Da Justificação

0

O Problema teológico dos protestantes e a negação da Redenção.

No dia 31 de outubro de 1999, em Augsbourg (onde Lutero proclamou a sua revolta), foi assinado uma “declaração comum entre católicos e luteranos“. Essa declaração, que não faz parte do magistério eclesiástico, gerou várias indagações entre os católicos.

Para esclarecer um pouco o problema teológico, a Frente Universitária Lepanto disponibiliza, a seus leitores, a doutrina católica comparada com a doutrina protestante, onde fica clara a distinção entre uma e outra.

Para um católico, o Batismo redime o homem, tornando-o Filho de Deus, capaz de alcançar méritos, santificar-se, etc.

Segundo um documento entregue à SS. o Papa, por vários teólogos, antes dessa “declaração”: “A justificação é a aplicação dos efeitos da Redenção a um cristão particular, que se tornou possível pela mediação da Igreja quando da aceitação da Fé através do batismo. No momento de ser batizado, o fiel é interiormente renovado, ao ponto que São Paulo dele fala como de um “homem novo”; o pecado original e os pecados pessoais são apagados e ele se torna daí por diante um “filho de Deus”, habitada pela graça santificante, assim como um membro inteiramente da Igreja. Mesmo se uma certa tendência desordenada ao pecado – chamada concupiscência – permanece nele, o homem justificado é essencialmente redimido e não é mais um escravo do pecado como antes. Todo batizado está plenamente justificado e, do ponto de vista ontológico, ele não é mais um pecador. A concepção católica da dignidade do cristão está fundada sobre esta convicção dogmática que, ela só, pode fazer encarar o homem como verdadeiramente livre – de uma liberdade que prepara já sua justificação – e como verdadeiramente responsável de suas obras, as quais pela ação da graça, se tornam meritórias em vista de sua salvação eterna.

Bem, esse não é o ponto de vista Luterano, na qual o homem permanece sempre pecador, sendo “incompleta” a Redenção de Nosso Senhor Jesus Cristo. Para eles, o batismo não tem nada que ver com batismo católico. Pelo batismo católico o homem deixa de ser pecador – a criança deixa de ter o pecado original e o adulto deixa o original e os atuais que cometeu – e passa a ser justo. Esse é o ponto fundamental de diferença entre as duas concepções teológicas.

O pensamento luterano pretende que o homem não pode aceitar livremente sua justificação que é obra apenas da graça, porque o homem é essencialmente um pecador, tanto antes quanto depois de sua justificação.

Os luteranos pretendem que a concupiscência não é unicamente uma tendência desordenada para o pecado, mas que ela é em si mesma culpável.

Então, santo Afonso que tinha tentações aos 80 anos, não poderia ser santo. É uma doutrina fatalista que joga o homem no pecado. Lutero dizia que devia jogar os pecados no vaso sanitário e cobrir com a tampa… O jansenismo era isso também.

Segundo a visão luterana, o homem comete pecados mesmo quando ele faz boas obras e ele é incapaz de fazer algum bem, mesmo a preparação e aceitação do processo de sua própria justificação.

E como o homem permanece sempre mau, mesmo depois do batismo, tudo depende só da graça. Em conseqüência, afirmam os luteranos, o cristão é “simul justus et peccator” – ao mesmo tempo justo e pecador. Suas obras não são por elas mesmas uma verdadeira cooperação com a graça e não podem trazer-lhe nenhum mérito. Pior, segundo essa doutrina, o homem fica “passivo” sob a ação só da graça.

Sua dignidade como colaborador livre de Deus – que é também um dom da graça, segundo a doutrina católica – não lhe é reconhecida e suas obras ficam sem nenhum efeito intrínseco sobre sua salvação.

Sobre isso, cabe lembrar a frase de S. Paulo: “Agora eu me regozijo nos meus sofrimentos por vós, e completo, na minha carne, o que falta das tribulações de Cristo” (Colossenses 1, 24).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.