Infiltração da mentalidade comunista em meios católicos

0
Blasfemo crucifixo com a foice e o martelo que o presidente da Bolívia, Evo Morales, deu ao Papa Francisco
Blasfemo crucifixo com a foice e o martelo que o presidente da Bolívia, Evo Morales, deu ao Papa Francisco

O mito das massas famintas e revoltadas vai sumindo em diversos setores da opinião pública. Quando o janguismo levantou entre nós o estandarte de sua reforma agrária e a TFP lhe opôs o livro Reforma Agrária – Questão de Consciência, muitos dos arditi do agro-reformismo acenaram com a ameaça de uma revolta geral dos trabalhadores rurais, caso a partilha de terras não viesse logo.

Ouvi, em gravação, as conferências feitas no Chile por um agro-reformista insigne e abrasado, D. Helder Câmara. Ele não fala mais da revolta das massas como um perigo iminente. Pelo contrário, diz que as massas são átonas em relação às reformas, porque são famintas… Assim, a fome, que outrora servia para dar certa verossimilhança ao espantalho da revolução social, hoje serve para explicar a notória atonia do povo!

É necessário voltar sempre a essa tese básica da impopularidade do credo vermelho, se se quiser compreender algo sobre os reais problemas da propaganda comunista.

Se, pregando-o às escâncaras, o comunismo causa horror, como fazê-lo vencer? Evidentemente, é ensinando-o sorrateiramente. Como se faz isto? Lançando movimentos com rótulo não comunista, que se infiltrem em meios anticomunistas e ali transformem furtivamente as mentalidades.

Conforme a psicologia do ambiente a ser infiltrado, varia o rótulo. Assim, para uma infiltração em meios católicos, o rótulo há de ser necessariamente religioso. O objetivo do movimento infiltrante será, então, uma metamorfose ideológica dos pacientes, que os deixe a dois dedos do comunismo, quando não os faça propriamente comunistas.

O que acabamos de enunciar caracteriza os organismos altamente suspeitos — é o menos que se pode dizer — de serem instrumentos a serviço da obra diabólica de “comunistizar” os milhões de católicos.


 

(*) Trechos do artigo publicado na “Folha de S. Paulo”, 21 de maio de 1969.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.