China beira a inadimplência e pode desencadear terremoto econômico planetário

1
Projetos-concebidos-sem-relacao-com-a-realidade
Projetos sem relação com a realidade presagiam terremoto financeiro

O editor de economia da BBC, Robert Peston, investigou como a desaceleração econômica da China pode levar a uma ‘terceira onda’ da crise econômica que abalou o mundo em 2008, noticiou G1.

A cidade chinesa de Wuhan é um exemplo: cresceu mais do que qualquer outra cidade do país nas últimas três décadas.

Mas hoje é o símbolo que o “milagre” econômico chinês beira o fim com sério risco para os mercados mundiais.

O prefeito de Wuhan, Tang Liangzhi, gasta quase R$ 800 bilhões na tentativa de transformar a cidade – 10 milhões de habitantes – querendo construir uma megametrópole que dispute com Xangai o segundo lugar entre as cidades chinesas.

Em Wuhan se constroem centenas de edifícios residenciais, anéis viários, pontes, ferrovias, um sistema de metrô e um aeroporto internacional, entre outras coisas mastodônticas.

Terminal-ferroviario-de-Wuhan-as-moscas
Terminal ferroviário de Wuhan às moscas

Nos últimos anos, a China construiu um novo arranha-céu a cada cinco dias, mais de 30 aeroportos, sistemas de metrô em 25 cidades, as três pontes mais extensas do mundo e mais de 9,6 mil quilômetros de rodovias de alta velocidade, além de empreendimentos imobiliários comerciais e residenciais em larga escala.

Porém esse crescimento aparece como fruto de uma economia desequilibrada, cujas fontes de crescimento não são sustentáveis.

Na crise iniciada em 2007 e 2008, o comércio mundial teve um encolhimento catastrófico para a China, muito dependente das exportações ao Ocidente.

Hordas de migrantes chineses pobres foram forçados a voltar para suas aldeias. Para evitar motins populares o governo chinês liberou o equivalente a R$ 1,5 trilhão em despesas estatais e ordenou aos bancos emprestarem dinheiro sem pensar no amanhã.

Os fabulosos investimentos podres, como cidades fantasmas, estradas sem carros e iluminação pública de ruas que não existem, além dos ilimitados empréstimos irrecuperáveis tinham que dar numa catástrofe.

Segundo a analista Charlene Chu, da agência Fitch, ninguém sabe a dimensão do endividamento do setor bancário. Em 2008 seria de US$ 10 trilhões, mas hoje anda pelos US$ 24 e 25 trilhões.

Zhenhzhou-cidade-fantasma
Zhenhzhou, cidade fantasma

Esse aumento é equivalente ao total do setor bancário comercial americano, que levou mais de um século para ser constituído, acrescentou Chu.

Não há exceções na história das finanças: empréstimos nessa escala significam futura inadimplência maciça. Quando isso acontecer, ninguém conseguirá imaginar a dimensão do terremoto que tudo derruba.

O milagre econômico chinês poderá então ter um desfecho planetário: uma crise que chacoalharia não apenas a China, mas o mundo inteiro.

O modelo chinês deu aos ocidentais produtos baratos e, para países exportadores (como o Brasil), a venda de commodities.

Como na lenda indiana da mão de macaco, ele trouxe sorte para o mundo, mas no fim se verifica que o fez do modo monstruoso.

Fonte : Instituto Plinio Corrêa de Oliveira

1 COMENTÁRIO

  1. A superprodução e desenvolvimento da China é um paradoxo, pois mesmo tendo predios gigantescos, o chinês é quem mais sofre…Eles são escravizados a produzir… rsrsr

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.