PT – Nem só roubalheira

0

PTRato magro. Lá atrás, Roberto Jefferson chegou duro: “rato magro, essa gente que assaltou o Brasil”. Completou: “PC Farias é aprendiz de feiticeiro ante essa gente que assaltou o Brasil”. Não falava só de dirigentes e militantes do PT. Mas o foco era a cumpanherada. Nunca antes na história destepaiz tantos ratos esfomeados devoraram impunemente tanto do tesouro público. A preocupação dominante da maior parte dos que agora têm horror do governo Dilma (são contra tudo o que está aí) é a roubalheira promovida Brasil afora pela petralhada, ratos esfomeados que faz anos assaltam os cofres da Petrobrás e de outras estatais. O mesmo horror engloba o aparelhamento do Estado e os políticos que lotam de afilhados a administração pública. Terrível; mas a tragédia maior está longe daqui.

Projeto de poder. Tem coisa pior. A grana rapinada nas estatais não é apenas devorada por ratos magros. O PT com ela financia campanhas eleitorais e compra apoios; outro modo, usa a dinheirama para conservar o poder e, por etapas, chegar à hegemonia política. Generalizou até um tipo novo de propina: a propina legalizada, aprovada pelo TSE. Um dos meios: a empresa é autorizada a superfaturar e promete uma porcentagem do lucro ilícito. Doa legalmente ao partido a quantia combinada. E o TSE aprova as contas. De fato, a maior parte da gaita roubada tem essa mira: a perpetuação da cumpanherada no poder. Age como saúva: saqueia tudo que encontra para o bem do formigueiro. Para se perpetuar no poleiro, com a dinheirão furtado e distribuindo fatias de poder, o PT utiliza largamente os companheiros de viagem e os inocentes úteis. Sem eles, nada seria possível. Também é terrível, mas a tragédia maior está ainda longe daqui.

A finalidade do projeto de poder. É o ponto menos falado, o mais decisivo porém. A conquista do Estado é meio, nunca fim. O fim é impor um tipo humano novo, igualitário, ateu, libertário, vivendo em comunidades coletivistas. Esse objetivo revolucionário, desde sempre e sem rebuços proclamado em ocasiões apropriadas como meta por correntes abrigadas nas mais variadas organizações, é o que anima o setor mais dinâmico e viperino do PT. Mesmo entre seus filiados é mira a ser explicada com cuidado, pois a maior parte deles não são revolucionários profissionais; é constituída de aproveitadores, inocentes úteis e companheiros de viagem. Ou seja, o partido reproduz internamente as situações das correntes que, de fora, favorecem o projeto petista. A minoria mais intelectualizada, ativa e virulenta (em última análise, a que dita o rumo), com olho na possibilidade de momento, vai dosando a implantação do ideário. Quem são eles? Comunistas, em geral gradualistas, marxistas ou não, pouco importa, tomados de forma fanática pelo valor supremo da igualdade e agindo com enorme prudência. Querem para agora o que seus congêneres perseguem no mundo inteiro e em parte implantaram, ainda que precariamente: um Estado totalitário e coletivista, que trabalhe intensamente para acelerar a chegada do comunismo. Lênin, Stalin, Mao, Fidel, Che Guevara, ícones de petistas, aqui alguns dos exemplos. São como a sucuri; sufocam a sociedade, atrofiam-na.

De alto a baixo da sociedade brasileira já existe o pavor do aperto da cobra. A reação vai ser vitoriosa? Ou, infelizmente, vai se esvair como por ocasião do CANSEI? Ou como em 2013? É hora do olhar mais fundo.

Fonte: Instituto Plinio Corrêa de Oliveira

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.