo ele escrito em língua espanhola, o que é muito suspeito.

Dinheiro para tomar o Poder e apoio das paróquias

Entre as normas e diretrizes ministradas no Curso, estava a de que “dinheiro não é nem será problema para bloquear estradas, promover invasões em todo o País”. Visam ainda “a tomada dos bens de produção”.

Os caminhos a trilhar para “a libertação do proletariado” são “a Reforma Agrária e o socialismo”. Para isso são válidas “todas as formas de luta possível, tendo sempre em mente o poder”. Assim, os militantes “devem saber combinar táticas para atacar em diferentes pontos do País”.

Os frades forneciam café da manhã, almoço e jantar. Comida farta e diária barata: R$ 8,00 por pessoa.

Aliás, a imensa importância logística de milhares de paróquias espalhadas por  todo o território nacional, interligadas e conectadas, “muito contribuiu para desenvolver o MST, através de suas pastorais”, reconhece a organização. Poder-se-ia acrescentar ainda que a “esquerda católica” é a verdadeira mentora ideológica do MST e sua contínua inspiradora e propulsora.

A colaboração da imprensa é indispensável: “a necessidade de promover ações para aparecer na imprensa”.

Confissão estarrecedora: as verdadeiras intenções

A chamada luta contra o latifúndio, outra coisa não é senão a velha luta de classes marxista. Pois o MST “é também um movimento político, porque ao lutar pela Reforma Agrária no Brasil, atinge diretamente os interesses da oligarquia rural e do Estado”. E ainda: “a luta adquire um caráter político e de classe”.

As lições de marxismo se sucederam durante o Curso.

Confessam agora que a Reforma Agrária não é feita para  melhorar a condição econômica do lavrador pobre e sim por razões político-ideológicas: “A luta pela terra” passou “do plano da conquista econômica para a luta política contra o Estado e não simplesmente contra o latifundiário”. Por isso, “apenas ocupar a terra para trabalhar é uma posição já superada que não se sustentará”. “Os dirigentes possuem um sonho revolucionário, que é construir sobre os escombros do capitalismo uma sociedade socialista”.

Uma verdadeira inquisição deve exercer cuidadosa “vigilância para evitar desvios ideológicos; por menores que estes pareçam, deve-se procurar eliminá-los, pois poderiam pouco a pouco ganhar força e transformar-se em tendências dentro da organização”.

Seria uma ingenuidade perigosa achar que os assentamentos de Reforma Agrária são planejados para que agricultores neles produzam. Antes de qualquer coisa, eles constituem uma base de operação para o MST, uma rede capaz de agir em todo o País num momento dado. Daí “a organização dos núcleos, os grupos-motores, dentro dos assentamentos, onde está constituída a base do MST”. É preciso promover “a organização social dos assentados”.

Apresentam ainda, em 15 páginas, “um resumo geral sobre a história da Humanidade desde os tempos das cavernas”, onde tudo é interpretado segundo a ótica marxista. Talvez em nenhum outro lugar do documento se possa apreciar uma junção tão extravagante entre a parcialidade ideológica e o ridículo.

O pobre leitor se vê arrastado através das várias épocas da História até chegar à “luta dos trabalhadores rumo ao socialismo”. Dessa luta são apresentados marcos importantes como a Revolução comunista de 1917 que criou a União Soviética, incluídas nela, em 1945, várias nações. Só que, curiosamente, a cronologia que começara com a criação do mundo, pára de repente em 1979, de modo que o leitor não fica sabendo que o socialismo fracassou rotundamente em todos esses países e que a União Soviética caiu de podre! Mais ainda, o marco final, de 1979, é a tomada do governo da Nicarágua pelos sandinistas. Oculta-se, pois, que estes há muito tempo foram apeados do poder pelo voto popular.

Será que os autores desse “resumo geral sobre a história” querem incutir em sua massa de manobra a idéia de que o mundo acabou em 1979!? Viveríamos agora no limbo? Ou talvez no purgatório?

Trabalho…  junto ao povo para obter seu apoio

O fato de que a opinião pública (a “massa”) não concorda com a ideologia dos dirigentes do MST também vem aludido no documento final. Propõe-se então desenvolver uma ação que vise mudar as convicções das pessoas para torná-las revolucionárias:

“A massa pode não ter consciência dos problemas que tem” por isso “os dirigentes precisam saber formular propostas e ter capacidade de convencer a massa de que estas propostas são as melhores”.

“A massa por si só não se organiza”, então deve haver um “grupo” que a dirija: “as tarefas de massa devem ser preparadas e discutidas no grupo …. os grupos dão forma e corpo ao trabalho de massa”.

“Muitas vezes as aspirações dos dirigentes não são as mesmas da massa. Nesse caso, é preciso desenvolver um trabalho ideológico para fazer com que as aspirações da massa adquiram caráter político e revolucionário”.

Há nesses textos uma confissão indireta mas preciosa de que as tais aspirações das massas, das quais os revolucionários se fazem porta-vozes, não passam de uma balela para enganar otários. Na verdade, trata-se de uma “elite” (melhor se diria uma anti-elite), intoxicada de princípios marxistas e que deseja fazer a opinião pública engolir esses princípios de qualquer modo: se não o consegue  pela persuasão, é pela propaganda ou pela força.

O fato é que a Reforma Agrária continua sendo imposta à revelia da população brasileira. A maior parte dos brasileiros desconhece o assunto. Pesquisa feita pela MCI-Marketing constatou que 64% dos entrevistados desconhecem inteiramente o tema Reforma Agrária. Ademais, 91%  dizem que “o governo deveria divulgar mais informações” sobre o assunto.

É impossível não lembrar aqui a lucidez de visão do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, que com tanta antecedência e em numerosas ocasiões, denunciou esse divórcio existente entre as cúpulas revolucionárias e a opinião pública. Divórcio que é sentido na própria carne tanto pelos dirigentes da guerrilha colombiana, do Sendero Luminoso, como do MST ou de qualquer outro movimento que anseia tomar o poder para impor regimes de índole comunista.

E no fim do Curso, vem uma afirmação que equivale a um aviso para todos os brasileiros: “Os audazes sempre prevalecem sobre os medrosos”.

Ou seja, se houver um acovardamento daqueles que não concordam com o MST, as teses marxistas do movimento dominarão o Brasil, como a minoria comunista tomou conta da Rússia em 1917.

A transparência das intenções do MST é total, diz um diário paulistano: a sensação é a de uma “declaração formal de guerra ao Estado Democrático”. Apesar disso, o MST “não é perturbado pelas autoridades do governo”.

Nossa Senhora Aparecida, Rainha do Brasil, nos ajude a não ter parte nessa covardia.

*   *   *

CNBB: tenta arrancar apoio popular para os sem-terra

No momento em que o MST torna claros seus planos de tomada do poder no Brasil para impor um regime marxista, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)  pede ao público que apoie os sem-terra. Como se vê, a Teologia da Libertação — embora o Vaticano tenha denunciado seu cunho marxista — continua a ser o motor da “esquerda católica” no Brasil.

Conhecedores de que o povo católico é em sua grande maioria contrário ao movimento de invasões da propriedade alheia – e sobretudo contrário à violência e ao comunismo – os Bispos dirigentes da CNBB fizeram um “veemente apelo” ao povo brasileiro para que “realize significativos gestos de solidariedade” em favor dos que chamam de “irmãos sem-terra”.

Não se conformando com a falta de apoio popular à causa dos sem-terra, a CNBB chama a população para uma mobilização geral: o povo “precisa mobilizar-se para implantar condições suficientes que permitam a construção de uma nação socialmente justa”. E mais: “Incentivamos todos os que estão positivamente comprometidos com essa causa”.

A nota, intitulada “O Clamor que vem do campo”, mostra ainda um indisfarçável desagrado com o fato de os invasores terem sido despejados de numerosas fazendas que ocupavam ilegalmente no Paraná. E acusa o governador do Estado de conivência em relação às torturas e outros tipos de violência contra os sem-terra.

O comunicado pede ainda uma Reforma Agrária “ampla e integral” e foi divulgado pelo próprio presidente da CNBB, D. Jayme Chemello.

Aliás, a Pastoral da Terra já vai aplicando esses princípios. Entre os sem-terra que saquearam três caminhões em Porto Feliz (SP), em fins de maio, encontrava-se o professor de sociologia, Marcelo Buzzeto. Ele trabalha na Pastoral da Terra em São Paulo e dá aulas na Universidade Bandeirante (Uniban), de São Bernardo do Campo.

O motorista de um dos caminhões saqueados reconheceu o professor como sendo um dos integrantes do grupo que o ameaçou com facões.

Convém lembrar que o Papa João Paulo II já se pronunciou contra as invasões de terra.

O governo do Paraná, em Nota Oficial, desmentiu que houvesse torturas aplicadas a sem-terra durante as reintegrações de posse naquele Estado. Diz a Nota:

O sem-terra Geraldo José dos Santos apresentou-se “na sede da Comissão Pastoral da Terra, onde passou a acusar a polícia de tê-lo agredido fisicamente durante a reintegração de posse …. baseia-se em supostas alegações de médicos que não quiseram se identificar. …. Com relação às demais acusações do MST e da CPT, a Secretaria da Segurança Pública do Paraná informa que todas as 14 reintegrações de posse foram efetuadas de forma pacífica. …. Os membros do MST que alegam ter sofrido algum tipo de violência durante as desocupações foram submetidos a exames de lesões corporais, cujos laudos médicos não apontam qualquer tipo de lesão que pudesse caracterizar o emprego de práticas de tortura ou meio cruel …. lamenta que os integrantes do MST façam uso de denúncias totalmente infundadas”.


Vandalismo e atuação subversiva do MST

As áreas das quais os sem-terra foram despejados no Paraná sofreram verdadeiro vandalismo durante o tempo em que permaneceram ocupadas.

Relatório de deputados paranaenses mostra que houve danos “em escala ampla e generalizada”, inclusive roubo de gado. Cercas e mangueiras de gado são derrubadas e as casas das fazendas têm os seus utensílios roubados e danificados para que o dono perca o interesse pela propriedade. Quase não há sinais de plantação, apesar de algumas fazendas terem permanecido invadidas durante quase quatro anos.

Por outro lado, relatórios da Secretaria de Segurança do Paraná afirmam que os integrantes do MST no Noroeste daquele Estado estão armados e preparados para reagir à ação policial.

O secretário de Segurança, Cândido Manuel Martins de Oliveira, disse que o treinamento para usar essas armas e o ensino de táticas de guerrilha seriam dados em instituições administradas pelo MST e cita o Centro de Formação e Pesquisa Ernesto Che Guevara (Cepag).

—  Não há dúvida: existem indícios de práticas subversivas, inclusive treinamento de guerrilhas, no Cepag — afirma.

Na biblioteca do Cepag, entre os livros Terra, de Sebastião Salgado, e A vida de Lenine, há uma foto em que aparece o revolucionário Ernesto Che Guevara.

— Esse é o nosso herói, a inspiração de todo mundo aqui — afirma Arizinho, 18 anos, que mora no local.

A atuação criminosa do MST no Paraná vai longe! Uma escuta em telefones de líderes da organização, amparada judicialmente, revela as ameaças de morte que eles fazem à juíza da Comarca de Loanda (PR): “Nós vamos lá no Fórum amanhã e vamos tirar a cabeça da juíza fora”, afirma Jaime Dutra Coelho; “É, né? Tem que ir com as foices”, diz Gilmar Mauro, coordenador nacional. Falam ainda em colocar fogo no Fórum etc.

A juíza Elisabeth Kather, de Loanda,  viu-se obrigada a pedir proteção policial para si e para o Fórum.
Por sua vez, o deputado federal Francisco Graziano denunciou que agitadores rurais estão se armando também no interior de Minas. Ele quer estabelecer uma CPI na Câmara para apurar a atuação do MST. Conseguirá ele enfrentar o forte lobby socialista encabeçado pela esquerda católica?


(*) Sobre os temas tratados neste artigo – incluídos os dois quadros — foram publicadas diversas notícias na imprensa, que nos ajudaram a complementar a matéria: “O Globo”, 13-6-1999; “Jornal do Brasil”, 31-5-99; “Gazeta do Povo”, Curitiba, 18-6-99; “O Estado do Paraná”, 29-5-99; “Folha de S. Paulo”, 29-5, 9 e 26-6-99, “O Estado de S. Paulo”, 29-5,  9, 20, 21,22, 24, 25 e 26/6/99.

O presente estudo foi extraído da Revista Catolicismo de setembro de 1999

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here