Votos de um Santo Natal

0

Natal de Nosso Senhor Jesus CristoPrezados leitores,
Salve Maria!

A Frente Universitária e Estudantil Lepanto deseja a todos um Santo Natal e um ano novo cumulado de bênçãos.

Que o Menino Deus, com sua Mãe Santíssima e São José, conceda a todos a compenetração do verdadeiro espírito de Natal. Não é o natal comercial e hedonista do mundo moderno, mas o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo que veio ao mundo para nos salvar.

Achamos oportuna a mensagem de Natal do ilustre pensador católico, Plinio Corrêa de Oliveira, no jornal Catolicismo de Dezembro de 1978. Com certeza será de grande proveito para nossos leitores.

Em Jesus e Maria,
Equipe Lepanto

* * *

O Príncipe da Paz

Plinio Corrêa de Oliveira

O Mundo Católico, e com ele, todos os povos da terra voltam-se no dia 25 de dezembro para a manjedoura de Belém, a fim de adorar, cheio de fé, o Menino que aí repousa, ou admirar um acontecimento cuja explicação em vão se procura nas leis que regem os acontecimentos humanos.

Na época em que vivemos, de ruínas materiais e catástrofes morais, o Natal surge como um ponto luminoso de esperança entre as nações que correm, tateando, inseguras, em busca de uma ordem que lhes assegure um bem-estar ainda não encontrado.

Mas, infelizmente para a maioria dos povos, o Natal não passa de um desses símbolos que exaltam as energias momentaneamente, sem lhes incutir vigor novo e duradouro!

Querem a paz, a concórdia, a felicidade, mas desejam que tudo isso lhes caia do céu, ou brote da terra, sem a menor colaboração própria. O Menino Deus há de necessariamente dar-lhes todo o bem, não tanto pela reimplantação de uma civilização baseada nos princípios que Ele veio trazer à terra, como por um encantamento que uniria inexplicavelmente todos os corações.

Esse Menino que adoramos reverentes e causa a admiração misteriosa aos que não O conhecem senão de nome, é, sim, o “Príncipe da Paz” (Is. 9, 6), que trouxe à terra, na suavidade de Sua pessoa, todo o bem, todo o amor capaz de tornar felizes o universo inteiro e mil mundos, caso existissem!

Mas essa Paz se condiciona a uma só coisa: os homens e as nações devem se submeter a Sua Lei, a Seu Evangelho.

Eis a Paz que o Senhor Menino veio trazer à terra. Paz para cuja implantação devem colaborar todos — nações e indivíduos — com sua docilidade à Lei Divina. Só estes — os homens de real boa vontade — gozarão da Paz que o Natal trouxe aos homens na terra. Fora disso, toda admiração pelo Menino Deus não passa de uma impiedade mais ou menos consciente, mais ou menos inconsciente. E para os ímpios não há paz.

*   *   *

Oxalá as desgraças que os anos acumulam sobre povos e nações os convertam para o Deus único e verdadeiro e a unidade da Fé torne perene realidade as alegrias do Santo Natal.

Assista o áudio-visual sobre a sacralidade do Natal!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.