Os precursores da escola austríaca de economia

0
Resultado de imagem para von mise
Ludwig Von Mises

Muitos ao estudarem o livre mercado e temas correlatos, automaticamente lembram-se de nomes como Adam Smith, Carl Menger, Hayek, Ludwing Von Mises e outros da escola austríaca.

Dado o fato de conhecerem apenas esses nomes citados como “fundadores” da economia de livre mercado, deduzem que foram os liberais que criaram as ideias de livre mercado, e por conseguinte, pensam que a visão política conservadora não defende o livre-mercado.

Do ponto de vista da escola Austríaca, a ciência econômica é concebida como uma teoria da ação mais do que da decisão, uma concepção subjetivista (ideia de que não existem custos objetivos), a livre concorrência, propriedade privada, trocas voluntarias etc… E da visão da escola Austríaca o que é verdadeiramente importante e essencial, não é quem exerce concretamente a função empresarial, mas sim que não existam restrições institucionais ou legais ao livre exercício da mesma.

A escola austríaca surgiu em 1871, com a publicação do livro de Carl Menger intitulado Princípios de Economia Política, porém o principal mérito do autor constitui em ter sabido recolher e impulsionar uma tradição do pensamento de origem católica.

Assim a forma como, para  Catão (234 – 149 a.C.) que afirmava que: “Nunca houve no mundo um homem com inteligência suficiente para tudo prever, e porque mesmo se pudéssemos concentrar todos os cérebros na cabeça de um mesmo homem, lhe seria impossível considerar tudo ao mesmo tempo sem ter acumulado a experiência que deriva da prática ao longo de um largo período da história”

Esse é aliás um dos pontos base da argumentação de Mises sobre a impossibilidade teórica da planificação socialista.

Pedro Juan de Olivi, (professor de teologia no convento Franciscano de Santa Cruz, Florença) São Bernardino de Sena e Santo Antônio de Florença, entre outros, teorizaram sobre o papel protagonista, que a capacidade empresarial e criativa do ser humano tem como impulsionadora da economia de mercado e da civilização. E toda essa linha de pensamento foi recolhido e aperfeiçoado por teóricos constituídos pelos escolásticos do século de Ouro Espanhol, e esses sim são os principais precursores da escola austríaca de economia e da teoria do livre-mercado. Um ponto que vale ressaltar é que, durante a história, o conceito de livre mercado que foi concebido por nossos escolásticos espanhóis, era o da livre concorrência em harmônia com a moral, e isso foi muito deturpado pelos liberais, que colocaram mais interesse no material, sem se importarem com a moral.

Resultado de imagem para escola de salamanca
Universidade de Salamanca

Os princípios da teoria econômica e do “liberalismo” econômico não foram concebidos pelos calvinistas, ou pelos protestantes escoceses, pelo contrário: isso foi resultado do esforço empreendido pelos dominicanos – da ordem de São Domingos – e pelos Jesuítas, membros da Escola de Salamanca. As raízes da concepção dinâmica e subjetivista da economia foram de origem católica.

Os escolásticos espanhóis do nosso Século de Ouro foram capazes de articular o que depois viriam a ser os princípios mais importantes da escola austríaca de Economia, que são os seguintes:

Teoria subjetiva do valor foi concebido primeiro pelo Diego de Covarrubias y Leyva (Jurista espanhol, prelado católico e Arcebispo de Cuenca, Segóvia, cidade Rodrigo e arcebispo de Santo Domingo)

2° A descoberta entre a relação de custos e preços, que foi tratado pelo Luis Saravia de La Calle (teólogo e economista espanhol)

3° Sobre a natureza dinâmica do mercado e da impossibilidade de alcançar o modelo de equilíbrio, foi abordado por Juan de Lugo (Fazia parte da ordem dos Jesuítas e foi nomeado cardeal) e por Juan de Salas (Frade Franciscano espanhol)

Castillo de Bovadilla (Jurista espanhol) e Luis de Molina (Jesuíta, teólogo e jurista espanhol) falaram sobre o conceito dinâmico de concorrência, que era um processo de rivalidades entre os vendedores.

5° O princípio da preferência temporal, segundo o qual, os bens presentes são sempre mais valorizados do que os bens futuros, essa doutrina foi redescoberta por Martin de Azpilcueta que foi um missionário Jesuíta.

 

Resultado de imagem para Padre Juan de Mariana
Padre Juan de Mariana

6° O efeito profundamente distorcivo que a inflação tem sobre a economia real foi muito bem trabalhado pelo Padre Juan de Mariana, e também por Diego de Covarrubias e Martin de Azpilcueta.

Luis Saravia de La Calle e Martin de Azpilcueta, fizeram a análise crítica do sistema bancário exercido com reserva fracionária, no sentido de que a utilização em benefício próprio mediante concessão de empréstimos a terceiros, de dinheiro que é depositado à vista nos bancos é ilegítima e implica um pecado grave, doutrina que coincide plenamente com a que foi estabelecida pelos autores clássicos do direito romano, e que surge naturalmente da própria essência, causa e natureza jurídica do contrato de depósito irregular de dinheiro

A descoberta que os depósitos bancários são parte da oferta monetária, foi um trabalho realizado por Luis de Molina e Juan de Lugo, cujo ambos faziam parte da ordem dos Jesuítas.

9° A impossibilidade de organizar a sociedade através de ordens compulsivas, foi mais um dos trabalhos do Padre Juan de Mariana.

10° E sobre a intervenção injustificada no mercado, que com isso constitui uma violação do direito natural, foi tratado também pelo Padre Juan de Mariana.

Portanto, o conceito de economia de livre-mercado que nós conhecemos hoje, só evolui graças aos nossos escolásticos do Século de Ouro espanhol.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.