Ídolo ou imagem?

0

A arte moderna desvia e deforma a verdadeira piedade cristã.

ACC_1951_008_1“Virgem” de Jacques Lipchitz. O autor a descreve com estas palavras: “Do bico da pomba pendem três fragmentos do Céu estrelado que se juntam, formando um coração voltado com a ponta para o alto, do qual emerge a Virgem com os braços abertos para o mundo. O conjunto é levado por Anjos em pleno vôo”.

A extravagância da idéia geral e dos pormenores é chocante. O vulto da imagem, seu gesto, nada deixa transparecer a pureza e a inigualável dignidade da Mãe de Deus. A imagem não instrui, não forma, não atrai. A nota espiritual cristã é tão alheia a ela que, se o escultor a quisesse vender como se fosse um ídolo não teria a necessidade de fazer qualquer retoque: bastaria trocar o nome dado por ele à estatua.

ACC_1951_008_2Quem poderia dizer o mesmo do outro quadro, que representa Nossa Senhora das Dores, de autoria de Simon Marmion, pintor do século XV?

Sem pretender fazer um comentário artístico, analisamos o contraste entre as mentalidades expressas em uma e outra imagem, a fim de fazer sentir aos leitores quanto as aspirações de que nasce e os rumos para que caminha a arte moderna desviam e deformam a verdadeira piedade cristã.

______________________________________________________________________________________

Publicado originalmente em “Catolicismo” Nº 08 – Agosto de 1951 na seção “Ambiente, Costumes, Civilizações”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.