Rock and roll e satanismo para a juventude!

2

Mick-Jagger_


O rock and roll já exerceu mais atração para a juventude do que hoje em dia, superado que foi por outros sons superlativamente cacofônicos e aberrantes. Entretanto, é fora de dúvida que ele continua a servir de iniciação no capítulo da ilogicidade, do desvario e mesmo do satanismo para uma parcela não desprezível de jovens. Jovens!? Bem, digamos. As bandas de rock vão envelhecendo e não encontram reposição em número suficiente.

Sobretudo os “ídolos” rockeiros já passaram de todas as idades para o exercício de sua profissão, à qual indevidamente chamam “arte”, mas não encontram substitutos à altura. Caso característico é o de Mick Jagger, vocalista dos Rolling Stones, que já foi preso juntamente com uma de suas namoradas por porte de drogas, e andou pelo Brasil envolvendo-se com atrizes ou modelos, pois moralidade não rima bem com rock.

“os primeiros álbuns dos Stones trazem referências explícitas ao diabo, presente nas capas dos discos e nas letras das músicas”. Agora, com 70 anos, Jagger é ainda o que a propaganda tem de melhor a oferecer nessa matéria. O mais grave, porém, na carreira desse “astro” – como do rock em geral – consistiu na divulgação prática do satanismo em matéria de música e arte.

Uma biografia recente de Mick Jagger, escrita pelo jornalista Philip Norman, trata longamente de seus desvarios em matéria de sexo e drogas. Baseamo-nos na recensão publicada pelo jornal “O Estado de S. Paulo” (20-10-12).

*        *        *

Trata-se de “um superstar arrogante, sovina, narcisista e predador, enfim um Casanova pouco preocupado com suas presas sexuais, aí incluídos mulheres e homens”. O biógrafo fala da “atração sexual do primeiro empresário dos Stones, Andrew Oldham, por Jagger”. Oldham “trabalhou com Mary Quant, a inventora da minissaia”.

Uma das namoradas do vocalista, Marianne Faithfull, “teria muito a dizer, especialmente sobre a adesão de Jagger ao satanismo”. O demônio teve grande papel na vida de Jagger, pois seu biógrafo não só “culpa Satã por todo o mal que perseguiu os amigos de Jagger e os coadjuvantes de seus filmes”, como “reprisa a velha história do cantor de blues Robert Johnson, que teria feito um pacto com o demônio para obter sucesso”.

RockInfluenciado pela obra Mestre e Margarida do russo Mikhail Bulgákov, Jagger compôs a música Sympathy for de Devil (Simpatia pelo diabo). “Em síntese, Bulgákov fala que o grande triunfo de Satã foi o de colocar Pôncio Pilatos no caminho de Jesus, recusando salvá-lo da Cruz. Jagger atualiza o baile organizado pelo diabo, no livro do russo, e fala de algumas celebridades históricas que herdaram o bastão de Pilatos: Hitler é o protagonista da canção de Jagger, mas há lugar para os bolcheviques que mataram a família real […] Jagger queria transpor oMestre e Margarida para as telas. Ele, naturalmente, faria o papel de Satã”.

O vocalista “passou a se interessar muito por satanismo e magia negra, especialmente pela obra do bruxo Aleister Crowley […]. Uma das namoradas de Jagger, a atriz alemã Anita Pallenberg, era bruxa […]. Ele aceitou atuar num filme maldito de Kenneth Anger, Lúcifer Rising (A ascensão de Lúcifer)” […].

Tais são os modelos que certa mídia apresenta para a juventude!

2 COMENTÁRIOS

  1. Eu costumava a jogar vídeo game à ouvir rock ou metal que é um rock pior. Foi a minha irmã que me levou para o mundo do rock ou metal. Rock e metal são bons, se possível, para despertar o interesse por religião, como foi o meu caso. E é ruim porque mata a alma, leva à lugares sombrios e à pessoas más que não tem nada de ingênuas se são Satânicas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.