O Descobrimento do Brasil

4

“E o melhor fruto que dela se poderá tirar será salvar essa gente”(Pero Vaz de Caminha). Narrativa histórica e aspectos pouco conhecidos. Na Expansão da Fé e do Império nasce a Terra de Santa Cruz.

O mar estava calmo, como estivera durante todo o percurso. Os marinheiros, nos seus postos, atentos aos sinais de terra, percebem a presença de “ervas compridas”, chamadas de “Botelho” e outras a que dão o nome de “rabo de asno”. Era uma terça-feira das “oitavas da Páscoa”, dia 21 de abril. Segundo os pilotos, devia haver terra entre “660 ou 670” léguas!

Na quarta-feira seguinte, pela manhã, a esquadra encontra “aves a que chamam de furabuchos”. Era a confirmação inequívoca de que existia terra próxima. Passam-se algumas horas, até que, por volta das 15:00, “horas de véspera”, um primeiro marujo pronuncia a famosa e esperada sentença: “terra à vista”.

Estava descoberto o país destinado a ser a maior nação católica da terra!

No meio do alvoroço das comemorações, o capitão, de 32 anos, retira-se para o altar que havia mandado fazer em honra da imagem de Nossa Senhora da Esperança, que ele próprio escolhera como padroeira da viagem e, ajoelhado, reza![i]

Segundo relata Pero Vaz de Caminha em sua carta, um dos poucos documentos que nos chegaram (ver Box ao final), “… houvemos vista de terra! A saber, primeiramente de um grande monte, muito alto e redondo, e de outras serras mais baixas ao sul dele; e de terra chã, com grandes arvoredos; ao qual o monte alto o capitão pôs o nome de ‘O Monte Pascoal’ e à terra ‘A Terra de Vera Cruz’”.

Os Descobrimentos e o Ideal de Cruzada

Portugal construíra a melhor e a mais bem equipada frota que era possível naquela época. Como bem lembra o renomado historiador Jaime Cortesão: “A vasta empresa educadora preparada pelo Infante D. Henrique e continuada pelo sobrinho e pelo Príncipe Perfeito sazonava os melhores frutos. Em Lisboa pululavam agora os navegadores e os cavaleiros, os astrônomos e matemáticos, os mestres do astrolábio e do quadrante”. [ii]

Desde que D. Henrique criara a famosa Escola de Sagres e reunira os melhores gênios de sua época, Portugal despontava como a potência naval da época, muitas décadas à frente de todas as demais nações européias.

Mais do que uma potência naval, Portugal ainda respirava os influxos de uma Europa nascida da Cruz de Cristo. Uma Europa conhecida como Cristandade. Não por acaso vários pesquisadores chamam a “Tomada de Ceuta”, início das grandes navegações, como a última das Cruzadas.[iii]

Com efeito, quase todos os homens que participaram da “Tomada de Ceuta” estavam “cruzados”, ou seja, haviam colado cruzes aos uniformes, deixando claro que partiam para uma ação religiosa. O Papa da época, Gregório XII, confirma essa disposição de combater pela Cruz e concede a indulgência plenária, própria aos que morrem em uma Cruzada.[iv]

A saída solene de Lisboa

Tudo estava pronto para que a maior frota que Portugal já lançara ao mar partisse. Conta-nos o historiador João de Barros: “foi el-Rei, que então estava em Lisboa, um domingo oito dias de Março do ano de 1500, com toda a corte ouvir missa a Nossa Senhora de Belém que é em Restelo”. [v]

Essa pequena capela da Ermida de S. Jerônimo, construída a mando do Infante D. Henrique quase 100 anos antes, era agora o ponto de partida das expedições portuguesas.

Por volta das 9 horas de uma manhã radiosa, o cortejo real – rutilante de ouro e veludo – chegou à capela, onde já se encontravam os capitães da frota e os demais financiadores do empreendimento[vi].

O pesquisador Carlos Heitor Castello Branco assim narra o solene episódio: “El-Rei e a Corte ocupam os seus lugares. O bispo de Ceuta, D. Diogo Ortiz, grande matemático e cosmógrafo, e orador ilustre que servira tanto a D. João II, conhecedor dos profundos segredos do Reino, vai celebrar a missa e fazer o sacro sermão. (…) O bispo, com sua mitra e o seu báculo, ladeado de acólitos, precedido de todos os sacros auxiliares, dirige-se ao altar, entre os aromas do incenso e o cântico majestoso próprio destas cerimônias, em que a Igreja Católica eleva as almas, com seu ritual de séculos. Círios e tochas são acesos.

“Principia D. Ortiz o ato sagrado. As almas se aquecem de emoção e fé. Olhos marejam-se de lágrimas. Pedro Álvares Cabral, ao lado do seu Rei, ajoelha-se humildemente. Momento crucial de sua vida, que iniciaria sua entrada na história”.[vii]

Após o Sermão, pronunciado à luz de tochas, D. Diogo benzeu uma bandeira da Ordem de Cristo – Ordem Militar originária dos Cavaleiros Templários da Idade Média – e, retirando-a do centro do altar, a entregou a el-Rei. D. Manuel passou-a então a Pedro Álvares Cabral, colocando-lhe também na cabeça um barrete bento, que o Papa lhe mandara.

Depois, fez-se uma solene procissão de relíquias e cruzes para acompanhar Cabral ao batel que o levaria à sua nau – a nau capitânia. Seguiu à frente o bispo, ladeado dos acólitos e precedido do porta-cruz e dos capitulares; acompanhavam-no os freires de Cristo, com as tochas na mão.

El-Rei faz as recomendações finais. Elevam-se estandartes e bandeiras. Retinem e silvam trombetas, atabaques, flautas e rufam tambores. No dizer de João de Barros “não parecia mar, mas um campo de flores, com a prol daquela mancebia juvenil, que embarcava”.[viii]

Objetivos da expedição

Ao contrário do que afirma uma ultrapassada corrente marxista, que ainda acredita na economia como “motor da história”, outros eram os objetivos da Expedição.

Desde a batalha de Ourique, quando D. Afonso Henriques recebeu de Deus a missão  providencial de Portugal[ix], os monarcas lusos procuraram, além da dilatação do Império, a dilatação da Fé.

Não se explica a enorme expansão de Portugal somente por razões econômicas – ou políticas. Elaine Sanceau assim analisa: “A expansão portuguesa de além-mar é fenômeno inexplicável à face da História. O desejo de expansão supõe falta de espaço e os Portugueses tinham mais do que o bastante na sua linda pátria pequenina…”.[x]

Segundo o pesquisador Armando dos Santos, a população de Portugal, na época dos descobrimentos, era de pouco mais de um milhão de habitantes – não muito mais do que a população atual de Lisboa, ou, para falar em termos brasileiros, de uma cidade como Campinas. [xi]

Além de procurar as especiarias nas Índias, Portugal levava consigo missionários para converter os povos à religião de nosso Senhor Jesus Cristo.

E porque el Rei [diz o cronista Damião Gomes] foi sempre mui inclinado às coisas que tocavam a nossa Santa Fé Católica, mandou nesta armada oito frades da Ordem de S. Francisco, homens letrados, de que era Vigário Frei Henrique (…) para administrarem os Sacramentos aos Portugueses, e aos da terra que se quisessem converter à Fé”. [xii]

O renomado historiador, Jaime Cortesão, selando a união dos objetivos religiosos e econômicos afirma: “Podem considerar-se objetivos principais, por um lado, a aliança com os índios e a sua melhor cristianização, e por outro a guerra aos mouros infiéis, para obter, pela paz com uns e a luta com os outros, o exclusivo do comércio oriental. Quanto à guerra com os mouros, fazer reparo a essas intenções seria ingênua incompreensão do tempo. Este pleito secular constituía ainda então um dos fundamentos da própria nacionalidade. (…) E a balança (…) era naquele tempo um símbolo de paz”. [xiii]

Seria errôneo negar o interesse econômico, mas pior erro cometeria aquele que não entendesse a “visão de mundo” daqueles portugueses. Eram homens influenciados pelos desvios renascentistas, de gozo da vida. Mas também eram homens que ainda respiravam o ar da “doce primavera da Fé” e se lançavam no ideal de lutar por Deus e pelo Império.

Nesse sentido, conclui Pero Vaz de Caminha sua carta: “Porém, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve lançar”.

De Lisboa à Vera Cruz

As 13 naus de Pedro Álvares Cabral zarparam de Lisboa na manhã do dia 9 de março de 1500.

No dia 22 de março a esquadra avista a ilha de S. Nicolau. No dia seguinte aconteceria a primeira perda da expedição. A nau comandada por Vasco de Ataíde simplesmente desaparece, “sem que houvesse tempo forte ou contrário para poder ser”.

Apesar das diligências feitas para encontrá-la, durante dois dias de infrutíferas buscas, nunca mais se soube de seu paradeiro. Cento e cinqüenta homens tinham sido “comidos pelo mar”.

Os perigos de uma viagem como essa eram de todos conhecidos, tanto que a maior parte da tripulação havia deixado seu testamento antes de zarpar. Dois, em cada três viajantes, nunca mais retornariam a Portugal!

A viagem se dava em plena quaresma. Os missionários, além de celebrarem as missas, também fiscalizavam a conduta dos marinheiros, proibindo os jogos de azar e as leituras dos “romances de cavalaria”, próprios a estragar a alma de seus leitores. Havia o teatro, que era
permitido, sempre com fundo religioso e procurando inspirar a Fé a esses homens que se lançavam na epopéia dos descobrimentos.

Chega o domingo da Páscoa, 19 de abril de 1500. Após longos dias em alto mar, a esquadra já se encontrava próxima do Brasil. A alegria da Ressurreição de Nosso Senhor contagia os tripulantes. A melhor ração é separada, os melhores vinhos, os biscoitos mais bem conservados são servidos à vontade.

A missa solene é celebrada no convés da nau-capitânia, entre os mais ricos paramentos e os mais belos castiçais. O órgão de frei Maffeu, um dos oito frades da frota, modulou a música sacra, cuja melodia barroca ecoou nos corações e mentes dos soldados e da marinhagem, dos degredados e dos comandantes.

Dois dias depois, eles encontrariam os primeiros sinais da Ilha de Vera Cruz!

Terra! Terra! Terra!

Da nau capitânia, instruções claras eram transmitidas. Agia-se com a maior prudência, os capitães pilotos seguiam com presteza as ordens recebidas. Anoitecia. Tochas acesas. Tiros de bombarda saudavam o encontro de terra.

“Enfim [no dia seguinte] o sol raiava, num céu muito alto, de ares bons, suaves brisas. Foram cantadas as matinas. O erguer do sol foi iluminando um monte não avistado antes. Estavam prudentemente a 6 léguas da costa. Velas arriadas. O capitão olhava para aquele monte, dádiva celeste – parecia no céu surgir entre as lembranças recentes da alegria da Páscoa – e o místico líder da esquadra um só nome achou para batiza-lo: Monte Pascoal!” [xiv]

E a terra, a Terra de Vera Cruz!

Índios e Portugueses:

Muito pouco conhecida hoje é a sabedoria de Portugal na obra de evangelização do Brasil. Nessa linha, elucidativa é a carta de Pero Vaz de Caminha. Ele, que fora escolhido para ser o contador da feitoria de Calicute (onde morreu alguns meses após deixar o Brasil), legou-nos uma carta de grande valor literário e histórico, considerada como aCertidão de Batismo da Terra de Santa Cruz.

Com precisão minuciosa, a carta de Caminha evidencia a atitude cordial dos índios e dos portugueses. Apesar de ser uma carta onde transparece uma visão romântica da vida indígena – que posteriormente influenciou Rousseau em seu “Bom Selvagem” – a carta é a única fonte que nos resta relatando os primeiros contatos com os nativos.

Depois de alguns dias de trocas e amabilidades, em que índios subiam a bordo das
caravelas e os portugueses se misturavam com eles, cantando juntos e trocando presentes, cria-se um clima de amistoso convívio[xv]. No final, os índios estavam de tal forma acostumados com os portugueses, que Caminha afirma: “E estavam já mais mansos e seguros entre nós do que nós estávamos entre eles”.

Da mesma forma foi confeccionada a primeira Cruz, feita com a ajuda dos indígenas.

A carta ainda relata um acontecimento que marcava o início da obra evangelizadora: “… disse o Capitão que seria bom irmos direto à Cruz, que estava encostada a uma árvore junto com o rio… e nos puséssemos todos em joelhos e a beijássemos para eles [os índios] verem o acatamento que lhe tínhamos. E assim fizemos. A esses dez ou doze que aí estavam acenaram-lhes que fizessem assim, e foram todos beija-la”.

Esses índios, da tribo dos Tupiniquins, logo se tornaram aliados dos portugueses. Eram povos nômades que vagavam pelo território brasileiro e que foram se misturando com os brancos e formando o sentimento de nossa nacionalidade, onde se misturaram os brancos de Portugal, os índios que aqui habitavam e os negros que viriam da África.

A Primeira Missa em solo brasileiro

“A Primeira Missa”

No mesmo clima cordial se daria a oficialização do Descobrimento. Ao contrário da África, onde Portugal deixava seus padrões de pedra (sinal de sua posse), aqui ele deixou a Cruz
com as insígnias reais.[xvi]

Na sexta-feira, primeiro dia de maio e penúltimo da esquadra no Brasil, foi celebrada a primeira missa em terra firme (e a segunda desde a chegada de Pedro Álvares Cabral. Houve missa no dia 26 de abril, celebrada em uma ilha.)

Convocada toda a tripulação, fez-se um enorme cortejo de mais de 1000 homens. “Cantando em maneira de procissão”. Com os estandartes da Ordem de Cristo bem erguidos à sua frente, os homens seguiram até o local “onde nos parecera melhor fincar a Cruz, para ser melhor vista”. Vários índios logo se juntaram à procissão e ajudaram a carregar a Cruz diante da qual se renovaria o Santo Sacrifício do Calvário. ato que ficou para sempre imortalizado na história como “A Primeira Missa”.

“implantando a primeira cruz, erguendo o primeiro altar, rezando a primeira Missa, e congregando, no ato sagrado, portugueses e índios, Frei Henrique de Coimbra lançava as bases do Brasil cristão”

Durante a celebração, os indígenas acompanharam os portugueses em todos os seus gestos. Ajoelharam-se na consagração, levantaram-se noEvangelho, sentaram-se no sermão, etc.

Um dos índios, narra Caminha, homem de cinqüenta anos aproximadamente, chamava os demais índios e, andando entre eles, “acenava com o dedo para o altar e depois apontou para o Céu, como se lhes dissesse alguma coisa de bem; e nós assim o tomamos”.

Após a celebração, Frei Henrique distribuiu várias cruzes de estanho aos indígenas: “pelo que o Padre Frei Henrique se assentou ao pé da Cruz e ali, a um por um, lançava a sua [cruz] atada em um fio ao pescoço, fazendo-lha primeiro beijar e alevantar as mãos.”

Os índios recebiam esses objetos como presentes preciosos. Mal sabiam eles o alto valor daquele objeto. Mais do que sinal de amizade, eles recebiam o símbolo do Cristão.

Sobre a “Primeira Missa”, comentou o Prof. Plínio Corrêa de Oliveira: “implantando a primeira cruz, erguendo o primeiro altar, rezando a primeira Missa, e congregando, no ato sagrado, portugueses e índios, Frei Henrique de Coimbra lançava as bases do Brasil cristão”.

A partida para as Índias

No sábado pela manhã se iniciaram os preparativos para a saída em direção à Calicute. Pedro Álvares Cabral designou que a nau dos mantimentos seguisse para Portugal relatando o “achamento” da Terra de Vera Cruz. Os mantimentos foram, então, distribuídos entre as demais embarcações.

Essa nau, comandada por Gaspar de Lemos, levava as cartas que Cabral, todos os capitães, vários escrivães, os principais religiosos e os fidalgos mais nobres, além das cartas de vários marinheiros, enviaram para Portugal, entre elas a carta de Pero Vaz de Caminha e a do Mestre João, as únicas que chegaram até nós.[xvii]

Além das cartas, a nau levava amostras recolhidas na nova terra. Eram arcos, flechas, cocares, pedras de pouco valor… e duas araras que tanto espanto causaram na corte. Surpresa maior provocaria o tupiniquim que desejou seguir no navio de Gaspar de Lemos. Segundo o jesuíta Simão de Vasconcelos, o nativo “foi recebido com alegria do rei e do reino”.[xviii]

Além desse nativo, outros dois pediram para seguir viagem à Índia, como pajens de Aires Corrêa e Simão de Miranda. Como os patrões, eles não passariam do Cabo da Boa Esperança.

Logo após a saída de Gaspar de Lemos, a esquadra de Cabral partiu para sudoeste, rumo à Calicute, onde os portugueses pretendiam comprar as caras especiarias tão apreciadas na Europa, como a pimenta, a canela e o gengibre.

Dois degredados são deixados em solo brasileiro para aprenderem a língua e o costume daquele povo ainda desconhecido. Ao mesmo tempo, cinco outros marinheiros desertam, preferindo ficar na formosa terra descoberta a enfrentar as incertezas do mar.[xix]

Quanto a esses cinco desertores, a história não registra o seu destino. Os degredados foram resgatados, vinte meses depois, por uma nova expedição enviada de Portugal após o regresso de Gaspar de Lemos com a notícia do descobrimento. O comandante dessa nova expedição era o rico e culto florentino, Américo Vespúcio.

A tempestade e as orações

Aproximadamente 20 dias após zarpar de Porto Seguro, quando a frota se achava nas proximidades do Cabo da Boa Esperança, desencadeou-se uma terrível tempestade. Segundo Fernão Lopes, “As águas se levantavam tão altas que parecia que as punha [as naus] nas nuvens e depois no abismo, com os vales que abriam”.[xx]

E completa o cronista João de Barros: “… no geral da gente não havia mais que o nome de Jesus e de sua Mãe, pedindo perdão de seus pecados, que é a última palavra daqueles que têm a morte presente”.[xxi]

Nessa tormenta naufragaram as naus de Aires Gomes, Simão de Pina e Luís Pires, além da caravela de Bartolomeu Dias, o descobridor desse “Cabo das Tormentas”! Ao todo, 380 homens se perderam no mar.

A nau de Diogo Dias desgarrou-se e foi parar em Mogadíscio, na Somália.

Em Calicute

Com a esquadra reduzida a seis navios, Pedro Álvares Cabral chega a Calicute. Era o dia 13 de setembro de 1500.

Após sucessivas tratativas, onde a troca de ricos presentes era um sinal de paz, o Samorim Glafer, Senhor de Calicute, autorizou que os Portugueses estabelecessem uma feitoria na cidade, com livre trânsito e permissão para o comércio, como se fossem da terra. Autorizou ainda a pregação dos Frades em sua cidade, pelo que estes desembarcaram, juntamente com o feitor designado, Ayres Corrêa.

O acordo foi gravado em folhas de prata com um selo de ouro.

A traição dos mouros

Os árabes, insatisfeitos com a perda do monopólio sobre o comércio das especiarias e com a liberdade que os missionários receberam para pregar o Evangelho, procuraram semear inimizadas entre o Samorim e os seus novos aliados.

No dia 16 de dezembro de 1500, a feitoria portuguesa foi atacada por centenas ou milhares de árabes. Mais de 50 portugueses faleceram, entre eles Ayres Corrêa e Pero Vaz de Caminha.

Durante dois dias esperou Pedro Álvares Cabral as desculpas do Samorim. Vendo que este não se manifestava e percebendo a traição que sofrera, decidiu bombardear a cidade de Calicute. O Samorim havia rompido a sua palavra.

Após o bombardeio, que durou mais de 40 horas, o Samorim fugiu.

A fama de valor dos portugueses – e a notícia da terrível vingança que o fidalgo Cabral tirara ao rajá de Calicute – correram céleres por toda a região. Os principais senhores da costa de Malabar, querendo selar a amizade com tão poderoso visitante, enviaram mensagens ao Capitão para que fosse aos seus portos completar a carga que lhe faltasse.

Na véspera do natal, a frota portuguesa chega a Cochim, onde o Rajá era conhecido como um homem cordato e desejoso de aliança com os portugueses.

Foi assinado um tratado entre o Rei de Cochim e D. Manuel, pelo qual ficou estabelecida a primeira feitoria portuguesa nas costas do Malabar. Enviou o Rajá um embaixador a Lisboa, para levar à Rainha de Portugal um rico presente de sedas e um magnífico colar de pérolas.

Estava estabelecida a rota para as Índias, quebrado o monopólio árabe do comércio das especiarias e iniciada a evangelização daqueles povos.

A volta de uma epopéia

Em 16 de janeiro de 1501, deixa Cabral a cidade de Cochim rumo à Lisboa. Todavia, mais um incidente atrapalharia a viagem. Logo no início da volta, depois da frota ter cruzado o oceano Índico, a nau abarrotada de especiarias de Sancho de Tovar encalhou num banco de areia em frente à cidade de Melinde (hoje Quênia).

O capitão manda resgatar os homens e incendiar o navio, procurando preservar o segredo das embarcações portuguesas.

Em 22 de maio de 1501, a frota consegue dobrar o Cabo da Boa Esperança, desta vez sem problemas.

No dia 2 de junho, na cidade hoje conhecida como Dakar, encontraram o navio de Diogo Dias, que se desgarrara da frota havia mais de um ano. Nessa embarcação, todavia, restavam apenas sete homens doentes. Segundo Eduardo Bueno, um dos homens, ao rever a frota de Cabral, morreu de emoção.[xxii]

Poucos dias depois, já no porto de Bezeguiche, localizado à foz do Senegal, Cabral encontra a expedição de Américo Vespúcio, que acabara de deixar o Brasil.

Cabral chega a Lisboa

Em 23 de junho de 1501, chegou o primeiro navio da frota de Cabral a Lisboa. Era a caravela Anunciada. Seus marujos se referiam ao Brasil como a “terra dos papagaios”. Nome como foi primeiramente conhecido o Brasil na península itálica.

O Capitão da Armada, Pedro Álvares Cabral, só chegaria um mês depois, em 21 de julho. O Rei o recebeu em Santarém, em seu palácio de verão.

Sabendo que o nome de Vera Cruz só se podia aplicar à relíquia da Cruz de Cristo, D. Manuel altera o nome do novo continente para “Terra de Santa Cruz”. Entretanto, esse nome não duraria muito.

Santa Cruz ou Brasil?

Em virtude da grande quantidade de Pau-Brasil encontrado em nosso litoral, o país passou a ser conhecido como Brasil.[xxiii]

Essa mudança causou grandes protestos. Assim se expressa João de Barros: “(…) Porém, como o demônio pelo sinal da Cruz perdeu o domínio que tinha sobre nós, mediante a paixão de Cristo Jesus consumada nela: tanto que daquela terra começou de vir o pau vermelho chamado brazil, trabalhou que este nome ficasse na boca do povo, e que se perdesse o de Santa Cruz: como que importava mais o nome de um pau que tinge panos; que daquele pau que deu tintura a todos os sacramentos pelos quais somos salvos, pelo sangue de Cristo Jesus que nele foi derramado”.[xxiv]

A Missão Providencial do Brasil

Portugal soube realizar com evidente êxito e indomável valentia a primeira parte da história de nosso país. Depois de quatrocentos anos de luta e de trabalho, aqui floresceu este Brasil que é para a civilização ocidental um motivo de esperança, e para a Santa Igreja de Deus uma causa de júbilo.

Não foi sem razão que a Providência Divina fez nascer um país de dimensões continentais, de possibilidades fabulosas, de riquezas inesgotavelmente fecundas. Um país banhado pelo Cruzeiro do Sul, catequizado pelo zelo de um Anchieta e batizado com o nome de Vera Cruz.

Não há quem, viajando por nosso Brasil, não experimente essa confusa impressão de que Deus destinou essa nação para o teatro de grandes feitos.

Com impressionante clarividência, assim se profetizou o Apóstolo do Brasil sobre o papel que cabe ao nosso país no contexto das nações sul-americanas: “A terra em que sopra o Sul, conhecerá o Teu Nome e ao mundo austral advirão os séculos de ouro, quando a gentes brasílicas absorverem Tua doutrina”. [xxv]

Será grande a nossa história se soubermos ser fiéis aos desígnios de Deus e ao seu chamado.

Que Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, interceda para que a Terra de Santa Cruz possa ser um luzeiro sobre o mundo, irradiando o Lúmen Christi, e realizando a missão que lhe está reservada pela Providência Divina.

 

Documentos

Apesar de existirem muitas narrativas e cartas da época relatando o descobrimento, poucos são os documentos que restaram da expedição de Pedro Álvares Cabral. A grande maioria deles se perdeu no grande incêndio que se alastrou por Lisboa em 1580 ou no terremoto ocorrido em 1755.

O historiador português, Jaime Cortesão, defende a tese de um possível sigilo que envolveria essas expedições, o que teria contribuído para a falta de registros históricos mais precisos.

Da expedição em si, apenas restaram três documentos: a carta de Pero Vaz de Caminha (descoberta em 1773), a carta do Mestre João(descoberta em 1843) e a Relação do Piloto Anônimo (que seria um relato escrito pelo serviço secreto das repúblicas italianas e publicado, na Itália, em 1550).

 

Naus e Caravelas

A capacidade dos navios do Séc. XVI era medida pelo número de tonéis que eles levavam a bordo. O tonel era um barril de 1,2 m. de comprimento por 80 cm de diâmetro. 10 tonéis perfaziam uma tonelada.

Caravela Redonda – De origem moura e aperfeiçoada pelos portugueses, empregava velas triangulares (latinas) e era própria para navegar em qualquer vento. Isto a tornou muito eficiente para as explorações marítimas. Elas atingiam o porte de 150 a 200 tonéis. (ver p. 48 de Castello Branco para a foto)

Naus – Do latim nave, constituíam-se em uma evolução das Caravelas, chegando a ter 600 toneladas no auge da “carreira das índias”, quando foram substituídas pelos Galeões. Alguns desses Galeões tinham 1.200 t. e 40 bocas-de-fogo.

Descoberta, casual ou intencional

Até a metade do século XIX, tinha-se como certo que o Brasil fora descoberto ao acaso. Todas as crônicas da época assim relatavam.

No reinado de D. Pedro II, sob a orientação desse monarca, várias pesquisas foram realizadas com o intuito de melhor conhecer a história do Brasil. Nessas pesquisas muitos documentos novos surgiram e foram divulgados, entre eles cabe destaque a Carta do Mestre João, físico, médico e astrônomo na esquadra de Pedro Álvares Cabral.

Essa carta narra como a esquadra, conduzida por Cabral, rumou deliberadamente para o ocidente. Mestre João era a pessoa encarregada de dar a posição da armada, segundo o astrolábio, o qual ele manejava perfeitamente. Durante toda a viagem ele tentara medir o grau de latitude, mas o “balanço do navio” sempre provocava um erro de 4 a 5 graus. Foi apenas quando ele desceu em terra firme (já no Brasil), que ele pode verificar a posição exata onde se encontravam.

Segundo os cálculos que havia feito sob o “balanço” das ondas, a esquadra já deveria estar perto de Brasília. Portanto, quase 1000 quilômetros mais a oeste, sem que o capitão tenha ordenado mudar o rumo.

Em outro trecho de sua carta, dirigida a D. Manuel, há uma passagem misteriosa: “Mande Vossa Alteza trazer o mapa-mundi que tem Pero Vaz bisagudo e poderá ver Vossa Alteza o sítio onde se localiza essa terra”, aludindo a um possível mapa anterior, já com a localização do Brasil.

Também causa estranheza o fato de Cabral não ter abastecido as naus com água na ilha de Cabo Verde, conforme lhe recomendara Vasco da Gama.

Ao que tudo indica, o nosso capitão estava decidido a encontrar terra antes de rumar para a África!

Viagens anteriores ao Brasil

Há muita controvérsia sobre viagens anteriores à de Cabral, onde europeus teriam chegado ao Brasil.

É hoje certo que o espanhol Vicente Pizón esteve no Brasil em 26 de janeiro de 1500, em um local chamado “Ponta de Mucuripe”, cerca de dez quilômetros ao sul da atual cidade de Fortaleza, capital do Ceará.

Antes dele, é provável que o português Duarte Pacheco tenha chegado ao Brasil – ou perto dele – em 1498. Duarte Pacheco era um dos maiores navegadores e cosmógrafos de seu tempo. Foi ele que no Tratado de Tordesilhas, em 1494, defendeu a posição de Portugal e garantiu as terras do Brasil. Também parece certo que esteve na viagem de Cabral e era o homem de total confiança de D. Manuel. O historiador Jaime Cortesão transcreve trechos do livro Esmeraldo, de Duarte Pacheco, onde este navegador diz ter, em 1498, “descoberto a parte ocidental, passando além da grandeza do mar oceano. Ali é achada e navegada uma imensa terra firme com muitas e grandes ilhas adjacente a ele…”. (Jaime Cortesão, op. cit, p. 132).

Outros documentos, mais duvidosos, sugerem que Portugal já conhecia a América desde 1470. Esses documentos, entretanto, são contestados por outros historiadores, entre eles destaca-se Marcondes de Souza, o maior defensor da casualidade dos descobrimentos.[xxvi]

Em todo o caso, sempre será um mistério o fato de Portugal ter insistido em contornar a África para chegar às Índias durante mais de 60 anos, ao invés de tentar uma só vez a rota sugerida por Cristóvão Colombo.

E Portugal estava certo! Não era possível chegar às Índias pelo Ocidente!

 

Notas:

[i] Eduardo Bueno, A Viagem do Descobrimento, Coleção Terras Brasilis, ed. Objetiva, p. 11, Rio de Janeiro, 1998.

[ii] Jaime Cortesão, A Expedição de Pedro Álvares Cabral e o Descobrimento do Brasil”, p. 21

[iii] Nesse sentido se pronunciaram, entre outros, Eduardo Bueno, Carl Erdmann, Elaine Sanceau, etc.

[iv] Eduardo Bueno, Op. Cit., p. 51

[v] João de Barros, Décadas da Índia, Década I. Livro V, Cap. 1

[vi] O alto custo da expedição era financiando, em parte, pelo capital privado, sobretudo pelos ricos comerciantes de Gênova e Florença.

[vii] Carlos Heitor Castello Branco, Gloriosa e trágica viagem de Cabral, Ed. do Escritor, São Paulo, 1972,

[viii] Apud. Jaime Cortesão, Carlos H. C. Branco e Eduardo Bueno.

[ix] Segundo tradição portuguesa, Nosso Senhor apareceu a D. Afonso Henriques prometendo-lhe a vitória e confiando, ao futuro país que estava nascendo, a missão de espalhar a Fé pelo mundo.

[x] Elaine Sanceau, Afonso de Albuquerque, o sonho da Índia, Civilização, p. 5, Porto, 1982.

[xi] Armando A. dos Santos, A Propósito de um Quinto Centenário, Notícia Bibliográfica e Histórica, PUC, Campinas, Ano XXX, No. 170, p. 231.

[xii] Damião de Góes, Ghronica d’El Rei D. Manuel, Parte I, Cap. LIV, Apud. Catolicismo No. 219, Março/69.

[xiii] Jaime Cortesão, Op. Cit., p. 155

[xiv] Carlos H. C. Branco, Op. Cit., p. 75.

[xv] Nem todos os índios que habitavam o Brasil eram pacíficos. Muitos eram canibais e a grande maioria vivia em guerras tribais.

[xvi] No caso do Brasil, não havia necessidade de se deixar um padrão como sinal de posse, visto que o país já era de domínio Português desde o Tratado de Tordesilhas, assinado alguns anos antes.

[xvii] A Relação do Piloto Anônimo foi feita posteriormente, contendo o relato da viagem até Lisboa, passando por Calicute.

[xviii] Apud. Eduardo Bueno, Op. Cit. p. 110

 

[xix] Pero Vaz de Caminha fala em dois desertores, mas os historiadores citam o relato de Alberto Cantino, que interrogou marinheiros nas tabernas portuárias de Lisboa após o regresso da esquadra.

[xx] Fernão Lopes, História do Descobrimento da Índia, apud. Eduardo Bueno, Op. Cit., p. 117.

[xxi] Décadas da Índia, Década I, Livro V, Cap. 2; Apud. Catolicismo No. 219

[xxii] Eduardo Bueno, Op. Cit., p. 120.

[xxiii] Ou devido ao pau-brasil ou à lendária “ilha brazil” (ilha que fazia parte dos mapas medievais e que nunca foi encontrada), o nosso país passou a ser conhecido como Brasil.

[xxiv] Apud. Carlos H. C. Branco, Op. Cit., p. 85

[xxv] De Gestis Mendi de Saa, Beato José de Anchieta. Apud. Catolicismo, No. 318.

[xxvi] Marcondes de Souza – Algumas Achegas à História dos Descobrimentos Marítimos, Liv. Herder, S. Paulo, 1958.

4 COMENTÁRIOS

  1. É possível que haja religiosos fracos, e pecadores, mas nos atos dos apóstolos, Pedro já chamava os cristãos de povo Santo ou ainda os santos de Deus. Então é possível que mesmo pecadores pq trazem a mancha do pecado desde o ventre de sua mãe, traga com mais fortilidade uma marca de santidade que é a que buscamos fazendo o bem ao próximo. As histórias são muitas vezes controversas quando querem atacar algo ou alguém, hoje estudamos que os índios foram escravizados e que a igreja católica cristã compactuou com esse feito. Mas dá pra compreender pq tanta maldade é anunciada, diante dos textos, sabemos inventar várias histórias.

  2. Leia o livro: a história secreta do Brasil de gustavo barroso,ele foi expulso da academia
    brasileira de letras.Nesse livro,ele diz que Portugal foi manipulado por judeus (cristãos novos) mas de fato os portugueses queriam sim evangelizar Brasil.Mas tinha muito português
    judaizante.Ele não fala mau de Portugal e nem da igreja,mas explica como os judeus fizeram
    para derrubar a monarquia,o papado e a igreja implantando a republica.É muito interessante
    o livro.Gustavo não era católico,aliás ele abrangia todas religiões,era integralista.Foi
    chamado de anti-semita,mas ele não era.Até mesmo sites de judeus contam essa história,mas
    eles distorcem os fatos.Acreditei mais em gustavo barroso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.